Para além do magnético vulcão Teide, o ponto mais alto de Espanha, e das praias quentes do sul, onde o Inverno nunca chega e que atraem milhares de turistas, a ilha de Tenerife tem muito para oferecer.

Em Tenerife encontrará um mar de nuvens, um mar de ondas ou um mar de gente, dependendo do que quiser fazer, pois existem planos para todos os gostos e tipos de viagem: mais aventureiros na densa floresta laurissilva de Anaga ou tocando o cume de Espanha, mais relaxados numa enorme praia ou numa enseada isolada, mais culturais nas suas bonitas aldeias, ou mais divertidos na vida noturna.

Neste guia dizemos-lhe tudo o que precisa para explorar Tenerife por sua conta: o que visitar e fazer na ilha, roteiros de 3, 5 e 7 dias, como chegar, como se deslocar, onde ficar e até onde a que restaurantes ir.

Teide e o mar de nuvens ao pôr-do-sol

Se não tiver muito tempo, salte diretamente para a secção de roteiros onde sugerimos o que pode fazer num fim-de-semana (ou mais dias) à volta da ilha.

Conteúdos

Informação práctica para visitar Tenerife

Tenerife é a maior ilha do arquipélago das Canárias e a mais densamente povoada, mas ainda é possível desfrutá-la com poucas pessoas, mesmo no pico do Verão, se soubermos onde procurar. Alberga o ponto mais alto do território espanhol, o cume do vulcão Teide a 3715 metros, conhecido como “o telhado de Espanha” e o que o rodeia, o seu imponente Parque Nacional, o maior e mais antigo de todo o arquipélago. Além disso, Tenerife esconde trilhos biodiversificados, praias para todos os gostos e aldeias que oferecem autênticas lições de história em cada passo.

Moeda: Euro

Idioma: espanhol

População: 978.000 (em 2022)

Orçamento diário: A partir de 70 euros/dia por pessoa (aprox.) para uma viagem de uma semana. Mais informações sobre o orçamento aqui.

Clima: Ameno todo o ano, mas aconselhável entre Maio e Outubro, para desfrutar das praias com boas temperaturas (saiba mais sobre quando ir aqui).

Onde Ficar: Dada a dimensão da ilha, a melhor zona dependerá das sus prioridades e do seu roteiro. Se procura bom tempo e dias de relax na praia, o lugar ideal para ficar é no sul da ilha na Costa Adeje, Los Cristianos ou mesmo com vista para as impressionantes falésias de Los Gigantes. Se preferir estar perto de muitas das atrações de Tenerife, no norte pode ficar na bela cidade colonial de La Laguna, no primeiro destino turístico da ilha, Puerto de la Cruz, ou mesmo na capital, Santa Cruz. Contamos-he tudo sobre isto e recomendamos-lhe sítios específicos onde ficar aqui.

Duração (nº Dias): No mínimo um fim-de-semana, mas se puder ficar durante uma semana, não se vai arrepender. Recomendamos-lhe roteiros diferentes de 2 dias a uma semana à volta da ilha.

Voos: Com companhias aéreas de baixo custo, como a Vueling (voos diretos de Lisboa) e a Ryanair (voos diretos do Porto), pode encontrar voos a partir de 100 euros por pessoa, ida e volta. Para encontrar o melhor preço, o ideal é que use websites de comparação de voos como Skyscanner e Kiwi e que seja flexível com as suas datas. Dizemos-lhe tudo o que precisa de saber sobre a melhor forma de chegar a Tenerife aqui.

Transporte: A melhor opção é alugar um carro. Mais informações aqui. Há linhas de autocarro que ligam os diferentes pontos da ilha mas os horários são muito limitados e não é uma opção que possamos recomendar se quiser aproveitar ao máximo o seu tempo na ilha de Tenerife.

Fuso horário: UTC +1. A hora em Tenerife e nas Ilhas Canárias é a mesma que em Portugal continental.

El Médano ao pôr-do-sol

Quando ir a Tenerife: os melhores meses para visitar a ilha

A ilha de Tenerife tem um clima ameno durante todo o ano, sempre alguns graus mais quente e solarengo no sul da ilha, o que significa que em qualquer altura do ano é agradável passear pela ilha. Não é por acaso que é conhecida como “a ilha da primavera eterna”.

A orografia da ilha faz com que haja uma multidão de microclimas: no sul o tempo é quase sempre ensolarado e claro, enquanto que no norte é mais instável. Os ventos alísios fazem com que o norte, especialmente nos meses de verão, se encha de nuvens que são empurradas para o Monte Teide (conhecido como “panza de burra”), o que significa que nessa altura é difícil encontrar dias claros nesta área (em contraste, o sol brilha no sul).

Para desfrutar de um mergulho nas suas praias, a altura ideal para visitar é de Abril a Outubro. Na primavera-verão as temperaturas situam-se entre os 16º e os 29º, enquanto no outono-inverno se situam entre os 15º e os 22º.

As estações turísticas de pico são os carnavais (Fev-Março), a semana da Páscoa (Março-Abril) nos meses de Inverno (Dez-Fev) e os meses de Verão (Julho e Agosto).

Na nossa opinião, a melhor altura para visitar Tenerife é em Abril, Maio, Setembro e Outubro, quando o tempo está mais quente mas há menos turistas (e portanto menos multidões e preços mais acessíveis para alojamento e outros serviços). Contudo, se quiser coincidir com a maior festa da ilha, todos os meses de Fevereiro tem lugar o Carnaval de Santa Cruz de Tenerife, um evento único nas Ilhas Canárias, declarado de Interesse Turístico Internacional. Poderá encontrar todas as informações sobre o evento neste website.

Olá Masca!

Se gosta de jazz e visita a ilha no Verão, não perca o Canarias Jazz, um festival que se realiza normalmente entre o final de Junho e meados de Julho com espetáculos de jazz por todo o arquipélago.

Como chegar a Tenerife

A forma mais rápida de chegar a Tenerife é de avião. Há voos directos de Lisboa e do Porto assim como de outros destinos europeus, com preços muito competitivos graças às companhias aéreas de baixo custo, como a Vueling (De Lisboa) e a Ryanair (do Porto). Recomendamos que seja flexível com as suas datas e utilize comparadores de preços como o Skyscanner e o Kiwi.com para encontrar o que melhor lhe convier. Também pode voar entre ilhas com Binter (mais caro) ou Canaryfly (mais barato).

Tenerife tem dois aeroportos: Tenerife Norte e Tenerife Sul. As companhias aéreas de baixo custo geralmente voam para Tenerife Sul, e os voos inter-ilhas geralmente partem de Tenerife Norte, por isso tenha isto em mente, dependendo do seu roteiro.

Viagem aleatória entrando num voo de Mosca Canária

A forma mais sustentável de chegar a Tenerife é por barco. Fazer a travessia entre Huelva e Tenerife é também ideal se estiver a viajar com o seu próprio veículo (a sua autocaravana, por exemplo) ou se quiser viajar com o seu animal de estimação e não quiser que ele vá para o porão. Demorará mais tempo (31h aprox.) mas é uma aventura em si mesma com decks para relaxar, restaurante self-service e bar. Neste artigo contamos-lhe a nossa experiência a bordo da Marie Curie operada por Fred. Olsen Express e Baleària, caso o deseje fazer.

Pode ir de barco de Tenerife para o continente na travessia para Huelva.

Se estiver interessado em explorar outras ilhas, também pode faze-lo por barco. Foi assim que o fizemos para chegar à ilha vizinha de La Gomera e já o tínhamos feito para chegar a Gran Canaria a partir de Fuerteventura. No entanto, tenha cuidado com o carro alugado, tem de pedir à empresa para que o possa deslocar entre ilhas (quando fomos, a única empresa que o permitiu foi a Cicar).

No navio de La Gomera de volta a Tenerife

Quantos dias passar em Tenerife

Tenerife é a maior das Ilhas Canárias, e há muito para visitar e fazer mas a ilha também brinda a opção de dias de relax e praia sem fazer muito: a escolha é sua. Se quiser ver um pouco de tudo, precisará de pelo menos uma semana.

Se tiver menos tempo (um fim-de-semana de 2-3 dias ou um fim-de-semana longo de 4-5 dias) terá de descartar alguns lugares e escolher aqueles que mais lhe interessam.

O que visitar e fazer em em Tenerife

Aqui deixamos um resumo dos locais de interesse a visitar em Tenerife, e abaixo tem o mapa e informações específicas sobre cada local.

O que ver e fazer em Tenerife

  • Centro de Tenerife: O Teide e o seu Parque Nacional
    • Como chegar ao vulcão Teide
    • Miradouros onde pode (e deve) parar para contemplar as vistas
    • Como subir o Teide: de teleférico, a pé ou ambos
    • Observatório para aprender e ver as estrelas
  • Tenerife Sul: Praias e Aldeias
    • Los Gigantes
    • Costa Adeje, La Caleta, Las Américas, Los Cristianos
    • Arona e Vilaflor
    • Montaña Amarilla
    • El Médano
    • Arco de Tajao
    • Punta de Abona e Granadilla de Abona
  • Norte de Tenerife: Verde que te quiero Verde
    • Caminho de Anaga e El Pijaral através da floresta laurissilva
    • La Laguna
    • Santa Cruz
    • Las Teresitas
    • Puerto de la Cruz
    • La Orotava
    • Icod de los Vinos e o Drago Milenario
    • Punta de Teno
    • Masca
    • Santiago del Teide

Mapa de Tenerife

Aqui está um mapa Google Maps com todos os locais a ver em Tenerife incluídos neste guia, para que o possa levar consigo no seu smartphone durante a sua viagem.

Deixamos-lhe também um mapa útil e atualizado com as estradas e alguns dos pontos de interesse em Tenerife, feito por Cicar, que pode vir a ser útil na sua viagem. Pode descarregá-lo em alta resolução, clicando na imagem.

Centro de Tenerife: o Teide e o seu Parque Nacional

O vulcão Teide com os seus 3.715 metros é o ponto mais alto do território espanhol e o terceiro vulcão mais alto do mundo, a partir do fundo do oceano (não a partir do nível do mar). Toda a área circundante, o Parque Nacional do Teide, é Património Mundial da UNESCO, o mais antigo e maior dos parques nacionais das Ilhas Canárias e um local de visita obrigatória com muito para explorar. Há muito para ver no Parque Nacional e nesta secção damos-lhe um resumo do que não deve perder, mas se quiser saber toda a informação, pode encontrá-la no nosso Guia do Teide e do seu Parque Nacional.

Como chegar ao Teide e ao seu Parque Nacional?

O acesso ao Parque Nacional do Teide é gratuito e pode ser feito a partir de La Orotava (norte) ou Vilaflor (sul) ao longo da estrada TF-21; de La Laguna (este) ao longo da estrada TF-24 ou La Esperanza; ou de Chío (oeste) ao longo das estradas TF-38 ou TF-563.

  • A nossa opção favorita é tomar a estrada TF-24, também conhecida como a estrada da Esperança, porque ao longo desta estrada pode parar em diferentes miradouros antes de entrar, como já dentro do parque nacional (Spoiler: o miradouro de Chipeque, um dos nossos lugares preferidos na ilha para ver o pôr-do-sol, está localizado nesta estrada) e também nesta rota, está o observatório astronómico do parque. A partir de Santa Cruz (ou de San Cristobal de La Laguna) leva cerca de uma hora e meia.
  • De Puerto de la Cruz (ou de La Orotava) chega-se ao parque nacional a partir da estrada TF-21, que também tem uma mão-cheia de miradouros impressionantes. Leva-se 1 hora desde Puerto de la Cruz até ao teleférico para se chegar ao Teide. É também nesta estrada que se encontra o parque de estacionamento Montaña Blanca, onde começa o caminho oficial para o cume do vulcão Teide. Por curiosidade, este caminho sobe através de um denso pinhal. Se vier por esta estrada, antes de entrar no parque nacional, faça uma paragem no miradouro de la Bermeja,
  • Do oeste da ilha através da TF-38 ou da TF-563, demora cerca de 1 hora, e verá paisagens que parecem ser de outro planeta e pontos como a paisagem lunar em Vilaflor.

Miradouros no Parque Nacional do Teide: onde parar para contemplar a paisagem

O Parque Nacional do Teide tem vários miradouros onde pode (e deve) parar para contemplar as vistas: 23 miradouros dentro do parque nacional e 3 miradouros que pode alcançar a partir do topo da estação de teleféricos de Teide. Além disso, o parque tem também 41 percursos pedestres para desfrutar destas magníficas paisagens.

Na nossa opinião, se tiver tempo, estes merecem uma paragem:

O miradouro de La Ruleta sobre o Roques de García, a famosa imagem das notas de mil-peseta.
  • Miradouro de los Azulejos (TF-21): onde é possível observar uma obra de arte da natureza com uma cor verde marcante (a sua cor vem de um complexo processo de solidificação dos fluidos hidrotermais expelidos pelo vulcão e que a erosão ao longo de milhares de anos deixou a descoberto).
  • Llano de Ucanca (TF-21): uma das vistas panorâmicas mais procuradas, especialmente no Inverno, quando Teide está coberto de neve.
  • Miradouro del Zapato de la Reina (TF-21): aparentemente, a pedra em frente a este miradouro assemelha-se a um sapato de salto alto (na nossa opinião, é preciso estar num dia criativo para o ver). E você, que é que vê?
  • Miradouro do Boca Tauce (TF-21): virado para a face sul do vulcão do Pico Viejo, o segundo vulcão mais alto da ilha (3100 metros), este miradouro situa-se no final dos grandes fluxos de lava vulcânica da última erupção no interior do Parque Nacional, em 1798.
  • Miradouro Las Narices del Teide ( TF-38): o seu nome vem do par de buracos que podem ser vistos na lava que se assemelham a duas narinas, embora sejam realmente duas saídas para a lava. Se tiver a sorte de ter um dia claro quando for a este miradouro, poderá ver a ilha vizinha de La Gomera e, com muita sorte, até as ilhas de La Palma e El Hierro.
  • Miradouro de Samara (TF-38): no miradouro da montanha Samara tem inicio uma rota de caminhadas de contrastes entre a lava negra e o verde do resiliente pinheiro canário com várias formações vulcânicas (e até bombas vulcânicas!) ao longo do caminho (mais informações sobre a rota aqui).
Miradouro de Samara entre os pinheiros das Ilhas Canárias e o Teide coberto de neve

Continuando ao longo da estrada TF-38 e agora fora do parque nacional chegamos ao Caminho del Volcán Chinyero, o último vulcão a entrar em erupção em Tenerife, em 1909 (recorde-se que o último vulcão a entrar em erupção dentro do Parque Nacional do Teide foi o Pico Viejo). É uma rota circular, curta e praticamente plana que circunda o Chinyero, pode encontrar mais informações sobre esta rota aqui.

Sugerimos que, já fora do parque nacional, não se esqueça de parar nos seguintes miradouros, se for pela estrada TF-24, a nossa favorita:

  • Miradouro de Montaña Grande (TF-24) e a vista panorâmica de Santa Cruz de Tenerife e La Laguna.
  • Miradouro Ortuño (TF-24) e a vista panorâmica do Monte Teide e do seu mar de nuvens (com sorte e um dia claro pode até ver a ilha vizinha de La Palma).
  • Miradouro Chipeque (TF-24): o nosso favorito. Se puder, reserve este miradouro para o pôr-do-sol, porque num dia claro, ele provavelmente lhe oferecerá o melhor pôr-do-sol da sua viagem à volta da ilha, com o sol a esconder-se no mar de nuvens e o Teide como testemunha.
  • Miradouro La Crucita (TF-24) e a sua paisagem pontilhada de pinheiros das Ilhas Canárias (se tiver sorte, poderá ver a Gran Canaria em segundo plano).
Pôr-do-sol no miradouro de Chipeque

Se, além de contemplar a jóia da ilha de baixo, quiser vê-la de cima, a secção seguinte diz-lhe como.

Randomtip: Lembre-se, se fizer a subida ao cume do Monte Teide a pé, com uma pernoita (aqui dizemos-lhe como), começará o percurso da caminhada à tarde, para que possa aproveitar e visitar alguns destes miradouros de manhã.

Como subir o pico do Teide, o ponto mais alto de Espanha: de teleférico, a pé ou ambos

No nosso Guia do Teide fornecemos-lhe toda a informação de que necessita sobre as diferentes possibilidades para subir ao Pico del Teide:

No Randomtrip fizemos duas opções diferentes em dois anos diferentes (subimos e descemos de teleférico numa primeira vez e subimos ao cume caminhando em duas etapas com pernoita e descemos de teleférico, numa segunda vez) e escrevemos este guia com tudo o que precisa de saber para subir ao Teide do modo que melhor lhe convier.

Subimos até aqui! Até ao ponto mais alto do país!

Importante: Quer chegue ao cume a partir de 3555 metros da estação de teleféricos La Rambleta ou se chegue ao cume a pé (depois das 9:00 da manhã) deve pedir autorização para subir ao cume, com antecedência. Se fizer a rota das caminhadas com pernoita no Refugio Altavista, subir até à cratera para ver o nascer do sol e deixar o caminho número 10/Telesforo Bravo antes das 9:00 da manhã (como a maioria das pessoas que escolheram a opção da rota das caminhadas), não precisa de pedir autorização, basta reservar o seu lugar no Refugio Altavista.

Não sabemos se há um galego na lua, mas no pico do Teide, de certeza!

Observatório Teide

É apaixonado pela astronomia e por investigar algumas das maiores questões da astrofísica? Então não perca a visita guiada ao Observatório de Teide, aos 2390 metros, onde, além de aprender, desfrutará de incríveis vistas panorâmicas do vulcão. Poderá ver como funciona o Observatório de Teide durante o dia, aprender sobre os diferentes telescópios solares e noturnos, no Centro de Visitantes, bem como os vários laboratórios. Aprenderá também sobre a história deste importante centro de investigação, considerado um dos melhores do mundo na sua área, juntamente com o Roque de los Muchachos na ilha de La Palma, que visitámos em 2022.

Reserve aqui o seu bilhete com visita guiada ao Observatório de Teide

Além disso, como Teide e os cumes de Tenerife têm certificação Starlight, o que os credencia como um lugar privilegiado para o Stargazing, não perca a atividade Stargazing em Teide ou, se preferir algo mais aventureiro, uma Rota de Caminhada Noturna através das Cañadas del Teide para contemplar o espetacular manto estrelado.

Pode reservar aqui a sua Visita Guiada ao Observatório; reservar a Observação de Estrelas no Teide ou reservar a Caminhada Noturna nas Cañadas del Teide.

Olá Teide!

Sul de Tenerife: praias e aldeias

Los Gigantes

Uma das mais belas paisagens da ilha são as gigantescas falésias de rocha vulcânica que podem atingir até 600 metros acima do nível do mar, Los Gigantes!

A paisagem de lava solidificada é tão esmagadora que não é surpreendente que os Guanches, os primeiros colonos da ilha, acreditassem que estes penhascos íngremes marcaram o fim do mundo e, por isso, referiam-se a eles como o “muro do inferno”.

Um dos melhores lugares para os ver é deste miradouro e, depois, porque não beber um copo a apreciar a paisagem? No Randomtrip desfrutámos de um bom almoço com amigos em frente à Marina de Los Gigantes.

Se, além de apreciar os Gigantes a partir de terra, quiser fazê-lo a partir do mar, tem duas opções: ir a Playa de los Guios e observá-los enquanto dá um mergulho ou, numa viagem de barco onde também pode ver golfinhos!

Esta área é também muito popular entre os entusiastas do mergulho, uma vez que o seu fundo marinho (cerca de 30m no máximo) esconde uma grande biodiversidade. Dizemos-lhe mais na nossa secção Onde Mergulhar em Tenerife.

Marque a sua viagem de 5 horas de catamaran por Los Gigantes com a oportunidade de ver golfinhos na natureza aqui! Se preferir algo mais curto, tem esta viagem de 2 horas a partir de Los Cristianos.

Para além da praia, encontrará também as piscinas naturais de Puerto de Santiago. Também muito perto de Los Gigantes encontra-se o núcleo da Playa de San Juan e a bela Playa de Alcalá, ideal para ver o pôr-do-sol com vista para La Gomera em dias claros.

Também pode apreciar as vistas de Los Gigantes do miradouro do Arquipenque.

Foi em Los Gigantes que ficámos na nossa primeira viagem à ilha. Conseguem imaginar ficar com vista para estas impressionantes falésias? Veja a Vista Azul , um apartamento de 1 quarto com vista para o mar e as imponentes falésias de Los Gigantes ou encontre aqui o seu alojamento em Los Gigantes.

La Caleta

Um dos nossos locais favoritos no sul da ilha, em La Caleta de Adeje (e na vizinha Playa Diego Hernandez de que vos falaremos a seguir) ainda é possível sentir a tranquilidade da ilha que vai desaparecendo ao descer a costa (o local turístico mais frenético é Las Americas).

Aqui pode dar um mergulho na praia La Caleta ou, o que mais gostamos, pode entrar diretamente no mar a partir da escadaria que ali se encontra.

Em La Caleta descobrimos um restaurante que adorámos e repetimos, El Mirlo, deliciosas e originais tapas com vista para o mar. Também oferece algumas opções de alojamento (tomámos nota dos apartamentos do La Caleta Sunrises para a nossa próxima viagem a Tenerife).

Praia Diego Hernández

A praia que repetimos cada vez que pomos os pés em Tenerife (e são três viagens à ilha!) é esta enseada turquesa de areia fina escondida entre falésias vulcânicas, Praia Diego Hernández.

Praia Diego Hernandez, o lugar para onde voltamos sempre quando visitamos a ilha.

Não é uma das praias mais conhecidas de Tenerife (embora cada vez mais) nem uma das mais movimentadas, em parte porque para chegar a esta praia é necessário fazer uma caminhada de 10 minutos desde o Golf Costa Adeje (pode estacionar o seu carro na Calle Tajore) ou, um pouco mais longe (como fizemos no Randomtrip), com uma caminhada de 25 minutos desde La Caleta (o caminho começa depois de subir estas escadas).

É um passeio agradável, entre catos de Tenerife, flora endémica e observação de aves marinhas ou migratórias, acessível, embora seja melhor fazê-lo de ténis ou sapatos fechados (a primeira vez que o fizemos, foi em chinelos de dedo e lamentamo-lo, especialmente no caminho para a enseada que envolvia mais adrenalina). Além disso, antes de chegar à própria enseada verá que existem outros locais onde pode mergulhar e estender a toalha, por isso, se não quiser ir mais longe, é outra opção.

Quando chegar à enseada de Diego Hernández, verá que a enseada não é muito grande, pelo que o momento ideal para a visitar é na maré baixa, pois quando a maré está alta, quase não há espaço para estender a sua toalha. Descubra antecipadamente como será a maré, que poderá verificar, por exemplo, neste website.

O nudismo é comum nesta praia e normalmente há uma banda sonora de tambores ao pôr-do-sol (se tiver sorte, num dia claro pode ver o Teide da praia!) por isso leve uma sanduíche, água e um par de cervejas (lembre-se de levar todo o seu lixo consigo) e divirta-se!

Se preferir, esta viagem de catamarã de 3 horas (com bar aberto de cerveja, sangria e refrigerantes) passa pela praia Diego Hernandéz e outras enseadas com diversão entre os mergulhos.

Costa Adeje

Aqui começamos a entrar na parte mais concorrida da costa, ou não fosse Costa Adeje um dos epicentros turísticos do sul da ilha (juntamente com Las Américas e Los Cristianos). É, por esta razão, uma das áreas com mais alojamento disponível e onde encontramos a melhor relação qualidade/preço na nossa última viagem de 3 semanas à ilha.

Encontre o seu alojamento na Costa Adeje, onde o Inverno nunca chega, aqui

Para além de nadar nas suas praias como Playa de Fanabé, Playa de Torviscas, Playa el Bobo ou Playa de La Pinta, Costa Adeje tem um passeio com várias esplanadas onde se pode almoçar, jantar ou beber um copo.

É também na Costa Adeje que se situa o Porto Colón, de onde partem os barcos de observação de baleias: há viagens de 3 horas ou mais, 5 horas incluindo almoço e bar aberto a bordo. Se preferir fazer uma viagem de barco à vela, há também viagens de 3 horas de observação de baleias que partem também do Porto Colón.

Costa Adeje e La Gomera como pano de fundo

Se preferir afastar-se das multidões, de apartamentos turísticos e hotéis, e entrar em contacto com a natureza, é possível e, além disso, bastante próximo, na ravina Barranco del Infierno. Este é um trilho fácil na Reserva Natural Especial Barranco del Infierno, no município de Adeje, que leva cerca de 3 horas para ser completado (6,5 km ida e volta). O trilho é pontilhado de miradouros com vistas magníficas e termina com uma pequena queda de água. O acesso é restrito a 300 pessoas por dia, pelo que é aconselhável reservar com antecedência (horário de abertura e bilhetes de entrada neste website).

Na Costa Adeje há muita oferta de alojamento, desde hotéis com tudo incluído, até apartamentos e albergues. Veja La Maison du Surfeur e La Tortuga Hostal ou, para algo mais especial, o SeaView Costa Adeje . Mais hotéis e apartamentos em Costa Adeje aqui.

Las Américas: praia e vida noturna

E chegamos à zona onde o turismo frenético e a vida noturna se apoderou da maior parte de toda a costa: Las Américas. Aqui, a música das discotecas sobrepõe-se à banda sonora do mar, as luzes de néon ofuscam as cores do pôr-do-sol ou do cintilar das estrelas e os gritos, risos e tropeços dos turistas com algumas cervejas a mais são uma constante. Se procura uma noite de festa, avisamos que em frente ao centro comercial Veronicas há uma tal concentração de pessoas e festas que se formam filas na rua e nas entradas dos vários clubes e discotecas.

Admitimos, foi a área que menos gostamos de toda a ilha, por isso não podemos recomendar muito porque quase não passamos aqui tempo nenhum (tentámos ir beber um copo ao Papagayo Beach Club, em frente ao mar, mas havia uma fila enorme por isso desistimos) mas os restaurantes, bares e clubes têm menus (e preços) para todos os orçamentos.

Existem várias praias por aqui, sendo Playa del Camisón uma das mais calmas, tanto na água (mar calmo abrigado das ondas por duas paredes marítimas) como fora da água (mais frequentada pelas famílias do que Playa de las Américas).

O apartamento de 2 quartos Veronicas tem varanda e está localizado muito perto da vida noturna de Las Américas, ideal para aqueles que querem festejar na ilha. Mais acomodações em Playa de las Americas aqui

Los Cristianos

Embora também faça parte do mesmo núcleo que alberga a agitada Playa de las Américas, a Playa de los Cristianos é um pouco mais calma. A partir do cais dos pescadores em Los Cristianos pode fazer viagens de catamarã para observar baleias (20 euros durante 2 horas) ou excursões diárias à ilha vizinha de La Gomera. Se nunca mergulhou antes, e gostaria de o experimentar, pode fazê-lo aqui com um batismo de mergulho.

La Gomera do sul de Tenerife ao pôr-do-sol

Reserve aqui a sua viagem de 2 horas de catamarã de Los Cristianos (20 euros/pessoa), o seu batismo de mergulho ou a sua ida e volta a La Gomera.

Em Los Cristianos, mais calmo que em Las Americas, também pode encontrar várias opções de alojamento, tais como o moderno apartamento Los Cristianos Center , um apartamento de 1 quarto com vista para o mar e montanha. Mais opções em Los Cristianos aqui.

Arona

O centro histórico de Arona é de interesse cultural , não só os edifícios emblemáticos desta pequena cidade nos surpreenderam, mas também a arte urbana nas suas ruas bem conservadas. Embora Arona esteja localizada no mesmo município que os movimentados centros turísticos anteriormente mencionados, aqui os decibéis descem e a calma sobe juntamente com a altitude.

A Praça de Cristo é o coração da aldeia onde os habitantes se reúnem e as festividades se realizam. Nesta praça pode-se ver a varanda de chá, tipicamente canária e a igreja de San Antonio Abad.

Fomos também à Casa La Bodega, um edifício histórico do século XVIII-XIX, um exemplo da arquitetura tradicional canária, conhecido como a “Bodega de los Tavio” para fazer e armazenar o vinho da família. Atualmente, existe uma exposição para nos mostrar as explorações agrícolas tradicionais das Ilhas Canárias.

Nas proximidades, na estrada principal, comemos no restaurante El Chamo, um restaurante tradicional canário.

Queijo frito com mojo no El Chamo.

Vilaflor de Chasna

Nas terras altas do sul da ilha, a uma altitude de 1400 metros, Vilaflor está rodeada de pinheiros e árvores centenárias e, aqueles de nós que aqui vêm, é provavelmente por causa do famoso Pino Gordo ( representado no brasão de Vilaflor) ou do pinheiro de las Dos Pernadas, considerados os mais altos do país e que estão a apenas 200 metros da aldeia de Vilaflor. Nos arredores é também possível seguir alguns trilhos como o trilho PR-TF 72, um trilho circular de 13 km ao longo do Caminho Real de Chasna, a antiga via de comunicação entre o norte e o sul de Tenerife, através da qual se passará por autênticas paisagens lunares.

Vilaflor é também conhecido como o local de nascimento do primeiro santo canário e é o lar do Santuário de Santo Hermano Pedro, um templo mítico de peregrinação dedicado a São Pedro de São José Betancur, fundador da ordem dos Betlemitas.

Também recomendamos que desfrute das vistas do Miradouro de la Cruz

Montaña Amarilla

A praia de Montaña Amarilla é uma praia de águas cristalinas ao pé do vulcão Montaña Amarilla, chamada Monumento Natural pela sua beleza, uma autêntica obra de arte da natureza esculpida ao longo dos anos pelo vento e pelo mar.

Devido às suas águas biodiversificadas com boa visibilidade, é um local popular para snorkelling e mergulho submarino, por isso traga óculos de mergulho se aqui vier.

Atenção, é uma praia de rochas e pedras, menos confortável, mas tem uma área onde pode estender a sua toalha e deitar-se ao sol e tem escadas que conduzem diretamente ao mar. Não é uma praia vigiada por nadador-salvador e não tem serviços, mas tem um bar de praia e muitos mais na aldeia seguinte, Costa del Silencio.

Se, para além de relaxar na praia e dos banhos de sol e de mar, quiser fazer um pouco de exercício, este caminho circular percorre a cratera do vulcão Montaña Amarilla.

Entre as Praias de Montaña Amarilla e El Médano (de que vos falaremos a seguir), nesta costa, encontrará a piscina natural La Mareta. Não chegámos a ir, mas disseram-nos que é uma piscina com águas incrivelmente transparentes e é altamente recomendada. Também nesta costa encontra-se a Playa de La Tejita, uma longa praia arenosa.

El Médano

Uma das mais belas praias da ilha, a praia El Médano de areia fina cinzenta é dominada pelo cone vulcânico Montaña Roja e pelo vento, o que significa que o céu está (quase sempre) pontilhado de kitesurfers e windsurfers.

Para além de ser uma praia muito procurada pelos amantes destes desportos aquáticos (campeonatos de Windsurf e Kitesurf são frequentemente realizados aqui), é também uma praia muito frequentada por quem procura um mergulho ou para terminar o dia com um belo pôr-do-sol.

A praia mais próxima da aldeia é mais calma (menos ondas) e à medida que se vai mais longe encontrará mais kite e windsurfistas, pelo que, dependendo do que procura, saberá para onde ir.

Arco de Tajao

Se gosta de obras de arte esculpidas pela natureza, vai querer visitar os Penhascos de San Miguel de Tajao e, mais especificamente, o Arco de Tajao na Ravina de Vijigua.

É uma formação rochosa de origem vulcânica que a erosão e os anos têm esculpido e que é altamente fotogénica.

Para chegar ao Arco de Tajao, estacionámos o carro aqui e depois percorremos um caminho fácil que começa aqui.

Lembre-se que um grande afluxo de pessoas pode ter um impacto negativo nesta maravilha natural, por isso, como sempre, se visitar, seja responsável: não suba ao arco, não deixe lixo, não pinte nas paredes, evite tocar nas formações e por respeito ao resto das pessoas que visitam o local, não faça barulho ou “monopolize” o local com as suas fotografias.

Punta de Abona: praias, um farol e um “leprosário” abandonado

Aproximámo-nos da aldeia de Abades, na costa de Arico, com curiosidade pelo Leprosário abandonado e a história que o rodeia. A construção do Sanatório de Abona (com mais de 40 edifícios) data dos anos 40, em meados do pós-guerra, sendo um projeto franquista que nunca serviu o seu propósito e foi abandonado antes mesmo de receber quaisquer doentes de lepra. Os seus quase 900.000 metros quadrados de terreno foram mais tarde utilizados nos anos 70 como acantonamento militar para a prática de tiroteio da Falange (partido político de ideologia fascista), e mais recentemente, em 2002, o Ministério da Defesa vendeu o terreno a um promotor privado, para a construção de um complexo turístico. A obra foi interrompida pouco depois pela Lei da Moratória Turística e permanece, até hoje, abandonada cujo silêncio sepulcral é interrompido apenas por uma ou outra rave ocasional, algum rally ou até alguma gravação de filmes ou séries. Foi aqui gravada a série espanhola do canal Antena 3 “Las Noches de Tefía“, sobre o campo de concentração franquista que existia na vizinha ilha canária de Fuerteventura, sob o nome de Colonia Agrícola Penitenciaria de Tefía, para onde o regime enviou homossexuais condenados pela Ley de Vagos y Maleantes (Lei de Vagabundos e Maleantes) entre 1954 e 1966. Uma série que retrata e relembra um dos (muitos) episódios de horror da ditadura fascista, filmado num dos projetos fracassados dessa ditadura.

Nas proximidades encontra-se a Playa de los Abriguitos, também conhecida como Playa de Abades, uma praia de areia escura onde o mar é normalmente calmo, apesar de estar numa zona ventosa. É também um local popular para os entusiastas do mergulho.

Se percorrer a costa até chegar a Faro de Abona encontrará mais enseadas onde poderá dar um mergulho em paz e sossego, tais como a Playa Cueva de la Arena.

Granadilla de Abona e o primeiro observatório de alta montanha do Mundo

Aproximamo-nos da cidade histórica de Granadilla de Abona, outorga concedida por ter sido o último reduto de resistência à conquista das Ilhas Canárias e por ter acolhido a visita da frota de Fernão de Magalhães na sua primeira viagem à volta do mundo.

Chegada à Plaza Gonzalez Mena, o coração de Granadilla

No nosso passeio pelas ruas estreitas e coloridas descobrimos, graças a um painel explicativo, que Granadilla de Abona foi também consagrada como o primeiro município Starlight do mundo! Acontece que no cume da montanha Guajara, a 2717 metros (o segundo pico mais alto da ilha), estão os restos do primeiro observatório astronómico de alta montanha do mundo, instalado em 1856 pelo astrónomo escocês Sir Charles Piazzi Smyth, ajudado pelos experientes tropeiros do Caminho de Chasna.

Esta rota Starlight é um trilho (difícil, íngreme) que é proposto no município e que recomendamos para uma futura visita com tempo e aventura (mais informações sobre a rota aqui). A rota começa no Caserio de las Vegas e segue os PR-TF 83.1 e GR-131, caminhos antigos, utilizados desde a época pré-hispânica até ao século XX, para transportar gado da costa para o cume e para a troca de produtos entre o norte e o sul da ilha. Os painéis explicativos com que se deparará aproximá-lo-ão do passado e da relação dos antigos habitantes com a observação estelar.

Durante o dia, o percurso oferece vistas panorâmicas deslumbrantes do Pico del Teide, Pico Viejo, Siete Cañadas e uma grande diversidade de formações vulcânicas e flora endémica, mas a melhor parte vem quando o sol se põe: a sua atmosfera clara é ideal para observar o céu e as estrelas.

Norte de Tenerife: verde que te quiero verde

Parque Rural Anaga

Para entrar na natureza mais verde e mais biodiversa da ilha, coloque os seus ténis, respire fundo e reserve um dia, ou pelo menos uma manhã, para explorar o Parque Rural Anaga. Este maciço montanhoso coberto de florestas de loureiro, com picos irregulares e barrancos que deslizam para o mar, foi declarado Reserva da Biosfera.

Nos seus mais de 14.500 hectares que atravessam a parte nordeste da ilha ao longo de três municípios (La Laguna, Santa Cruz de Tenerife e Tegueste), Anaga esconde vários miradouros e vários trilhos de caminhada para entrar na sua floresta mágica de laurisilva.

percursos pedestres que não requerem uma autorização específica (como o popular e curto Caminho de los Sentidos, que demora menos de 1 hora, ou o percurso de 2 horas do Bosque de los Enigmas ) e percursos que requerem autorização prévia porque são áreas totalmente protegidas com um limite de capacidade (como o percurso de quase 3 horas através da Reserva de Pijaral que escolhemos fazer em Randomtrip). Neste website encontrará todos os trilhos existentes, tanto os trilhos curtos que não requerem autorização como os trilhos mais longos que requerem autorização prévia. O website também inclui atualizações sobre trilhos que podem estar fechados por razões de manutenção ou outras.

Caminho El Pijaral: a floresta encantada de Anaga

No Randomtrip escolhemos fazer uma rota através da floresta encantada de El Pijaral, uma antiga floresta laurissilva, e recomendamo-la vivamente. Para fazer esta rota necessita de autorização prévia, que pode solicitar neste website. Note que pode reservar com até 15 dias de antecedência (quanto mais cedo a fizer, maior é a probabilidade de conseguir uma reserva) é que o limite de reserva é de 45 visitantes por dia.

Nível de dificuldade Randomtripper: Fácil. O trilho através do El Pijaral é um trilho fácil, circular, com pouca inclinação, de quase 7 km que completamos em quase 3 horas. Começámos às 10h30 e terminámos depois das 13h, incluindo uma paragem para a nossa sanduíche. Mais informações sobre o trilho aqui.

Antes de estacionar e seguir para a exuberante floresta laurissilva na rota de El Pijaral, faça duas paragens ao longo da estrada:

  • Miradouro de La Jardina e as suas vistas sobre a cidade de La Laguna e o pico de Teide, embora no nosso caso o nevoeiro não nos permitisse apreciá-las.
  • Miradouro de Cruz del Carmen: este é o início do Caminho de los Sentidos, ideal se não tiver muito tempo e quiser explorar Anaga durante menos de uma hora. Se tiver sorte e estiver um dia claro, este miradouro dar-lhe-á uma vista incrível sobre o Teide.

Depois estaciona o carro aqui e a aventura começa!

Antes de embarcar nesta aventura, não se esqueça de levar água consigo e se, como no nosso caso, for hora de almoço, uma sanduíche ou algumas barras energéticas enquanto desfruta das redondezas e das vistas. Lembre-se também que quanto mais cedo se levantar e iniciar o percurso, mais fácil será estacionar e menos pessoas encontrará, por isso já sabe: Anaga ajuda aqueles que se levantam cedo.

O nome da Reserva de Pijaral vem da Pijara, um feto de até 3 metros, que encontrará ao longo do caminho, bem como loureiros, limoeiros, laranjeiras selvagens e todas as árvores que compõem esta floresta encantada. Sentir-se-á como se estivesse num verdadeiro conto de fadas, com duendes e gnomos, entre os cheiros da floresta, o murmúrio de troncos na terra húmida e o verde exuberante que descobrirá atrás de um cobertor de fina neblina.

Para além da floresta Laurissilva, a rota de El Pijaral promete vistas:

  • Roque Anambro: uma imponente formação rochosa, uma antiga chaminé vulcânica, a mais de 800 metros acima do nível do mar.
  • Miradouro de Cabeza de Tejo: vista panorâmica da costa noroeste de Tenerife (tivemos azar porque estava muito nevoeiro) onde vários tentilhões se aproximaram de nós para ver se algum alimento cairia (nunca tente tocar ou alimentar um animal selvagem para evitar interferir com os seus processos naturais e modificar o seu comportamento).
  • Miradouro Bailadero com vista para o vale do Taganana que nos recebeu com tempo claro e ensolarado, por isso decidimos fazer a nossa paragem para um lanche. O Vale do Taganana é rodeado por montanhas imponentes e vulcões extintos que têm sido esculpidos pela natureza ao longo de milhares de anos. Ao pé das montanhas afiadas, várias praias de areia preta fina, ideais para um mergulho depois de completado o trilho.
Taganana: uma das primeiras povoações da ilha

Abundante em água e pastos, o vale do Taganana foi o local escolhido pelos Guanches (antepassados de Tenerife) para uma das primeiras povoações da ilha . Mais tarde, a cana de açúcar e depois os vinhos, especialmente os vinhos de malvasia, tornaram o Taganana famoso, embora até cerca de 40 anos atrás não houvesse estrada para lá, pelo que a única forma de lá chegar era a pé ou por mar.

Hoje pode (e deve) visitar Taganana, o seu património cultural e paisagístico e provar os seus produtos (em Randomtrip comemos na rica e florida Guachinche Bibi y Mana). Se continuar pela mesma estrada, poderá também visitar outros miradouros e aldeias com praias como Roque de las Bodegas, Almáciga e Benijo, que também oferecem surpresas, mergulhos e vistas de cortar a respiração. Falamos-lhe deste último abaixo.

Praia de Benijo e um mergulho bem merecido

Considerada uma das mais belas praias da ilha, Playa Benijo é ideal para descansar os olhos, e os pés no mar, depois de um passeio pelo Parque Rural de Anaga.

A praia selvagem de areia vulcânica negra é uma praia nudista, sem quaisquer serviços ou nadadores-salvadores, com vistas privilegiadas sobre os Roques de Anaga. Caracteriza-se por ondas fortes, por isso não se aventure e seja cauteloso. Se tiver fome aqui, deve saber que há várias opções onde almoçar em Benijo, como El Frontón ou El Mirador (fecham às 17:00h) ou Casa Paca (fecha às 21:00h).

Entre o Parque Rural de Anaga e La Laguna passámos por uma aldeia entre vinhedos que chamou a nossa atenção: Tegueste, um dos municípios por onde passa o Parque Rural (para além de Santa Cruz e La Laguna). Não tivemos tempo de parar, mas esperamos fazê-lo na próxima vez que visitarmos a ilha.

Punta del Hidalgo: praia, piscina e um passeio pela orla marítima

Perto do Parque Rural de Anaga, parámos para ver o pôr-do-sol em Punta del Hidalgo, onde também se pode dar um mergulho na praia ou na piscina. Há aqui um bonito caminho costeiro: o Sendero Litoral Punta de Hidalgo, também conhecido como Camino de la Costa ou San Juanito (porque liga o eremitério do mesmo nome com o bairro de Hoya Baja). É um trilho fácil ao longo de um dos trechos costeiros mais bem conservados da ilha, sem declive, ao pé do maciço de Anaga.

San Cristóbal de La Laguna

La Laguna, como é conhecida localmente, é a segunda maior cidade da ilha e os coloridos edifícios de estilo colonial valeram-lhe o título de Património Mundial da UNESCO .

Esta cidade foi a antiga capital de Tenerife e capital de todo o arquipélago das Canárias até 1833. O seu glorioso passado, berço do Iluminismo e da aristocracia canária durante séculos, ainda é facilmente reconhecível nas suas ruas (muitos edifícios ainda têm as suas fachadas como eram no século XV, quando a sua disposição linear foi criada).

La Laguna, um fim-de-semana em Julho

Está 545 metros acima do nível do mar, por isso é provável que, especialmente se não visitar La Laguna no Verão, aqui esteja bastante frio: traga um casaco quente, “quem o avisa, amigo é”. No Randomtrip visitámo-la pela primeira vez em Julho e pela segunda em Fevereiro e vimos como muda de acordo com a estação (era o lugar mais frio da ilha no Inverno, juntamente com algumas partes do Parque Nacional do Teide). Aparentemente, o seu nome vem de uma lagoa que foi originalmente seca para construir a cidade e é por isso que é tão plana, algo incomum em Tenerife.

Entre os edifícios que não deve perder no seu passeio por La Laguna estão os seguintes:

Se gosta de jazz, o Festival de Jazz das Canárias realiza-se em Julho com vários concertos por todo o arquipélago. No Randomtrip, tivemos a sorte de descobrir que durante a nossa estadia havia um concerto em que estávamos interessados, no Teatro Leal de La Laguna (25 euros/pessoa), por isso nem sequer hesitámos. Se estiver a visitar a ilha no Verão e quiser saber se há um espetáculo que possa interessar-lhe, visite este website.

A viagem de La Laguna até ao Parque Nacional do Teide é uma das nossas rotas preferidas na ilha. A estrada TF-24, também conhecida como a estrada da Esperança, está pontilhada de vários miradouros, ideal para contemplar o majestoso Teide e o seu mar de nuvens, e contamos-lhe quais os nossos miradouros favoritos no nosso Guia do Teide.

Ficámos em La Laguna na nossa segunda viagem à ilha, antes de voarmos para El Hierro, onde passámos 10 dias. Há muita oferta de alojamento e é um local ideal para ficar após um dia de visita turística e vários quilómetros em Tenerife, pois pode estacionar o seu carro, jantar num dos muitos restaurantes e alojar-se por aí. Existem opções mais económicas como o Aguere Nest Hostal ( 23 euros/noite num beliche), o Estudio La Vera (38 euros/noite para um estúdio) ou o Rincón de mi Niña (55 euros/noite para um apartamento de 2 quartos) ou opções mais especiais como o La Laguna Gran Hotel, mesmo no centro, muito perto do Teatro Leal (93 euros/noite para um quarto de luxo com vista para a cidade e uma piscina).

La Laguna Gran Hotel, foto por Booking

Encontre mais alojamento em La Laguna aqui .

Santa Cruz de Tenerife

A capital e principal porto da ilha de Tenerife, Santa Cruz, é a segunda cidade mais povoada das Ilhas Canárias (Las Palmas de Gran Canaria é a mais povoada) e, embora não a consideremos uma cidade essencial a visitar na ilha, especialmente se tiver apenas alguns dias, tem, contudo, alguns lugares muito interessantes que valem a pena visitar se vier à capital.

Monumento ao Chicharro na capital dos Chicharreros e a um dragoeiro, outro símbolo da ilha.

Pontos interessantes a incluir no seu passeio, da Zona Centro a Punta Marangallo, por ordem:

  • Plaza España: nesta emblemática praça do centro, a maior do arquipélago, encontra-se o pequeno Centro de Interpretação subterrâneo com os restos do antigo Castelo de San Cristóbal, que nos aproxima da história da cidade.
  • Plaza de la Candelaria e o seu Obelisco à Virgen de la Candelaria, Padroeira das Ilhas Canárias. Foi nesta praça que foi construída a primeira fonte da cidade e por esta razão foi anteriormente chamada Plaza de la Pila (Fonte), no século XVIII.
  • Igreja de São Francisco de Asís, um dos melhores exemplos da arquitetura barroca nas Ilhas Canárias e uma das igrejas mais ricas do arquipélago em termos de arte sacra.
  • Museu de Belas Artes, entrada gratuita para ver 14 salas com obras de arte do século XVI ao século XX. Terça-feira a sexta-feira das 10:00h às 20:00h; sábados, domingos e feriados das 10:00h às 15:00h.
  • García Sanabria Park ou o pulmão da cidade. Este parque de mais de 67.000 metros quadrados é ideal para fazer uma pausa da cidade e caminhar por um dos caminhos pontilhados de esculturas de grande valor artístico.
  • Casa del Carnaval: considerando a importância do Carnaval de Santa Cruz, não é surpreendente que a capital dedique um espaço à festa mais importante da cidade.
  • Teatro Guimerá: o teatro mais antigo das Ilhas Canárias (1851) com o nome do escritor, poeta e dramaturgo Ángel Guimerá.
  • Iglesia Matriz de Nuestra Señora de la Concepción: conhecida como a “catedral de Tenerife”, foi a primeira igreja católica da ilha.
  • Tenerife Espacio de las Artes (TEA) (2008): Este impressionante edifício abriga o Instituto Óscar Domínguez (a maior coleção do pintor surrealista de Tenerife), o Centro de Fotografia da Ilha de Tenerife (com uma das mais importantes coleções privadas da Europa, a Coleção Ordóñez Falcón) e a biblioteca da Rede das Ilhas. A sua sigla, TEA, refere-se também ao pinheiro das Ilhas Canárias.

Está familiarizado com a palavra“chicharrero“? Embora o gentilicio formal daqueles que vivem no município de Santa Cruz seja santacrucero/a, o uso do apelido “chicharrero/a” tornou-se popular, um apelido que teve origem em La Laguna, de forma depreciativa para os seus vizinhos de Santa Cruz, que tinham o hábito de comer chicharros, um peixe barato de pior qualidade. Atualmente, a alcunha espalhou-se por toda a ilha de Tenerife, e todas as pessoas de Tenerife são conhecidas como “chicharreros/as”.

Existem várias opções de alojamento na capital, desde um quarto no Hotel Adonis Capital até um requintado loft com jacuzzi e vistas para a cidade no Palácio de Daoiz. Encontre o seu alojamento em Santa Cruz aqui.

Las Teresitas: Praia e miradouro

A poucos quilómetros da capital está a Playa de las Teresitas, uma das praias mais conhecidas da ilha. Recomendamos que a veja de cima, do Miradouro de la Playa de las Teresitas, antes ou depois de um mergulho no mar.

Na realidade, esta praia é uma praia artificial, criada para agradar aos gostos turísticos e familiares com todo o tipo de serviços (estacionamento, casas de banho, restaurantes, bares de praia, espreguiçadeiras, salva-vidas, etc.).

Foi nos anos 70 que começou a transformação da praia em Barranco de las Teresas (da qual recebe o seu nome), uma praia de areia preta vulcânica e calhaus rolados, na praia que hoje se vê, coberta de areia do Sahara!

A praia de Las Teresitas e a aldeia de San Andrés. No fundo, podemos ver Santa Cruz e o seu Auditório característico.

As águas da praia também não eram calmas como são hoje, experimentavam as fortes correntes do Oceano Atlântico, pelo que outra das transformações (a primeira de facto, e mais prioritária para torná-la mais apelativa para o uso familiar) foi proteger a praia das fortes ondas com a construção de um grande quebra-mar.

Hoje é uma praia de areia fina com 1,3 quilómetros de comprimento e 80 metros de largura onde se pode apanhar sol.

Do miradouro pode ver-se a praia de Las Teresitas de um lado e Playa de las Gaviotas do outro, uma praia de areia preta onde o nudismo é comum.

Praia de Las Gaviotas

Puerto de la Cruz

Anteriormente conhecida como Puerto de la Orotava, a cidade de Puerto de la Cruz tem a particularidade de ter sido um dos primeiros destinos turísticos do país, no final do século XIX, devido ao seu clima e hospitalidade.

O cais de Puerto de la Cruz, La Pescadora e a Casa de la Aduana (à direita)

Para um passeio por esta cidade junto ao mar, da costa não se deve afastar. Aqui estão alguns locais de passagem, de leste para oeste:

  • Lago Martiánez, de César Manrique. Começamos o nosso passeio pela criação costeira do Lanzarote Manrique, em Puerto de la Cruz, um conjunto de piscinas de água salgada. Junto a ela encontra-se a praia do mesmo nome, Playa de Martiánez, uma praia de areia negra ideal para aprender a surfar. Do miradouro de La Paz terá a melhor vista panorâmica da praia e das piscinas com o imponente Oceano Atlântico. Nas proximidades encontra-se a Ermita de San Amaro, a ermita mais antiga da cidade.
  • Ermita de San Telmo, um belo eremitério do século XVI dedicado a San Telmo, de onde se pode ver o pôr-do-sol. Se desejar um mergulho, ao seu lado encontra-se a praia de San Telmo (também conhecida como Bajío de San Telmo), muito popular entre os locais e ideal para crianças na maré baixa devido às pequenas piscinas naturais que se formam entre as rochas.
  • Miradouro de Punta del Viento: uma varanda pitoresca com vista para o mar e para o projeto Manrique.
  • Plaza de la Iglesia: aqui encontrará a igreja mais importante do município, a Igreja de Nuestra Señora de la Peña de Francia, que alberga algumas das imagens mais apreciadas pela população da cidade, como a Virgen del Carmen, a padroeira da cidade, que é levada em procissão na terça-feira antes do dia 16 de Julho de cada ano.
  • Museo de Arte Contemporáneo Eduardo Westerdahl (MACEW): um pequeno museu localizado no primeiro andar do edifício da Casa Real de la Aduana, um exemplo da arquitetura tradicional canária do século XV. No rés-do-chão encontra-se o Gabinete de Turismo.
  • O Cais (Muelle) de Puerto de la Cruz, a razão pela qual a cidade era anteriormente conhecida como Puerto de la Orotava , pois o seu cais era a porta de saída para as iguarias do Vale de Orotava, tais como bananas, vinho e cana de açúcar, e a porta de entrada para outras iguarias do mundo, na ilha.
  • Plaza del Charco é uma praça no coração da cidade onde se podem encontrar vários restaurantes e bares com esplanadas e se pode desfrutar da atmosfera da cidade e da gastronomia canária. O nome da praça vem do facto de que no passado havia uma grande poça alimentada pela água do mar onde os peixes costumavam procriar.
  • Bairro La Ranilla e Street Art: o bairro tradicional dos pescadores, La Ranilla, é agora um museu de arte urbana ao ar livre através do projeto Puerto Street Art. Passeie pelas ruas do bairro que corre entre a Plaza del Charco e Peñón del Fraile para admirar diferentes intervenções de artistas nacionais e internacionais. O bairro alberga também o Museu Arqueológico, que alberga uma das mais importantes coleções de cerâmica Guanche da ilha.
  • Castillo de San Felipe, esta fortaleza do século XVII (reformada no século XIX) protegeu a cidade dos ataques de piratas atraídos pela importância do tráfego comercial e marítimo de Puerto de la Cruz. Hoje a fortaleza é declarada Monumento Histórico-Artístico e acolhe várias atividades culturais.
  • Playa Jardín é na realidade a união de três enseadas, Playa del Castillo, Playa del Charcón e Playa de Punta Brava, ligadas pelo passeio com muitas áreas ajardinadas cheias de catos cujas cores contrastam com a areia preta.

Para além deste passeio a pé, se tiver tempo, visite o

  • O Jardim Botânico de Puerto de la Cruz, um jardim do século XVIII que serviu de local para o cuidado e aclimatação de todas as plantas que aqui chegaram e precisavam de se adaptar antes de serem introduzidas na Espanha continental. Aqui encontrará 2 hectares com mais de 2.500 espécies de plantas dos continentes americano, asiático, africano e europeu. A taxa de entrada no Jardim Botânico é de 3 euros e o horário de abertura é das 09:00h às 18:00h. Por curiosidade, a Hijuela deste Jardim Botânico está localizada em La Orotava .

Foi precisamente em Puerto de la Cruz onde ficámos numa das nossas viagens à ilha devido à sua vasta gama de opções de alojamento, a partir deste belo estúdio com vista para o mar, este estúdio com vista para o cais ou para o apartamento Sunny Island Lago Martiánez.

A partir de Puerto de la Cruz há um caminho para Playa del Bollulo que começa aqui e segue ao lado de algumas plantações de bananeiras, se preferir caminhar em vez de conduzir.

Praia de El Bollullo

Sem dúvida uma das mais belas praias da ilha, em Playa El Bollullo a fina areia preta vulcânica contrasta com o azul das suas águas limpas e transparentes ao largo de 160 metros.

Apesar de ser uma praia selvagem (sem serviços) é relativamente acessível de carro , embora a estrada para lá chegar não seja a mais fácil: é uma estrada estreita onde passa apenas um carro, por isso é comum ter de parar e recuar até haver espaço para deixar o outro passar. Felizmente, não tivemos de seguir o caminho até lá, mas, o melhor a fazer é ir devagar, com cuidado e paciência.

Assim que chegar, verá que existem vários parques de estacionamento pagos. O que escolhemos custou 3 euros até às 18:00h e mais 2 euros se quiser ficar entre as 18:00h e as 21:00h.

Esta praia está localizada à esquerda de Playa de los Patos e Playa del Ancón, todas as três são lindas, por isso se tiver a oportunidade de explorar as outras duas, não hesite.

Se visitar a ilha no Verão, considere que a cada 16 de Julho, dia da Virgen del Carmen, padroeira dos marinheiros, tem lugar a Embarcación de la Virgen del Carmen al Bollullo. Neste dia, todos os anos, realiza-se a Bajada de la Virgen, um passeio pela costa com a imagem da Virgen del Carmen, que se encontra na capela das escadas que conduzem à praia.

É por isso que naquela noite, centenas de pessoas (na sua maioria jovens) acampam na praia de El Bollullo após longas horas de festa. No Randomtrip, tropeçámos inconscientemente na praia nesse mesmo dia e encontrámos a praia preta salpicada de guarda-chuvas coloridos.

Perto, a cerca de 15 minutos de carro de Bollullo, encontra-se La Giganta, em Santa Úrsula, uma bela escultura de pedra de 4 metros rodeada de flores e plantas, um símbolo do município em que se encontra.

Rambla de Castro

A Paisagem Natural Protegida Rambla de Castro, acolhe 45 hectares onde a história e a natureza da ilha se entrelaçam. Aqui encontrará as palmeiras mais exuberantes da ilha (a Madre de Agua é ideal para contemplar uma delas), exemplares impressionantes de dragoeiros e várias construções históricas como o elevador de água La Gordejuela, o Fortín de San Fernando, a Casona de los Castro e a Ermita San Pedro. Também passará por belas praias onde poderá nadar, tais como a Praia da Gordejuela ou a Praia do Castro.

Pode fazer um pequeno percurso circular ao longo da Rambla de Castro ou o mais longo e recomendável (mas igualmente fácil quase sem declives) ao longo da costa de Los Realejos, que começa junto ao Hotel Maritim e termina no Miradouro de San Pedro. Mais informações sobre o percurso aqui.

La Orotava

A vila de la Orotava foi um dos lugares que mais nos surpreendeu na ilha, com um centro histórico de ruas coloridas e edifícios coloniais tão bem preservado que foi declarado Conjunto Histórico-Artístico.

La Orotava está localizada a uma altitude de 390 metros acima do nível do mar, no meio do vale do mesmo nome, o Vale de Orotava, que foi criado pelo colapso de um penhasco. Dentro do seu complexo histórico monumental, destacam-se:

  • A Câmara Municipal, um edifício neoclássico do século XIX em frente do qual são expostos todos os anos belos tapetes de flores e terra vulcânica durante as festas do Corpus Christi e a sua tradicional Semana Santa.
  • Hijuela del Botánico Lembra-se do Jardim Botânico de Puerto de la Cruz? Bem, aqui encontrará a Hijuela, muito mais pequena, também para a aclimatação de algumas plantas que vieram principalmente do continente americano, devido ao clima da região, a fim de mais tarde as redistribuir. Pode também ver um belo dragoeiro, símbolo de Tenerife.
  • A Casa de los Balcones (em português, Casa das Varandas), também conhecida como Casa Méndez Fonseca, é um solar tradicional canário considerado monumento da Villa de la Orotava, cuja construção remonta a 1632. Tem sido habitada por várias famílias ilustres (como a família Fonseca) e abriga uma coleção de antiguidades e um espaço dedicado ao bordado “calado canário” onde podemos aprender sobre esta técnica artesanal que está na origem da Casa de los Balcones. Tem um belo pátio interior com muitas plantas e o artesanato das varandas em madeira de pinho canário é impressionante. Foi a nossa visita favorita em La Orotava.
Inês numa varanda (balcón) da Casa de Balcones
  • Molino de Gofio La Máquina: um antigo moinho de água onde ainda se fabrica e vende um dos alimentos mais típicos da gastronomia canária, o gofio.
  • Iglesia de la Concepción: a fachada desta igreja do século XVIII, um dos mais importantes exemplos da arquitetura barroca da ilha, é notável pelas suas torres de 25 metros de altura e pelos círculos em que são representadas as Ilhas Canárias e Cuba. A sua cúpula castanha pode ser vista de vários pontos e é altamente fotogénica.
Homenagem à Alfombrista em frente à Igreja da Conceição.

Se ficar com fome em La Orotava considere a cafetaria do Liceo de Taoro, um palácio rodeado de jardins, ou o restaurante da Casa Lercaro, uma impressionante casa senhorial onde pode apreciar um prato tradicional canário no seu pátio (2 em 1, certo?). A sua visita a La Orotava não merece nada menos do que isso.

Em La Orotava encontrará também uma seleção cuidadosa de alojamento, encontre aqui o seu.

Candelaria

A apenas 15 minutos da capital de Tenerife, a Candelaria é provavelmente o lugar de maior interesse religioso em Tenerife e provavelmente no arquipélago das Canárias, pois é o lar da Virgen de la Candelaria, padroeira das Ilhas Canárias, na Basílica de Nuestra Señora de Candelaria. Em sua honra, são realizadas festas duas vezes por ano: a primeira a 2 de Fevereiro (Festividade da Virgen de la Candelaria) e a segunda a 14-15 de Agosto (Festas em Honra de Nossa Senhora da Candelária).

Diz-se que a estátua da virgem foi encontrada antes da conquista pelos pastores Guanche, e outra das atrações turísticas da Candelária são as estátuas dos 9 Menceyes (reis de Guanche) de Tenerife.

Outros pontos de interesse na Candelária são a sua praia de areia preta, a Capela de San Blas (onde os pastores encontraram a virgem) ou o Centro de Cerâmica “Casa Las Miquelas ” (uma antiga casa restaurada para aprender sobre cerâmica, a principal indústria da Candelária entre os séculos XVIII e XIX).

Pirâmides de Güimar

Pirâmides nas Ilhas Canárias? Pois, é como lê! Em Güimar pode vê-las no Parque Etnográfico Pirámides de Güimar, fundado em 1998 pelo investigador norueguês Thor Heyerdahl, que as conseguiu proteger. São um grupo de 6 pirâmides, cuja origem ainda é desconhecida: alguns arqueólogos sustentam que são simplesmente “pedras empilhadas” (conhecidas como majanos pela população local, pilhas de pedras criadas pelos agricultores ao limparem as terras para cultivo), mas por outro lado, a sua estrutura e orientação (são orientadas para os solstícios de Verão e Inverno) significam que são consideradas de interesse histórico.

Compre aqui o seu bilhete para as Pirâmides de Güimar sem fazer fila. Foto de Civitatis

Em qualquer caso, o parque tem também exposições e um jardim botânico, que inclui um jardim venenoso (com 70 espécies venenosas) e um jardim sustentável que reproduz o aspeto de uma ravina canária. O acesso ao parque é pago.

Compre aqui o seu bilhete para as pirâmides de Guimar e livre-se das filas de espera.

Charco de La Laja

No norte de Tenerife podemos encontrar várias piscinas (piscinas naturais), tais como o Charco de La Laja em San Juan de la Rambla, uma obra de arte vulcânica feita pela natureza. É aconselhável visitá-la com bom tempo (ter cuidado na maré cheia se o mar estiver agitado) e durante a semana para tentar coincidir com menos pessoas.

Para lá chegar, pode conduzir até ao miradouro, estacionar onde puder na área circundante e tirar um par de fotografias do miradouro antes de descer as escadas para a piscina.

Muito perto desta piscina de água cristalina encontra-se Playa de los Roques, uma praia de calhau acessível através de um pequeno caminho de terra batida.

Icod de los Vinos e o dragoeiro milenario

Se há algo que se destaca em Icod de Los Vinos (e a atração para a maioria dos viajantes a este ponto da ilha) é sem dúvida o seu dragoeiro milenario, o maior e mais antigo do mundo com uma idade estimada entre 700 e 800 anos (diz-se que o segundo mais velho é o que se pode ver na ilha do Pico, Açores, no Museu do Vinho do Pico).

O Dragoeiro Milenario tem cerca de 18m de altura e 20m de diâmetro (nos seus ramos), e está localizado dentro do Parque del Drago, para o qual se paga para entrar (5 euros) e onde, para além de poder ver o Dragoeiro de perto, pode desfrutar dos seus pequenos jardins botânicos e de uma recriação de uma caverna Guanche. Está aberto todos os dias da semana e o horário de abertura varia consoante a época do ano:

  • De 1 de Abril a 30 de Setembro: aberto das 9:00h às 20:00h.
  • De 1 de Outubro a 31 de Março: aberto das 10:00 às 18:00.

Na nossa opinião, se estiver apenas curioso em ver o Dragoeiro, não vale a pena pagar a entrada, pois pode vê-lo perfeitamente a uma distância segura da Plaza Andrés de Lorenzo Cáceres, especificamente a partir deste ponto.

A 3 km do centro de Icod de los Vinos há outro lugar que recomendamos a sua visita: a Cueva del Viento (Gruta do Vento). Trata-se de uma cavidade vulcânica, em forma de tubo, criada pela lava das primeiras erupções do vulcão Pico Viejo, há cerca de 27.000 anos. Embora a secção visitável tenha apenas 200m de comprimento, as galerias exploradas estendem-se 18km no subsolo (é o 5º maior tubo vulcânico do mundo, depois dos 4 no Hawaii). As visitas realizam-se em pequenos grupos guiados e os bilhetes devem ser comprados online (20 euros/pessoa). A atividade inclui uma projeção, guia especializado, capacetes, tochas, transporte para a caverna num 4×4 e uma curta caminhada pela floresta (cerca de 2 horas no total).

Garachico e a sua cidade velha

Outra paragem interessante no norte é Garachico, uma pequena cidade que durante os primeiros séculos após a conquista foi o principal porto comercial da ilha, até a erupção do vulcão Garachico (ou vulcão Arenas Negras) destruir o porto e parte da cidade em 1706.

Atualmente, se o tempo estiver bom, é possível dar um mergulho nas suas piscinas (piscinas naturais de El Caletón), geradas quando a lava daquela erupção destrutiva arrefeceu, ou passear pelas suas ruas estreitas observando o seu património histórico, como a Plaza de la Libertad (nome da estátua do venezuelano Simón Bolívar, El Libertador, que em teoria tinha antepassados aqui em Garachico), a Igreja de Santa Ana (construída em 1520 mas severamente danificada na erupção de 1706, pelo que teve de ser reconstruída; No interior, o ponto alto é o seu “Cristo de Maíz“, feito por indígenas mexicanos), ou a Puerta de Tierra (os restos do antigo porto comercial, onde todas as pessoas e bens que entravam ou saíam de Garachico tinham de passar pelo portão, que se encontra agora preservado num parque).

Reserve aqui a sua excursão de dia inteiro ao Parque Nacional do Teide, ao Icod de los Vinos e ao antigo dragoeiro, à aldeia costeira de Garachico e às paisagens de Masca a partir do sul.

Buenavista

A “última” aldeia do norte de Tenerife, Buenavista del Norte, assim chamada devido às suas “boas vistas”, merece uma visita ao seu centro histórico, onde a Igreja de Nuestra Señora de los Remedios (do século XVI, embora um terrível incêndio tenha destruído parte do património em 1996), a Plaza de los Remedios (ponto de encontro e centro nevrálgico, com um pequeno bar/quiosque onde se pode beber um copo) ou a Casa de la Viuda (um exemplo da arquitetura canária do século XVII) vale a pena visitar.

Punta de Teno

Punta de Teno, dentro do Parque Rural de Teno, é um pequeno pedaço de terra na área de Teno Bajo, resultado de erupções mais recentes, como pode ser perfeitamente apreciado nesta incrível fotografia aérea de Flywithstan.com (The Piper Pilot, partilhando sempre imagens incríveis das Ilhas Canárias).

Punta de Teno (em baixo à direita) a partir do ar, com as falésias de Los Gigantes em cima à direita e o Teide no centro em cima). Foto por flywithstan.com

De Punta de Teno terá vistas incríveis das falésias de Los Gigantes, poderá dar um mergulho nas suas águas transparentes ou ver o seu farol.

O acesso a Punta de Teno é feito por uma estrada estreita que, estando numa área protegida (o Parque Rural do Teno), tem restrições de tempo: o acesso por carro é atualmente proibido (a menos que autorizado) nos seguintes horários:

  • Verão (Julho, Agosto e Setembro):
    • Terça-feira a quinta-feira das 9h às 20h
    • Das 9h de sexta-feira às 20h de segunda-feira
  • Resto do ano (Outubro a Junho):
    • Terça-feira a quinta-feira, das 10h00 às 19h00.
    • Das 10h00 de sexta-feira às 19h00 de segunda-feira

Isto significa que se quiser conduzir até Punta de Teno só o pode fazer de terça a quinta-feira, fora destas horas (por exemplo, depois das 20h00 para ver o pôr-do-sol no Verão). A principal alternativa é apanhar o guagua (autocarro), linha 369, que liga Buenavista a Punta de Teno a cada 20 minutos e custa 1 euro em cada sentido, ou pode também ir de táxi (de bicicleta ou a pé).

Masca e o Vale de Masca

Uma das nossas paisagens favoritas em Tenerife é a vista panorâmica do Vale de Masca a partir do Miradouro de Masca.

Masca ou uma das paisagens mais deslumbrantes da ilha

A estrada sinuosa entre ravinas e falésias do Parque Rural de Teno é impressionante e recomendada para observar o pôr-do-sol. A estrada TF-436 de Santiago del Teide a Buenavista del Norte é uma sucessão de curvas que nos levam a uma paisagem incrível que vale a pena ver.

No caminho para Masca, desde Santiago del Teide, pode fazer paragens nos diferentes miradouros, desde que haja espaço para estacionar (é aconselhável evitar fins-de-semana e feriados públicos quando há mais trânsito). Quando se chega à aldeia, há alguns restaurantes, embora o melhor a fazer seja desfrutar das vistas.

Há uma exigente rota de caminhadas que vai até à ravina de Masca até ao mar. O percurso é limitado a 100 pessoas por dia e apenas aos fins de semana (reserve aqui o seu lugar) e irá recompensá-lo com uma aventura entre as paredes verticais e paisagens de cortar a respiração. Mais informações sobre a rota aqui. Se não conseguir encontrar disponibilidade, pode tentar contratar um tour, pois parece que as agências têm/bloqueiam lugares. Costumava haver a opção de fazer apenas a descida e depois sair por mar de barco ou caiaque, mas hoje em dia não há essa opção e é preciso descer e voltar a subir (cerca de 6-7 horas no total).

Santiago del Teide

Além de visitar a praça de Santiago del Teide (onde se encontram a Câmara Municipal e a Igreja de San Fernando Rey), pode aprender sobre vulcanologia no Centro De Visitantes e Interpretação Vulcão Chinyero e fazer um percurso pedestre à volta do vulcão que dá nome ao centro, o Vulcão Chinyero, o último a entrar em erupção em Tenerife (em 1909).

Se visitar Tenerife entre Janeiro e Março, poderá também desfrutar das amendoeiras em flor.

Os melhores trilhos para caminhadas em Tenerife

Aqui estão algumas das rotas de caminhadas mais conhecidas e impressionantes em Tenerife, embora haja muitas mais:

  • Subir ao Cume del Teide (é necessário pedir autorização, mais informações sobre como subir aqui)
  • Rota Circular de Roques de García (mais informação)
  • El Pijaral-Bosque Encantado em Anaga (reserva obrigatória)
  • Barranco de Masca: uma rota exigente (tem de subir e descer 600 m de altura, entre 5 e 7 horas no total) que chega ao mar e está limitada aos sábados, domingos e feriados com um número máximo de pessoas por dia. Será recompensado com uma aventura entre paredes verticais e paisagens de cortar a respiração. Se o quiser fazer, deve reservar o seu lugar neste website (se não houver lugares, pode tentar reservar um passeio como este), usar sapatos de caminhada e considerar que deve usar sempre um capacete (eles emprestam-no lá). Considere também que se vai fazer o percurso, embora possa chegar a Masca de carro, o parque de estacionamento principal é limitado a 2 horas no máximo, pelo que é melhor chegar de autocarro ou táxi de Buenavista ou Santiago del Teide. São pequenos autocarros, pelo que o ideal é chegar à paragem de autocarro em tempo útil.
  • Via circular do Chinyero (mais informação)
Dizemos-lhe como chegar ao telhado de Espanha no nosso Guia do Teide

Onde mergulhar em Tenerife: os melhores spots para mergulho na ilha

Com mais de 60 locais de mergulho ao longo da costa para todos os níveis, uma temperatura média da água de 26º no Verão e 19º no Inverno, e uma visibilidade de até 25 metros, Tenerife é uma excelente ilha para aqueles que querem atingir o tanque (de oxigénio).

Aqui mencionamos apenas alguns dos locais de mergulho, mas há muitos, muitos mais. Quando chegar ao centro de mergulho, diga-lhes o seu nível de mergulhador certificado (Open Water, Advanced, Rescue, …), quantos mergulhos fez, quanto tempo não mergulhou e o que gostaria de ver para que a sua aventura seja o mais adaptada possível às suas necessidades.

Inês, feliz, mergulhando

Onde mergulhar em Tenerife Sul

  • Los Gigantes: o fundo marinho de Los Gigantes tem 30 metros de profundidade e é bastante difícil de aceder, pelo que alberga uma grande diversidade biológica: algas calcárias, coral negro, esponjas e muito mais.
    • Barranco Seco (Los Gigantes): possibilidade de ver enguias, arraias e tubarões-anjo.
    • Atlántida (Los Gigantes): grande rocha basáltica em forma de prisma onde é possível ver moréias, tainhas, douradas, peixes trombeta, etc.
  • Punta Blanca: possibilidade de encontrar grandes cardumes de peixes
  • Los Gemelos (Puerto Colón, Costa Adeje): dois pequenos navios afundados (aparentemente de propósito) no final do século XX.
  • El Condesito (El Palmar): navio de 30 m de comprimento que encalhou ao largo da costa em 1971 e está agora afundado num desfiladeiro submarino a uma profundidade de 20 metros.
  • Chuchos (Las Galletas): para ver, como o nome do mergulho indica, cegonhas negras.
  • Montaña Amarilla: fundo marinho muito biodiverso, podem-se ver trombetas, douradas, sargos e no fundo arenoso chocos, enguias, raias.

Onde mergulhar em Tenerife Norte

  • Las Anclas (Garachico): possibilidade de encontrar cobertores!
  • La Catedral de Garachico (Garachico): garoupas, camarões, peixes trombeta
  • Los Realejos (Rambla de Castro): garoupas, bicudas, moreias
  • La Catedral (Puerto de la Cruz): moréias, caranguejos, douradas
  • Radazul (perto de Santa Cruz): barracudas, mantas, peixes papagaio, trompeta

Se nunca mergulhou antes e gostaria de experimentar, faça um batismo de mergulho em :

Importante: Lembre-se que, devido às mudanças de pressão e acumulação de azoto residual que acumulamos no corpo quando mergulhamos*, não deve subir a grandes altitudes no mesmo dia, pelo que não deve voar ou subir o Teide nas 24 horas seguintes a fazer esta atividade.

*Quando mergulhamos, acumulamos uma certa quantidade de azoto residual no corpo que teremos de eliminar através da respiração e à medida que as horas passam, por isso não devemos ascender a grandes altitudes nesse mesmo dia, porque o nosso corpo ainda terá excesso de azoto nos tecidos. É por esta razão que os mergulhadores são aconselhados a não voar durante um mínimo de 12 horas antes do último mergulho sem descompressão, 18 horas se foi um mergulho de vários dias e até 24 horas se foi um mergulho profundo.

Outras atividades aquáticas em Tenerife:

Se preferir outros tipos de atividades aquáticas, tente mergulhar com tubo de respiração em:

Se preferir, pode aprender a surfar em Las Americas (Sul).

Montaña Amarilla, um paraíso para o mergulho nas suas águas cristalinas e biodiversificadas.

Onde ficar em Tenerife: as melhores zonas

Como um dos destinos turísticos mais populares do país, pode imaginar a vasta gama de alojamento na ilha, com algo que se adequa a todos os gostos e orçamentos. Se quiser escapar ao frio e desfrutar da praia na sua viagem, no sul encontrará bom tempo e sol praticamente durante todo o ano. O mesmo não acontece no norte, onde o tempo de Inverno chega (especialmente a altitudes mais elevadas), mas, por outro lado, estará mais perto de muitas das principais atrações da ilha.

Onde ficar no Sul de Tenerife (onde nunca chega o inverno)

A maioria dos apartamentos e hotéis, alguns deles com opção de tudo incluído, estão localizados no sul da ilha, nas zonas da Costa Adeje, Playa de las Américas e Los Cristianos, embora se preferir acordar com uma vista para os imponentes Los Gigantes, há também uma vasta gama de alojamento disponível.

Los Gigantes foi onde ficámos a primeira vez que visitámos a ilha de Tenerife, e adorámos:

A varanda do Vista Azul plana. Foto da Booking

Mais opções com vistas de Los Gigantes aqui

Na Costa Adeje, onde ficámos 3 semanas na nossa última viagem a Tenerife, há várias opções para todos os gostos e carteiras:

  • La Maison du Surfeur (a partir de 44€/noite): quartos duplos privados com casa de banho partilhada e piscina exterior
  • La Tortuga Hostal (a partir de 52 euros/noite): quartos duplos com casa de banho privada ou partilhada com sala, cozinha, terraço e barbecue para partilhar entre os hóspedes.
  • SeaView Costa Adeje (a partir de 66 euros/noite): 1 apartamento T1 com varanda e vista mar com estacionamento privado, a menos de 1 km da praia de Puerto Colón.
  • PaulMarie Apartment OceanView (a partir de 219 euros/noite): apartamento com dois quartos onde podem dormir até 6 pessoas
Vista do Apartamento PaulMarie OceanView. Foto da Booking

Na nossa zona favorita desta parte mais calma da costa, La Caleta, que é também mais “cuidadora”, recomendamos-lhe:

  • Apartamentos La Caleta Sunrise (a partir de 149 euros/noite): apartamentos com varanda para até 4 pessoas, em frente ao mar
  • La Caleta Luxury Penthouse (a partir de 320 euros/noite): apartamento para até 4 pessoas mesmo ao lado da praia de La Caleta e dos restaurantes da zona.
  • Royal Hideway Corals Beach (a partir de 340 euros/noite): se quiser algo um pouco mais requintado, consulte as suites num dos hotéis mais exclusivos da zona. Já fomos ao telhado para uma bebida, embora a piscina só esteja aberta aos hóspedes.
Pôr-do-sol no telhado da Royal Hideway Corals Beach.

Encontre mais hotéis e apartamentos na Costa Adeje aqui.

Se procura diversão e vida noturna, Playa de las Américas é o lugar ideal para si:

  • Endless Summer Hostal (a partir de 54 euros/noite): beliches com varanda partilhada e lounge no coração de Playa de las Américas
  • Regency Country Club (a partir de 94 euros/noite): apartamentos de 1, 2 ou 3 quartos, alguns com jacuzzi e solário. Todos os apartamentos têm acesso à piscina comunitária e alguns têm vista para o mar.
  • Veronicas (a partir de 100 euros/noite): apartamento de 2 quartos com varanda e muito perto da vida noturna das Américas, ideal para aqueles que querem festejar na ilha.
  • Duplex em Playa de las Americas (a partir de 137 euros/noite): apartamento com 3 quartos, ideal para grupos de 6 pessoas
Sala no Regency Country Club. Foto da Booking

Encontre mais alojamentos em Playa de las Américas aqui

Outra opção onde ficar é em Los Cristianos, mais calmo que em Las Américas, onde também se podem encontrar várias opções:

  • Casa Sonny (a partir de 90 euros/noite): 1 quarto com varanda com vista para o mar a 270 metros da praia Playa de los Cristianos
  • OceanView Los Cristianos (a partir de 93 euros/noite): apartamento de 1 quarto com vista para o mar, ideal para apreciar o pôr-do-sol a partir da varanda
  • Apartment Beach View (a partir de 122/noite): Apartamento com 1 quarto para até 3 pessoas
  • Modern Apartament Los Cristianos Center (a partir de 128 euros/noite): apartamento de 1 quarto com vista para o mar e montanha
Sala de estar do moderno apartamento Los Cristianos Center. Foto de Booking

Mais opções em Los Cristianos neste link

Onde ficar no Norte de Tenerife: uma atmosfera mais local

Embora o clima não seja tão apetitoso como no sul, onde o Inverno nunca chega e as praias tendem a ter mais ondas, no norte de Tenerife a atmosfera é mais local, menos massificada e, além disso, ideal para conhecer muitos dos recantos da ilha devido à sua localização.

O nosso lugar favorito para ficar no norte é a bela La Laguna, que tem uma boa oferta de alojamento para ficar no seu centro histórico e uma variedade de restaurantes e bares para terminar o dia depois das excursões diurnas em Tenerife.

La Laguna Gran Hotel. Foto de Booking

Mais opções onde ficar em La Laguna

Outra opção onde ficar em Tenerife é a cidade que foi o primeiro destino turístico da ilha, Puerto de la Cruz, onde também encontrará uma praia e uma vasta gama de restaurantes e bares:

Bonito estúdio com vista para o mar e Puerto de la Cruz. Foto de Booking

Clique neste link e verifique mais alojamentos em Puerto de la Cruz

Finalmente, também pode optar por ficar na capital da ilha, Santa Cruz de Tenerife.

  • Hotel Adonis Capital (a partir de 52 euros/noite): quartos no centro de Santa Cruz entre vários restaurantes, lojas e bares
  • Palácio de Daoiz Lofts (a partir de 85 euros/noite): quartos, apartamentos e lofts para 4 pessoas, com solário com banheira de hidromassagem e vistas da cidade, a 200 metros da TEA (Tenerife Espacio de las Artes).
  • Home2Book Bright Center Santa Cruz, Wifi (a partir de 89 euros/noite): Apartamento de 2 quartos com varanda e vista para a cidade a 500 metros da TEA
Solário do Palácio dos Lofts do Daoiz. Foto da Booking

Mais alojamento em Santa Cruz aqui

Restaurantes que recomendamos em Tenerife

Antes de recomendar restaurantes específicos onde se pode apreciar a gastronomia de Tenerife, gostaríamos de falar sobre os famosos Guanchinches. Os Guachinches são estabelecimentos em Tenerife que servem comida tradicional canária e foram originalmente criados por agricultores para vender os seus jovens vinhos do ano. São lugares simples com comida caseira a preços muito acessíveis e existem vários em toda a ilha. Se já esteve na Galiza, os guachinches em Tenerife recordam-nos os furanchos galegos. Há os mais económicos e populares, e outros mais sofisticados e mais caros. Aqui sugerimos alguns deles, entre outros tipos de restaurantes.

Restaurantes no Sul de Tenerife

  • La Masía del Mar (La Caleta de Costa Adeje): bom restaurante de peixe, recomendamos o cherne das Canárias, embora ficássemos dececionados com o serviço (esperávamos um tipo diferente de atenção e simpatia).
  • Mirlo (La Caleta de Costa Adeje): com espalanada e vista para o mar, repetimos Mirlo porque adorámos a comida, o serviço e a vista.
Jantar em El Mirlo
  • Maresía (La Caleta de Adeje): é o bar da piscina no rooftop do hotel de luxo Royal Hideway Corales Resort Azotea e adorámos cocktails com amigos ao pôr-do-sol.
Gin Tonics e Sunset na Maresia Rooftop
  • Pistacho Coffee Brunch (Los Cristianos): se desejar um brunch, aqui têm um menu variado para todos os gostos.
  • Restaurante El Chamo (La Escalona, perto de Arona), na estrada principal, perto de Arona. Restaurante típico de comida canária de muito boa qualidade e o melhor serviço. Especializado em carne (cabrito, borrego, leitão, coelho). Se, como a Inês, não é amante de carne, deve saber que o guisado de agrião e o queijo assado com mojo são deliciosos. É o local típico onde as famílias de Tenerife vão almoçar aos domingos.

Restaurantes no Norte de Tenerife

  • La Huerta de Ana y Eva: este “guachinche” está localizada perto da escultura de La Giganta e nós adorámos. Excelentes tapas a preços excelentes.
  • Bodegas Monje: restaurante na famosa bodega de Tenerife, um dos melhores lugares onde comemos na nossa viagem. Propostas gastronómicas criativas com produtos locais e sazonais, excelente emparelhamento de vinhos e vistas das vinhas (e com sorte, o Teide).
  • Arepera Punto Criollo (La Laguna): os melhores arepas da ilha, se estiver a passar por La Laguna e tiver fome, nem pense em não aproveitar esta oportunidade.
  • La tasca de Cristian (La Laguna): entrámos devido à coincidência do nome, claro (recordamos que 50% da Randomtrip se chama Christian) e foi uma boa surpresa.
  • El Calderito de La Abuela (Santa Úrsula): Vane de La Ardilla Voladora levou-nos lá e nós adorámos! Vários petiscos para partilhar, com uma boa vista se conseguir uma das mesas junto à janela.
  • Tasca El Olivo (Puerto de la Cruz): gostámos tanto do serviço como do que provámos.
  • El Bistro de Antonio Aguiar (Puerto de la Cruz): tínhamos ouvido opiniões muito boas sobre este lugar e embora a comida seja deliciosa, o serviço é muito lento e os preços são, na nossa opinião, abusivos.
  • Cofradía de Pescadores (Puerto de la Cruz): restaurante despretensioso, queijo grelhado delicioso e prato de arroz de marisco.
  • Restaurante La Compostelana (Puerto de la Cruz): Vane de La Ardilla Voladora levou-nos a provar as suas sobremesas e alguns petiscos de bar.
  • Casa Santiago (Anaga): este restaurante em Anaga foi-nos recomendado, mas não pudemos experimentá-lo.
  • Guachinche Bibi y Mana (Taganana, Anaga): Guanchinche em Anaga com comida tradicional e bons preços.
  • Bar Los Churritos (San Andrés): ao lado de Las Teresitas, especializado em peixes e churros de polvo.

Roteiros de viagem por Tenerife

Tenerife tem muito a oferecer, por isso, para ver tudo precisa de pelo menos uma semana. Como sabemos que nem sempre temos esse tempo, aqui estão algumas sugestões de roteiros com base no número de dias que tem disponível para visitar a ilha de Tenerife.

Se procura relax e praia, independentemente de quantos dias tem, a melhor coisa a fazer é escolher uma praia de acordo com o seu estilo de viagem e olhar para as opções de alojamento mais próximas para minimizar as viagens. Sugerimos algumas no sul da ilha, onde nunca faz frio.

O que visitar e fazer em Tenerife em 2 ou 3 dias (um fim-de-semana)

Um fim-de-semana é muito pouco tempo para tudo o que Tenerife tem para oferecer, portanto, se tiver apenas 2 ou 3 dias, terá de fazer uma boa seleção do que mais lhe interessa ver. Aqui está um roteiro sugerido para um fim-de-semana com um dia para cada área:

  • Dia 1: Chegada à ilha e percurso pelo sul (Los Gigantes, El Médano, Montaña Amarilla…). Observação do pôr-do-sol em qualquer ponto da costa (por exemplo, em La Caleta a beber um copo).
  • Dia 2: Parque Nacional do Teide. Passeio de carro, paragem nos diferentes miradouros e pontos de interesse indicados no mapa, subida em teleférico. Ver o pôr-do-sol em Chipeque.
  • Dia 3: Percurso pelo Norte dependendo do tempo disponível (Anaga, La Laguna, La Orotava, Garachico, Icod de los Vinos…)

Dependendo do gosto, os planos podem ser removidos/adicionados, tentando manter as zonas a fim de minimizar as deslocações.

Parque Nacional do Teide: o imponente Teide e o Roque Cinchado das antigas notas de 1000 peseta

O que visitar e fazer em Tenerife em 4 ou 5 dias

4 ou 5 dias em Tenerife não são tempo suficiente para conhecer tudo, especialmente se quiser fazer algumas caminhadas, mas é tempo suficiente para conhecer as principais zonas e ter uma ideia geral da ilha.

Aqui está a nossa proposta de visitar Tenerife dentro de 5 dias:

  • Dia 1: Chegada à ilha e percurso pelo sul (Los Gigantes, El Médano, Montaña Amarilla…). Observação do pôr-do-sol em qualquer ponto da costa (por exemplo, em La Caleta a beber um copo).
  • Dia 2: Parque Nacional do Teide. Conduzir, parar nos diferentes miradouros e pontos de interesse indicados no mapa, e subir de teleférico. Percurso pedestre Roques de García. Ver o pôr-do-sol em Chipeque
  • Dia 3: Caminhadas em Anaga (por exemplo, Pijaral) e visitas a outros pontos e miradouros do parque (por exemplo, a praia do Benijo) e La Laguna.
  • Dia 4: Percurso pelas aldeias do norte (Garachico, Icod de los Vinos, La Orotava…). Pôr-do-sol em Punta de Teno.
  • Dia 5: Pontos em falta na nossa área preferida (ou relaxando na praia)
La Casa de los Balcones, La Orotava

O que visitar e fazer em Tenerife numa semana (7 ou 8 dias)

Na nossa opinião, uma semana é a quantidade perfeita de dias para conhecer bem Tenerife, visitando uma grande parte dos seus pontos de interesse mas deixando tempo para desfrutar de caminhadas sem pressa ou de algumas das suas praias.

Aqui está uma ideia de um roteiro para visitar Tenerife em 7 dias:

  • Dia 1: Chegada à ilha e percurso pelo sul (Los Gigantes, El Médano, Montaña Amarilla…). Observação do pôr-do-sol em qualquer ponto da costa (por exemplo, em La Caleta a beber um copo).
  • Dia 2: Parque Nacional do Teide. Passeio de carro parando nos diferentes miradouros e pontos de interesse indicados no mapa. Por volta das 14:00 iniciamos a subida para o refúgio onde passaremos a noite.
  • Dia 3: PN Teide. Madrugamos no refúgio para ir até ao Pico del Teide e ver o nascer do sol. Depois descemos de teleférico e continuamos a nossa rota através do parque pelos pontos em falta. Pôr-do-sol em Chipeque
  • Dia 4: Caminhadas em Anaga (por exemplo, Pijaral) e visitas a outros pontos e miradouros do parque (por exemplo, a praia do Benijo) e La Laguna.
  • Dia 5: Percurso pelas aldeias do norte (Garachico, Icod de los Vinos, La Orotava…). Pôr-do-sol em Punta de Teno.
  • Dia 6: Pontos em falta na nossa zona favorita, caminhadas e/ou relax na praia
  • Dia 7: Pontos em falta na nossa zona preferida, caminhadas e/ou relax na praia
Chegada à praia Diego Hernandez

Como deslocar-se: alugar um carro em Tenerife

Como em todas as Ilhas Canárias (com exceção de La Graciosa), em Tenerife consideramos essencial alugar um carro para desfrutar ao máximo da ilha, aproveitar ao máximo o tempo, e poder visitar alguns lugares emblemáticos (que não podem ser alcançados por transportes públicos). Recomendamos-lhe que compare preços e condições em comparadores como o DiscoverCars.

O nosso carro de aluguer estacionado num dos pontos de vista de Masca.

Empresas de aluguer de automóveis em Tenerife

Pluscar é normalmente a que tem os preços mais baratos, tudo incluído, sem excessos e a possibilidade de modificar/cancelar a reserva com facilidade e sem custos, embora comparemos sempre com outras empresas, pois os preços podem variar muito dependendo da procura e da época (a última vez reservámos com a Autoreisen, por exemplo). Para encontrar sempre o melhor preço, recomendamos a utilização de comparadores como o DiscoverCars (embora também recomendamos que verifique as condições de cada empresa e não apenas o preço).

Conduzir à volta de Tenerife é, por si só, uma maravilha.

As empresas que recomendamos para o aluguer de automóveis em Tenerife são (todas elas têm um seguro totalmente completo sem franquia, segundo condutor incluído e “devolvem a mesma” apólice de combustível):

  • Pluscar
  • Cicar e Cabrera Medina (são a mesma companhia): Tenha atenção! Esta é a única companhia que lhe permite levar o seu carro no barco no caso de querer visitar a ilha vizinha de La Gomera.
  • Payless (o baixo custo do acima referido)
  • Autoreisen
  • Topcar (este é franchisado)

Nas nossas várias viagens pelas Ilhas Canárias, alugámos com várias destas empresas (Pluscar, Cicar, Cabrera Medina, Payless e Autoreisen), em todos os casos sem qualquer problema.

Como dizemos, é aconselhável comparar preços, pelo que é ideal utilizar comparadores como o DiscoverCars para ver o que é mais barato, dependendo das datas.

Num dos miradouros do Parque Nacional do Teide

Importante: A maioria das empresas de aluguer de automóveis não cobrem os danos causados pela condução em estradas não pavimentadas.

Importante 2: Desde a pandemia, as empresas de aluguer tiveram de vender parte da sua frota para sobreviver e agora têm dificuldade em adquirir mais veículos, pelo que com menos oferta e com a mesma ou mais procura, os preços subiram e é possível que em épocas turísticas altas possam estar esgotadas ou ter preços proibitivos. É, portanto, muito importante tentar reservar com a maior antecedência possível.

Estacionado e contemplando as vistas de uma estrada sinuosa em Anaga

Preços de aluguer de automóveis em Tenerife

Os preços de aluguer de automóveis em Tenerife variam em função do número de dias de aluguer, da estação, do tipo de carro e da antecedência com que se reserva. Nas pesquisas que fizemos, a Pluscar tinha os preços mais baratos, que atualmente podem ser de pelo menos 15 euros/dia. Para sua referência, no Randomtrip alugámos um carro com a Pluscar em 2018 e pagámos 13 euros por dia; em 2023 o preço mais barato foi encontrado na Cicar e ascendeu a 20 euros/dia.

Esse preço inclui quilómetros ilimitados, seguro totalmente abrangente, dois condutores e uma apólice de combustível de entrega em mão.

Parque Nacional do Teide

Quanto custa uma viagem a Tenerife?

Elaborar um orçamento indicativo seja sempre uma tarefa complicada porque depende tanto de fatores como o seu estilo de viagem, o que prefere dar prioridade, e em que estação do ano viaja, mas aqui está uma aproximação para lhe dar uma ideia:

  • Voos: com companhias aéreas de baixo custo, como a Vueling (voos diretos de Lisboa) Ryanair (voos diretos do Porto), pode encontrar voos a partir de 100 euros por pessoa, de ida e volta .
  • Aluguer de automóveis: entre 15 e 50 euros por dia para o carro mais barato, que é normalmente um Twingo/Panda/Fiat500 (dependendo da empresa e do número de dias), tudo incluído. O preço aproximado para uma semana com Pluscar com um par de meses de antecedência é de 15 euros por dia (ou seja, 105 euros no total). A gasolina é mais barata nas Ilhas Canárias, dependendo do número de quilómetros percorridos, uma vez que um depósito de gasolina para um carro económico é de cerca de 40-50 euros.
  • Alojamento: a partir de 50 euros/noite para um quarto com casa de banho privada ou apartamento com auto-serviço.
  • Refeições em restaurante: entre 10 e 20 euros por pessoa
  • Refeições na praia: tapas num bar de praia: entre 5 e 10 euros por pessoa.

No total, como estimativa, uma viagem de uma semana a Tenerife com um carro alugado pode custar entre 650 e 800 euros por pessoa (com as opções mais baratas de carro, alojamento e restaurantes).

A vista deslumbrante da Praia do Benijo

Dicas e recomendações para desfrutar de Tenerife

  • Não seja cúmplice de maus tratos a animais! Se for ao Loro Park ou mesmo ao Siam Park estará a contribuir para o cativeiro de animais e atividades forçadas para entretenimento humano.
  • Respeitar a fauna e a flora. Se vir um animal terrestre ou marinho, não lhe toque, não o assuste e não o alimente. Não interfira nos seus processos naturais, contribuindo para a alteração do seu comportamento.
  • Respeite as outras pessoas e a ilha: não ponha a sua música alto na praia (se quiser ouvir música, use auscultadores), não deixe lixo, não atire beatas, etc. Deixe a praia melhor do que a encontrou.
  • Muitas pessoas a visitarem um determinado sítio podem ter (e têm) um impacto negativo, por isso seja responsável ao visitar esse sítio: respeite as regras, não suba à formação vulcânica/árvore/monumento que visita, não pinte nas suas paredes, evite tocar e, por respeito pelas outras pessoas que visitam o mesmo lugar, não faça barulho ou “monopolize” o sítio com as suas fotografias.
  • Em algumas praias os banhos são perigosos devido a fortes correntes. Seja responsável.
  • Se a praia é nudista, faça nudismo. Se não quiser fazer nudismo, vaia para outra praia. Mais de 90% das praias da ilha não são nudistas, portanto, se chegar a uma, respeite-a.
  • Viaje sempre com seguro de viagem: despesas médicas, roubo ou problemas com o seu avião numa viagem podem custar-lhe muito dinheiro, por isso o ideal é fazer um seguro de viagem. No Randomtrip utilizamos sempre a IATI e recomendamo-la. Se subscrever o seu seguro através deste link, obtém um desconto de 5%.
Grafite em Las Teresitas

Apps úteis para viajar para Tenerife

Recomendamos algumas apps que serão úteis na sua viagem para a ilha de Tenerife:

  • Windy (Android/iOS /Web): app essencial para as nossas viagens, permite ver as previsões de chuva, nuvens, vento, etc. para o ajudar a planear os seus dias com base no tempo (uma vez que há lugares que perdem muito dependendo do tempo). Obviamente, as previsões não são 100% fiáveis. Também mostra as webcams disponíveis
  • Google Maps (Android/iOS): é aquele que utilizamos para guardar/classificar todos os lugares para onde queremos ir/já fomos e como GPS nos carros alugados. É possível ver as opiniões de outras pessoas sobre os lugares, fotografias, menus de restaurantes, números de telefone dos lugares para os contactar, etc.
  • Maps.me (Android/iOS): semelhante ao Google Maps mas funciona offline (embora o Google Maps também possa funcionar offline, funciona melhor) e em muitos casos tem informação que o Google Maps não tem, especialmente para trilhos.
  • Webcams de Tenerife Playas: não é uma app, mas neste website pode verificar o tempo na praia a que quer ir antes de sair.
Regresso de Playa Diego Hernández a La Caleta

Checklist: o que levar na mochila/mala para Tenerife

Aqui está uma lista de itens essenciais que não pode esquecer de levar consigo na sua viagem à ilha de Tenerife:

  • Protetor solar reef friendly, ou seja, livre de químicos nocivos aos corais, sem oxibenzonas, e não testado em animais, como este ou este.
  • Boné, o sol é muito forte
  • Óculos de sol
  • Uma garrafa de água como uma destas para transportar água consigo e evitar usar plástico de utilização única. Lembre-se, nas Ilhas Canárias pode beber água da torneira mas esta é dessalinizada pelo que tem um sabor muito particular. Se vai comprar água engarrafada, é melhor comprar garrafões de 8L no supermercado para minimizar a utilização de plástico.
  • Um protetor de pescoço como um destes para o proteger do vento e da areia.
  • T-shirt de manga comprida de licra com proteção UV que usamos para nos proteger da água fria ou do sol ao mergulhar (ou mesmo para mergulhar, por baixo do neoprene), como uma destas.
  • Kit/Óculos de mergulho para explorar o fundo marinho
  • Saco impermeável, para manter os seus dispositivos electrónicos seguros no barco de mergulho/snorkel ou na praia. Este, por exemplo, custa 12 euros.
  • Toalha de microfibra, que ocupa muito pouco espaço e que irá utilizar para a praia. Se não tiver uma, pode comprar as típicas da Decathlon ou estas na Amazon.
  • Câmara para gravar aventuras. Por aqui levamos sempre um Sony A5100 e um GoPro para imagens subaquáticas.
  • PowerBank: com tantas fotografias, vai gastar muita energia da bateria, por isso é sempre bom ter uma powerbank consigo. Por aqui viajamos com duas (Xiaomi e Anker), que nos permitem carregar os nossos smartphones assim como a nossa máquina fotográfica e GoPro.
  • Kit de primeiros socorros: no nosso kit de primeiros socorros terá sempre alguns medicamentos contra os enjoos (como a biodramina para os enjoos em barcos), antibióticos, anti-diarreicos (e alguns probióticos para recuperar mais rapidamente), anti-histamínicos, analgésicos e antipiréticos. Se precisar de ir ao médico, no Randomtrip contratamos sempre seguro de viagem para o caso de ser necessário (se o comprar através deste link, obtém um desconto de 5%).
Se, para além de contemplar o Teide de baixo, quiser apreciá-lo de cima, há alguns extras essenciais que terá de levar consigo. Contamos-lhe tudo sobre eles no nosso guia específico sobre como subir o Teide.

Qual prefere: o mar de ondas na praia, o mar de nuvens no Teide ou o mar de pessoas que celebram a vida? Certamente a sua viagem a Tenerife dar-lhe-á aventuras em todas elas por isso…. Buen Viaje, Randomtripper!

Todas as fotografias e conteúdos são da autoria do Randomtrip (exceto aqueles que expressam claramente a sua fonte) e têm todos os direitos reservados.

Disclaimer: este guia contém links de afiliados e, ao usá-los, estará a dar uma pequena comissão ao Randomtrip. A si não lhe custa nada, por vezes até ganha um desconto, mas a nós motiva-nos para continuar a criar guias gratuitos tão completos como o que acabou de ler.

Gostou do nosso guia? Pode poupar e apoiar o nosso trabalho!

Se o nosso guia foi uma boa ajuda para a sua viagem, pode apoiar este projeto e poupar nas suas reservas usando os seguintes links:

  • 5% de desconto no seu seguro de viagens com a IATI
  • Até 15% de desconto na Booking.com
  • Alugue um carro ao melhor preço com DiscoverCars
  • Reserve os seus tours com antecedência e não fique sem lugar com a Civitatis
  • Encontre voos baratos no Skyscanner e na Kiwi
  • Não fique sem internet na sua viagem com os cartões SIM da Holafly até 5% de desconto (usando o código RANDOMTRIP)
  • Faça os cartões Revolut e N26, com os quais pode levantar dinheiro sem comissões em multibancos de todo o mundo

Para além disso, se quiser contribuir para a nossa criação de guias de viagem completos e gratuitos como este, existe outra forma de apoiar o nosso projeto: pode fazer um donativo (com Paypal ou cartão) e convidar-nos a um pequeno-almoço (5€), uma refeição de street food (10€) ou um jantar no destino que estamos a explorar (20€) que depois recomendaremos no guia do destino. Ou pode também fazer um donativo pelo valor que desejar. Mais info aqui

Muito obrigada pelo seu apoio, Randomtripper! Vemo-nos pelo Mundo!

5/5 - (13 votes)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *