Poucas horas depois de pisarmos a ilha de La Palma pela primeira vez já nos estávamos a aperceber da sua diversidade (de microclimas e paisagens contrastantes), da sua simpatia (as pessoas que conhecemos na ilha são encantadoras), do seu orgulho estelar (um dos melhores céus do mundo para observação astronómica) e da sua resiliência, demonstrada na recente erupção vulcânica que gerou a terra mais recente na Europa.

Em Setembro de 2021 um novo vulcão entrou em erupção em La Palma e trouxe a ilha à atenção dos meios de comunicação social do mundo. O nome “La Palma” ficou conhecido pelo impacto da atividade vulcânica que durou 85 dias e pelas imagens do mar de lava a exterminar aldeias inteiras no seu caminho para o mar. A área afetada pelo recentemente chamado vulcão Tajogaite pode ser visitada com empatia e respeito, e neste guia poderá saber como.

Também lhe dizemos tudo o que precisa para explorar todo o resto que La Palma tem para oferecer, por sua conta: o que ver, roteiros de fim-de-semana, de 5 dias ou de uma semana à volta da ilha, como lá chegar, como se deslocar, onde ficar e até a que restaurantes ir.

O Parque Nacional da Caldera de Taburiente: uma rota imperdível em La Palma

Quando terminar este guia, perceberá porque esta ilha canária é conhecida como “a ilha bonita” das Canárias (nome que ganhou pelas suas paisagens contrastantes de cortar a respiração), porque entrou diretamente para o nosso Top 3 das Ilhas Canárias (conhecemos todas) e porque é que já deveria estar a programar uma viagem para a conhecer.

Se tiver pouco tempo para viajar para a ilha, salte diretamente para os nossos roteiros de viagem de La Palma, onde lhe dizemos o que ver num fim-de-semana, em quatro dias ou numa semana pela ilha.

Conteúdos

Informação prática para visitar La Palma

La Palma é a segunda ilha mais jovem do arquipélago das Canárias (1,7 milhões de anos, depois de El Hierro com 1,2 milhões de anos), uma das mais pequenas e, no entanto, uma das mais heterogéneas, pois tem muitos lugares para visitar nos seus 706 km2. É também uma das ilhas mais famosas, especialmente devido à recente erupção vulcânica em Setembro de 2021 , cuja lava varreu aldeias inteiras a caminho do mar, e criou a mais recente terra na Europa. Devido às condições ambientais e à biodiversidade únicas de La Palma, a ilha foi reconhecida como Reserva da Biosfera da Unesco (mais de metade do seu território tem alguma forma de proteção ambiental) e devido à sua atmosfera limpa, livre de turbulências e estabilizada pelo oceano, foi reconhecida como Reserva da Luz das Estrelas (e Destino Turístico). A ilha de La Palma é considerada um dos melhores lugares do mundo para observação astronómica.

Vulcão Tajogaite: esta montanha não existia antes de Setembro de 2021 e a sua erupção vulcânica atraiu a atenção dos media a nível mundial.

Moeda: Euro

Idioma: espanhol

População: 84.000 (em 2020)

Orçamento diário: A partir de 70 euros/dia por pessoa (aprox.) para uma viagem de uma semana com carro alugado e as opções de alojamento privado mais baratas para 2. Informação mais detalhada sobre quanto gastamos aqui

Clima: Agradável durante todo o ano, embora com muita variedade devido à orografia (o nordeste tem um clima mais húmido e chuvoso, o sudoeste é mais quente e mais seco). Dizemos-lhe tudo isto com mais detalhe aqui

Onde Ficar: A zona ideal para ficar é na parte central da ilha, seja no leste, em Santa Cruz ou Los Cancajos, ou no oeste, em Tazacorte ou Los Llanos de Aridane. No nosso caso, para tentar ajudar as pessoas afetadas pela erupção do Tajogaite devido ao corte de uma estrada a oeste, enterrada sob lava, ficámos numa zona que recebia consideravelmente menos turismo e ficámos no sul, em Fuencaliente, o que foi uma excelente decisão. Damos-lhe sugestões específicas e mais informações sobre onde ficar aqui.

Voos: Não há voos diretos para La Palma de Portugal mas há vários voos de muitas cidades de Espanha: o ideal é ver qual a cidade espanhola que mais lhe convém e utilizar sites de comparação de preços tais como Skyscanner e Kiwi.com. Também se pode ir de barco a partir de Tenerife ou La Gomera. Mais informações aqui

Duração (nº dias): Apesar do seu tamanho, La Palma tem muito para oferecer como verá neste guia. Mínimo 3 dias, recomendado uma semana e se puder ficar mais, não se vai arrepender. Mais informação sobre quantos dias recomendamos aqui e damos-lhe diferentes roteiros para um fim-de-semana (2/3 dias), 4-5 dias ou uma semana aqui .

Transporte: A melhor opção é alugar um carro. Mais informações sobre transportes, empresas e recomendações específicas para La Palma aqui.

Fuso horário: UTC +1. A hora em La Palma e nas Ilhas Canárias é a mesma hora de Portugal Continental

Medidas Covid-19: Veja a informação mais atualizada no sítio web oficial das ilhas, Olailhascanarias.com

El Teide (Tenerife) desde o Pico de la Cruz (La Palma)

Visitar La Palma após a erupção vulcânica de 2021

A 19 de Setembro de 2021, um novo vulcão em Cumbre Vieja (município de El Paso), recentemente chamado “Volcán de Tajogaite“, entrou em erupção, expelindo lava durante quase dois meses (os fluxos de lava atingiram uma altura de 60 metros em alguns locais!), varrendo várias aldeias, plantações, estradas e tudo o que se encontrava no seu caminho até ao mar. De acordo com o que nos foi dito, havia cerca de 160 milhões de m2 de lava e aldeias como El Paraíso e Todoque desapareceram completamente. A aldeia de La Laguna, por exemplo, foi dividida, com metade da aldeia a desaparecer sob a lava e a outra metade não.

O rio de lava varreu tudo no seu caminho até chegar ao mar.

A área afetada e os seus arredores foram evacuados, as estradas próximas foram encerradas e os voos tiveram de ser cancelados devido aos ventos. Sob os fluxos de lava, casas, negócios, histórias, memórias e momentos quotidianos foram deixados para trás. As pessoas de La Palma que ali tomavam café há anos, iam comprar pão na mesma loja, comiam no mesmo lugar todos os domingos, viram as suas vidas mudarem de um momento para o outro.

Fluxos de lava entre casas

A erupção terminou a 13 de Dezembro de 2021, após 85 dias de atividade (foi a erupção mais longa da ilha) e, felizmente, não foram registadas mortes humanas, embora infelizmente alguns animais tenham perdido as suas vidas. Os danos gerados são enormes: mais de 5000 pessoas afetadas, mais de 1500 casas destruídas (algumas onde várias famílias viviam juntas), muitas outras pessoas deslocadas porque a sua casa (ou a sua terra ou o seu negócio de bananas, por exemplo) está debaixo da lava, futura área protegida onde nada será construído, ou porque a sua terra e a sua casa se tornaram inacessíveis, sem estrada para lá chegar.

O impressionante vulcão Tajogaite

A parte sul do vulcão, como em Las Manchas, para além da lava, levou quilos e quilos de cinza vulcânica devido aos ventos, cobrindo casas e estradas onde agora há uma enorme quantidade de trabalho de limpeza e muitas pessoas deslocadas das suas casas.

Uma casa rodeada por quilos de cinza vulcânica

Precisamente para tentar ajudar as pessoas afetadas pela erupção, escolhemos ficar no sul, em Fuencaliente. Pode não ser a zona ideal para ficar e fazer a sua base de exploração pela ilha porque uma das duas estradas que levam até ali (a estrada oeste, LP-2) está enterrada sob lava e, por esta razão, é uma área que está a ser particularmente afetada pela falta de turismo. Foi precisamente por este motivo que decidimos ficar aqui. Nesta secção dizemos-lhe mais sobre onde ficar.

É possível visitar La Palma normalmente após a erupção de 2021?

Embora ainda existam áreas afetadas pela erupção e alguns locais próximos permaneçam fechados ao público, a maior parte da ilha pode ser visitada normalmente e, embora o vulcão ainda esteja em processo de desgaseificação (isto é, libertando gases que podem ser prejudiciais à saúde), todas as zonas que podem ser visitadas na área afetada são completamente seguras.

O vulcão Tajogaite ainda está em processo de desgaseificação, mas todas as áreas que podem ser visitadas (incluindo a área afectada) são seguras para a nossa saúde. A área de Puerto Naus, por exemplo, ainda estava inacessível na altura da redacção desta guia (Setembro de 2022) devido ao perigo destes gases.

Na verdade, é um grande momento para visitar a ilha, ajudando a economia local. Temos sempre isto em mente, mas nesta viagem a urgência de apoiar a população de La Palma foi um tema transversal, tanto na preparação como na viagem em si, desde a escolha do alojamento à escolha dos restaurantes, apoiando a economia local e o maior número de famílias em La Palma.

O governo local criou mesmo um vale turístico para promover o turismo na ilha, o “Bono La Palma”: um cartão virtual no valor de 250 euros para ser utilizado em alojamento, restaurantes e atividades turísticas em La Palma, que são aderentes ao programa que terminou no dia 1 de Setembro de 2022. Clique aqui para mais informações.

O fluxo de lava Tajogaite no seu caminho para o mar

É perigoso visitar La Palma após a erupção de 2021?

Não é perigoso, pode visitar a ilha com total paz de espírito. Milhares de pessoas vivem na ilha, e como acabámos de dizer, não foram registadas mortes apesar da erupção. O governo e as equipas relevantes continuam a monitorizar a atividade sísmica e, salvo comunicação em contrário, não há perigo em visitar a ilha e é altamente recomendável, palavra de Randomtripper (Spoiler: La Palma conseguiu entrar no nosso Top3 canário pela sua beleza).

E se visitar agora, poderá ver o terreno mais jovem da Europa: estas novas fajãs criadas pelo vulcão Tajogaite.

É possível visitar o novo vulcão e a área afetada de perto?

Sim, tanto o vulcão como os fluxos de lava podem ser vistos de alguns miradouros, sendo estes dois os mais comuns:

Leia mais sobre como ver o novo vulcão e visite a área afetada aqui.

O vulcão Tajogaite (à esquerda), o seu fluxo de lava e as novas fajãs no mar (à direita): uma vista panorâmica no miradouro Time

A forma ideal de conhecer, tanto o vulcão como os fluxos de lava, é fazê-lo com uma agência turística local (tanto pessoal como profissionalmente afetada pela erupção), onde o levarão o mais perto possível de acordo com os regulamentos atuais e explicarão em pormenor como ocorreu a erupção (tanto do ponto de vista geológico como o impacto que teve e está a ter sobre a população local). No Randomtrip fizemo-lo com a Islabonita que têm este passeio para visitar a cratera do Tajogaite e a área afetada ou este passeio mais curto à volta da área (a partir de 25 euros/pessoa) e nós recomendamos vivamente que o façam. Mais informação aqui

Área afectada pelo vulcão Tajogaite

Os locais que podem ser visitados variam de acordo com as medições de gás e temperatura que se realizam, e muitas áreas são acessíveis apenas aos vizinhos. Lembre-se que apesar de ser um fenómeno natural que desperta a nossa curiosidade e que queremos visitar, há pessoas que perderam tudo devido à erupção, e pessoas que, embora as suas casas não tenham sido diretamente afetadas pela lava, tiveram de ser evacuadas e ainda não conseguem aceder normalmente às mesmas. Respeite a sinalização (as áreas interditas são claramente vedadas e marcadas, muitas vezes com uma presença policial) e respeite a população local. Visite este lugar de uma forma empática e respeitosa.

Quando ir a La Palma

La Palma (como as vizinhas canárias) pode presumir de temperaturas estáveis e agradáveis durante todo o ano, embora devido à orografia da ilha e aos ventos alísios, o clima varie enormemente de um lugar para outro. Em geral, qualquer altura do ano é uma boa altura para visitar La Palma, embora recomendemos os meses centrais (Abril a Outubro) para as melhores hipóteses de bom tempo e para desfrutar de nadar nas suas praias e piscinas naturais.

Vale a pena descer as (muitas) escadas de Puntagrande para dar um mergulho na piscina natural abaixo.

No nosso caso, viajámos em Fevereiro de 2022, e embora tenhamos tido muita sorte com o tempo, houve alguns dias chuvosos/nublados.

MêsTemperatura médiaTemperatura média (água)Dias de chuva
Janeiro18º20º3
Fevereiro18º19º4
Março19º19º2
Abril19º19º2
Maio20º20º1
Junho22º22º0
Julho23º22º0
Agosto24º23º0
Setembro24º24º1
Outubro23º24º2
Novembro21º22º3
Dezembro20º21º4
MêsTemperatura médiaTemperatura média (água)Dias de chuva
O Charco Azul

Além disso, a ilha de La Palma tem uma característica especial: os seus microclimas. O lado ocidental da ilha tem um clima quente durante todo o ano, enquanto o lado oriental da ilha se caracteriza por um clima mais fresco e outonal. Isto deve-se ao facto de La Palma ser uma ilha com uma altitude elevada (2426 metros), e os ventos alísios (vindos do nordeste na direção sudoeste) “colidem” contra a zona montanhosa no centro-norte da ilha, gerando mais nuvens e chuva no lado oriental; por outro lado, o lado ocidental é protegido pela mesma zona montanhosa, tendo menos nuvens e chuva e temperaturas mais elevadas. Diz-se que as áreas em Tazacorte e arredores gozam do melhor clima da ilha durante todo o ano.

Praia de Tazacorte ao pôr-do-sol

Devido ao acima exposto, o túnel de La Cumbre (que está a uma altitude de 1100 metros) é conhecido pelo povo de La Palma como “o túnel do tempo” e poderíamos dizer que é um túnel que separa o Verão do Outono. Este túnel separa os dois lados da ilha de La Palma (e as suas abruptas alterações climáticas entre os dois extremos), ligando Santa Cruz de La Palma a Los Llanos de Aridane. Está localizada na antiga TF-812, agora convertida em LP-2, que é a estrada que atravessa a Cumbre Nueva.

Playa de Nogales, considerada a mais bela praia da ilha.

Quanto a eventos importantes que podem motivá-lo a visitar La Palma, há várias festas populares ao longo do ano, por isso, se desejar uma boa celebração na ilha, tente coincidir com uma delas. As mais famosas são as festas El Diablo, em Setembro em Tijarafe; Las Cruces, em Maio em vários municípios da ilha; Los Indianos, em carnavais; e, a cada 5 anos, a Bajada de la Virgen de las Nieves, um dos eventos mais emotivos e multitudinários da ilha.

Varandas floridas em Santa Cruz de la Palma

Santa Cruz de la Palma é uma excelente base a partir da qual se pode ficar e explorar a ilha. Aqui estão alguns outros grandes lugares para ficar aqui.

Como chegar a La Palma

A forma mais rápida de chegar a La Palma é de avião. Infelizmente não há voos diretos de Portugal mas há vários voos de muitas cidades de Espanha: o ideal é ver qual a cidade espanhola que mais lhe convém e utilizar sites de comparação de preços tais como Skyscanner e Kiwi.com. Também há voos de outras ilhas Canárias, como Tenerife e de vários países europeus, o ideal para conseguir o melhor preço é que seja flexível com datas.

Também se pode chegar a La Palma de barco desde Tenerife (com Naviera Armas ou Fred Olsen de Los Cristianos) ou desde La Gomera (também com Naviera Armas ou Fred Olsen). No entanto, tenha cuidado com o carro alugado, tem de pedir à empresa para o poder deslocar entre ilhas.

O mar de nuvens no Roque de los Muchachos e no Teide (Tenerife) ao fundo, acenando para nós.

Quantos dias dedicar a La Palma

Embora La Palma seja uma ilha mais pequena do que algumas das suas vizinhas, como Tenerife ou Gran Canaria, a sua orografia significa que tem muitos lugares para visitar e que leva um pouco mais de tempo a alcançá-los através das suas estradas sinuosas. O relevo da ilha é o resultado de um processo geológico de milhões de anos e a recente erupção do vulcão Cumbre Vieja tornou a estrada LP-2 inutilizável, tornando as viagens do sul para o centro e do norte mais lentas. Agora (Setembro de 2022) há uma nova estrada sobre os fluxos de lava, por isso não se esqueça de verificar o estado atual das estradas antes da sua viagem, para a otimizar. Também vai querer parar em vários miradouros para as deslumbrantes paisagens que verá na estrada.

La Cumbrecita, um dos nossos miradouros favoritos na ilha.

Por todas estas razões, na nossa opinião, o tempo ideal para visitar La Palma é de uma semana (7 dias), e mesmo assim não terá tempo para ver tudo, por isso, se tiver mais tempo e o desejo de percorrer os trilhos, não se vai arrepender. Se não tiver muito tempo, recomendamos um mínimo de 3 dias, durante os quais poderá ver uma pequena parte da ilha, o suficiente para lhe dar vontade de a visitar novamente com mais calma.

O trilho através do parque nacional Caldera del Taburiente é um dos mais espectaculares que já fizemos no arquipélago das Canárias.
Entre na floresta mágica de Los Tilos, floresta laurissilva em La Palma.

Saltar diretamente para os roteiros de 3, 5 ou 7 dias (uma semana) em La Palma aqui

O que visitar e fazer em La Palma

Para lhe facilitar a localização e classificação dos locais de interesse em La Palma, classificámo-los em Norte-Centro e Sul. Aqui está um resumo dos destaques do que se pode ver e fazer em La Palma, seguido de toda a informação sobre cada um dos locais.

O que visitar e fazer em La Palma:

  • Conhecer a área afetada pelo novo vulcão que entrou em erupção em Setembro de 2021, recentemente chamado vulcão Tajogaite, e as novas fajãs, o mais recente terreno da Europa.
  • Caminhar por trilhos cheios de contrastes e vistas de cortar a respiração através do Parque Nacional da Caldera del Taburiente e do Bosque de los Tilos (floresta Laurisilva).
  • Subir até ao ponto mais alto da ilha, o Roque de los Muchachos, onde se encontram alguns dos telescópios mais importantes do mundo e onde pode contemplar algumas das mais belas paisagens da ilha em frente a um mar de nuvens.
  • Viajar “ao futuro” no vulcão San Antonio e no vulcão Teneguía através da área afetada das erupções nessa altura, muito semelhante ao que os nossos olhos verão dentro de algumas décadas na área afetada pela recente erupção do vulcão Tajogaite.
  • Viajar “ao passado” no sítio arqueológico (e centro de interpretação) de El Tendal, onde os Benahoaritas (antepassados dos Palmeros) viveram durante (pelo menos) mil anos.
  • Parar de vez em quando em diferentes miradouros para admirar a beleza e diversidade da paisagem de La Palma, desde as paisagens mais antigas (como o Miradouro de la Cumbrecita) até às mais recentes (no Miradouro del Time).
  • Mergulhar em praias deslumbrantes e piscinas naturais tais como a praia de Nogales, Puerto de Tazacorte, Echentive, Charco Azul ou La Fajana.
  • Passear pelas ruas cheias de património cultural, histórico e arquitetónico de Santa Cruz de La Palma.
O farol e as salinas de Fuencaliente

Mapa de La Palma

Aqui estão todos os locais de interesse em La Palma de que falamos neste guia num mapa Google Maps que pode levar consigo no seu smartphone para consultar em qualquer altura. Dividimos os locais entre o centro-norte (verde) e o sul (azul), e marcamos a vermelho, aproximadamente, a área afetada pela erupção em 2021:

Deixamos-lhe também um mapa turístico com as estradas de La Palma (clique na imagem para o descarregar em tamanho e resolução maiores):

Fonte: https://www.visitlapalma.es/wp-content/uploads/2018/02/Mapa-gene%C2%81rico-ES-EN-DE-03-Web-1.pdf

Deixamos-lhe também dois outros PDFs turísticos oficiais que incluem um mapa e que podem ser úteis para a sua visita: um e outro.

Área afetada pelo novo vulcão Tajogaite (Cumbre Vieja)

Tal como no Randomtrip, a maioria das pessoas que aterram em La Palma querem ver as suas maravilhas naturais… incluindo a mais recente. Um olhar mais atento sobre a erupção do (recentemente chamado) vulcão Tajogaite de 2021: uma nova montanha que surgiu do nada, vomitando lava durante dois meses, varrendo tudo no seu caminho até chegar ao mar, aumentando a superfície da ilha com as suas duas novas fajãs. Estamos a falar de nada menos, do que da terra mais jovem da Europa!

Fluxo de lava do vulcão Tajogaite

Embora na altura da nossa viagem (Fevereiro de 2022) ainda não houvesse sinalização adequada ou informação oficial do Turismo de La Palma sobre os locais exatos que se podem visitar para ver os fluxos de lava ou o vulcão de perto, hoje em dia há muito mais informação e a regra geral é que se pode aceder às ruas ou estradas que não foram encerradas. Contudo, lembre-se sempre de o fazer de uma forma respeitosa e empática e, se possível, na companhia de alguém local.

As novas fajãs criadas pelo vulcão Tajogaite, cuja erupção terminou em Dezembro de 2021.

No Randomtrip fizemo-lo com Islabonita Tours que têm este passeio para ver o vulcão e a área afetada ou este passeio mais curto à volta da área (a partir de 25 euros/pessoa). Mais informação aqui

Se quiser observar o vulcão Tajogaite e o seu impacto, de forma gratuita, estes são alguns dos miradouros e pontos a que pode ir, por sua conta:

Norte de La Palma

Roque de Los Muchachos e arredores

Se a ilha de La Palma é um dos melhores lugares do mundo para contemplar o céu (reconhecido como Reserva de Luz Estelar e Destino Turístico), o Roque de los Muchachos é o melhor lugar da ilha a partir do qual se pode fazer isso. O Roque de los Muchachos é o ponto mais alto da ilha, a 2426 metros acima do nível do mar, e é incrível subir até lá para ver as vistas mais surpreendentes da ilha, especificamente da Caldera de Taburiente e/ou do mar de nuvens, e o céu estrelado à noite.

Dado que esta área de La Palma é uma das áreas do mundo com as melhores condições para observação astronómica, existem aqui vários telescópios diferentes, e a ilha tem uma lei para reduzir a poluição luminosa.

Devido à orografia da ilha, o acesso por estrada é feito através de uma série de curvas intermináveis, tanto do acesso sul como do norte, por isso, apesar das distâncias, reserve muito tempo para subir e descer até à área (demora aproximadamente 1h15 de Santa Cruz e 1h30 de Los Llanos). Aqui estão alguns dos pontos de interesse em que deve parar na sua visita a esta parte da ilha.

O miradouro de Roque de Los Muchachos

O miradouro Roque de Los Muchachos é o ponto mais alto da ilha (2426 metros acima do nível do mar), de onde terá vistas incríveis da Caldeira de Taburiente, do mar de nuvens (dependendo do tempo), do Teide em Tenerife e, se o dia estiver claro, poderá mesmo ver La Gomera e El Hierro.

Para lá chegar, pode estacionar aqui (tenha cuidado, o espaço é limitado) e caminhar ao longo do trilho (há um par de paragens, a última é onde terá as melhores vistas). Há troços do caminho onde o penhasco fica a poucos centímetros de distância, por isso caminhe com muito cuidado e se tiver vertigens pode não ser uma experiência agradável.

Centro de Visitantes Roque de Los Muchachos

O Centro de Visitantes Roque de Los Muchachos foi inaugurado recentemente (a 19 de Dezembro de 2021), um ponto obrigatório para os amantes do astro-turismo e para compreender melhor onde estamos, bem como para aprender sobre astronomia e o pouco que sabemos sobre o universo.

A experiência de visitar o Centro de Visitantes foi muito bem sucedida e completa: uma pessoa recebeu-nos à chegada, recomendou-nos que víssemos um vídeo introdutório no auditório e, no final, deu-nos uma breve explicação sobre as diferentes salas do centro e o que podíamos encontrar em cada uma delas. Para além disso, durante o passeio, havia sempre alguém do centro, mais próximo para nos dar mais informações ou dizer-nos factos interessantes. Em geral, as três pessoas que conhecemos mostraram muito interesse nos visitantes, o que foi muito apreciado.

O centro está dividido em várias salas onde mergulharemos no nosso universo e, especificamente, descobriremos as razões pelas quais La Palma foi escolhida para albergar os telescópios mais importantes do mundo.

O centro está aberto de segunda a domingo das 10:00h às 17:00h no Verão e das 10:00h às 16:00h no Inverno. Preço: a entrada custa 15 euros por pessoa (7,50 euros para residentes e famílias numerosas; gratuito para crianças menores de 12 anos).

Observatório Roque de los Muchachos

O Observatório Roque de los Muchachos (ORM) é o lar de um dos mais completos conjuntos telescópicos do mundo. O observatório está localizado no limite do Parque Nacional da Caldera de Taburiente, a uma altitude de 2396 metros, e é um dos maiores complexos telescópicos do mundo.

Graças ao seu céu escuro e claro (livre de poluição luminosa), a ilha de La Palma tornou-se um dos lugares mais privilegiados do planeta para a observação astronómica. Este observatório foi inaugurado em 1985 e está, naturalmente, localizado no ponto mais alto da ilha. Para assinalar a inauguração do observatório, o artista de Lanzarote César Manrique criou o Monumento el Infinito, que também recomendamos que visite (para o visitar, estacionar aqui e caminhar ao longo do trilho).

As visitas ao observatório estão temporariamente suspensas, mas o observatório está normalmente aberto a qualquer pessoa que o deseje visitar, dependendo do tempo e da disponibilidade. As visitas são marcadas várias vezes por semana, desde que as solicite com antecedência. Para saber se o observatório está aberto ao público e, se estiver, para reservar o seu bilhete para o observatório, vá a este site oficial.

Se quiser fazer uma visita de observação astronómica à ilha, Isla Bonita Tours tem partidas às terças, quintas e domingos. Se preferir ir às quartas ou sábados, pode reservar esta outra excursão.

Telescópios

Dada a qualidade do céu que La Palma possui, o ponto mais alto da ilha (mais de 2.400 metros acima do nível do mar) é um dos melhores do mundo para observação astronómica, e é por isso que verá uma série de telescópios gigantes.

Os telescópios que mais chamam a atenção de quem passamos por lá são os MAGIC (Major Atmospheric Gamma-ray Imaging Cherenkov), um sistema de dois telescópios, cada um com 17 metros de diâmetro, com espelhos hexagonais que detetam raios gama de muito alta energia numa região do espetro onde nenhum outro telescópio está operacional. O primeiro Magic foi inaugurado em 2003, o segundo em 2008 e os dois têm vindo a trabalhar em conjunto desde 2009.

Se estiver interessado em saber mais sobre este tipo de telescópio, continue a ler. Caso contrário, salte para o parágrafo seguinte. Os telescópios MAGIC observam uma classe de luz de alta energia (chamada raios gama), que são fotões de radiação electromagnética de muito alta energia, chegando à Terra a partir do Cosmos. Os raios gama são essencialmente o mesmo fenómeno físico que as ondas de rádio ou microondas, radiação infravermelha, luz visível e ultravioleta, ou raios X. A energia de um raio gama é mais de mil milhões de vezes maior que a de um fotão de luz visível, e os raios gama são produzidos não só na nossa galáxia, mas também em lugares mais distantes. As suas origens vão desde os buracos negros, restos de supernovas, núcleos galácticos ativos, explosões de raios gama, entre outros. Os raios gama são absorvidos pela atmosfera mas podem ser observados indiretamente: quando um fotão gama entra na atmosfera, interage com as moléculas de ar e gera uma cascata de partículas secundárias chamada “cascata atmosférica”. As partículas desta cascata descem com uma velocidade superior à velocidade da luz no meio (mas nunca superior à velocidade da luz no vácuo) e ocorre um fenómeno chamado efeito Cherenkov, semelhante a quando um avião quebra a barreira do som. No caso do plano, é produzida uma onda de choque ou boom sónico atrás do plano; no caso da cascata atmosférica, as partículas produzem um cone de luz muito fraco, com uma cor entre o azul e o ultravioleta. Os fotões de luz gerados pelo efeito Cherenkov estão confinados numa frente de luz de cerca de 200 m de diâmetro que se move na direção da superfície. Para detetar esta luz ténue, são construídos detetores especiais, os detetores MAGIC.

Tal é a importância da qualidade do céu em La Palma que existe uma lei, conhecida como a Ley del Cielo, que protege esta qualidade da poluição luminosa. Esta lei sobre a Proteção da Qualidade Astronómica dos Observatórios do Instituto de Astrofísica de Canarias (IAC) foi aprovada em 1988 pelo governo espanhol e foi revolucionária para a astronomia internacional, tornando a Espanha o primeiro país do mundo a criar uma lei para a proteção de um observatório, promovida pela IAC.

La Palma é a primeira reserva Starlight no mundo, tendo recebido o reconhecimento Starlight Tourist Destination em 2012. Esta ilha é, portanto, um dos melhores destinos para contemplar o céu e desfrutar do Universo. Em 2007 foi assinada em La Palma a Declaração Mundial em Defesa do Céu Nocturno e do Direito a Observar as Estrelas (Declaração de La Palma Starlight).

“O direito a um céu noturno não poluído que permita a contemplação do firmamento deve ser considerado um direito inalienável da Humanidade, comparável a outros direitos ambientais, sociais e culturais”.

Declaração sobre a Defesa do Céu Nocturno e o Direito à Luz Estelar

Outros miradouros

A estrada Roque de Los Muchachos tem outros miradouros com vistas incríveis, que listamos abaixo:

  • Miradouro de Los Andenes: a 2000 metros, situa-se no norte da Caldera de Taburiente, a poucos quilómetros do miradouro de Roque de Los Muchachos. Deste miradouro pode-se ver quase todo o percurso da ravina Barranco de las Angustias dentro do Parque Nacional da Caldera de Taburiente e da Reserva Natural Integral Pinar de Garafía, ao norte do parque.

Adegas Eufrosina Pérez Rodríguez (Adega El Níspero)

A uma altitude de 1.200 metros na zona de Briesta de Garafía, encontram-se os 3,5 hectares de vinha de Eufrosina Pérez Rodríguez. Herdando a terra do seu pai, Eufrosina começou a produzir vinho até fundar a sua própria adega, Bodega El Níspero, com vinho engarrafado com denominação de origem.

Das três zonas vitícolas de La Palma, a adega El Níspero está localizada na Subzona Norte e todo o processo de vinificação é manual, desde a vindima até ao engarrafamento, e não são utilizados pesticidas nem leveduras.

Pode aprender sobre todo o processo e provar o vinho com reserva prévia ligando para (+34639080712 ou +34922400447). Tal como no Randomtrip, também poderá provar pratos canários tradicionais acompanhados por um bom vinho. A comida é deliciosa.

O Museu do Gofio, o Moínho de las Tricias e Buracas

O Museu de Interpretação Gofio (MIGO) é um tributo a esta comida tradicional que desempenha um papel tão importante na gastronomia de todas as Ilhas Canárias.

(Para chegar ao museu de carro, apanhar a LP-114 exatamente neste ponto).

Ao contrário do que se possa pensar inicialmente, o gofio não é uma farinha específica, mas um alimento como o pão, por exemplo. Tem variações diferentes e pode acompanhar todas as refeições desde o pequeno-almoço ao jantar, sendo o protagonista de vários pratos típicos canários como o gofio escaldado, snacks como as bananas escachadas com gofio ou mesmo sobremesas como as rapaduras de gofio (um doce em forma de cone típico da ilha de La Palma cujo ingrediente principal é o mel).

Contar a história do gofio é também contar a história das Ilhas Canárias, e é por isso que este museu nos parece tão importante. Gofio era o alimento que as pessoas levavam consigo quando iam trabalhar nos campos, o ingrediente que acompanhava os emigrantes nas suas viagens, e vários estudos concordam que já era igualmente importante nos tempos pré-hispânicos. Embora se utilizasse principalmente a cevada (enquanto hoje em dia é trigo e milho), o gofio já era um dos principais alimentos da população aborígene. Até hoje, o aroma do gofio ainda anuncia que estamos a chegar a um lar canário.

O Gofio é feito a partir de grãos inteiros de um ou mais cereais, aos quais podem ser adicionadas leguminosas, que são depois tostadas e moídas em mós. Os cereais atualmente utilizados são o trigo e o milho, embora também sejam feitas misturas com outros cereais, tais como cevada, centeio ou mesmo leguminosas, tais como tremoços, favas, ervilhas, grão-de-bico e lentilhas. O resultado é uma farinha que, misturada com outros ingredientes tais como leite ou caldo de carne, formou a base fundamental da dieta de La Palma e, em geral, de todas as Ilhas Canárias desde os seus antepassados.

No processo tradicional de produção de gofio, após o cultivo do grão, era colhido, tostado e peneirado. Posteriormente, os diferentes cereais ou leguminosas a serem utilizados para fazer gofio eram misturados e a mistura levada para o moinho para ser triturada. Quando o gofio estava pronto, era armazenado em caixas de chá (a caixa de gofio) ou na lata de gofio, à espera de ser consumido. Hoje em dia, todo o processo é mecanizado, incluindo a embalagem final.

O Molino de Tricias, o moinho de vento que pode ser visto em frente ao centro de interpretação, representa uma importante componente arquitetónica na cultura do gofio. Além de refletir a sociedade rural tradicional de Garafía, conta a história dos Benahoaritas, habitantes de La Palma nos tempos pré-hispânicos, que utilizavam pequenos moinhos manuais de pedra basáltica para moer a matéria-prima tostada da qual obtinham gofio. Foi após a chegada dos europeus que a construção dos moinhos de água e, sobretudo, dos moinhos de vento começou, devido às características geográficas da Garafía.

Não se sabe ao certo quando a atividade do Moinho de las Tricias começou, mas há registos da sua atividade em 1908! Pessoas de toda a Garafía costumavam vir a este moinho: devido à sua localização, era fácil ver de diferentes pontos da região se as lâminas do moinho estavam ou não a trabalhar para transportar o grão. Como curiosidade, se o moleiro visse que as condições meteorológicas (especialmente o vento) lhe permitiam continuar a moer, avisaria a população soprando num búzio.

Muito perto do Museu del Gofio e do Moinho de Tricias está Buracas. Buracas é um lugar muito interessante por três razões: o dragoeiro (os dragoeiros de Buracas são muito bonitos e oferecem um bom exemplo da arquitetura rural da ilha); o sítio arqueológico-etnográfico (um assentamento pré-hispânico formado por vários assentamentos de cavernas naturais, três grupos de petróglifos com motivos geométricos e várias necrópoles); e a paisagem de Garafía que pode ser vista através da estrada para chegar aos dois pontos acima mencionados.

Para chegar tanto ao sítio dragonal como ao sítio arqueológico de Buracas, existe um caminho bem marcado e bem preparado (fase 4 do GR 130) para se poder caminhar desde o Museu e o Moinho de las Tricias. Para regressar, basta recuar até ao mesmo ponto ou juntar-se à estrada principal para Santo Domingo. Se for de carro, há uma estrada que também parte da aldeia de Las Tricias e vai para uma ravina adjacente, de modo que só teria de caminhar 5 minutos para chegar à zona arqueológico-etnográfica.

Miradouro Matos

Do Miradouro de Matos e da sua cruz terá uma vista das falésias, das áreas cultivadas e do município de Garafía. Pode estacionar aqui e subir a pé até ao miradouro.

Miradouro dos Dragos

O miradouro dos Dragos é um miradouro a uma altitude de 824 metros acima do nível do mar que vale bem a pena visitar, especialmente se for fã desta árvore especial, pois daqui pode contemplá-la com uma vista para o mar. O miradouro deve o seu nome ao gémeo Dragos de Puntagorda que costumava estar neste canto e receber os visitantes. Hoje em dia, apenas uma parte deles sobrevive, o que é particularmente notável por estar inclinada, lembrando-nos um pouco os juníperes de El Hierro.

O dragoeiro centenário coroa um trecho do Caminho Real que atravessa a ravina Parranco de El Roque, onde desfrutamos de uma vista panorâmica incrível. Este trecho do Caminho Real costumava ser um local de descanso para os campensinos de Puntagorda quando vinham carregados de erva, fruta, etc.

Miradouro Barranco de Garome

O miradouro de Barranco de Garome é a fronteira natural e física entre os municípios de Tijarafe e Puntagorda. A partir daqui pode subir pela área de EI Lance e ver como as vinhas sobem as encostas.

Porto de Puntagorda

Para chegar a Puerto de Puntagorda é preciso descer algumas escadas (não contamos quantas mas pelo menos 400…) mas vale a pena: no fundo encontra-se uma piscina natural, várias casinhas aninhadas no penhasco e uma caverna. Mesmo que não se atreva a nadar (embora depois de todas aquelas escadas, duvidemos), a vista da costa é tão incrível que vale a pena o esforço para chegar aqui. Pode estacionar aqui o seu carro para começar a descer as escadas.

Praia de La Veta

La Veta é uma praia de areia preta que desaparece dependendo da época do ano. É, portanto, uma praia sazonal: não poderá nadar no Outono e no Inverno porque a areia desaparece, pelo que é melhor visitá-la se a sua viagem à ilha coincidir com o fim da Primavera ou no Verão.

Encontra-se no sopé de uma impressionante falésia com cerca de 200 metros de altura e para lá chegar é necessário virar na curva da estrada LP-1, junto ao Bar La Guagua. A estrada desce e chega à via do canal. Aqui, evite o caminho de terra e vire para a direita. A estrada volta a descer até chegar ao parque de estacionamento na Playa de la Veta, que se encontra na beira do penhasco. Após cerca de 15 minutos de caminhada em descida, chega-se à praia. Tenha cuidado, não é uma praia vigiada e não há salva-vidas, por isso não seja corajoso se houver uma corrente.

Tijarafe, El Diablo e a Igreja de Nuestra Señora de la Candelaria

Se for uma pessoa de festa, gostará de Tijarafe porque é aqui que se realizam as festas mais tradicionais da ilha, as festas de El Diablo. Na madrugada de cada 8 de Setembro, enquanto as pessoas dançam na verbena, uma mudança na música assinala o ponto alto da noite: o aparecimento do El Diablo, que irrompe no fogo cuspido e dança ao som da música. O festival do diabo tornou-se tão popular que foi declarado um bem de interesse cultural na categoria local.

Se a sua visita a Tijarafe não coincidir com o dia 8 de Setembro, não se preocupe porque é também um município que se destaca pelo seu património. A Igreja de Nuestra Señora de la Candelaria, onde a santa padroeira, a Virgen de Candelaria, é adorada, foi construída entre os séculos XVII e XVIII, num estilo Mudejar distinto. É muito bonita e vale a pena ver, mesmo que seja, como fizemos no Randomtrip, do exterior.

Porís de la Candelaria

O verdadeiro propósito de vir até esta parte da ilha, o Porís de la Candelaria, é curioso e belo, e chegar lá é uma experiência tão intensa e cheia de adrenalina que se tornou um dos lugares que nunca esqueceremos na ilha, não importa quantos anos passem.

Uma aldeia dentro de uma caverna dentro de um penhasco. Tem também uma enseada com águas transparentes onde se pode dar um mergulho.

O Porís de Candelaria é uma gruta com pequenas casas ao pé do mar, um lugar muito peculiar. O acesso é bastante complicado, através de uma estrada muito estreita e íngreme onde o encontro com outro veículo na direção oposta pode ser uma odisseia (daí a adrenalina que mencionámos anteriormente). Lá em baixo há dois parques de estacionamento com espaços limitados, e a partir deles (o primeiro, o parque de estacionamento superior fica muito mais longe, o parque de estacionamento inferior tem mais espaço, mas também mais hipóteses de encontrar alguém no regresso, e foi lá que estacionamos) e depois é preciso continuar a pé até ao Porís, a caverna.

três opções para chegar aqui: de carro, a pé ou por mar. Depois de o fazermos de carro, optaríamos definitivamente por qualquer um dos outros dois porque passámos um mau bocado. Para tentar descrevê-lo, imagine uma estrada de sentido único muito íngreme, muito estreita (na maior parte dos troços nem sequer cabem dois carros, por isso espera com todas as suas forças não encontrar ninguém), sem barreiras protetoras e com um penhasco (por muito bonito que seja) por baixo. Estamos certos da opção que escolheremos quando voltarmos aqui e será fazer este trilho a pé ou esta viagem de caiaque marítimo.

Como podem ver pelos pequenos pedaços do porís que vos trazemos aqui sob a forma de fotografia, valeu totalmente a pena cada gota de suor (e não só) que libertamos quando chegamos e quando partimos daqui. A adrenalina acima das suas possibilidades que valeu totalmente a pena.

Reserve aqui a sua excursão para chegar à Porís de Candelaria a pé ou reserve aqui a sua excursão de caiaque para conhecer a Porís de Candelaria, bem como a impressionante Cueva Bonita (bela caverna).

Cueva Bonita

Também pode visitar a Cueva Bonita, também conhecida na ilha como a Capela Sistina do Atlântico (não faça essa cara, no Randomtrip também não somos fãs de comparações de destinos…). Aparentemente, esta caverna cristalina localizada no sopé das falésias serviu de refúgio para a população local dos ataques piratas durante o século XVII e agora pode explorá-la em caiaque durante algumas horas a partir de Porís de Candelaria.

Esta caverna só é acessível por mar a partir de Porís, por isso, se quiser, reserve aqui a sua viagem de caiaque à Cueva Bonita a partir de Porís de Candelaria.

Miradouro las Cabezadas

Este miradouro, menos conhecido do que o Miradouro del Time de que falaremos em seguida, é um dos miradouros ideais para ver o rasto de lava da recente erupção do vulcão Tajogaite, em Setembro de 2021, fluir em direção ao sul da ilha, a caminho do mar onde se encontra atualmente a nova fajã, o terreno mais jovem da Europa.

Miradouro del Time

O Mirador del Time oferece vistas incríveis sobre o vale do Aridane, o novo vulcão Tajogaite e o seu impacto: o enorme fluxo de lava que desce até ao mar. Tem um terraço onde se pode tomar uma bebida e é também muito popular para ver o pôr-do-sol.

Vista panorâmica a partir do Mirador el Time

Miradouro de las Angustias

O miradouro de Las Angustias é o homónimo do Barranco de las Angustias, uma das partes mais desafiantes do trilho da Caldera del Taburiente (especialmente para os joelhos), uma rota essencial através deste parque nacional em La Palma, de que falaremos mais abaixo. Oferece belas vistas da ravina com o mar ao fundo.

Caldera del Taburiente a partir do trilho através do parque nacional de que vos falaremos mais abaixo.

Miradouro de La Cancelita

O miradouro La Cancelita oferece uma vista panorâmica do Parque Nacional da Caldera del Taburiente, mais especificamente, do barranco de Las Angustias. Tem um parque de estacionamento e bancos onde se pode descansar.

Caldera del Taburiente a partir do trilho através do parque nacional de que vos falaremos mais abaixo.

Tazacorte: Praia e Porto de Tazacorte

A área de Puerto de Tazacorte tem um microclima que a torna sempre (ou quase sempre) solarenga e alguns graus mais quente do que o resto da ilha. De facto, é conhecido como um dos lugares mais ensolarados da Europa e pode dizer-se que a palavra se espalhou para o norte da Europa pela quantidade de turismo desses países que se vê por aqui. Existe uma vasta gama de alojamentos com vista para o mar e uma boa localização para se deslocar à volta da ilha.

A sua praia de areia preta é ideal para um mergulho no mar ou banhos de sol, e os vários terraços ao longo do passeio marítimo são um ótimo local para o pôr-do-sol, almoço ou jantar.

Além disso, as grutas e recifes da costa de La Palma são unidos os cetáceos para deleitar os amantes de baleias e golfinhos que os querem observar no seu habitat, no meio selvagem. Pode experimentar esta aventura de Puerto de Tazacorte: reserve aqui a sua viagem de observação de baleias em catamarã, de 2h30 desde Puerto de Tazacorte .

La Sal (a partir de 150 euros/noite): espantoso apartamento de 2 quartos, na frente da praia. Dormem até 4 pessoas, com estacionamento privado, terraço, cozinha, casa de banho com banheira de hidromassagem, em Tazacorte.

Se quiser conhecer melhor a costa ocidental de La Palma e explorar as suas enseadas mais intactas, pode reservar esta viagem de barco a partir de Tazacorte com um lanche a bordo e snorkelling incluído!

Praia de Tazacorte ao pôr-do-sol

Reserve aqui a observação de baleias ou a viagem à vela aqui. Ver onde ficar em Tazacorte aqui.

Los Llanos de Aridane

Los Llanos de Aridane é o município mais populoso de La Palma, e também um dos mais afetados pela erupção do Tajogaite. É uma área com uma grande quantidade de terrenos planos (daí o nome “Los Llanos”, ao qual foi acrescentado “de Aridane” para o diferenciar de outros locais com o mesmo nome – “Aridane” é em teoria “llano” na língua aborígene), razão pela qual é uma área com um grande número de campos cultivados.

No centro da cidade, pode passear pela Praça de Espanha, onde encontrará a Igreja de los Remedios e 11 “loureiros das Indias” trazidos de Cuba por emigrantes, no século XIX, e visitar o Museu Arqueológico Benahoarita (temporariamente fechado para obras na altura da redação deste guia). Por outro lado, entre 1999 e 2000 foi levada a cabo uma iniciativa (CEMFAC), devido ao centenário da cidade, para criar uma exposição permanente de arte urbana ao ar livre, que conta atualmente com 28 obras que se podem encontrar ao passear pela cidade.

Para as melhores vistas da cidade e da zona, para além do já mencionado Miradouro del Time, pode-se escalar o Castillo de la Virgen, de onde se pode também ver o novo vulcão e o seu impacto.

O vulcão Tajogaite

Na costa, o município tem Puerto de Naos, uma das principais estâncias turísticas “de praia” da ilha, que tem estado fechada ao público (locais e visitantes) desde a erupção devido à alta concentração de gases nocivos.

Se tiver vontade de explorar melhor esta linha costeira em caiaque, pode reservar este passeio de caiaque por El Remo e desfrutar da linha costeira de La Palma a partir da pequena aldeia piscatória do município de Los Llanos de Aridane, El Remo.

Los Llanos de Aridane é também, devido à sua localização, uma excelente base a partir da qual se pode explorar La Palma:

Casa Baobab (a partir de 63 euros/noite): casa de dois quartos com terraço, janelas e cozinha totalmente equipada, a dois minutos a pé do centro de Los Llanos de Aridane.

Reserve aqui o seu alojamento em Los Llanos de Aridane.

Parque Nacional da Caldera del Taburiente: uma rota obrigatória

Uma via essencial e, ousamos dizê-lo, uma das mais belas que já fizemos nas Ilhas Canárias. Se a caldeira Taburiente é impressionante quando vista de um miradouro (como o miradouro Cumbrecita), imagine entrar nesta paisagem: é de cortar a respiração.

O percurso através do parque nacional de La Palma, Caldera de Taburiente, é um percurso linear de 16 km que a Randomtrip fez com Isla Bonita Tours (pode reservar aqui) e nós recomendamos vivamente, foi espantoso.

Graças às explicações que nos foram dadas pela nossa incrível guia Jaga (sem a qual não nos teríamos inteirado de metade e teríamos caído duas vezes mais), apercebemo-nos da importância da biodiversidade de La Palma em geral e de cada um dos pontos pelos quais passámos, em particular. Aprendemos muito sobre os pinheiros das Ilhas Canárias! Tão forte, adaptável e resiliente como o povo de La Palma provou ser face à recente erupção do vulcão Tajogaite.

O percurso inicia-se a 1081 metros acima do nível do mar, no Mirador de los Brecitos, até 200 metros acima do nível do mar no Barranco de las Angustias – ou seja, cerca de 800 metros de diferença de altitude – mas os 16 km são praticamente todos descendentes.

Escala de Dificuldade Randomtripper: Médio. Embora seja tudo descendente, algumas partes do percurso são bastante escorregadias e terminará o percurso com muitas dores, especialmente nos joelhos devido ao Barranco de las Angustias.

O imponente Roque Idafe

Durante toda a descida somos acompanhados pelo imponente Roque Idafe, uma figura muito importante para os antepassados canários. Três horas após o início do percurso, paramos para um lanche e para refrescar os pés.

Parar para um lanche e refrescar-se.

Passamos por um riacho carregado de ferro e chegámos a um dos pontos mais procurados (e fotografados) do percurso: a Cascada de los Colores (Cascata das cores). Não tinha muita água quando lá fomos, mas é impressionante na mesma.

Cascata de Cores

Aqui está um resumo dos pontos onde passámos ao longo do percurso:

  1. Miradouro de Los Brecitos
  2. 9 pinheiros gordos (desvio)
  3. Área de Campismo
  4. O furo
  5. Roque Idafe
  6. Ravina Las Angustias
  7. Cascata de Cores

Obrigado Isla Bonita Tours por nos levar pela mão a outro dos mais impressionantes recantos desta bela ilha.

Miradouro La Cumbrecita

Um dos nossos miradouros favoritos na ilha e que desejamos repetir para o explorar melhor com uma rota, o Mirador de la Cumbrecita é de cortar a respiração.

É um miradouro com vistas, claro, para a Caldera de Taburiente e, conhecemo-lo no mesmo dia em que fizemos o percurso de 16 km através do parque nacional, no nosso regresso. Deste miradouro, houve outra rota de trekking através da Caldeira que foi encerrada definitivamente devido ao perigo (foi-nos dito que houve algumas mortes…).

Pode lá chegar de carro, mas o lugar de estacionamento é limitado e regulamentado, pelo que tem de reservar um lugar de estacionamento antecipadamente neste website de parques nacionais se for a La Cumbrecita entre as 9:00h e as 16:00h (se for depois dessa hora, como nós Randomtrip, não tem de o fazer). No nosso caso, fomos por volta das 18:00h e podia-se ir sem reserva (não estava lá ninguém, apenas mais um carro), mas tenha cuidado! Não tem muitas horas de luz do dia se quiser fazer uma rota. No miradouro há uma rota simples para o miradouro del Roque e por último, até ao Lomo de las Chozas. Aguardamos com expectativa a nossa próxima visita a La Palma.

Miradouro do Tajuya

O miradouro do Tajuya é um dos mais famosos miradouros de La Palma, pois durante a erupção do vulcão Tajogaite, a maioria dos canais de televisão transmitiam as imagens da sua erupção a partir daqui. Para aceder ao miradouro, pode estacionar o seu carro aqui.

Ermita de La Virgen de Pino

A pequena Ermita de La Virgen del Pino foi construída para adorar a Virgem Maria, que, de acordo com a tradição, apareceu no enorme pinheiro junto a ela. Este pinheiro tem entre 600 e 800 anos, segundo estudos recentes, e é em teoria o pinheiro mais alto das Ilhas Canárias.

O povo de El Paso é muito dedicado a esta virgem, cuja descida (da Ermita para o centro de El Paso) tem lugar de 3 em 3 anos. Em 2021 não foi possível fazer a descida devido à pandemia, pelo que foi feita em 2022, sendo muito emocional devido à recente e próxima erupção do Tajogaite.

Miradouros do Barranco de los Gomeros e San Juanito

Pode parar nestes dois miradouros no seu caminho de Santa Cruz para os pontos de interesse no nordeste da ilha (Charco Azul, Bosque de los Tilos, La Fajana…), uma vez que se encontram precisamente nesta estrada e têm espaço para parar o carro e admirar as paisagens.

Primeiro tem o Miradouro Barranco de los Gomeros, que presta homenagem com a sua escultura de bronze aos esforços feitos por um grande número de pessoas de La Gomera que emigraram para La Palma e contribuíram para o desenvolvimento da ilha. A escultura representa uma mulher canária olhando para o horizonte e assobiando (em homenagem ao silvo gomero). Se as condições meteorológicas o permitirem, deste miradouro, poderá ver a ilha de La Gomera (e também de Tenerife).

Um pouco mais adiante fica o Miradouro de San Juanito, também com espaço para estacionar o carro, vistas semelhantes às anteriores e com uma mesa e bancos onde pode relaxar.

Puntallana e o seu mercado

Se passar por esta parte da ilha no fim-de-semana, deve saber que aos sábados e domingos, das 9h às 14h, realiza-se o mercado municipal de Puntallana, onde pode encontrar produtos agrícolas como fruta e legumes, bem como, artesanato e produtos típicos para comer ou levar como lembranças.

Mercado de rua Puntallana

Pode também passear pelas ruas estreitas do seu centro histórico, onde pode apreciar as suas mansões coloniais e visitar a Casa Luján, uma típica casa canária do século XVII, agora convertida num museu etnográfico e centro de artesanato. Pode também visitar a Fuente de San Juan (uma fonte declarada “Rincón por la Paz” em 1995) e a Fuentiña (antigos lavadouros onde as mulheres costumavam lavar as suas roupas).

Praia de Nogales

A praia bonita da ilha bonita, é assim que se conhece Nogales. Nos dias em que estivemos na ilha, foi-nos perguntado constantemente se já tínhamos estado na praia de Nogales e, quando chegámos, compreendemos porquê.

O contraste entre a areia preta, o verde exuberante e o azul do mar cria um postal que a torna a praia mais bonita da ilha. Quando lá fomos, não foi um dia particularmente bom e, além disso, o acesso à praia ainda estava fechado devido a obras de construção (atualmente já está aberta ao público). Ficámos com o desejo de o desfrutar e deixámo-lo para a nossa próxima visita à ilha. Vale sem dúvida a pena uma visita para a contemplar de cima, no Miradouro de la Playa de Nogales. Para aceder à própria praia, pode estacionar neste parque de estacionamento gratuito.

Bosque Los Tilos

O Bosque de los Tilos é uma floresta Laurissilva em La Palma que faz parte do Parque Natural de las Nieves. Foi o primeiro setor de La Palma a ser catalogado como Reserva da Biosfera, antes de ser alargado ao resto da ilha.

Entrar no Bosque de los Tilos é como entrar num mundo mágico onde se está sempre à espera que uma fada ou um elfo espreite por detrás de uma samambaia.

A melhor maneira de o conhecer é tomar um dos trilhos que lhe permitem contemplá-lo e explorá-lo. Existem duas rotas principais de caminhadas, que são detalhadas abaixo:

Se preferir reservar uma excursão guiada pela floresta de Los Tilos, pode fazer um 3 em 1 com esta excursão que o levará numa rota através do Bosque de los Tilos, para depois se refrescar para um mergulho no Charco Azul e terminar com uma visita à Destilaria La Aldea. Reserve aqui:

O Cubo de la Galga

El Cubo de la Galga é uma rota relativamente fácil para caminhadas que recomendamos vivamente para entrar na floresta laurissilva de La Palma.

Temos um Randomtip (uma pequena dica baseada na nossa experiência): para lhe dar. O percurso oficial, que parte do Centro de Visitantes, obriga-o a fazer um trecho, na nossa opinião, menos interessante e bastante íngreme, ida e volta, pelo que decidimos fazer apenas a parte completamente circular, que é onde se vê a Laurisilva. Para tal, pode iniciar o percurso neste ponto (é circular, pelo que voltará a ele), e estacionar o seu carro nas proximidades (tenha cuidado, quase não há espaço, embora quando lá estivemos, não houvesse carros estacionados). Para aceder a esse ponto, é necessário fazer este desvio específico da estrada principal

Escala de Dificuldade Randomtripper: Fácil. É um percurso fácil, com alguma inclinação (em La Palma há sempre alguma inclinação devido à orografia da ilha), e algumas partes escorregadias devido à lama.

O trilho também tem vistas espetaculares do Miradouro de Somada Alta de onde, num dia claro, se pode ver Tenerife e La Gomera!

Se preferir, pode reservar esta excursão que, além de o levar através da encantada floresta laurissilva, também o leva à mais bela praia da ilha, Playa de Nogales. Reserve aqui.

Nascentes Marcos e Cordero

Esta outra rota através de Los Tilos é uma rota de caminhadas mais difícil, mas, de acordo com o que nos foi dito, é espetacular. É ideal para contemplar a Laurisilva de la Palma, atravessa vários túneis e tem mesmo de levar uma tocha e proteção de água. Por outras palavras, uma rota mais aventureira com mais adrenalina do que a anterior. No Randomtrip não o fizemos porque estava fechado devido a um deslizamento de terras quando visitámos a ilha, mas deixamos-vos este artigo de La Gaveta Voladora no qual eles detalham a rota e nos contam a sua experiência.

Parque Arqueológico El Tendal: uma viagem ao passado

Um dos centros de interpretação mais interessantes da ilha com uma visita a um impressionante sítio arqueológico: uma caverna natural onde cerca de vinte Benahoaritas, os aborígenes de La Palma, viveram durante (pelo menos) mil anos.

Uma visita ao Parque Arqueológico El Tendal é um passeio pelo passado da ilha e pelas vidas dos antepassados e ancestrais da ilha. No centro de interpretação aprenderão sobre os seus bens domésticos (através de peças de cerâmica e lítica), as suas atividades diárias (através de ossos da fauna doméstica, provas alimentares de origem marinha, coleção de vegetais, carvão vegetal), as suas crenças mágico-religiosas (através, por exemplo, de gravuras rupestres e pilhas de pedras) e até os seus costumes funerários. Aprendemos não só com todos estes artefatos extremamente valiosos mas também com os painéis de informação audiovisual e com a pessoa do centro, que te guia através dos detalhes da vida das pessoas que aqui viveram.

O sítio arqueológico de El Tendal tem mais de 60 metros de largura e consiste num assentamento de pequenas grutas: 27 grutas de habitação, 3 necrópoles e uma pequena estação de gravura de cavernas.

Recentemente, outra campanha de escavação foi realizada em El Tendal que, de acordo com a equipa multidisciplinar responsável, revolucionou o que se sabia sobre este sítio desde os anos 80, uma vez que parece que os aborígenes continuaram a viver em El Tendal durante mais tempo do que se pensava anteriormente. Além disso, dizem, “a força estratigráfica deste sítio, que já era o maior nas Ilhas Canárias, aumentou de sete para nove metros”. Foi aí encontrado um grande número de vestígios arqueológicos num estado de conservação excecional”. Lêmo-lo neste artigo de RTVC.

Como bónus, o restaurante no parque arqueológico tem vista para o mar e para o impressionante barranco onde se situa a gruta, e tem pratos deliciosos, por isso, se tiver fome antes ou depois da sua visita, não pense duas vezes. Dica: se comer produtos lácteos, peça o queijo grelhado e não se vai arrepender….

O parque arqueológico e centro de interpretação está aberto de terça-feira a sábado das 10:00h às 18:00h e domingos e segundas-feiras das 10:00h às 15:00h. O custo da entrada é de 8 euros por pessoa (4 euros para residentes das Canárias), grátis para crianças menores de 12 anos.

San Andrés y Sauces

Parámos na pitoresca aldeia de San Andrés, parte do município de San Andrés y Sauces, para almoçar na Plaza de San Andrés e tivemos uma surpresa. San Andrés tem um conjunto de ruas estreitas calcetadas, uma bela igreja na praça, a igreja de San Andrés, entre palmeiras e vistas para o mar. Um pequeno aperitivo que prefigurou a surpresa que teríamos na sua capital, Santa Cruz.

O melhor a fazer é dar um mergulho em San Andrés, onde vos falaremos a seguir.

Charco Azul

As piscinas naturais de Charco Azul, na costa de San Andrés, têm água turquesa e são adequadas para todos. Encontrará a piscina azul maior, protegida das ondas, e também uma piscina para crianças com fundo liso. Têm também estacionamento gratuito, um quiosque e sanitários.

Durante o Verão ficam bastante cheios, e parece que esta reputação aumentou após uma remodelação recente, que agora, para além das piscinas naturais, inclui também uma pequena queda de água, solário, chuveiros e balneários.

Destilaria de Rum de La Aldea e Centro de Interpretação de Cana-de-Açúcar e Rum

A destilaria de Ron La Aldea não é apenas o que parece ser. Na realidade, estamos em frente ao Centro de Interpretação da Cana de Açúcar e Rum, uma fábrica fundada em 1936 em La Aldea de San Nicolás (na Gran Canaria) que lhe dá o seu nome (a propósito, um dos lugares onde fomos mais felizes na nossa visita à Gran Canaria, pode ler sobre ela aqui). E como acaba a fábrica aqui em La Palma?

As melhores pessoas para responder a esta pergunta são as pessoas do museu, mas falaremos um pouco sobre o assunto: Don Manuel Quevedo Alemán, nascido em Arucas, Gran Canaria (também conhecerá a sua fábrica de rum lá) emigrou muito jovem, primeiro para Cuba e depois para Santo Domingo. Em ambos os lugares trabalhou em fábricas de açúcar e, quando regressou, ajudou o seu pai e o seu tio na sua própria fábrica de açúcar, tornando-se mais tarde o diretor da fábrica. O impacto da Primeira Guerra Mundial significou que a produção era quase nula e em 1919, um ano após o fim da guerra, fechou a fábrica. O facto, é que ele vendeu os principais bens de capital – incluindo ele próprio – a um homem português da Madeira. Assim, ele foi para esta ilha portuguesa onde permanece durante 15 anos (e torna-se o diretor de uma fábrica de açúcar).

Quando regressou às Ilhas Canárias em 1934, com a ideia de continuar no mundo da produção de açúcar e da destilação, iniciou a fábrica de rum de La Aldea, que abriu as suas portas em 1936 e começou a produzir mais a cada ano, principalmente porque os agricultores locais viram na cana doce uma cultura alternativa à crise que estava a ocorrer na agricultura de exportação, principalmente o tomate. Com o declínio da produção local de cana de açúcar, a fábrica fechou em 1960 e abriu em La Palma em 1969, onde a quarta geração da família ainda se encontra ao leme.

Pode visitar a fábrica e conhecer o processo de produção utilizando a cana-de-açúcar cultivada na ilha e o processo de destilação do rum. Há uma loja que vende produtos locais se quiser levar para casa uma lembrança. O custo de entrada no museu com degustação incluída é de 5 euros por pessoa (reservar com antecedência neste website) mas se quiser apenas visitar a loja é gratuito. Está aberto de segunda a sexta-feira das 09:00h às 14:00h e das 15:00h às 17:00h.

Pode fazer um 3 em 1 com esta excursão que o levará a dar um mergulho no Charco Azul após o percurso pedestre através do Bosque de los Tilos para terminar com uma visita à destilaria de rum La Aldea. Como o vê? Reserve aqui

Praia de Puerto Espíndola

Nas proximidades encontra-se uma praia de areia preta protegida pelo porto, a praia de Puerto Espíndola. Não chegámos a mergulhar mas foi-nos recomendado que entrássemos na água na área junto ao quebra-mar, uma vez que a área perto do porto tem mais rochas que dificultam a entrada no mar. Se ficar com fome, recomendaram-nos o restaurante Mesón del Mar, mas não o experimentámos pelo que não podemos falar por experiência própria.

La Fajana e as suas piscinas naturais

Outra zona ideal para um mergulho no norte da ilha é La Fajana. Aqui encontramos várias piscinas naturais, criadas artificialmente com água do mar e protegidas das ondas.

Há também uma área para relaxar e um restaurante com ótimas vistas e excelente peixe, La Gaviota (foi-nos recomendado por Jonás de Isla bonita e adorámos, obrigado!)

El Tablado

El Tablado situa-se entre as duas das maiores ravinas da ilha, Barranco de Los Hombres e Barranco de Facundo, e é um ponto privilegiado para contemplar as imponentes falésias que descem para o mar.

Parque Cultural La Zarza

O Parque Cultural de La Zarza é um enclave natural e uma zona arqueológica. Embora o Centro de Visitantes das estações das grutas culturais de Benahoarite, La Zarza e La Zarcita, estivesse fechado ao público no momento da redação deste guia, é possível fazer a rota das caminhadas. Foi-nos recomendada a rota da Caldera del Agua que começa junto ao Centro de Interpretação e termina em Don Pedro, no norte da ilha. No Randomtrip não a conseguimos fazer, mas aqui pode encontrar mais detalhes da rota.

Petroglifos de Santo Domingo: sítio arqueológico

Este sítio arqueológico, conhecido como os petróglifos de Santo Domingo, foi descoberto em 1922 e o seu aspeto atual é muito diferente do que era na altura, dado que os petróglifos aparentemente faziam parte de uma pirâmide. Atualmente, o núcleo principal do sítio é formado por um alinhamento de grandes rochas, algumas com gravuras representando ideogramas geométricos (espirais, meandriformas, semicírculos concêntricos, etc.) executadas com a técnica de perfuração.

Lemos no painel explicativo junto ao local que, na realidade, a estação de gravura rupestre é muito maior e estende-se por uma grande parte da encosta que foi profundamente alterada pelo trabalho agrícola.

Para lá chegar, pode estacionar aqui e caminhar alguns metros:

Miradouro de Santo Domingo de Garafía e Roque de Santo Domingo

Próximo está este miradouro onde se pode apreciar as vistas, especialmente do Roque de Santo Domingo. Do miradouro de Santo Domingo de Garafia pode desfrutar de uma vista deslumbrante da rocha, das falésias em direção ao mar e, confirmamos ser um dos melhores lugares da ilha para apreciar o pôr-do-sol sobre o mar. Tem um grande parque de estacionamento onde pode deixar o seu carro e descer para Puerto de Santo Domingo ou para uma enseada próxima.

Considerada por alguns como sendo a melhor praia da ilha (destronando Playa de Nogales) a praia de Bujaren não é facilmente acessível e é necessário verificar previamente se está na maré baixa para aceder à mesma, mas se lhe apetecer aventura, caminhadas e um mergulho no mar ela está muito perto. Não fomos lá, por isso não sabemos como é, mas se for, por favor diga-nos se gostou mais do que Nogales nos comentários!

Sul de La Palma

Santa Cruz de la Palma

Esta incrível ilha surpreende em cada canto e não é apenas na sua natureza imponente que se vangloria de ser colorida, mas também nas fachadas de arquitetura colonial na sua capital, Santa Cruz de La Palma.

O complexo histórico-artístico de Santa Cruz convida-o a passar pelo menos uma manhã (ou uma tarde) na capital (e se tiver mais horas para se dedicar a ele, não se vai arrepender), por isso aqui está uma repartição dos pontos principais a incluir na digressão:

  • Calle Real: Na artéria principal de Santa Cruz encontrará alguns dos exemplos mais notáveis da arquitetura civil tradicional , como o Palácio de Salazar com a sua varanda em parapeito de ferro forjado e fachada elegante. É agora um centro de venda de artesanato, pelo que vale bem a pena entrar, não só para uma lembrança mas também para ver o grande pátio central no seu interior. Costumava ser a casa principal da família Salazar, uma família rica de Burgos. Outros exemplos desta arquitetura na mesma rua são a Casa Massieu Tello de Eslava, a Casa Pinto ou a Casa Sotomayor, todas mansões de famílias ricas construídas nos séculos XVI, XVII e XVIII. Se quiser saber mais sobre a arte de La Palma e o seu património, o Centro de Interpretação de Junonia, situado numa antiga casa também de arquitetura tradicional, tem uma boa coleção.

Se lhe apetecer um café ou um bolo no seu passeio pelo centro, faça uma paragem no Café Don Manuel, um dos cafés mais míticos da capital, e desfrute de um café num dos mais belos pátios…

  • As Varandas da Avenida Marítima: Estas varandas coloridas e floridas destacam-se no seu passeio pelo centro e não é de estranhar que sejam um dos símbolos da capital que a maioria das fotografias inspira aqueles que visitam a ilha. Lemos que eles são de influência portuguesa e, se conhecer alguma cidade portuguesa, não ficará surpreendido. Recomendamos que atravesse a estrada e admire as varandas a partir do mar, sentindo os ventos alísios no seu rosto na Avenida Marítima.
  • Plaza de España e Iglesia del Salvador: Vale a pena mencionar que a fachada principal da igreja na praça, bem como a fachada posterior e a torre do sino foram feitas de pedra vulcânica. Nesta praça, juntamente com a Câmara Municipal (de que falaremos mais tarde) e a fonte, formam um conjunto renascentista único nas Ilhas Canárias.
  • Câmara Municipal de Santa Cruz de la Palma: A primeira câmara municipal democraticamente eleita em Espanha em 1773 tem uma fachada renascentista com arcos no rés-do-chão. No exterior, destacam-se os relevos e inscrições com as virtudes e vícios do bom e mau governo, e no interior, a pintura mural e o trabalho em madeira (inspirado nas línguas tradicionais canárias).
  • Real Sociedad Cosmológica-Biblioteca Municipal: Fundada em 1881, foi originalmente criada para divulgar o conhecimento das ciências naturais, acolhendo importantes encontros de pessoal médico, botânico e biológico e tornando-se um dos espaços mais importantes da história científica de La Palma . A título de curiosidade, está localizada na antiga padaria de Santa Cruz.
  • Calle San Sebastián e o Bairro de la Canela: Um dos bairros mais populares da capital com vários exemplos da arquitetura tradicional canária, o Bairro de la Canela recebeu o seu nome devido ao aroma a canela dos doces que aqui foram feitos . Vale a pena parar na Ermita de San Sebastián e na Plaza de Dornajo, outrora paragem obrigatória para os comerciantes, pois era por aqui que passava o “Camino Real de los Puertos”, a principal rota de troca de mercadorias de um lado da ilha para o outro, de leste para oeste.
  • Bairro de San Telmo e Ermita de la Luz: Tal como o Bairro de la Canela, um passeio pelo bairro de San Telmo é uma forma segura de ver bons exemplos da arquitetura tradicional canária. Além disso, a Ermita de La Luz desempenhou um papel muito importante na história do bairro, uma vez que é dedicada a San Pedro Gonzalez Telmo e Nuestra Señora de La Luz, santos padroeiros dos marinheiros.
  • Praça e Igreja de Santo Domingo: Só podemos contemplar a sua fachada exterior, mas parece que dentro dela se escondem bons exemplos da arte flamenga (reminiscência do período de comércio com os Países Baixos nos séculos XVI e XVII), barroco americano (a tela de Nossa Senhora de Guadalupe), classicismo renascentista flamengo e canário, um pequeno tesouro.
  • Teatro Circo de Marte e Teatro Chico: O Teatro Circo de Marte foi inaugurado em 1871 como local para espetáculos de circo e lutas de galos, e mais tarde foi renovado durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918). Acolhe agora concertos e peças de teatro. O Teatro Chico é o único cinema em Santa Cruz, por isso se quiser ver um filme na sua visita à ilha, sabe onde ir. Está situado no antigo sítio do oratório do extinto Hospital de Dolores e tem um estilo italiano.
  • La Recova- Plaza de Mercado: Conhecer os mercados dos novos lugares que visitamos é uma das nossas atividades favoritas e em Santa Cruz não podíamos faltar. La Recova é o mercado municipal da capital. Com um estilo clássico, está localizado no primeiro local do antigo Hospital de Dolores e é ideal para comprar algumas das iguarias dos produtos locais com Denominação de Origem, tais como vinhos e queijos.

Se tiver tempo, no topo da Avenida del Puente encontrará uma bela mansão do século XVII da família Massieu que se dedicava ao cultivo da vinha de Malvasia chamada Quinta Verde.

  • Placeta del Borrero: um dos mais belos recantos da capital é esta praça rodeada por casas tradicionais canárias e com uma fonte de pedra basáltica de Arucas no meio.
  • A Plazuela de La Cruz de Tercero, uma das mais belas praças de Santa Cruz, está situada no extremo sul da Plaza de la Alameda e tem um agradável terraço onde se pode tomar uma bebida. O seu nome vem da cruz de madeira no centro da praça, plantada por Alonso Fernandez de Lugo após a conquista da ilha em 1493, inicialmente na ravina de Las Nieves e aqui erguida após uma tempestade que a arrastou da ravina, a sua primeira localização.
  • Igreja de São Francisco: construída pelos frades franciscanos em 1508, esta bela igreja branca que só pode ser vista do exterior, esconde no seu interior esculturas valiosas como El Señor de la piedra Fría (Senhor da Pedra Fria), que é o principal protagonista da procissão principal na Quinta-feira Santa.
  • Museu Insular de La Palma: Está situado mesmo ao lado da Igreja de São Francisco, num antigo convento franciscano. No interior, além de admirar a arquitetura do convento, possui uma coleção de peças únicas de belas artes e ciências naturais. Partilha o “convento” com a Biblioteca da Ilha José Perez Vidal e o Arquivo Geral de La Palma.
  • Plaza de la Alameda: Esta praça, povoada por loureiros com um bonito quiosque no meio, foi originalmente concebida no século XIX como um ponto de encontro para os habitantes locais e ainda serve esse propósito. Quando passar, pare na escultura do Anão, um elemento chave na idiossincrasia da ilha e um símbolo desta.
  • Castillo de Santa Catalina: Um dos melhores exemplos da arquitetura militar das Ilhas Canárias, o Castillo de Santa Catalina (assim chamado devido à sua proximidade com a capela de Santa Catalina de Alejandría) é uma das fortalezas que foram construídas na capital da ilha para a defender dos ataques de piratas e corsários após o desaparecimento do primeiro castelo.
  • Castillo de la Virgen: Está localizado no topo da margem norte da ravina de Las Nieves e, juntamente com o Barco de la Virgen (do qual falaremos dentro de momentos), é um dos eventos mais populares e emocionais da ilha: a Bajada de la Virgen (Descida da Virgem ). Se tiver tempo, suba até ao castelo para contemplar as incríveis vistas de cima.
  • Museu Naval Barco de la Virgen: Como dissemos no ponto anterior, juntamente com o Castillo de la Virgen, este emblemático navio assume um papel especial na Bajada de la Virgen no evento “Diálogo entre o navio e o castelo“. Dentro está uma coleção de cartas portulanas (também conhecidas como cartas portulanas, manuais utilizados na navegação medieval), modelos de navios construídos nos mesmos estaleiros de La Palma, no século XIX, e outros documentos de arquitetura naval.
  • Plaza e Iglesia de la Encarnación: Ao lado do Castillo de la Virgen encontra-se esta praça de onde se pode desfrutar de belas vistas. A igreja foi a primeira construção religiosa no lado oriental da ilha: após a conquista, foi aqui construído um templo primitivo até que o centro da cidade foi transferido para a ravina das Dolores.
  • Avenida Marítima e Praia de Santa Cruz de La Palma: Se lhe apetecer dar um passeio com os ventos alísios na cara, pode percorrer toda a Avenida Marítima em paz e sossego. Se o tempo estiver bom e lhe apetecer dar um mergulho, a praia da capital tem areia preta fina e uma área de duche e WC.

Santa Cruz é um dos melhores lugares para ficar em La Palma. Recomendamos os apartamentos Galéon (a partir de 40 euros/noite) ou, se procura algo mais bonito, Casa Alves, um verdadeiro museu (a partir de 70 euros/noite) se são duas pessoas. Se forem mais, vejam a Residencial La Mar de dois quartos (a partir de 72 euros/noite) ou a incrível Casa Celestino (a partir de 120 euros/noite).

Dormir num verdadeiro museu no centro de Santa Cruz na Casa Alves (a partir de 70 euros/noite, foto da reserva).

Nos arredores de Santa Cruz, pode aproveitar a oportunidade para visitar:

No caminho para Los Llanos (aquele que passa pelo túnel de La Cumbre), se o tempo permitir, não perca o Miradouro de La Cumbre:

Encontre o seu alojamento em Santa Cruz de la Palma, uma das melhores bases para ficar e circular pela ilha. Reserve aqui.

Vista do terraço da Residencial la Mar (foto por Booking)

Los Cancajos

Uma das zonas mais turísticas de La Palma, Los Cancajos tem uma enorme praia semi-urbana de areia preta (quando lá fomos, estava muito vento) e uma grande variedade de alojamentos e restaurantes. Dê uma vista de olhos ao número de opções de dormidas em Los Cancajos.

Em Los Cancajos também se pode encontrar uma pirâmide, a Pirâmide de Vandama, que infelizmente está num estado de abandono e sem qualquer tipo de proteção ou informação. Não se sabe (ou não conseguimos encontrar qualquer informação) qual foi a finalidade destas construções, mas pode ler mais sobre isso aqui, assim como ver outras pirâmides na ilha. Para chegar à pirâmide, pode estacionar aqui e aceder à área da pirâmide aqui.

Los Cancajos é um dos locais onde encontrará a maior variedade de alojamento e de onde é muito conveniente deslocar-se pela ilha, consulte aqui o alojamento. Se forem duas pessoas, por exemplo os Apartamentos Oásis San Antonio (a partir de 45 euros/noite) têm uma boa relação qualidade/preço ou, se for com crianças, os Apartamentos Centro Los Cancajos (a partir de 70 euros/noite) a 150 metros da Playa de los Cancajos.

Apartamentos Oásis San Antonio (Booking) em Los Cancajos

Além disso, Los Cancajos é um ponto de encontro de várias das excursões em La Palma. Um dos nossos favoritos é o observação de estrelas de Breña Baja. Se estiver na ilha com um dos melhores céus do mundo, não pode perder esta oportunidade. Reserve aqui a sua visita guiada.

Praia Los Cancajos

Museu do Puro Palmero e os Charutos Artesanais Julio

Quando chegar à zona da ilha onde se encontram tanto o Museo del Puro Palmero como a fábrica Puros Artesanos Julio, em Breña Alta, parecerá como se tivesse chegado a outras latitudes, mais especificamente a Cuba.

Charutos Artesanais Julho

O facto é que a emigração de La Palma para as Américas é uma parte importante da história da ilha e está reflectida nestas duas visitas. Embora as relações entre La Palma e Cuba sempre tenham existido, foi no século XIX que se tornaram mais próximas, pois entre 1848 e 1898, pouco mais de 18% da população total da ilha emigrou de La Palma para a América, fugindo da fome. De todas estas pessoas, a grande maioria encontrou um lugar de refúgio em Cuba.

Mural em frente de Puros Artesanos Julio, La Palma

Foi através dos emigrantes de La Palma que regressaram de Cuba à sua terra natal, que o “novo” cultivo do tabaco, já difundido em Cuba, foi introduzido na ilha. La Breña foi precisamente uma das melhores áreas onde as plantações de tabaco proliferaram, destacando-se pela sua elevada qualidade.

Tabaco, Charutos Artesanais Julho

No Museu do Puro Palmero poderá descobrir mais sobre a história do charuto canário, o seu cultivo, preparação, tipos de tabaco, anéis decorativos, comercialização com o apoio de painéis explicativos e audiovisuais. Aprenderá que embora a terra dedicada ao cultivo tenha diminuído em La Breña, continua a ser um centro ativo para a produção de tabaco, árvores de fruto e legumes. Atualmente existem vários pureros que enrolam tabaco em Breña Alta, uma tarefa que mantém viva a tradição profundamente enraizada e a relação direta entre Cuba e La Palma.

O museu está aberto de terça-feira a sábado, das 10:00h às 13:00h. A admissão custa 3 euros. (2 euros para os residentes).

Mural em frente de Puros Artesanos Julio

Nas proximidades encontra-se a fábrica de Puros Artesanos Julio, um verdadeiro tesouro cultural de La Palma. Os charutos que Júlio e a sua família fazem hoje são o resultado de uma longa tradição que começou em 1950. Visitar a fábrica é viajar no tempo e aprender sobre uma prática histórica, desde o processo de cultivo do tabaco nas plantações da ilha até à sua produção utilizando ferramentas tradicionais, uma vez que todo o processo é manual.

Explicaram todo o processo desde a colheita até o charuto estar pronto para ser disfrutado por aqueles que o apreciam. Conseguimos ver como atam as folhas de tabaco em maços e organizam-nas em varas longas (varas dispostas horizontalmente) para secar. As folhas são então classificadas e empilhadas em camadas de diferentes tamanhos, cores e texturas. Em seguida, o artesão, na sua tábua de madeira, enrola as folhas e corta-as para as moldar nos diferentes charutos (mais curtos, mais longos, mais grossos ou mais finos) que são tão apreciados.

Pode visitar a fábrica Puros Artesanos Julio de segunda a sexta-feira, das 8:00 às 13:00 e das 15:00 às 18:00 horas. A entrada é gratuita.

Recomendamos vivamente uma visita a Puros Artesanos Julio, eles são encantadores!

Parque Arqueológico Belmaco

Este parque arqueológico, na aldeia de Mazo, é o lar dos primeiros petróglifos encontrados nas Ilhas Canárias no século XVIII. Tem dez grutas naturais, uma estação de gravura rupestre e, claro, um centro de interpretação para nos ajudar a compreender o que vemos.

O preço é de 2 euros/pessoa e está aberto de segunda a sábado das 10:00h às 15:00h.

Fuencaliente, Vulcão de San Antonio e Vulcão de Teneguía: uma viagem ao futuro

Sendo a segunda ilha mais jovem das Ilhas Canárias com uma idade geológica de apenas 1,7 milhões de anos, La Palma é considerada como estando ainda em fase de crescimento, o que os especialistas chamam a “fase de escudo”. No município de Fuencaliente esta juventude é muito visível, pois quatro vulcões irromperam no seu território desde a conquista da ilha em 1493: os vulcões de Martín em 1946, El Charco em 1712, as erupções de 1677 em torno da cratera de San Antonio, e a muito recente erupção de Teneguía em 1971. Foi precisamente esta última que teve maior impacto na nossa viagem à ilha, depois de visitar, naturalmente, a área afetada pelo vulcão Tajogaite , que entrou em erupção há apenas alguns meses, em Setembro de 2021.

Caminhando pela área afectada pela erupção do vulcão Teneguía em 1971.

O vulcão Teneguía entrou em erupção em 1971 e foi, até Setembro de 2021, o vulcão mais recente da ilha e em Espanha. Podemos dizer que quando pisámos o vulcão Teneguía sentimos que estávamos a viajar para o futuro. Porquê?

Porque aqui podemos caminhar livremente através da área afetada de um vulcão que entrou em erupção há 51 anos. Como a área afetada do atual vulcão Tajogaite que entrou em erupção em Setembro de 2021 será uma Paisagem Protegida da ilha e só é possível percorrê-la com uma visita guiada, o caminho através da paisagem da área afetada pelo vulcão Teneguía é muito semelhante ao que os olhos daqueles que caminham através da área afetada do vulcão Tajogaite verão dentro de alguns anos.

Área afectada pelo fluxo de lava do vulcão Tajogaite, cuja erupção vulcânica ocorreu em 2021.
Área afectada pelo fluxo de lava proveniente do vulcão Teneguía, que entrou em erupção em 1971.

Mas tudo começa realmente no vulcão de San Antonio e no seu centro de visitantes. O vulcão San Antonio entrou em erupção em 1677, enterrando (entre muitas outras coisas) as fontes termais de Fuente Santa (que deu o seu nome à zona). Tem uma cratera perfeitamente redonda, e a partir do centro de visitantes pode aceder-lhe, de onde se pode ver a sua caldeira (com muita vegetação) e o vizinho e mais recente Vulcão Teneguía.

Vulcão San Antonio caldera
Vulcão Teneguía do Vulcão San Antonio

O Centro de Visitantes é pequeno mas tem muita informação sobre vulcanologia, a origem das Ilhas Canárias e informação mais específica sobre estes dois vulcões (San Antonio e Teneguía):

O centro de visitantes está aberto diariamente das 9:00 às 17:30 horas (no Verão até às 18:30 horas). O preço do centro de visitantes é de 5 euros por pessoa.

Vistas do vulcão de San Antonio (e do mar) da nossa casinha El Sueño em Fuencaliente

Foi precisamente em Fuencaliente que decidimos ficar porque uma das duas estradas que nos conduz até ali (a ocidental, LP-2) está enterrada sob lava e, por esta razão, está a ser mais afetada pela falta de turismo. Não é a zona mais conveniente para si se quiser poupar kms e encurtar distâncias mas, insistimos novamente, se já há uma preocupação latente para a população local em todas as nossas viagens, nesta demos-lhe prioridade especial devido ao mau bocado que a ilha está a atravessar após a erupção. Ficámos numa pequena casa de um casal encantador que vive ao lado, deixamos-lhe o link caso esteja interessado e aqui pode encontrar mais algumas opções na área. Mais opções para onde ficar em La Palma aqui

A Rota dos Vulcões

A Rota dos Vulcões – Ruta de los Volcanes– é uma das mais famosas e incríveis rotas de caminhadas em La Palma, dentro do Parque Natural de Cumbre Vieja. Tem uma extensão de 22 km, uma diferença de altitude de 1207 m e é considerado um percurso difícil (demora entre 6 e 8 horas a completar). Leva-nos do refúgio de El Pilar a Fuencaliente. Mais informações sobre o percurso aqui

Uma vez que a famosa rota de caminhadas Ruta de los Volcanes não pôde ser feita durante a nossa visita devido à erupção do vulcão Tajogaite (agora é possível fazê-lo), a Randomtrip fez a parte da rota que estava aberta, a Pequeña Ruta de los Volcanes , que nos leva 6 km (todos descendo) até ao Farol de Fuencaliente.

A “Pequena Rota dos Vulcões” começa no centro de visitantes do Vulcão San Antonio (depois de pagar a visita ao centro, embora não seja obrigatório fazer a rota), passando pela área afetada do Vulcão Teneguía, que podemos visitar mais de perto (até à sua cratera) com um pequeno desvio de 0,8 km, passando por paisagens vulcânicas da erupção de 71, até ao Farol de Fuencaliente. No final da caminhada, tivemos uma deliciosa refeição no restaurante El jardín de la Sal , que se situa perto das salinas de Fuencaliente (recomendamos que reserve com antecedência porque fica lotado rapidamente).

Resumo fotográfico dos pontos pelos quais passámos: