Aqueles que vivem em Gran Canaria, dizem que é um “continente em miniatura” e depois de a visitar compreendemos porquê: a heterogeneidade desta ilha significa que existem planos para todos os gostos. Dias de praia e de vida noturna, caminhadas e contacto com uma grande variedade de flora e fauna, ou passeios por algumas das mais belas aldeias do arquipélago das Canárias.

Embora Gran Canaria seja uma das ilhas mais exploradas em termos de turismo, especialmente nas praias do sul, esconde aldeias que são verdadeiras jóias por onde se pode perder, falésias impressionantes onde ver o pôr-do-sol, praias com quilómetros de dunas onde o frio nunca chega e até alguma praia mais desconhecida onde se cruzará com poucas pessoas, mesmo no sul e no pico do Verão. Tudo isto e informação prática sobre o que ver e fazer, onde ficar, como lá chegar e até a que restaurantes ir neste guia para visitar Gran Canaria.

ventana del nublo

Conteúdos

Informação práctica para visitar Gran Canaria

Embora a Gran Canaria seja a terceira maior ilha em tamanho (à frente de Tenerife e Fuerteventura) e a segunda mais densamente povoada (depois de Tenerife), é uma das mais exploradas turisticamente (especialmente o sul da ilha) do arquipélago, o que significa que é mais difícil encontrar um lugar intacto, sem pessoas do que nas outras ilhas vizinhas, embora não impossível, como vos diremos neste post. É, no entanto, a ilha da diversão garantida.

Moeda: Euro

Idioma: Espanhol

População: 866.000 (em 2019)

Orçamento diário: A partir de 65 euros/dia por pessoa (aprox.) para uma viagem de uma semana. Mais informações sobre o orçamento aqui.

Clima: Devido à sua orografia, o clima varia muito dependendo do local da ilha, sendo o sul o local com sol e calor garantidos praticamente durante todo o ano. Saiba mais sobre quando ir aqui.

Onde Ficar: Normalmente ficamos no sul da ilha onde o frio nunca chega (em Maspalomas ou Ayagaures onde ficámos a última vez) mas outra boa opção é fazer base no norte, na capital Las Palmas (gostamos especialmente de ficar perto da praia de Las Canteras ou no belíssimo bairro mais antigo da cidade La Vegueta). Depende muito do roteiro que faça pela ilha e das suas preferências. Se for pouco tempo, ideal é fazer base num só sítio (norte ou sul), se forem mais de 4/5 dias, recomendamos dividir a sua estadia entre norte/interior e sul. Mais informações sobre onde ficar aqui.

Voos: Há voos directos para Las Palmas de Gran Canaria, tanto de Lisboa como do Porto. Para encontrar o melhor preço, recomendamos que utilize comparadores de voo como o Skyscanner e o Kiwi e que seja flexível com as suas datas. Se quiser trazer o seu próprio veículo ou se quiser viajar cómodamente com o seu animal de estimação, pode ainda fazer a travessia de barco desde Huelva até Gran Canaria. Mais informações aqui.

Duração (nº dias): Mínimo 3 dias. Idealmente 1 semana para conhecer bem a ilha. Mais informação aqui

Transporte: A melhor opção é alugar um carro para explorar a ilha. Existem linhas de autocarro que ligam os diferentes pontos da ilha mas os horários são limitados e não é uma opção que possamos recomendar se quiser aproveitar ao máximo a sua visita a Gran Canaria. Mais informação neste link.

Fuso horário: UTC +1. A hora em Gran Canária e em todas nas Ilhas Canárias é a mesma hora de Portugal Continental.

Medidas Covid-19: Veja a informação mais atualizada no sítio web oficial das ilhas Olailhascanarias.com

El mirador del balcón aka "la cola del dragón" aka de los paisajes más impresionantes de la isla
O Mirador del Balcón ou “A Cauda do Dragão”, uma das paisagens mais deslumbrantes da ilha.

Quando ir a Gran Canaria: os melhores meses para visitar a ilha

Como dissemos, Gran Canaria é como um continente em miniatura, algo que também se reflete no seu clima: a orografia da ilha (que tem uma altitude de quase 2.000 metros acima do nível do mar) e os ventos alísios, significam que existe uma grande variedade de microclimas.

Por exemplo, o sul (a zona mais turística da ilha) caracteriza-se por temperaturas elevadas e sol praticamente durante todo o ano, atingindo mais de 40º durante as ondas de calor dos meses de Verão, e também sofrendo de episódios de calima. As temperaturas mínimas no sul tendem a situar-se entre 14º (Dezembro a Março) e 20º (Julho/Agosto), enquanto as máximas variam entre 20º no Inverno e 27º no Verão.

Las impresionantes Dunas de Maspalomas (y su playa), en el sur de la isla
As impressionantes Dunas de Maspalomas (e a sua praia), no sul da ilha, onde o frio nunca chega.

No interior, devido à altitude, as temperaturas são mais amenas e no Inverno podemos até encontrar neve.

O norte e o interior da ilha estão mais expostos aos ventos alísios (que são mais fortes no Verão) e tendem a ter mais chuva e temperaturas mais frias. Las Palmas é famosa pelo fenómeno conhecido localmente como “Panza de burro”, onde os ventos alísios trazem nuvens baixas que cobrem o céu durante a maior parte do tempo nos meses de Verão. A “panza de burro” atua como um ecrã para o sol e a temperatura cai, embora o calor seja mais húmido.

Em termos de estações turísticas, os picos tendem a ser no Verão, no Natal e na Páscoa. Deve ter-se em conta que a Gran Canaria é a ilha mais densamente povoada, o que significa que nestas alturas, para além do turismo do continente espanhol e do estrangeiro, existe também o turismo local do norte e do sul.

Fataga, el pueblo blanco donde todas las casitas tienen nombre
Fataga, a aldeia branca onde cada casa tem um nome

Os melhores meses para visitar Gran Canária

Tendo tudo isto em conta, os melhores meses para visitar Gran Canaria com melhores hipóteses de bom tempo em qualquer zona, são Abril (se puder evite a Páscoa pelo elevado turismo), Maio, Junho, Setembro e Outubro. O Inverno (exceto o Natal, pelo grande fluxo de turistas) também é uma boa altura, mas deve ter em conta que provavelmente não poderá desfrutar das praias/piscinas naturais do norte da Gran Canaria.

Se procura apenas a praia e se dirige diretamente para sul, qualquer mês do ano é bom em termos de tempo e recomendamos que (se puder) evite os meses de Julho e Agosto que é quando se concentra mais gente.

Passámos quase um mês na ilha, em Julho de 2020, e apesar de estarmos numa situação invulgar (a pandemia causada pela Covid-19), o sul estava bastante cheio (nem queremos saber como deve ser num Verão “normal”), embora o resto das áreas (especialmente as aldeias e as zonas interiores) fossem muito mais calmas.

El Barranco de las Vacas, conocido como el mini antelope canyon
O Barranco de las Vacas, conhecido como o mini Antelope Canyon

Como chegar a Gran Canária

A forma mais rápida de chegar a Gran Canaria é de avião. Há uma multiplicidade de voos tanto de Espanha e Portugal continental como de outros destinos europeus, com preços muito competitivos graças às companhias aéreas de baixo custo, como a Ryanair e a Easyjet. Recomendamos que seja flexível com as suas datas e utilize comparadores de preços como o Skyscanner e o Kiwi.com para encontrar o que melhor lhe convier. Também se pode voar entre ilhas com Binter (mais caro) ou Canaryfly (mais económico).

A forma mais sustentável de chegar a Gran Canaria é por barco. Fazer a travessia entre Huelva e Gran Canaria é também ideal se viajar com o seu próprio veículo (a sua autocaravana, por exemplo) ou se quiser viajar com o seu animal de estimação e não quiser que ele vá no porão. Demorará mais tempo (aproximadamente 31 horas) mas é uma aventura em si mesma, com decks para relaxar, restaurante self-service e bar. Neste post, contamos-lhe a nossa experiência a bordo da Marie Curie operada por Fred. Olsen Express e Baleária, caso o deseje fazer.

Se também estiver interessado em explorar outras ilhas, também o pode fazer por barco. Fizemo-lo com a companhia Fred. Olsen entre Fuerteventura e Gran Canaria e adorámos: uma travessia de pouco mais de 2 horas entre Fuerteventura e Gran Canaria num enorme, espaçoso e muito confortável barco onde podíamos transportar toda a nossa bagagem sem limitações e sem fazer o check-in de nada. Tenha cuidado com o carro alugado, tem de pedir à empresa para o poder deslocar entre ilhas.

Nos encantó hacer la travesía en barco desde Las Palmas hasta Huelva
Adorámos a viagem de barco de Las Palmas a Huelva.

Quantos dias passar em Gran Canária

Como verá ao ler este guia, a Gran Canaria tem muito para oferecer: para os amantes da praia, gente de festas, entusiastas do desporto, amantes da cultura… Idealmente, deveria poder passar aqui uma semana, mas se não tiver esse tempo, diríamos que a ilha merece pelo menos 3 dias para desfrutar das suas praias, da sua gastronomia e para explorar algumas das suas jóias do interior. Por este motivo, no final deste guia, sugerimos roteiros de vários dias para facilitar a organização da sua viagem.

Teror entró directamente para nuestro Top 3 de los pueblos más bonitos de la isla
Teror conseguiu chegar directamente ao nosso Top 3 das mais belas aldeias da ilha.

O que visitar e fazer em Gran Canária

Para lhe facilitar o caminho e organizar os seus dias em Gran Canaria, classificámos a ilha por zonas: Sul, Interior, Oeste e Norte. Aqui está um resumo e depois toda a informação sobre cada um dos locais.

  • Sul de Gran Canária
    • Dunas de Maspalomas
    • As praias mais turísticas do sul de Gran Canária (Maspalomas, Playa del Inglés, Amadores…).
    • Praias menos turísticas do sul da Gran Canária (Tiritaña, Montaña de Arena…)
    • Ayagaures (Barranco e Barragem)
    • Arco de Coronadero e Barranco Hondo
    • Salinas del Matorral e Castillo del Romeral
  • Interior de Gran Canária
    • Fataga, Arteara e o Miradouro Degollada de la Yegua
    • Tunte (San Bartolomé de Tirajana)
    • Agüimes, sinónimo de beleza em cores pastel
    • Artenara, casas-cueva e miradouros de cortar a respiração
    • Tejeda, a Cruz de Tejeda e Roque Bentayga
    • Roque Nublo: trilhos, miradouros e o pôr-do-sol em Ventana del Nublo
    • Observatório Astronómico Temisas
    • Barranco de las Vacas (o “mini Antelope Canyon”)
    • Guayadeque
    • La Sorrueda e a Fortaleza de Ansite
  • Oeste de Gran Canária
    • Gáldar, as suas praias e a Cueva Pintada (Caverna Pintada)
    • Rota GC-200 de Agaete a La Aldea de San Nicolás
    • Praia de Güigüi
    • Praia da Tasarte
  • Norte de Gran Canaria e Las Palmas
    • Las Palmas: Vegueta, Triana, Las Canteras e El Confital
    • Santa Brígida, Atalaya e Caldera de Bandama
    • Moya e Los Tilos
    • Arucas, a igreja e o rum
    • Firgas, a fonte e os seus passeios canários
    • Teror, a Virgen del Pino e o doce pudim preto
    • Salinas del Bufadero, um mergulho na história
    • Telde, o Bufadero de La Garita e a praia de Tufia
Mapa de Gran Canaria con algunos de sus lugares de interés, en una pared de Fataga
Mapa de Gran Canaria com alguns dos seus locais de interesse, numa muralha em Fataga.

Para facilitar a sua deslocação à ilha e ajudá-lo a organizar a sua viagem à Gran Canaria, abaixo encontra-se um mapa onde pode ver cada uma destas áreas dividida por cores.

Mapa de Gran Canária

Aqui estão todos os locais de interesse em Gran Canaria de que falamos neste guia num mapa Google Maps que pode levar consigo no seu smartphone para consultar em qualquer altura. As áreas são classificadas por cor (Sul em laranja, Interior em castanho, Oeste em verde e Norte em azul):

Aqui está também um mapa turístico com as estradas de Gran Canaria (clique na imagem para o descarregar em tamanho e resolução maiores).

Mapa turístico de Gran Canaria
Fonte: Cicar. Descarregue o mapa em resolução mais alta aqui.

1. Sul da Gran Canária

O sul da ilha de Gran Canária é a zona com o melhor clima durante todo o ano, menos vento e melhores praias, embora seja também a zona mais explorada e turisticamente sobrelotada. Aqui estão os lugares mais interessantes a visitar nesta área da Gran Canária.

Dunas de Maspalomas

O postal de Gran Canaria e provavelmente a atração mais popular da ilha: a Reserva Natural Especial das Dunas de Maspalomas. É uma paisagem protegida de mais de 400 hectares de praia, um campo de dunas vivas de areia orgânica, uma lagoa salobra (La Charca) e um bosque de palmeiras. As Dunas de Maspalomas foram reclassificadas em 1994 como Reserva Natural Especial, mas a sua proteção remonta na realidade a 1975.

El cuadro de las Dunas de Maspalomas con el oasis de mar al fondo
A imagem das Dunas de Maspalomas com o oásis do mar ao fundo.

É impressionante contemplar a imensidão da paisagem dourada do deserto com o mar ao fundo, como se fosse um oásis. A primeira vez que o vimos foi ao pôr-do-sol e é um espetáculo da natureza a não perder. Se passar o dia na praia de Maspalomas, fique para ver o espetáculo de luz e sombra a dançar e a tingir as ondas das dunas enquanto o sol se põe. Se não estiver por perto, venha cá de propósito um dia, não se vai arrepender.

Merece la pena acercarse para ver el baile de sombras al atardecer
Vale a pena vir ver a dança da sombra ao anoitecer.

No entanto, para lá chegar (tanto ao miradouro como ao centro de visitantes das Dunas de Maspalomas) é preciso ir até à entrada do Hotel Riu Palace e atravessá-lo, (este é o ponto exato no mapa) algo que achámos horrendo: que para aceder a tal beleza e paisagem natural protegida seja preciso passar por um luxuoso hotel privado ao alcance de poucos e, claro, até à sua correspondente montra de loja.

De lá, há um caminho cujo ramal número 3 atravessa os diferentes tipos de dunas da reserva, passa pelo bosque de palmeiras e pode-se ver a vida selvagem de La Charca até chegar à praia de Maspalomas.

La entrada a la la Reserva Especial de las Dunas de Maspalomas se hace por el Hotel Riu Palace, horrendo pero cierto.
A entrada para a Reserva Especial Maspalomas Dunes é através do Hotel Riu Palace, horrendo mas verdadeiro.

Importante! Só se pode caminhar no trilho marcado, para proteger as dunas, e é proibido caminhar nas dunas fora do trilho, mas verá pessoas em todo o lado (em parte porque as pessoas ignoram a regra, em parte porque a proibição não está bem indicada). Na verdade, não sabíamos e descobrimos graças a Marta, uma seguidora que nos escreveu com muita informação sobre o assunto e que também nos recomendou alguns lugares fora da rota, na ilha.

Em teoria, após o confinamento devido à pandemia de Covid-19, as dunas pareciam estar no seu melhor desde há muitos anos (porque ninguém as pisou durante alguns dias, pode-se ler mais sobre isso aqui), e iam colocar vigilância permanente para evitar que as pessoas se desviassem do trilho, mas foi de curta duração e quando lá fomos já não havia tal vigilância.

Atardecer y pisadas en las Dunas de Maspalomas
Pôr-do-sol e passos nas Dunas de Maspalomas

Encorajamos a sua consciência cívica, responsável e ambiental para que possa desfrutar desta maravilha sem causar um impacto irreversível. Pode pensar que é apenas uma viagem curta para tirar uma foto para si, mas se todas as pessoas que visitam as dunas pensarem o mesmo, há muitas fotos e pegadas que terão o impacto irreversível que queremos evitar.

O objetivo da proteção das dunas e do trânsito limitado às dunas, circunscrito aos caminhos sinalizados, é manter os processos ecológicos essenciais ligados ao ecossistema dunar, à Lagoa de Maspalomas, à sua flora e fauna e à paisagem que estas formam.

La Charca de las Dunas de Maspalomas
A lagoa das Dunas de Maspalomas

Praias turísticas no sul de Gran Canaria

O sul da Grande Canária é a zona mais turística, e é onde se encontra a maioria das praias. Algumas delas são muito turísticas, com ambientes hiperconstruídos e, dependendo da estação do ano, pouco espaço para colocar a toalha. Em geral, exceto para as praias mais remotas na zona de Maspalomas, não recomendamos estas praias (visitá-las depois de estar em Fuerteventura, a ilha que tem – na nossa opinião – as melhores praias das Canárias, foi um choque), mas são praias com muitos serviços e fácil acesso, por isso listamo-las aqui no caso de serem o que procura. Se preferir praias menos turísticas, passe para a secção seguinte.

Praia de Maspalomas e Praia del Inglés

Na verdade, são a mesma praia, enorme e quilométrica, o resultado de onde as dunas de Maspalomas se encontram com o mar, mas existem duas áreas com nomes diferentes.

  • Praia de Maspalomas: começa no Farol de Maspalomas até Punta de Maspalomas, onde se junta à Praia do Inglês.
  • Praia do Inglês: começa em Punta de Maspalomas e estende-se até à Praia de San Agustín, deixando um par de enseadas no meio.

Por ser uma praia enorme e extensa, e devido ao facto de o acesso mais confortável ser nas extremidades (onde se pode chegar à praia de carro), quanto mais longe se afastar destes dois pontos, mais fácil é afastar-se das construções horrendas e estar numa área mais natural com menos pessoas. Na parte central existem também áreas de nudismo.

Playa de Maspalomas (cerca del Faro de Maspalomas y el Paseo de las Meloneras)
Praia de Maspalomas

Gran Canaria, e especialmente o sul, é um destino muito popular para os viajantes LGTBQI+ devido à sua abertura, oferta específica de alojamento e lazer e, claro, ao seu bom tempo durante todo o ano. Encontre mais informações sobre locais e eventos aqui.

Obrigado GranCa (Gran Canaria) por ser tão aberta e colorida! Que o resto do mundo seja inspirado por ti.

Há três maneiras de aceder à praia de Maspalomas/Praia de San Agustín :

Paseo de Meloneras y el Faro de Maspalomas
Paseo de Meloneras e o Farol de Maspalomas

Se não quiser ir muito longe, na nossa opinião a área de Praia de Maspalomas é muito melhor do que a Praia do Inglês. Também pode estacionar gratuitamente a poucos metros de distância (perto do lago, ver mapa).

La Charca de Maspalomas
A Lagoa de Maspalomas

Se quer garantir que os dias que passa pela ilha são de sol e calor, fique num destes apartamentos e/ou quartos de Maspalomas.

Praia de San Agustín

A praia de San Agustín é uma praia urbana, de areia escura, na zona turística de San Agustín. É uma praia bastante próxima da Praia do Inglês, com uma grande variedade de alojamentos e restaurantes. Tem todos os serviços e a água é normalmente muito calma, tornando-a uma praia muito popular para as famílias.

Praia de Las Meloneras

A praia de Las Meloneras está localizada após o Farol de Maspalomas, muito turística e com todos os serviços, embora esteja um pouco menos concorrida do que as suas vizinhas.

Pode facilmente caminhar desde o Farol de Maspalomas ao longo do passeio, sempre perto do mar, cheio de lojas e restaurantes (e turistas).

Atardecer en el Paseo de las Meloneras
Pôr-do-sol no Paseo de las Meloneras
Praias de Arguineguín e Las Marañuelas

Arguineguín é uma pequena aldeia piscatória e turística, localizada entre Maspalomas e Porto Rico. Tem duas praias: Praia de Arguineguín e Praia Las Marañuelas, ambas pequenas praias urbanas que são muito tranquilas e têm todos os serviços, ideais para visitar com a família. É também um excelente local para observar o pôr-do-sol.

Praia de Anfi del Mar

Anfi del Mar é uma praia “artificial” (também conhecida como Praia de la Verga), recomendada e frequentada por famílias com crianças porque as águas são muito calmas e dispõe de todos os serviços. Isto torna-a também uma praia muito turística e cheia de gente, completamente rodeada de construção (hotéis e apartamentos).

Praia de Los Amadores

A praia de Los Amadores é outra praia “artificial” com águas transparentes, calmas e cristalinas, rodeada de betão e com todos os serviços e estacionamento. A verdade é que a praia parece um postal, quase como uma piscina, mas a sua localização entre a construção e a sobrelotação turística diminui, na nossa opinião, o seu encanto.

Praia, portanto, também ideal para famílias, com muitas opções de refeições à beira-mar.

La playa de Amadores no es para nada nuestro tipo de playa pero el agua calentita y cristalina es indiscutible
A praia dos Amadores não é o nosso tipo de praia, mas a água quente e cristalina é incontestável.
Praia e Puerto de Mogán

Puerto de Mogán é uma pequena aldeia junto ao mar, muito turística, mas não menos bonita por isso: as suas ruas estreitas fotogénicas cheias de flores convidam a passear em paz e sossego.

Los colores de Puerto de Mogán
As cores de Puerto de Mogán

Puerto de Mogán tem também uma pequena praia “artificial” que é muito popular entre as famílias devido às suas águas calmas e aos seus abundantes serviços.

Playa del Puerto de Mogán
Praia de Puerto de Mogán

Praias menos turísticas no sul de Gran Canária

Aqui estão as praias do sul que, na nossa opinião, valem uma visita se, como nós, gosta de praias mais naturais, que são mais difíceis de aceder e, portanto, menos frequentadas. Claro, não espere praias vazias e solitárias, o sul da Gran Canária recebe muito turismo, por isso todas as praias estão sempre cheias.

Praia de Tiritaña

A praia de Tiritaña é uma praia de difícil acesso e por isso menos frequentada do que a maioria das praias do sul. É uma praia sem qualquer tipo de serviços ou construção à sua volta, uma verdadeira jóia no meio de toda a “aberração urbana” do sul da Gran Canária.

No es fácil llegar a la playa de Tiritaña pero tiene su recompensa...
Não é fácil chegar à praia de Tiritaña, mas tem as suas recompensas…

Encontra-se na antiga estrada para Puerto de Mogán (GC-500), alguns quilómetros antes de lá chegar. Quando chegar a este ponto indicado no mapa, pode estacionar na berma da estrada (verá uma área de estacionamento com provavelmente mais carros estacionados).

Para chegar à praia, de onde se deixa o carro é preciso descer o barranco em direção ao mar. O caminho não está marcado mas com um pouco de intuição pode chegar lá sem problemas. É importante usar calçado adequado (fechado) e não andar com demasiada carga, é preciso passar por cima de algumas pedras, por isso quanto mais confortável, melhor. A descida demora cerca de 10-15 minutos, não é muito difícil, mas é preciso ter cuidado.

Y recuerda que lo que bajes, ¡hay que subir después del día de playa!
E lembre-se que o que quer que desça, tem de voltar a subir depois do dia na praia!

A pequena praia (terá cerca de 70 metros de comprimento) é também famosa por ser um local onde os jovens acampam, e infelizmente, quando a visitámos, havia demasiadas tendas e uma atmosfera que retirava muito do encanto da praia: lixo deitado na estrada, música alta e alguns motores/geradores de eletricidade muito barulhentos.

La pequeña playa de Tiritaña del lado izquierdo
A pequena praia de Tiritaña, do lado esquerdo

O nudismo é permitido na praia de Tiritaña, embora quando a visitámos a maioria das pessoas não o praticássem. O lado esquerdo da praia é normalmente menos frequentado (embora na maré cheia se torne muito pequena). Não há opções para comprar nada, por isso traga muita água e o que quiser comer.

La pequeña playa de Tiritaña del lado derecho
A pequena praia de Tiritaña, do lado direito
Praia Montaña de Arena

A nossa praia favorita no sul da Gran Canaria: a praia de Montaña de Arena é uma praia com grande extensão de areia e nudista, sem construção e pouco acessível, um oásis no meio da superpovoada zona sul da ilha. De facto, só se pode lá chegar a pé ou por mar e não se consegue ver a praia a partir da estrada.

Para lá chegar, pode estacionar o seu carro no ponto indicado no mapa (há uma grande área de estacionamento). A partir daí, deve caminhar sempre em frente em direção ao mar (ao chegar a uma bifurcação na estrada, tem de seguir em frente pelo caminho à direita – se for pela esquerda vai em direção de outra praia, Praia de las Mujeres). A caminhada demora cerca de 10-15 minutos, primeiro a subir e depois a descer. A última parte, onde se desce para a praia, é rochosa e íngreme, por isso recomendamos que use bons sapatos (embora se possa fazê-lo com chinelos de dedo) e com carga leve.

Playa Montaña de Arena, nuestra favorita del Sur
Praia Montaña de Arena, a nossa praia favorita no Sul

Tal como em Tiritaña, quando visitámos esta praia havia muitas tendas (e algumas pareciam mesmo estar lá permanentemente ou pelo menos por longos períodos de tempo), com pessoas a fazer churrascos, algo que diminui a sua paz e encanto. Mas ao contrário da anterior, a praia da Montaña de Arena é muito maior e mais larga, por isso é mais fácil encontrar um local mais sossegado (tenha cuidado porque na maré alta a praia fica bastante pequena).

Recomendamos que traga muita água e um guarda-sol se estiver a pensar passar o dia.

Praia del Cabrón e Farol de Punta Arinaga

A praia del Cabrón está localizada perto do aeroporto, e embora esta zona da costa leste sofra muito com os ventos, está parcialmente protegida do vento, pelo que pode ser uma boa opção.

Playa del Cabrón y el Faro de Punta de Arinaga al fondo
Praia del Cabrón e farol de Punta de Arinaga no fundo

Quando a visitámos, havia poucas pessoas em comparação com as praias do sul. A praia tem uma área de estacionamento de terra (a estrada é de terra e pedra, tem de ir devagar para evitar danificar o seu carro) e tem nadador-salvador.

Antes ou depois de ir para a praia, não se esqueça de ir até ao Farol de Punta Arinaga junto à praia, um dos melhores locais para mergulhar, dizemos-lhe mais na secção de mergulho do guia.

Faro de Punta de Arinaga
Farol de Punta de Arinaga

Ayagaures: barranco e barragem

Conhecemos o barranco de Ayagaures por estar perto de onde ficámos durante a nossa visita a Gran Canaria. A apenas cerca de 15 minutos de carro de Maspalomas, é uma zona muito tranquila e natural conhecida pelos seus percursos pedestres e ciclísticos e pela observação de aves.

Detalle en el ecobarrio de Ayagaures
Pormenores na vizinhança ecológica de Ayagaures

Ayagaures é um nome de origem aborígene que significa “entre duas montanhas”. Ao aceder à estrada de Maspalomas que conduz à barragem, ficará impressionado com a estreiteza da estrada e as grandes paredes verticais nas laterais. Após alguns minutos de subida, chegará à pequena aldeia de Ayagaures, um dos “Ecobarrios de Gran Canaria ” (parte do projeto Ecobarrios, que visa criar bairros sustentáveis e encorajar a participação dos cidadãos).

Um pouco mais acima encontram-se as barragens Ayagaures e Gambuesa, que pode visitar a pé e de onde pode fazer uma rota circular para caminhadas.

É um recanto que normalmente não aparece nos guias da Gran Canaria e ficámos encantados por o descobrir.

Mostramos-lhe mais da casa de campo onde ficámos em Ayagaures nas nossas histórias aqui e se quiser reservá-la pode fazê-lo aqui.

Nuestra casita encajada entre montañas en Ayagaures
A casa onde ficámos aninhada nas montanhas em Ayagaures

Encontre o seu alojamento em Ayaguares neste link

Arco del Coronadero e Barranco Hondo

O Arco del Coronadero é um arco natural impressionante ao que pode chegar a pé, através de uma rota de caminhadas. Tínhamos este plano em mente mas não tivemos tempo para o fazer, ficou pendente para a nossa próxima visita à Gran Canaria.

Importante! Se procurar, encontrará fotografias de pessoas a subir no topo do arco, algo que não deve fazer se for um turista responsável: por causa do perigo envolvido e para evitar danificar esta maravilhosa formação rochosa.

Mais informações sobre o percurso no blog “Los pasos que dejamos atrás” e na secção Caminhadas deste guia.

Salinas del Matorral e Castelo del Romeral

Esta área, que se situa a sudeste da Gran Canaria, é onde chegamos num dos dias em visita à ilha, quando íamos para o norte, à procura de um lugar para comer. Embora as praias da zona não sejam as melhores (principalmente devido aos ventos fortes que sopram nesta zona, especialmente durante o Verão), existem vários restaurantes com peixe fresco onde se pode comer muito bem, e também dar um bom passeio se não estiver muito vento.

La playa muy ventosa de Salinas del Matorral
A praia muito ventosa de Salinas del Matorral

2. Interior de Gran Canária

O interior da Gran Canaria foi a zona que mais nos surpreendeu e tornou-se a nossa parte favorita da ilha. Longe da superlotação do sul, com paisagens naturais incríveis e aldeias lindas.

Fataga, Arteara e o Mirador de la Degollada de las Yeguas

Uma das aldeias interiores de Gran Canaria que chegou ao nosso Top 3 de aldeias bonitas da ilha: Fataga.

La postal que regala Fataga hizo que entrara para nuestro particular Top 3 de pueblos más bonitos nada más llegar
O postal que a Fataga oferece ao chegar faz com que seja uma das mais belas aldeias da ilha

Esta pequena aldeia, branca, magnética, onde cada casa tem um nome, fica apenas a 15 minutos de carro das famosas Dunas de Maspalomas e vale bem a pena passear pelas suas estreitas ruas. A maioria das casas são pintadas de branco, algumas com paredes de pedra, abraçadas pelas árvores de palmeiras verdes e pinheiros das Ilhas Canárias do Vale de Fataga, que contrastam com as montanhas escuras, tornando-a altamente fotogénica.

Aparte de fotogénica, Fataga preserva la arquitectura tradicional canaria en sus callejuelas empedradas
Além de ser fotogénica, Fataga preserva a arquitetura tradicional das Canárias nas suas ruas calcetadas.
En Fataga todas las casitas se hacen llamar por su nombre
Em Fataga todas as casas têm nome próprio.
Vista de Fataga desde la carretera
Vista da Fataga a partir da estrada

Fataga é um oásis de paz a poucos minutos de carro da azáfama do sul, onde se tem tido o grande cuidado de manter a arquitetura rural canária e, claro, também com algum turismo. Uma aldeia tão bonita não passaria despercebida pelo olhar do turista, por isso é melhor ir cedo ou tarde para a desfrutar em paz e sossego e comprar algo numa das lojas de lembranças.

Un rincón de Fataga
Um recanto em Fataga

Na Praça San José não perca o monumento em homenagem à mulher artesã do grande escultor da ilha Luis Alemán Montull, pois o seu estúdio está localizado aqui em Fataga.

Se vem do sul, recomendamos duas paragens antes de chegar a Fataga:

  • Miradouro da Degollada de las Yeguas

A localização do miradouro de la Degollada de las Yeguas torna-o incrível para aqueles que adoram vistas e especialmente a observação astronómica. Fomos lá de manhã e voltámos à noite porque é um excelente ponto de observação astronómica.

Vistas desde el mirador Degollada de la Yegua
Vistas do miradouro Degollada de la Yegua

Este miradouro está localizado no extremo ocidental do Maciço de Amurga e oferece uma vista panorâmica do Barranco de Fataga, um desfiladeiro de 15 quilómetros de comprimento coberto de vegetação árida e com o mar como pano de fundo. O barranco é esculpido em fluxos de rochas fonolíticas que correspondem às últimas fases do primeiro ciclo vulcânico da Gran Canaria, tendo sido emitidas há entre 11 e 12 milhões de anos!

É um enclave de alto valor astronómico e astrofotográfico no limite sul da Reserva da Biosfera e na área de Destino Turístico “Starlight” porque a vista da abóbada celeste a partir deste ponto mostra 80% do céu, com boa visibilidade da parte alta do céu e dos horizontes sudoeste-sudeste. A propósito, se visitar a ilha no Verão, terá uma vista incrível da zona central da Via Láctea.

  • Arteara: o maior cemitério aborígene da ilha.

Junto à aldeia de Arteara encontra-se esta Necrópole com 809 estruturas de túmulos (com enterros individuais e colectivos) e um Centro de Interpretação onde se pode aprender sobre a vida e a morte dos antigos canários. Horário de abertura: terça-feira a domingo das 10:00 às 12:00. Fechado nos meses de Julho e Agosto. Entrada, 4 euros (2 euros para admissão reduzida).

Além disso, Arteara está situada num enclave privilegiado de contraste entre o verde das palmeiras e as falésias de Amurga, pelo que só as vistas merecem uma paragem.

Arteara desde la carretera
Arteara da estrada

Tunte (San Bartolomé de Tirajana)

San Bartolomé de Tirajana é o maior município da ilha (ao qual pertence Maspalomas) mas estamos aqui para vos falar da capital do município: Tunte, uma aldeia a uma altitude de 900 metros cujo nome remonta ao passado aborígene da ilha.

Paseando por Tunte (San Bartolomé de Tirajana)
Caminhando em Tunte (San Bartolomé de Tirajana)

A zona antiga vale um passeio pelas ruas calcetadas com lojas tradicionais (experimente o licor de cereja, parecido à ginginha!), passando pela praça da câmara municipal (uma típica casa canária com a sua varanda de madeira) e a pequena igreja branca. No entanto, para ir à rua mais bonita de Tunte, dirija-se à Callejón Princesa Guayarmina . Percorrendo este beco empedrado, vai querer espreitar por uma das janelas das casas e ver o que se passa no interior, literalmente.

Bajando la calle más bonita de Tunte (San Bartolomé de Tirajana): el Callejón Princesa Guayarmina
Descer a mais bela rua de Tunte (San Bartolomé de Tirajana): Callejón Princesa Guayarmina

Outro dos nossos locais favoritos em Tunte é a estátua “Homenaje a la mujer Tirajanera, uma estátua de 3,5 metros, também do artista local Luis Alemán Montull, que representa a luta diária de todas as mulheres. Além disso, a estátua é esculpida em pedra da montanha sagrada de Tindaya da nossa amada ilha de Fuerteventura.

"Homenaje a la mujer Tirajanera" de Luis Alemán Montull, en Tunte (San Bartolomé de Tirajana)
“Homenaje a la mujer Tirajanera” de Luis Alemán Montull, em Tunte (San Bartolomé de Tirajana).

Antes de partir, não se esqueça de contemplar as impressionantes vistas dos miradouros. Por um lado, o miradouro de “La Orilla onde se pode apreciar a magnitude do anfiteatro natural da Caldeira de Tirajana e a sua paisagem acidentada.

Por outro lado, o Miradouro de las Tirajanas, onde nos sentimos no centro da Caldeira de Tirajana, junto ao leito do barranco de Tirajana e ao pé do Morros del Pinar.

Vistas de Tunte (San Bartolomé de Tirajana)

É fácil compreender porque é que a área em redor de Tunte é altamente recomendada para caminhadas, de que falamos na secção sobre as melhores rotas para caminhadas e ciclismo na ilha.

Agüimes, sinónimo de beleza em cores pastel

Uma das aldeias mais pitorescas que visitámos na ilha, as cores com que Agüimes nos acolheu fizeram-na saltar diretamente para o nosso top 3 à chegada. Para nós, Agüimes é sinónimo disso mesmo: cor.

Imprescindible en Agüimes: perderse entre sus callejuelas en tonos pastel
O que mais gostámos de fazer em Agüimes: perder-nos nas suas ruas estreitas em tons pastéis.

Na nossa opinião, o essencial a fazer nesta aldeia é perder-se nas suas ruas calcetadas, amarelas entre pequenas casas vermelhas, verdes e outras de cor pastel.

La escultura de bronce del camello de Agüimes con la iglesia de San Sebastián al fondo
A escultura de bronze do camelo de Agüimes com a igreja de San Sebastián como pano de fundo.

Posteriormente, aproximar-se da praça principal da aldeia, a Praça Párroco Parer, e apreciar a Igreja Paroquial de San Sebastián, de pedra, um belo exemplo da arquitetura neoclássica canária, declarada Monumento Histórico e Artístico Nacional em 1981.

La Plaza Párroco Parer de Agüimes
A Praça Párroco Parer em Agüimes

Se tiver tempo, desça a Calle del Sol em direção ao Centro de Interpretação de Agüimes para compreender melhor as tipologias dos diferentes edifícios do centro histórico da cidade, desde casas de camponeses e burgueses até às capelas e vários sítios arqueológicos.

Artenara, Casas Cueva e miradouros de cortar a respiração

Artenara é o município de maior altitude da ilha. A pequena aldeia com menos de 1000 habitantes situa-se a uma altitude de 1270 metros na encosta da montanha da Caldeira vulcânica de Tejeda e, por conseguinte, oferece vistas de cortar a respiração. No entanto, não é apenas pelas vistas que vale a pena visitar Artenara, mas sobretudo pelos vestígios do seu passado aborígene.

Las vistas que ofrece Artenara desde sus miradores son impresionantes
As vistas que Artenara oferece do seu miradouro são impressionantes.

Assim que entrar na aldeia, no Miradouro de Atalaya poderá ter uma ideia de como Artenara está organizada, com os seus bairros e casas-cueva. Mas o melhor ponto a partir do qual se podem contemplar estas vistas é a partir do Miradouro de Unamuno. Aqui de cima, verá Roque Bentayga em frente, Roque Nublo à esquerda e em baixo, onde irá a seguir, a bela aldeia de Tejeda.

Mirador de Unamuno
Miradouro Unamuno

Depois de ter desfrutado da incrível vista panorâmica, caminhe até à bela Igreja de San Matías do século XVII, reconstruída no século XIX e, se tiver tempo, vale a pena entrar para ver o mural no altar principal: aparentemente os rostos dos amigos de Jesus pertencem aos residentes de Artenara da época! (se quiser ir, está aberto diariamente das 9h às 15h).

Iglesia de San Matías, Artenara
Igreja de San Matías, Artenara

E embora a igreja seja o centro religioso da aldeia, não é a mais amada pelos devotos: a Capela de la Virgen de la Cuevita data dos finais do século XVIII (ampliada no século XIX) e esconde uma curiosidade. O altar, o coro, o púlpito e o confessionário dentro da pequena capela são esculpidos na mesma rocha vulcânica, dentro da gruta (cueva). É neste altar esculpido que se encontra uma imagem da Virgem de la Cuevita. Se quiser ver esta curiosa capela, ela está aberta todos os dias das 9h às 19h.

Se é mais amante de arte, não perca a Casa Quemada de la Esquina, construída em 1870, onde o pintor Miro Mainou, vencedor do Prémio de Belas Artes das Ilhas Canárias em 1992, viveu e onde fora existe um mural de cerâmica, em homenagem ao artista, da sua obra “Cumbres”.

Mural en cerámica de la obra "Cumbres", de Miro Mainou, en Artenara
Mural cerâmico da obra “Cumbres”, de Miro Mainou, em Artenara

No meio de toda essa caminhada, vai ficar com fome, ou pelo menos com sede. É nesse momento que deve ir definitivamente ao terraço do restaurante La Cilla: não sabemos se foi pelo bolo de amêndoa ou o delicioso café que o acompanhou, mas estas foram as nossas vistas favoritas de Artenara.

La terraza del restaurante La Cilla será de los restaurantes con las mejores vistas en la isla
O terraço do restaurante La Cilla será um dos restaurantes com melhor vista sobre a ilha.

Como estávamos a dizer, não é apenas pelas vistas que Artenara vale a pena ser visitada, pois as suas origens remontam aos tempos em que a população aborígene canária vivia lá, e por esta razão, uma das principais atrações de Artenara é visitar o Museu Etnográfico das Casas das Grutas (Casas Cueva) e compreender melhor como os antepassados da ilha, ali viviam.

No pequeno museu verá a sala de estar, cozinha e quartos de uma casa tradicional numa gruta com objetos e mobiliário utilizados no início do século passado. O acesso ao museu é gratuito (todos os dias das 11:30h às 16:30h), mas é necessário reservar com antecedência (algo que não sabíamos até à nossa chegada e , por conseguinte, não conseguimos entrar). Pode marcar uma visita por e-mail artenaraturismo@gmail.com ou telefonando para 638 929 509. Se, como nós, não teve acesso ao museu, pode fazer uma visita às belas fachadas das casas das grutas.

Entrada al Museo Etnográfico de las Casas Cueva
Entrada para o Museu Etnográfico das Casas Cueva

Também associado ao legado aborígene de Artenara está o sítio arqueológico de Risco Caído, um sítio patrimonial da Unesco atualmente encerrado para trabalhos de investigação. No entanto, é altamente recomendável visitar o Centro de Interpretação do Risco Caído e as Montanhas Sagradas da Gran Canária (todos os dias das 10h às 17h com registo prévio). Aqui encontrará uma réplica da gruta 6 do Risco Caído, um lugar muito especial que ainda está a ser estudado devido à descoberta de uma cúpula astronómica esculpida pelos aborígenes, onde estes realizavam práticas associadas aos ritos de fertilidade.

A cerca de 7 km de Artenara há um local imperdível que não tivemos tempo de visitar: as grutas aborígenes de Acusa Seca. Por uma boa razão é considerada a capital troglodita das Ilhas Canárias e o mais variado sítio arqueológico da Gran Canaria. Aqui pode ver como as pessoas vivem em casas-cueva., em alturas diferentes, ainda hoje! Desde casas-cueva., grutas cerimoniais, necrópoles e até gravuras rupestres. Sem dúvida, esta é uma visita que ficamos ansiosos por fazer.

Vistas de la carretera hacia Artenara
Vistas do caminho para Artenara

Tejeda, a Cruz de Tejeda e o Roque Bentayga

Considerada uma das mais belas aldeias de Espanha, um passeio pela cidade velha de Tejeda é um deleite para os sentidos, da vista ao paladar.

Devido à sua localização, aninhada entre montanhas, Tejeda oferece vistas panorâmicas deslumbrantes do interior da ilha (e dos seus ícones geológicos Roque Nublo e Roque Bentayga) entre ruas de casas caiadas de branco com varandas de madeira que preservam a arquitetura tradicional canária.

No passeio, passará a Igreja Paroquial de Nuestra Señora del Socorro de 1921 e a enorme árvore Louro das Índias que se ergue ao seu lado. Não entrámos na igreja, mas lemos que a característica mais proeminente é um retábulo detalhado de madeira com a figura de Cristo.

A alguns passos da igreja encontrará a tentação do pecado mortal da gula: La Dulcería Nublo, considerada nada menos que a melhor pastelaria de Gran Canaria. Os seus mazapan, palmeiras gigantes, bienmesabe (doce típico das Canárias), uma variedade de doces de amêndoa ou o favorito de Chris, o polvito uruguayo, tornará impossível experimentar apenas um para o pessoal mais guloso. A Dulcería Nublo foi fundada em 1946, tem uma esplanada onde pode degustar o que comprar na pastelaria com vistas e pensamos que vai ser complicado não levar algo para casa.

La mejor pastelería de la isla es parada imprescindible en Tejeda
A melhor pastelaria da ilha é uma paragem essencial em Tejeda.
  • A Cesta, a Cruz de Tejeda e a Pousada

Quando deixar a cidade velha de Tejeda com o seu nível de glicemia um pouco mais elevado, recomendamos que faça mais algumas paragens para visitas turísticas pelo caminho.

Muito perto da cidade velha, a 5 minutos de carro, há um local muito na moda, ultimamente: a escultura de um enorme cesto que foi cuidadosamente colocado para guardar as vistas do Roque Bentayga “dentro”. Encontra-se exatamente aqui, do lado da ponte sobre o barranco de Tejeda.

La cesta con el Roque Bentayga "dentro"
O cesto com o Roque Bentayga “dentro”.

A outra paragem é a Cruz de Tejeda. Demorará aproximadamente 15 minutos de carro da cidade velha de Tejeda. Junto a esta cruz de pedra encontrará a impressionante Pousada de Cruz de Tejeda. Se este não é o alojamento com as melhores vistas da ilha, não sabemos qual será. Admitimo-lo, quando chegámos e vimos a piscina infinita com vista para uma das melhores paisagens panorâmicas da Gran Canária, considerámos dar-nos um deleite naquela mesma noite. Acabamos por não o fazer, mas prometemos voltar e oferecer-nos pelo menos uma noite nesta incrível pousada.

Si quieres darte un capricho y disfrutar de la piscina con las mejores vistas de la isla, reserva aquí.
Se quiser dar-se um mimo e desfrutar da piscina com as melhores vistas da ilha, reserve aqui

Muito perto da Pousada de Cruz de Tejeda existem várias bancas com produtos e artesanato locais, no caso de querer levar consigo algumas recordações para casa, sobretudo para o caso de não ter resistido e já ter comido todo o mazapan que comprou na Dulcería Nublo…

Vistas del mirador Cruz de Tejeda
Vistas do miradouro da Cruz de Tejeda

Não se preocupe com as calorias, avizinha-se alguma actividade física caso queira aproximar-se dos famosos Roque Nublo ou Roque Bentayga (recomendamos muito!).

  • Roque Bentayga

O segundo ícone geológico mais importante da ilha, o Roque Bentayga, está a cerca de 10 minutos de carro da cidade de Tejeda. Embora não tenhamos lá ido, pode-se subir ao Roque a 1,414 m acima do nível do mar através de um trilho marcado de menos de 2 kms com algum declive (1h de ida e volta aprox.). Há estacionamento no início do trilho.

Roque Bentayga era, como Roque Nublo, um lugar sagrado para os aborígenes da ilha. Aparentemente, esta formação geológica foi utilizada pelos aborígenes das Ilhas Canárias como uma fortaleza (contém várias grutas, paredes, inscrições e pinturas rupestres) mas, mais importante, como um “almogarén”, um lugar onde realizavam os seus rituais e práticas religiosas, faziam oferendas e adoravam os deuses. Foi-nos dito que está naturalmente alinhado com Roque Nublo e indica o seu uso astronómico como “marcador equinocial” (um objeto que serve como “detetor” da data do equinócio devido à localização do sol ao pôr ou nascer do sol em relação ao objeto).

El Roque Bentayga
O Roque Bentayga

É, portanto, um lugar cheio de energia com vistas incríveis sobre as Montanhas Sagradas da Gran Canária (declarada Património Mundial pela UNESCO), sobre a aldeia de Tejeda e o Monumento Natural de Roque Nublo, de que falaremos mais tarde.

Falaram-nos também do Centro de Interpretação, junto ao parque de estacionamento, onde se pode saber mais sobre o complexo arqueológico da Serra de Bentayga (Bentayga, Andén de Tabacalete, Cuevas del Rey e El Roquete) e os seus arredores. Entrada livre, aberta todos os dias das 10:00h às 17:00h (excepto 31 de Dezembro e 1 de Janeiro).

Roque Nublo: trilhos, miradouros e o pôr-do-sol inesquecível na Ventana del Nublo

Este monumento natural é o ícone geológico da Gran Canaria e está provavelmente em todas as listas de imprescindíveis da Gran Canaria: o Roque Nublo

Situada a 1.813 metros acima do nível do mar e rodeada pelo Parque Rural Nublo, esta grande rocha de origem vulcânica tem quase 90 metros de altura (acredita-se que há milhões de anos atrás o stratovolcano aqui pode ter tido mais de 3.000 metros de altura). Todo este território faz parte da Reserva Mundial da Biosfera da Gran Canária, declarada pela UNESCO em 2005.

Roque Nublo era também um local de culto, sagrado para os aborígenes da ilha, onde realizavam cerimónias religiosas e onde algumas grutas foram mesmo encontradas como locais de sepultamento.

Demora cerca de meia hora a chegar à impressionante rocha, já que a caminhada é de apenas 1,5 km de ida e 1,5 km de regresso (1 hora no total para ir e voltar, incluindo paragens fotográficas) desde o parque de estacionamento Degollada de la Goleta. Sabe que nas rotas que fazemos incluímos sempre a nossa escala particular de “Nível de Dificuldade Randomtripper” que, neste caso, é baixa desde que se use calçado adequado, uma vez que existem algumas subidas com secções pedregosas. Também recomendamos que traga uma camisola (ou mesmo um casaco se for nos meses de Inverno) porque lá em cima, no chamado “Tablón del Nublo”, é muito ventoso e alguns graus mais fresco do que lá em baixo.

Aunque el "Nivel de Dificultad Fofisano" sea bajo, es importante que lleves calzado cerrado y sudadera porque arriba el viento pega fuerte
Embora o “Nível de Dificuldade Randomtripper” seja baixo, é importante que se use calçado fechado e uma camisola porque o vento é forte lá em cima.
El camino hasta llegar al monolito sagrado es muy bonito, entre pinos canarios
O caminho para o monólito sagrado é muito bonito, entre os pinheiros das Ilhas Canárias.

Esperávamos que no dia escolhido para ir, os céus limpassem um pouco (tínhamos tido calima nos últimos dias) e que pudéssemos apreciar a cereja no topo do passeio: saudar Teide, o vulcão de Tenerife que detém o título do ponto mais alto do país, do imponente Roque Nublo. E assim foi. Talvez tenhamos sido bons ultimamente e a ilha nos tenha proporcionado este grande momento. É incrível como nos sentimos pequenos diante dos quase 90 metros imponentes do monólito sagrado.

¡Hola Teide! ¡Hola Tenerife!
Olá Teide, olá Tenerife!
El Teide, a la izquierda, y el Roque Nublo, a la derecha
Teide, à esquerda, e Roque Nublo, à direita
Hemos contemplado El Teide en Tenerife, asomándose por entre las nubes, desde diferentes puntos. No nos podíamos creer la suerte que teníamos
Vimos El Teide em Tenerife, espreitando através das nuvens, a partir de diferentes pontos. Não podíamos acreditar na nossa sorte!

Ainda não o sabíamos mas veríamos Teide mais vezes de diferentes pontos nesse dia e, o mais especial, ao pôr-do-sol…

Despidiendo el Teide antes de bajar del Roque Nublo y volver al coche. No sabíamos cuando lo volveríamos a ver...
Dizer adeus ao Teide antes de descer de Roque Nublo e voltar para o carro. Não sabíamos quando voltaríamos a vê-lo…

Para além de ser sagrado na herança aborígene, Roque Nublo é também muito especial para os devotos pois é um ponto de peregrinação e, ao mesmo tempo, um objetivo da comunidade montanhista.

  • Miradouro da Degollada de Becerra

Ao descer de Roque Nublo, recomendamos que pare no Miradouro Degollada de Becerra, a meio caminho da estrada entre La Cruz de Tejeda e Llanos de la Pez, e desfrute de vistas espetaculares. Para além de Roque Nublo, deste miradouro verá Roque Bentayga, El Fraile, a caldeira de Tejeda, a aldeia de Tejeda e, claro, se tiver sorte, voltará a saudar a silhueta de Teide.

Vistas desde el Mirador Degollada de Becerra
Vistas do Miradouro da Degollada de Becerra

Pode também visitar o Centro de Interpretação Degollada de Becerra para saber mais sobre a etnografia local.

  • Pico de las Nieves

A 15 minutos de carro do parque de estacionamento Roque Nublo levá-lo-ão ao Pico de las Nieves, o ponto mais alto da ilha de Gran Canaria, a 1.956 metros.

El Pico de las Nieves ofrece de las mejores postales de la isla, si la calima te las deja ver...
O Pico de las Nieves oferece alguns dos melhores postais da ilha, se conseguir ver (nós apanhámos bastante calima -areia do saara no ar- quando fomos)

Junto ao Morro de la Agujerada, esta varanda abre-se para quase metade da ilha, pois a vista panorâmica estende-se desde o maciço de Tamadaba até ao maciço de Amurga e, com sorte, ao próprio Teide (num dia claro).

O miradouro do Pico de las Nieves situa-se ao lado do parque de estacionamento e é também um local ideal para dizer adeus ao sol. Se quiser encontrar um lugar para apreciar o pôr-do-sol ainda mais espetacular, perto do miradouro tem uma das famosas “janelas” de onde pode ver Roque Nublo: “Ventana de morro” ou “Gañifa” (mais informações sobre como lá chegar neste blogue).

Juego de sombras entre la calima, en el punto más alto de la isla: el Pico de las Nieves
Jogo de sombras na bruma, no ponto mais alto da ilha: Pico de las Nieves.

Ao contrário de outros lugares para ver o pôr-do-sol, se o dia estiver nublado, o espetáculo aqui pode ser ainda mais especial, uma vez que se pode ver como, tanto Tenerife como Gran Canaria estão cobertos por uma manta de nuvens à medida que o sol se põe.

  • A Ventana del Nublo: o melhor pôr-do-sol da viagem

O melhor pôr-do-sol de todo o mês que passámos na ilha, surpreendentemente, não foi no mar. Existem várias formações rochosas conhecidas como “ventanas del Nublo” (janelas do Nublo) que oferecem vistas privilegiadas sobre o imponente Roque Nublo, a paisagem circundante e, com sorte, o nosso amado Teide.

Despidiendo el sol en la Ventana del Nublo
Despedindo o sol na Ventana del Nublo

Escolhemos apreciar o pôr-do-sol nesta Ventana del Nublo, em silêncio e solidão, com um pinhal atrás de nós que ia ganhando tons alaranjados e o Teide à nossa frente (e bastante vento). Para chegar a esta janela tem de ir à zona de campismo do Bailico e estacionar lá (pode estacionar numa pequena estrada de terra batida). A caminhada demora cerca de 20 minutos (indo bastante depressa para apreciar o espetáculo), a um ritmo normal demorará cerca de meia hora, que é o tempo que demoramos a voltar. É essencial usar calçado adequado (ténis), uma camisola/camisa para o vento e uma lanterna para voltar na escuridade (se não, pode usar a lanterna do seu telemóvel como nós fizemos, certificando-se de que tem bateria suficiente).

El Teide desde la ventana del Nublo, segundos antes de que el sol se escondiera
O Teide da janela do Nublo, segundos antes de o sol se pôr.
El Teide desde la ventana del Nublo, segundos después de que el sol se escondiera
O Teide da janela do Nublo, segundos após o sol se ter posto

Descobrimos este lugar incrível e o caminho para lá chegar no blog “Los pasos que dejamos atrás“, onde está muito bem explicado. Muito obrigado, Toni!

El Roque Nublo desde la Ventana del Nublo
Roque Nublo da Janela do Nublo

É um lugar muito especial que recomendamos vivamente porque tanto a caminhada para lá chegar como a recompensa no final valem bem a pena.

El camino para llegar a la Ventana del Nublo también nos encantó
O caminho para a Ventana del Nublo também nos encantou.
Fue tan especial que sabíamos que era complicado que acabó por ser nuestro atardecer favorito del mes que pasamos en la isla
Foi tão especial que acabou por ser o nosso pôr-do-sol preferido do mês em que passámos na ilha.

Observatório Astronómico Temisas

Se é fã de observar o céu estrelado, não pode perder o telescópio na pequena aldeia de Temisas, no interior da ilha. Como sabem, o arquipélago é famoso pelo seu céu para observações astronómicas e, de facto, tanto La Palma como Tenerife detêm o título de Destinos Estrela. O observatório astronómico em Temisas não detém tal título (a sua proximidade de cidades como Vecindario e Arinaga significa que recebe alguma poluição luminosa) mas ainda assim, oferece observações astronómicas espetaculares.

Normalmente tem visitas guiadas sextas e sábados à noite ao Observatório e um programa variado de workshops, palestras e cursos que permitem ao público em geral, e especialmente à população jovem, abordar o maravilhoso e misterioso mundo da Astronomia. Mais informações no Facebook ou na sua página web.

Barranco de las Vacas (o “mini Antelope Canyon”)

Este pequeno local conhecido como “Barranco de las Vacas” tornou-se um local muito procurado (uma vez que se tornou popular no Instagram) e foi mesmo chamado de “mini Antelope Canyon“. Embora seja verdade que existe uma certa semelhança entre o bem conhecido recanto dos Estados Unidos da América e este pequeno recanto em Gran Canária, na nossa opinião não há comparação e esta é muito mais pequena (ou então é só um sintoma da nossa alergia a nomenclaturas alusivas a comparações entre destinos incomparáveis).

Hay un mini "Antelope Canyon" en Gran Canaria
Diz que existe um mini “Antelope Canyon” em Gran Canaria

Outro ponto a referir é que estas formações caprichosas de “Tobas de Colores” (um tipo de rocha vulcânica que é comum nas Ilhas Canárias) não fazem sequer parte do Barranco de las Vacas (como é popularmente conhecido), mas encontram-se no Barranco de Barafonso (sendo o Barranco de las Vacas um barranco que começa mais abaixo).

As características destas rochas vulcânicas de consistência média tornaram-nas adequadas para a exploração de pedreiras e, na altura, eram muito úteis para os antigos canários construírem as suas habitações na área em redor do Barranco de Guayadeque. É um tipo de rocha que é facilmente corroída, razão pela qual há milhares de anos, com a passagem de água, estas formas improváveis e fotogénicas foram concebidas.

Como chegar a Barranco de Las Vacas e onde estacionar?

Chegar a Barranco de Las Vacas é muito fácil, embora o estacionamento possa não ser tão fácil. Para lá chegar, basta seguir a estrada GC-550 de Agüimes na direcção de Temisas. O local exato onde terá de descer para o Barranco de Las Vacas é este (pode encontrar tudo detalhado no nosso mapa).

No entanto, antes de descer ao Barranco de Las Vacas terá de estacionar o seu carro, para o qual tem duas opções:

  • Estacionamento com 2 lugares: um espaço muito próximo do ponto que acabámos de indicar onde podem caber dois carros (onde estacionamos).
  • Estacionamento com 10 lugares: um pouco antes de chegar (indo de Agüimes em direcção a Temisas) existe uma área junto à estrada onde podem estacionar cerca de 10 carros. Daqui até ao local onde se desce para o barranco são cerca de 10 minutos a pé ao longo da estrada (não é um passeio muito agradável e é preciso estar atento à passagem de carros).
Dónde aparcar para ir al barranco de las vacas
O nosso carro está estacionado na zona de dois lugares ao lado do local onde se desce para o Barranco de las Vacas.

Ambos os pontos estão indicados no mapa, mas aqui está um mapa esquemático para lhe facilitar o seu caminho:

Mapa con cómo llegar al Barranco de Las Vacas

Uma vez estacionado o seu carro, basta ir até ao ponto indicado acima, saltar sobre a guarda, descer e atravessar o mini-túnel que verá à direita. Se continuar a caminhar alguns metros, alcançará o “Barranco de Las Vacas”.

O lugar em si é bastante pequeno, e devido à sua popularidade no Instagram nos últimos anos, pode facilmente ficar lotado, por isso recomendamos que se vá num dia de semana e cedo (ou tarde) para o desfrutar com algum sossego.

Este grande afluxo de pessoas pode também ter um impacto negativo no sitio, por isso, como sempre, se o visitar, seja responsável: não deixe lixo, não grafite nas paredes, evite tocar nas formações e por respeito às outras pessoas que o visitam, não faça barulho ou “monopolize” o lugar com as suas fotografias.

Guayadeque

O Barranco de Guayadeque foi-nos recomendado por várias pessoas locais por uma razão especial: para comer num dos restaurantes das grutas. Uma estrada estreita leva-o até ao barranco onde há vários restaurantes construídos dentro de casas-cueva. Já almoçou numa caverna? Se tem curiosidade, incluímo-los na secção sobre onde comer.

El barranco de Guayadeque
O barranco de Guayadeque
Disfrutando de las vistas del barranco de Guayadeque y el mar al fondo
Apreciar as vistas do barranco de Guayadeque e do mar ao fundo.

Foi-nos recomendado o Restaurante El Centro, fomos lá, a comida é boa e barata (especializada em carnes grelhadas). Dentro dos restaurantes é fresco, ideal para dias quentes. No topo há uma bela vista do barranco.

Entrada al restaurante El Centro, en el Barranco de Guayadeque
Entrada no restaurante El Centro, em Barranco de Guayadeque

Também é possível ficar em alguma casas-cueva, tais como Ca’Juani ou Casas Rurales de Guayadeque (mais na secção Onde ficar).

La Sorrueda e a Fortaleza de Ansite

O sítio arqueológico de La Fortaleza de Ansite é uma amostra incrível do habitat troglodita pré-hispânico de grutas naturais e artificiais de grande diversidade, desde locais de culto, a locais de habitação e armazenamento, e até necrópoles. Foi um dos lugares que mais nos surpreendeu na nossa visita à ilha.

É constituída por três grandes rochas: à esquerda está a Fortaleza Chica, atrás está a Titana (com uma forma mais arredondada), e à frente está a Fortaleza Grande, que é onde se encontra a maior riqueza arqueológica.

Nestas rochas podemos encontrar uma multiplicidade de cavidades ou buracos que eram utilizados como quartos, celeiros ou câmaras funerárias e que, dado o seu difícil acesso, eram muito úteis para se esconderem dos inimigos nos tempos dos aborígenes.

Este sítio arqueológico, para além de ser inspirador pelas suas vistas, é muito especial em termos históricos: foi aqui que teve lugar o último confronto entre os antigos habitantes das Ilhas Canárias e os invasores castelhanos, o que significou o fim da luta armada e a anexação da ilha à coroa castelhana.

É um dos sítios arqueológicos mais importantes da ilha, e as provas até agora indicam que a fortaleza já era habitada há cerca de 1400 anos.

Como chegar à Fortaleza de Ansite?

Para chegar à Fortaleza de Ansite tem de ir a Sorrueda, uma pequena aldeia nas montanhas, através da estrada GC-65 do sudeste (Vecindario). A estrada em si é muito bonita, e de lá pode-se ver a fortaleza de Ansite e parar em alguns dos miradouros, tais como o Miradouro de El Guriete. Tem muitas curvas, pelo que terá de ir devagar.

Mirador el Guriete
Muiradouro de El Guriete

Em Sorrueda pode visitar o Centro de Interpretação La Fortaleza de Ansite, onde poderá saber mais sobre esta maravilha de Gran Canaria.

Pode também visitar o Miradouro de la Sorrueda, de onde se pode ver o reservatório de Tirajana e muito verde em redor.

A entrada para Sorrueda é muito bonita, atravessando uma zona da estrada com muitas palmeiras.

3. Oeste da Gran Canária

A costa ocidental de Gran Canária é a sua zona mais isolada, intocada e selvagem. Para nós é essencial incluí-lo no seu passeio pela ilha, aqui dizemos-lhe porquê.

Gáldar, as suas praias e a Cueva Pintada (Caverna Pintada)

Gáldar, a primeira capital da Gran Canária, destaca-se pela sua rede de ruas coloridas de tons pastel e edifícios históricos. Mas o que atrai muitas pessoas a visitá-la é o parque arqueológico da Cueva Pintada: um dos principais exemplos de arte rupestre no arquipélago, mesmo no centro da cidade.

Calles coloridas de Gáldar
Ruas coloridas de Gáldar

Assim que chegar ao centro de Gáldar, que foi declarado Sítio Histórico em 1981, verá uma praça onde encontrará a bela Igreja de Santiago de Gáldar, construída no topo do Palácio de Guanartemes e, no centro da própria Praça de Santiago, e uma fonte com bancos à sua volta que o convidam a descansar. Se tiver sede ou fome, não faltam restaurantes e esplanadas à volta da praça onde pode tomar uma bebida e desfrutar da paz e sossego dos habitantes locais. Se preferir algo mais luxuoso, pode ir ao restaurante do terraço do Hotel Agáldar, também na praça, e tomar uma bebida com vista para a igreja e para a montanha de Gáldar.

La Iglesia Santiago de Gáldar y el Hotel Agáldar
Igreja de Santiago de Gáldar e Hotel Agáldar

A visita aos edifícios mais emblemáticos que revelam o passado importante do centro político da Gran Canária pré-hispânica está concentrada nas ruas estreitas em torno desta praça. Um dos edifícios mais notáveis que vale a pena visitar é a antiga Câmara Municipal (do século XVIII) e o seu Dragoeiro, um dos mais antigos da Gran Canaria, documentado já em 1718.

Na própria Praça de Santiago encontra-se o edifício do Casino de Gáldar (com o seu belo pátio interior) e, a poucos metros de distância, a Casa-Museu de Antonio Padrón, pintor, escritor e escultor de Gáldar. A Casa-Museu alberga mais de uma centena de obras de um dos mais destacados artistas dos movimentos vanguardistas do arquipélago no século XX (Entrada: 2 euros, de terça-feira a domingo das 10:00h às 18:00h, no Verão até às 19:00h).

Plaza de Santiago, en Gáldar
Praça de Santiago, em Gáldar

Se chega a Gáldar de manhã, adora mercados como nós e quer sentir a vida local, não há nada melhor do que ir ao mercado La Recova de Gáldar, na rua Capitán Quesada. Está aberto todos os dias das 7:30 às 13:30, exceto às sextas-feiras, quando só está aberto à tarde das 16:00 às 19:30. Está fechado aos domingos.

Mas um dos edifícios mais impressionantes que Gáldar conserva e que nos leva de volta aos tempos em que era a capital, está do outro lado da Praça de Santiago: o Teatro Consistorial. Queríamos entrar e ver um dos melhores teatros históricos do arquipélago, datado de 1912, mas quando chegámos já estava fechado.

En Gáldar no faltan las terrazas
Em Gáldar não há falta de esplanadas.

Continue a caminhar ao longo da Calle del Teatro, Calle Tagaror, e deparar-se-á com a escultura de Arminda, uma princesa guanche, do artista Diego Higueras. A escultura retrata a Rainha Arminda em criança e dá-lhe as boas-vindas ao que é provavelmente a principal razão que o atraiu para Gáldar: a Cueva Pintada (Caverna Pintada).

  • Cueva Pintada

Na Cueva Pintada de Gáldar podem-se ver os maiores vestígios de arte rupestre das Ilhas Canárias, bem como construções aborígenes dos antigos colonos e restos arqueológicos de cerâmica, pintaderas canárias e outros artefactos.

A visita está dividida em três fases: primeiro visitará o museu, depois o local de 5.500m2 e finalmente a própria caverna pintada onde se podem ver as famosas pinturas rupestres.

A entrada é gratuita aos domingos. Em dias de semana, a entrada com visita guiada custa 6 euros (entrada reduzida 4 euros e preços especiais para grupos). É favor notar que todas as visitas são guiadas e duram aproximadamente 50 minutos. Infelizmente quando chegámos não pudemos entrar porque, nos meses de Verão, a última visita guiada é às 18h e perdemo-la por 5 minutos. O resto do ano, a última visita guiada é às 16h30.

Também perto, mas na costa, encontra-se a aldeia e necrópole de La Guancha, um sítio arqueológico de 24.000 m2 onde se pode ver como eram os enterros dos antigos habitantes da ilha, entre outros edifícios pré-hispânicos.

Escultura de Arminda, la princesa guanche, frente a la Cueva Pintada, en Gáldar
Escultura de Arminda, a princesa Guanche, em frente à Cueva Pintada, em Gáldar.
  • Praia da Sardina del Norte

O município de Gáldar esconde várias praias atrativas onde se pode ir nadar. Fomos a Praia de la Sardina, uma praia abrigada do vento com casas coloridas no penhasco que adorámos.

Também aqui está o Porto de la Sardina del Norte, um pequeno porto que foi extremamente importante no passado, devido à sua localização estratégica, em frente a Gáldar (a antiga capital da Gran Canaria pré-hispânica), sede das guanartemas da ilha, e uma porta conveniente para os conquistadores alcançarem o centro político da ilha. Tem sido também extremamente importante para o comércio da ilha, primeiro para a entrada de produtos agrícolas e mais tarde para o comércio de açúcar. Hoje em dia, as suas águas claras atraem sobretudo banhistas e mergulhadores, uma vez que este é um dos melhores locais da ilha para o mergulho submarino. Se mergulhar, dizemos-lhe mais na secção Onde Mergulhar em Gran Canaria.

Se seguir o passeio ao longo da praia, deixando a barragem à sua esquerda, chegará a outra praia conhecida como praia Roquete (por causa da casa do mesmo nome esculpida na rocha), uma pequena enseada de calhaus que é normalmente mais silenciosa do que a sua vizinha La Sardina.

  • Farol de Punta Sardina

Em todas as nossas viagens a cada uma das Ilhas Canárias, uma visita a pelo menos um dos seus faróis é obrigatória, e a Gran Canaria não foi exceção. Fomos ao farol de Punta Sardina e assim que chegámos lembrou-nos o Farol de Tostón, na nossa amada Fuerteventura, onde tínhamos estado há apenas algumas semanas. Ambos os faróis são muito semelhantes e têm formas e estética muito semelhantes.

Este farol, que data de 1888, é responsável pela marcação das costas do noroeste da ilha para a navegação marítima, na faixa costeira que se estende até ao farol de La Isleta, a leste, e à ponta de La Aldea, a sudoeste.

  • Praia del Juncal

Também no município de Gáldar está a praia del Juncal, conhecida como Praia del Puertito, uma praia que nos foi recomendada mas que infelizmente não tivemos tempo de ir. A promessa de uma praia virgem para desfrutar em solidão foi o que nos disseram e ficámos com o desejo de lá ir. Se quiser ir e ver por si próprio, deve saber que só pode chegar a esta praia de calhau com águas calmas (onde pode praticar nudismo) caminhando durante cerca de 45 minutos (e mais 45 minutos para voltar). Se quiser aventurar-se, pode encontrar a localização aqui e, claro, no mapa. Aqui tem também a rota para descer no Wikiloc. E, por favor, se for, diga-nos como foi nos comentários!

Perto de Gáldar, há mais praias a explorar, como as piscinas naturais de El Agujero e Bocabarranco, as praias de Dos Roques, Punta de Gáldar, Caleta de Arriba, Caleta de Abajo e outras praias e piscinas naturais onde se pode dar um mergulho se o calor for demasiado.

Vistas de la playa Punta del Faro
Vistas da praia de Punta del Faro

Rota de Agaete e a Aldeia de San Nicolás

Na nossa opinião, um ponto obrigatório na ilha é conduzir a estrada GC-200 de Agaete a Aldea de San Nicolás, de norte a sul (mais bonita do que de sul para norte). Não é para todos (especialmente para quem tem vertigens), pois é preciso ter muito cuidado e as vistas sobre as falésias são de cortar a respiração, mas o cenário vale bem a pena.

Uno de los paisajes que verás en el roadtrip por la carretera GC-200
Uma das paisagens que verá na viagem pela estrada GC-200.

Se é difícil para nós decidirmos qual a estrada que oferece as melhores vistas panorâmicas do interior da ilha, estamos claros sobre as melhores paisagens da costa: as vistas de frente e para a direita durante a viagem ao longo da GC-200 fazem-nos querer parar o carro a cada momento (embora isto só possa ser feito nos poucos miradouros ao longo do percurso) para apreciar a imensidão e a força do mar a bater contra os penhascos íngremes.

Além disso, a viagem de carro na GC200 esconde praias que passam despercebidas pela maioria dos turistas e passam por vários locais de interesse, pelo que, embora não seja necessário, em algumas das paragens pode até considerar passar a noite. Fizemo-lo, na Aldeia de San Nicolás, antes de regressarmos a casa, no sul da ilha.

  • Agaete e Puerto de las Nieves

Começamos em Agaete e no seu bairro de pesca azul e branco: Puerto de las Nieves. Recomendamos que estacione o seu carro aqui e se perca na azáfama das pessoas, restaurantes e lojas nas ruas estreitas, entre a pequena Ermita de las Nieves e um dos portos que liga a ilha com a ilha vizinha de Tenerife.

El barrio marinero de Puerto de las Nieves, Agaete

Quando lá fomos, havia muitos locais nas praias e pouco espaço para estender a sua toalha, tanto na praia de Las Nieves como na pequena praia de El Muelle, o que nos leva a suspeitar que é um destino muito popular para as pessoas que vivem em Las Palmas (que fica apenas a meia hora de distância). Ambas as praias são calmas e com águas calmas, o que as torna muito populares entre as famílias.

Playa de las Nieves
Playa de las Nieves
Playa del Muelle
Praia Muelle

Não fique surpreendido quando ouvir que foi aqui que “Deus perdeu um dedo”. Em frente a Puerto de las Nieves havia um monumento natural cuja forma se assemelhava a uma mão devido à erosão ao longo dos anos. Na tempestade do Delta de 28 de Novembro de 2005, o dedo caiu ao mar, e agora só resta a parte inferior da “mão” e a história do Roque Partido ou Dedo de Dios (Dedo de Deus).

O pequeno centro da cidade de Agaete também merece uma visita: passeie pelas ruas estreitas de edifícios brancos com varandas de madeira típicas das Canárias até chegar à Praça de la Iglesia de la Concepción, o centro nevrálgico da pequena Agaete. Se lhe apetecer, pode caminhar até lá, fica a cerca de 15 minutos de Porto de las Nieves.

Agaete
Agaete
  • Piscinas naturais de Las Salinas

Junto a Puerto de las Nieves encontram-se as piscinas naturais Las Salinas, com o nome das salinas que aqui existiam. Se lhe apetecer caminhar, há um passeio que liga Puerto de las Nieves às piscinas. Esteja avisado, no entanto, que se não visitar a ilha nos meses menos ventosos (Setembro e Outubro), é muito ventoso tanto nas três piscinas rochosas vulcânicas com água do mar como na praia com o mesmo nome ao lado, onde, claro, havia pessoas a praticar windsurf.

Piscinas naturales Las Salinas
Piscinas naturais Las Salinas
Playa de Las Salinas
Praia de Las Salinas

Localizada entre Praia del Juncal (de que vos falámos no município de Gáldar) e esta praia em Las Salinas, lemos sobre uma praia selvagem pouco conhecida chamada La Caleta que, como o nome sugere, é aparentemente uma pequena enseada de pedras em mar aberto que pode ser acedida a pé ao longo de um caminho que começa em El Turmán, em Agaete, no caso de querer dar asas à sua veia de explorador.

  • Necrópole de Maipés

A 5 minutos de carro de Agaete encontrará um local de sepultamento da cultura aborígene com cerca de 700 túmulos dos ancestros canários, alguns dos quais foram construídos há mais de 1.300 anos. As estruturas estão localizadas num fluxo de lava que corre ao longo da margem direita do barranco de Agaete. É considerado um dos mais espetaculares locais de sepultamento arqueológico sobre material vulcânico nas Ilhas Canárias, com uma superfície de mais de um quilómetro quadrado.

Se quiser visitar o Parque Arqueológico Maipés em Agaete, pode ir de terça-feira a domingo das 10:00h às 17:00h (de Outubro a Março) e das 10:00h às 18:00h (de Abril a Setembro). Entrada: 3 euros (2 euros de admissão reduzida)

  • Praia de Guayedra

Continuamos na rota GC-200 e entramos no Barranco de Guayedra e, mais especificamente, no Parque Natural de Tamadaba. A bela praia de Guayedra pontilhada de palmeiras está localizada mesmo na foz do barranco, em frente ao Porto de las Nieves, de onde se pode ver o monumento natural em que Deus perdeu o seu dedo e o próprio Porto de las Nieves.

La playa de Guayedra se encuentra justo en frente del Puerto de las Nieves como se puede apreciar desde la carretera GC-200
A praia de Guayedra está situada mesmo em frente a Puerto de las Nieves, como se pode ver na estrada GC-200.

É considerada uma das mais belas praias de nudismo da ilha. A única forma de lá chegar é num 4X4 ou a pé. Foi-nos dito que o acesso não é fácil mas vale a pena: o passeio oferece momentos incríveis entre o contraste dos pinheiros verdes com os barrancos e as montanhas de pedra negra e, claro, a recompensa daquele banho atlântico numa praia virgem. Claro que, por ser uma praia aberta, tem ondas fortes, por isso não seja corajoso e tenha cuidado. O ideal seria ir à praia de Guayedra quando a maré está baixa, pode verificar as marés neste website.

Se se atrever, fique e desfrute do pôr-do-sol, que tem fama de ser uma das mais belas de Gran Canaria e, se tiver sorte, pode até cumprimentar o próprio Teide a partir da sua toalha. Sem dúvida um dos planos que mais aguardamos quando regressarmos à ilha.

  • Praia do Sotavento

Muito próxima de Praia de Guayedra é uma praia arenosa e de calhau com ondas fortes, que também pode ser acedida por veículos todo-o-terreno ou a pé. Não a conhecemos.

  • Praia Faneroque

Outra praia que nos escapou na rota do GC-200 é a praia intocada de Faneroque, também conhecida como Praia del Faneque ou Praia de Tamadaba (por causa do parque natural de que faz parte). Tal como na praia de Guayedra, Faneroque também é recomendado na maré baixa devido ao vento e ondas fortes. Além disso, o caminho para o mergulho tem dois perigos adicionais neste caso: a possibilidade de queda de rochas e o facto de algumas rochas estarem cobertas de musgo, ou serem mais escorregadias do que o normal. Em qualquer caso, uma aventura para aqueles que gostam de caminhadas adrenalinas com a derradeira recompensa do banho de mar. Uma descrição detalhada de como chegar a Faneroque aqui.

Roadtrip por la GC-200, entre paisajes increíbles y playas que escapan al ojo turista
Viagem ao longo do GC-200, entre paisagens incríveis e praias que escapam ao olhar do turista.
  • Praia do Risco e Charco Azul

El Risco é uma pequena aldeia aninhada no barranco do mesmo nome onde pode estacionar o seu carro para uma bebida (no restaurante Pedromo com estacionamento) e, se lhe apetecer um mergulho salgado, ir à Praia del Risco, uma praia intocada de enseadas e areia preta. De acordo com o que lemos, há um parque de estacionamento de terra junto ao mar, mas não chegámos a ir a esta praia. Embora tenha esta facilidade de estacionamento na praia (o que a torna bastante cheia nos fins-de-semana e feriados), não é uma praia vigiada e não tem serviços, por isso tenha cuidado com as correntes.

A poucos quilómetros do barranco e da aldeia de El Risco, existe uma piscina cada vez mais popular para os visitantes: o Charco Azul. Existe um parque de estacionamento privado onde pode deixar o seu carro, mas a única forma de chegar a esta piscina de água doce, é a pé. Demora cerca de 30 minutos na ida e outros 30 minutos de volta (4 km no total de percurso não circular) num caminho plano sem muita dificuldade. Contudo, o caminho não está marcado, por isso, para evitar perder-se, é melhor seguir as pegadas anteriores para saber qual o caminho a seguir.

Se gosta de caminhar, no Barranco del Risco existe um incrível percurso circular onde passará por muitas quedas de água, dizemos-lhe mais na secção de Rotas de Caminhadas.

  • Praia La Virgen

Esta pequena enseada (por vezes também conhecida como Praia de Artenara) está situada entre a praia do Risco e Punta de La Aldea, no sopé das falésias do Andén Verde e também pode ser acedida a partir da estrada GC-200. Contudo, o acesso não é nada fácil através de pequenas e estreitas plataformas descendentes e o banho é perigoso devido às fortes ondas e correntes marítimas que deram origem a grutas submersas onde o efeito de sucção ocorre.

  • Miradouro el Balcón

Provavelmente as vistas mais deslumbrantes de toda a rota GC-200, são no miradouro del Balcón ou, como é conhecido, a “cauda do dragão” (devido à semelhança dos picos íngremes que descem em direção ao Oceano Atlântico com a cauda do ser mitológico) é de cortar a respiração.

Se entiende por qué le llaman la cola del dragón ¿verdad?
Percebe por esta fotografia porque lhe chamam a cauda do dragão, certo?

Descendo as escadas de pedra, poderá observar a imponente paisagem a partir de um miradouro pendurado na falésia. Se olhar para o interior, verá o barranco da Arena e o vale da Aldeia de San Nicolás.

Uma paragem essencial que lhe dará algumas das melhores opiniões sobre a viagem.

  • A Aldea de San Nicolás e a praia de La Aldea

Bem-vindo à área menos acessível e, portanto, uma das mais autênticas de Gran Canária.

A orografia do oeste da ilha significa que a estrada para chegar a La Aldea tem muitas curvas e alguns perigos, o que torna La Aldea ainda mais distante dos planos da maioria dos turistas, da capital e do sul da ilha (Maspalomas). No entanto, agora que a estrada foi melhorada, demora aproximadamente 1 hora a chegar a La Aldea a partir de ambos os pontos.

Chegar a esta pequena aldeia é chegar a um porto de paz onde se pode descansar, sentir a vida local, beber algo numa das suas esplanadas e comer mangas para além das suas possibilidades (nota-se que há aqui uma fã incondicional de mangas). Embora, cuidado, este refúgio de paz muda aos sábados, quando as esplanadas se enchem e a tranquilidade dá lugar à azáfama entre brindes e risos.

Se ficar quente, dê um mergulho nas águas frias da Praia de la Aldea e seque ao sol numa das estruturas de madeira que foram montadas para este fim, pois não é muito agradável deitar a toalha nas pedras que compõem a praia. Sim, Praia de la Aldea é uma praia de calhau e nós que estamos habituados a praias de areia, optámos claramente pela estrutura de madeira.

Recomendamos que percorra o seu pequeno bairro antigo com a sua arquitetura popular canária, com as suas casas de pedra e barro dos séculos XVII e XVIII e as casas de varanda do século XVIII.

E também para conhecer o seu legado aborígene, é claro. Foi no Complexo Arqueológico Los Caserones que foi encontrada uma coleção de ídolos de barro e pedra, que agora se encontram guardados no Museu das Ilhas Canárias em Vegueta (Las Palmas). Na praia de La Aldea pode visitar o cemitério de Lomo de Caserones, os quatro moinhos de farinha, de água e de vento, os fornos de cal e de pez e o alambique para destilar rum, que esteve em funcionamento entre 1936 e 1958.

Atenção! La Aldea fica cheia de gente durante os dias 10 e 11 de Setembro, dias em que a “Fiesta de El Charco” (ou “Fiesta de la Embarbasca”), a festa da santa padroeira de La Aldea, é celebrada (se procura paz e sossego, evite estes dias). O “Charco” está localizado aqui mesmo na praia de La Aldea, e no dia 11/09 as pessoas reúnem-se à sua volta e ninguém está autorizado a atravessá-lo antes das 17h00. Nessa altura, a explosão de um foguete disparado pelo presidente da câmara inicia as festividades e todas as pessoas entram vestidas (algumas até com trajes tradicionais) e há uma espécie de corrida para apanhar o peixe com as mãos. Aparentemente, é uma homenagem à pesca dos antepassados canários, uma técnica de pesca aborígene chamada embarbascada. Como sabem, não gostamos de tradições que envolvam atividades com animais para entretenimento humano. Esperemos que um dia em La Aldea adaptem a festividade sem perturbar os peixes.

Lá desfrutámos de um belo pôr-do-sol (se a bruma desaparecesse e o céu limpasse, até se podia ver o Teide da praia de La Aldea) mas o melhor que La Aldea nos deu foi passar aquele dia e noite com a família do nosso amigo Dailos onde fomos recebidos como mais dois da família, entre um churrasco, várias mangas tiradas diretamente da árvore, muitas gargalhadas e muito amor que nos fez sentir em casa. Obrigado e esperamos vê-los em breve.

  • Os Azulejos de Veneguera

A última paragem que recomendamos nesta viagem ao longo da GC-200 é o monumento natural dos azulejos de Veneguera, também conhecido como Fuente de los Azulejos, perto da pequena aldeia de Veneguera.

É uma série de montanhas com faixas de cores diferentes criadas naturalmente, nas quais predomina o barro verde. As cores foram formadas graças a um complexo processo de solidificação dos fluidos hidrotermais expelidos pelo vulcão Tejeda e deixados a descoberto pela erosão de milhares de anos. Hoje em dia é possível observar as diferentes camadas geológicas de cores avermelhadas, ocres, verdes e azuis, com a ocasional queda de água, quando chove, formando uma cena impressionante.

Quando se vê uma barraca de fruta e sumo a caminho do Fuente de los Azulejos, se estiver aberta, pare e estacione. Foi-nos dito pelos nossos amigos Dailos e Farah que este é um lugar que vende doces de manga e coco de babar por mais. Também pode encomendar sumo acabado de espremer ou outros produtos locais. Infelizmente, quando lá fomos, o quiosque estava fechado, por isso, fica para a próxima vez!

¡Cerrado! Un motivo más para volver
Fechado! Mais uma razão para voltar

Contudo, do quiosque não é o melhor local para ver os azulejos naturais. Como é um monumento que se encontra no meio da estrada não é fácil observá-lo de perto, mas estacionámos o carro aqui, há espaço e é seguro, por isso deixamos-lhe o local exato no mapa para que possa fazer o mesmo.

Há um miradouro com o mesmo nome, o miradouro de Veneguera, onde se pode ver tanto o imponente Barranco de Mogán como o bairro de Veneguera. Um bom adeus à pequena viagem pela estrada ao longo do CG-200.

Se gosta de caminhadas e tem tempo, o percurso circular de 16 km à volta do Fuente de los Azulejos foi descrito como espetacular. Não tivemos tempo de o fazer por ser um dia inteiro ou pelo menos 6 horas, mas tem fama de ser uma das mais belas rotas de caminhadas nesta parte da ilha, passando por paisagens incríveis como um belo pinhal canário e alguns charcos. Pode encontrar mais informações na secção de percursos pedestres abaixo.

Praia de Güigüi

Não é fácil chegar àquela que é considerada a melhor praia de Gran Canária e isto contribui para o facto de ser ainda um paraíso intocado e pouco visitado. À praia de Güi Güi (Güigüi ou Guguy) só pode ser chegar a , ao longo de um trilho bonito mas algo difícil, ou, por barco.

Chegar à praia de Güi Güi a pé

Chegar a este paraíso selvagem vale o esforço: 5 km numa direção (e mais 5 km de regresso) em cerca de 2h30 numa direção e mais 2h30 na volta, com muita inclinação e sem sombras .

Todos com quem falámos nos disseram e lemos em todo o lado: vale bem a pena o passeio, pois passará por paisagens incríveis, algumas das mais belas da ilha. Não é por acaso que Güi Güi foi declarado Reserva Natural Especial e Área de Sensibilidade Ecológica pelas suas características especiais.

O caminho está perfeitamente marcado, parte da aldeia do Tasartico onde estaciona o seu carro, e tanto no caminho para lá como no caminho de regresso tem de subir uma encosta íngreme. Mas quando lá chegar, pode nadar em águas límpidas do Atlântico e, se tiver sorte, receberá uma incrível panorâmica com o Teide de pano de fundo.

É essencial trazer muita água (mínimo 2L por pessoa), comida na mochila, sapatos confortáveis fechados, protetor solar e um chapéu. É também importante verificar as marés neste sítio web, uma vez que a praia está dividida em duas: Güigüi Grande e Güigüi Chico e, infelizmente, só se pode chegar a Güigüi Chico na maré baixa através de Güi Güi Grande.

Playa de Güi Güi en Gran Canaria
Praia de Güi Güi. Foto de aworldofdestinations.com

Chegar à praia Güi Güi de barco

Também se pode chegar a Güi Güi de barco. Tem 3 opções:

  • Apanhar um barco táxi de Tasarte, La Aldea, Porto Rico ou Porto de Mogán.
  • Tente negociar com os pescadores da aldeia de Tasarte (foi-nos dito que esta opção custa cerca de 25-30 euros em cada sentido).
  • Reserve a viagem de barco para Güi Güi e volta, aqui com viagem de barco e almoço incluídos: e com sorte verá golfinhos!

Fatores a considerar antes de embarcar na aventura a Güi Güi:

Decidimos finalmente não a visitar desta vez e deixar este plano para a próxima visita à Gran Canária (diz-se que deve deixar sempre algo que queira ver para regressar ao destino, certo?) por três razões principais que acreditamos que também lhe podem ser úteis:

  • A melhor opção para nós é caminhar até lá, durante a semana (para não coincidir com demasiadas pessoas), e regressar de barco. Isto não foi possível porque quando fomos o barco só oferecia o serviço aos fins-de-semana (ou se houvesse um grupo suficientemente grande), pelo que chegaríamos a Güi Güi depois de uma caminhada difícil para encontrarmos muitas pessoas em redor. Pareceu-nos que perderia parte do encanto da recompensa de chegar a um paraíso quase só para nós. Por outro lado, não nos apeteceu caminhar numa rota não circular (ou seja, ver a mesma paisagem na ida e na volta), que por muito bonita que seja, com um declive e esforço íngreme, depois de um dia inteiro na praia e também sair 2 horas e um pouco mais cedo para voltar a caminhar durante o dia.
  • Outro fator importante que influenciou a nossa decisão foram as marés: verificámos as marés para essa semana neste website e, mesmo se saíssemos mais cedo, quando chegássemos depois do passeio, a maré já estaria tão alta que não poderíamos ver Güi Güi Chico.
  • A última razão pela qual decidimos adiar a visita àquela que se diz ser a mais bela praia da ilha é porque tínhamos acabado de passar 4 meses em Fuerteventura nas melhores praias das Ilhas Canárias e optámos por dar prioridade a outros planos pelo interior da ilha. Aqui aproveitamos esta oportunidade para sublinhar o que costumamos dizer: só porque um plano é obrigatório e aparece em todos os guias, não é preciso fazê-lo: quando viaja (como na vida) pergunte-se sempre ‘tenho vontade de o fazer?’

Além disso, se decidir ir a Güi Güi (nós decidimos fazê-lo na nossa próxima visita à ilha), não se esqueça de:

  • Sair de Tasartico cedo: idealmente estar na aldeia por volta das 9 da manhã, por isso conte com a viagem do seu alojamento até Tasartico para evitar as horas mais quentes.
  • Trazer muita água (mínimo 2L por pessoa), comida, ténis fechados e confortáveis, proteção solar.
  • Traga o mapa descarregado de Maps.me já que não há cobertura em Güi Güi.

Reserve a viagem de barco para Güi Güi e volte aqui

Praia de Tasarte

Esta praia é muito mais acessível e fácil de chegar do que Güi Güi, onde se pode dar um mergulho ou despedir o sol ao final do dia com o Teide como pano de fundo, se os céus estiverem limpos. A praia da Tasarte é uma praia de seixos, areia preta e águas calmas onde normalmente não há muita gente. Pode estacionar ali mesmo e ficar para provar uma ropa vieja de pulpo ou tomar uma bebida enquanto aprecia o pôr-do-sol no restaurante Oliva.

4. Norte de Gran Canaria e Las Palmas de Gran Canaria

Las Palmas de Gran Canaria

A capital da Gran Canária mostrou-nos um lado mais bonito e outro menos bonito. É verdade que viver durante quatro meses na pacífica Fuerteventura, onde quase não nos deparámos com nenhum carro e no meio de uma pandemia, contribuiu para o nosso choque quando chegámos ao porto de Las Palmas entre edifícios e estradas com mais de duas faixas. Mas Las Palmas é o que se esperaria da capital do arquipélago (um título que partilha com Santa Cruz de Tenerife): aqui pode encontrar tudo, ou quase tudo. A azáfama de pessoas, lojas, restaurantes e bares para todos os gostos e, ainda por cima, uma bela praia urbana.

El paseo marítimo de Las Canteras es el centro neurálgico de la capital
O passeio Las Canteras é o centro nevrálgico da capital.

Entre os locais a visitar na capital estão: o centro da cidade com a praia Las Canteras, uma das melhores praias urbanas do mundo; os bairros históricos de Vegueta e Triana; e as praias próximas onde também se pode praticar alguma actividade desportiva.

  • O centro e Las Canteras

A Praia de Las Canteras é considerada uma das melhores praias urbanas do mundo e é também o centro nevrálgico da capital. Há sempre movimento no passeio marítimo da Praia de las Canteras, seja para um mergulho, para uma bebida ou para um jantar.

Com uma temperatura média anual de 21º, Las Canteras é um local onde se vêm pessoas todos os dias do ano nos seus mais de 3 km de areia apoiados por um passeio cheio de lojas, hotéis, restaurantes e esplanadas.

Tomando algo en Las Canteras
Um vermú antes do jantar em Las Canteras
La playa urbana de Las Canteras se ha considerado una las mejores playas urbanas del Mundo
A praia urbana de Las Canteras tem sido considerada uma das melhores praias urbanas do mundo.

Se quiser uma pausa da praia, dirija-se ao centro da capital ao longo das ruas que conduzem ao passeio de Las Canteras para tomar o pulso da cidade. A nossa recomendação é dar uma vista de olhos à escultura “Las Atividades Primitivas Canarias” do artista local Luis Alemán Montull (Las Palmas de Gran Canaria, 1931), uma vez que esta foi a sua primeira e mais representativa obra. Pode encontrá-la na rotunda da Praça de Espanha, na cidade.

Também se pode ir ao Parque Santa Catalina, onde se realiza todos os anos o Carnaval de Las Palmas de Gran Canaria e onde habitualmente há mercados de artesanato canário aos fins-de-semana. Se quiser uma boa vista da praça (e da cidade) vá até à cafetaria do hotel AC Gran Canaria e tome uma bebida.

En el Parque de Santa Catalina es donde se celebra el famoso Carnaval de Las Palmas
No Parque de Santa Catalina é onde se realiza o famoso Carnaval de Las Palmas.

Num extremo de Las Canteras encontra-se o Auditório Alfredo Kraus , que fornece a banda sonora à capital, onde se podem ouvir concertos ao longo do ano na sua sala principal. Para os amantes de jazz, o auditório tem também salas mais pequenas dedicadas a este estilo de música.

Se quiser fazer uma pausa entre tudo isto, não há falta de restaurantes, cafés e bares no centro. Tomámos uma bebida na vermutería Valentina, em Las Canteras, e adorámos, mas dir-vos-emos mais sobre isso na secção Onde comer em Las Palmas.

A zona da praia de Las Canteras é uma excelente opção onde ficar na ilha. Neste link encontrará várias opções para todos os gostos e carteiras.

  • Vegueta

Perca-se nas vielas coloridas do bairro mais antigo da cidade: sim, foi aqui que nasceu a capital da ilha, na Praça de San Antonio Abad onde pode encontrar a placa comemorativa da fundação da cidade.

El histórico barrio de La Vegueta
O bairro histórico e colorido de Vegueta

No seu passeio pelo centro histórico de Vegueta, não perca a bela Praça del Pilar Nuevo onde encontrará a Casa-Museu de Colón (uma grande casa do final do século XVI cuja fachada não o deixará indiferente), a pacífica Praça de Santo Domingo com a sua fonte no centro, a Ermita del Espíritu Santo, e, claro, a imponente Plaza Mayor Santa Ana guardada pelos seus cães.

Plaza de Santo Domingo, La Vegueta
Praça de Santo Domingo, Vegueta
Fuente de la Plaza del Espíritu Santo
Fonte na Plaza del Espíritu Santo
Los perros custodiando la Plaza mayor de Santa Ana
Cães de guarda da Plaza Mayor de Santa Ana

Nesta praça encontra-se a Catedral de Santa Ana (também conhecida como a Catedral das Canárias), um grande edifício que mistura vários estilos arquitetónicos, do gótico tardio ao barroco e neoclássico.

La Plaza Mayor de Santa Ana y la Catedral de Santa Ana
A Plaza Mayor de Santa Ana e a Catedral de Santa Ana

Pode subir ao topo da catedral, às torres do sino, por 1,50 euros e desfrutar de uma vista panorâmica da área, bem como visitar as naves de estilo gótico e o pátio. As Casas Consistoriales também oferecem visitas guiadas gratuitas todos os domingos, das 10h às 13h (partindo de meia em meia hora).

Uma das nossas ruas preferidas em Vegueta é a Calle de los Reyes Católicos, com as suas cores pastel e lojas antigas.

Calle de los Reyes Católicos, La Vegueta
Calle de los Reyes Católicos, Vegueta

Outro sítio que não pode perder em Vegueta é experimentar o seu mercado onde se pode encontrar todo o tipo de produtos frescos da ilha. Este mercado abriu as suas portas em 1863 (é um dos mais antigos da ilha) e continua aberto todos os dias, exceto aos domingos e feriados, das 06.30h às 14.00h.

E, é claro, vai ficar com fome entre todas essas caminhadas, por isso aproveite a oportunidade para comer numa das suas esplanadas. Experimentámos o Triciclo e adorámos, mas pode encontrar outras opções: dizemos-lhe mais na secção Onde Comer.

Quer ficar no bairro mais antigo e dos mais bonitos da cidade? Encontre o seu alojamento em la Vegueta aqui.

  • Triana

Este é o distrito comercial por excelência. Se precisar de comprar algo ou tratar de si próprio, este é o bairro para onde deve ir, tanto na Calle Triana, onde há muitas lojas a vender as marcas mais conhecidas, como nas ruas mais estreitas e paralelas com mais lojas alternativas.

Olhe para cima e contemple as casas modernistas que dão a Triana a sua personalidade. Um dos mais belos recantos é a Plaza de Cairasco, onde se encontra o edifício do Gabinete Literário, uma instituição cultural do início do século XX. Outro dos edifícios mais emblemáticos da Triana é um dos clássicos da cidade: o Hotel Madrid.

Nas proximidades encontra-se o parque de San Telmo e vale bem a pena visitar o colorido quiosque, também modernista, na praça com o mesmo nome.

  • El Confital

Localizada em La Isleta, a menos de 10 minutos de carro do centro de Las Palmas, está El Confital, uma das praias preferidas dos surfistas de Las Palmas. Embora esteja perto, quando se chega lá sente-se que se está noutro lugar da ilha. Esta praia, que tem um calçadão de madeira onde se pode esticar as pernas num passeio de belas vistas sobre a cidade de Las Palmas, esconde muita história.

Acontece que as primeiras povoações no Confital datam dos antigos aborígenes. As chamadas “Cuevas de los Canarios” na montanha Confital são um bom exemplo de como os primeiros colonos da Gran Canaria escolheram este lugar para viver. Anos mais tarde, no século XIX (mais especificamente em 1898), após a perda das colónias de Cuba e das Filipinas, o Ministério da Defesa expropriou parte da Isleta como um local estratégico para a defesa das Ilhas Canárias. O seu uso exclusivamente militar significava que o acesso era proibido ao público, que já não podia usufruir do local. É por esta razão que o Confital alberga um grande património militar, especialmente as construções feitas em 1941 para evitar possíveis ataques britânicos à Gran Canária durante a Segunda Guerra Mundial.

Mais recentemente, no final dos anos 60, com o crescimento exponencial do turismo em Las Canteras (juntamente com a falta de apartamentos na cidade), muitas pessoas começaram a construir favelas ou a comprar uma das existentes. Diz-se que o assentamento maciço contribuiu para o desaparecimento da fauna e flora da zona, o que nos leva aos dias de hoje: a erradicação da favela e a construção do passeio. Tanto a erradicação da favela como as obras de conservação foram envoltas em controvérsia, com opiniões polarizadas da população local, sobre a legalidade das ações.

Se gosta mais de caminhadas do que de surf ou de praia, deve saber que ao norte de Confital em Lomo de los Morros, também em La Isleta, existem vários trilhos onde pode esticar as pernas. Aqui está uma rota no Wikiloc

  • La Laja

Outra praia em Las Palmas, menos turística do que Las Canteras, é aquela que se pode ver da auto-estrada antes de chegar à cidade: a praia de La Laja. É uma praia grande e larga que normalmente não está cheia de gente.

Pode-se lá chegar a partir de Las Palmas caminhando, correndo ou andando de bicicleta por toda a extensão do passeio, 12 km em cada sentido. Se for de carro, estacione do outro lado da auto-estrada, pois existe um túnel por baixo da estrada que lhe permite caminhar até à praia.

Junto à praia há uma piscina natural e perto está o bairro dos pescadores de San Cristóbal, ideal para ir comer quando a fome aperta depois de alguns mergulhos no mar. Antes de sair, dê uma olhada na escultura de Tritão e na Torre del Viento, a única construção que permanece na praia desde as obras na entrada da cidade.

Museus

Se estiver um dia nublado, se teve uma manhã chuvosa ou se apenas tem vontade de alimentar a sua alma com um plano mais cultural, aqui propomos uns quantos museus interessantes:

É evidente que se quiser cultura, Las Palmas (especialmente Vegueta) é para onde tem de ir.
  • Museu Canário

Ideal para para compreender a história da ilha, e do arquipélago em geral: este museu em Vegueta é dedicado à história e pré-história das Ilhas Canárias. Aqui pode aprender como viviam os antigos aborígenes das Ilhas Canárias (e até ver algumas das suas múmias) e tem uma das exposições mais completas de restos cromanóides do mundo.

Horário de abertura: segunda a sexta-feira das 10:00 às 20:00 e fins de semana das 10:00 às 14:00. Fechado a 1 de Janeiro e 31 de Dezembro. Admissão: 5 euros (3 euros para estudantes, desempregados, famílias numerosas, pensionistas mediante apresentação de prova de idade). Entrada gratuita para crianças com menos de 12 anos de idade.

  • Casa Colón

Também em Vegueta, esta mansão do século XVI centra-se na investigação e divulgação da história das Ilhas Canárias e das suas relações com a América. Tem 13 salas de exposição – arqueologia pré-colombiana, pintura, cartografia, gravuras – uma biblioteca e um centro de estudos especializado.

Horário de abertura: segunda a sexta-feira das 09:00 às 19:00 e fins de semana das 9:00 às 15:00. Fechado nos feriados, 22 de Maio e 24 e 31 de Dezembro. Entrada gratuita.

La fachada de la Casa Colón en La Vegueta
A fachada da Casa Colón em Vegueta
  • Centro Atlântico de Arte Moderna (CAAM)

Na bela Calle de los Balcones (o nome diz tudo), também no distrito histórico de Vegueta, está este museu com a sua fachada neoclássica, cujas exposições cobrem as últimas tendências no mundo da arte.

Horário de abertura: terça-feira a sábado das 10:00 às 21:00 e domingos das 10:00 às 14:00. Encerra às segundas-feiras, feriados e 24 e 31 de Dezembro. Entrada gratuita.

  • Centro de Arte La Regenta

Este centro de arte está localizado no edifício de uma antiga fábrica de tabaco. Foi fundada em 1987 e é dedicada à arte contemporânea com diferentes atividades, exposições e workshops dirigidos a públicos de todas as idades.

Horário de abertura: terça-feira a sexta-feira das 10:00 às 14:00 e das 17:00 às 21:00 e sábados das 10:00 às 14:00. Fechado aos domingos, segundas e feriados públicos. Entrada gratuita.

Fachada del Centro de Arte La Regenta, Las Palmas
Fachada do Centro de Arte La Regenta, Las Palmas
  • Museu Elder de Ciência e Tecnologia

Este museu de ciências está localizado no coração do Parque de Santa Catalina.

Horário de abertura: terça-feira a domingo das 10:00 às 20:00. Fechado às segundas-feiras, 1 e 6 de Janeiro, Terça-feira Gorda, 1 de Maio e 24, 25 e 31 de Dezembro. Admissão: 6 euros (4 euros para os residentes das Ilhas Canárias e 3 euros para a admissão geral reduzida.

Santa Brígida, Atalaya e a Caldera de Bandama

A menos de 20 minutos de carro de Las Palmas está a verde e florida Santa Brígida. A explosão de cor e calma em comparação com a capital, será o que faz com que muitas pessoas que trabalham na capital optem por viver aqui e façam os 14 km diários para se deslocarem para o trabalho. A cidade velha vale bem uma visita com as suas ruas estreitas e coloridas e, se for ao fim-de-semana, há um mercado de rua local.

Calles coloridas en Santa Brígida
Ruas coloridas em Santa Brígida

Entre todo esse verde, reparará que parte dele são vinhas, e as vinhas são muito representativas do município de Santa Brígida. Aliás, pode provar o vinho local na Casa Museu do Vinho e, se tiver fome, pode provar alguma comida típica canariana ou o famoso caldo de peixe que atrai muitos viajantes a este lugar. Se estiver interessado em enoturismo, não perca a área do Monte Lentiscal, localizada entre o Monumento Natural de Bandama e a Paisagem Protegida de Tafira. O solo vulcânico muito fértil da região torna-o perfeito para a produção e degustação do vinho da região.

Viñedos de Santa Brígida
Vinhedos de Santa Brígida
  • Caldera de Bandama

Se há algo que consideramos obrigatório se vier para estes lados da ilha, é uma visita ao monumento natural de Bandama. Esta caldeira vulcânica tem 200 metros de profundidade e pode andar à volta do seu perímetro ao longo de um caminho de mais de 3 km. Se o fizer, poderá ver como a temperatura é mais quente no fundo da caldeira, razão pela qual é conhecida por ser de origem relativamente recente.

La Caldera de Bandama
A Caldera de Bandama

Aparentemente, o nome Bandama vem de Daniel Van Damme (qualquer semelhança com o nome da estrela de cinema de ação Jean-Claude Van Damme é pura coincidência), um dos colonos flamengos que povoaram a zona no século XVI e que plantaram vinhas dentro da caldeira! É por isso que, quando se aproximar, verá um “Miradouro del vino” onde pode contemplar estas vinhas.

É muito provável que os antigos habitantes das Ilhas Canárias já estivessem a cultivar no interior da caldeira porque existe um sítio arqueológico a meio caminho de uma das paredes (a parede norte) onde se diz ter armazenado cereais. Este sítio, também conhecido como “Cuevas de los Canarios”, é um grupo de espigueiros coletivos e grutas habitacionais que podem ser visitadas. Além disso, na viseira que protege o grupo de grutas, podem-se ver gravuras rupestres comparadas ao líbico-bereber.

Flecha indicando en inicio del sendero para bordear la Caldera de Bandama
Seta indicando o início do trilho para contornar a Caldera de Bandama
  • Atalaya, terra das loceras

Na aldeia de Atalaya, perto de Bandama, os habitantes viviam em cavernas escavadas nas rochas. Algumas casas-gruta ainda estão preservadas no seu estado primitivo e podem ser visitadas. Aqui, em Atalaya, era onde se fazia a loiça que era consumida na maior parte da ilha: eram as loceras (oleiras) que faziam a loiça (olaria). A cerâmica era a sua moeda, uma vez que trocavam louça de barro por outros produtos de que necessitavam (vegetais, peixe, ferramentas agrícolas, etc.). As mulheres desciam a encosta e levavam a cerâmica que coziam para o mercado, ou para outras áreas da ilha, para trocar por alimentos ou o que precisassem.

Atalaya, otra pequeña gran sorpresa del viaje
Atalaya, outra grande pequena surpresa da viagem.

Por acaso, enquanto passeávamos pela Atalaya, encontrámo-nos com a Peña del Barro, enquanto coziam louça de barro no forno comunal. Contaram-nos histórias (regadas com ronmiel), abriram-nos uma casa-gruta para vermos o interior e até nos deram uma das cerâmicas recém-feitas, recém cozidas como recordação (tiraram-na do forno à nossa frente e deram-nos ainda quente). A casa-gruta que tivemos a sorte de conhecer, nesta visita exclusiva privada (improvisada), foi a da Alfarera/Locera María, agora transformada num museu a ser visitado.

El horno comunitario donde conocimos a La Peña del Barro (una de jarras que está en el horno seria nuestra)
O forno comunitário onde conhecemos La Peña del Barro (um dos frascos do forno seria nosso).
Cueva de la Locera María
Caverna de Locera María

Terminámos o dia no bar-caverna Juancito a beber um copo e a ouvir música ao vivo com José, da Peña del Barro, que deu à Inês um colar feito pelo oleiro Taranta e cozido por ele. O José não conhecia a coleção de colares do Mundo da Inês mas quando ela lhe explicou o especial que era algo assim para ela, o José emocionou-se.

Atalaya by night, desde el Bar-Cueva Juancito
Atalaya à noite, da Caverna-Bar do Juancito

Moya e Los Tilos

Os pontos altos da nossa visita a Moya foram: as vistas do barranco de Moya, a pastelaria, a reserva natural próxima de Los Tilos e a surpresa da praia del Roque.

Não perca as vistas de cortar a respiração do Barranco de Moya atrás da igreja de Nossa Senhora de la Candelaria. E enquanto lá estiver, saiba que mesmo em frente da igreja é o berço do poeta Tomás Morales, um dos principais poetas do pós-modernismo espanhol e iniciador da poesia canária moderna. Aqui nasceu em 1884 e aqui pode encontrar a sua Casa-Museu com a sua biblioteca e coleção de pinturas.

Iglesia de Nuestra Señora de la Candelaria
Igreja de Nuestra Señora de la Candelaria
Vistas al Barranco de Moya
Vistas do Barranco de Moya

Moya é também uma terra de indústrias artesanais de suspiros e bizcochos lustrados, típicos de aqui, e existem várias pastelarias onde se podem comprá-los. No entanto, se quiser sentar-se e tomar um café para os provar, é essencial visitar Casa Juana O café de uma senhora encantadora, Juana, onde o tempo parece ter parado.

Mas o que mais gostámos foi o passeio pela Reserva Natural de Los Tilos de Moya, no Parque Natural de Doramas.

Recomendado para todas as idades devido à sua beleza e facilidade (para ter uma ideia do fácil que é, a Inês fê-lo em chinelos e passámos por várias famílias com bebés de meses a fazê-lo), o caminho circular de 1,8 km através do Barranco del Laurel começa junto ao restaurante Los Tilos (pode estacionar ali mesmo) e pode ser feito em menos de 1 hora (concluímos em 40 minutos). Há muita sombra em todo o percurso, embora um chapéu e um protetor solar sejam sempre uma obrigação nesta ilha. No final do percurso existe um centro de interpretação para saber mais sobre a reserva natural que acabámos de visitar.

O facto é que 65% do município de Moya é considerado uma Área Natural Protegida e Los Tilos é um fragmento de bosque de laurissilva e tilos que cobre uma área de 91 hectares sobre o barranco de Moya. O nome de Tilos provém da abundância da espécie Til (Ocotea Foetens) e a área é, de facto, um dos últimos redutos da floresta de laurissilva na ilha.

Se depois do passeio quiser dar um mergulho, descobrimos a encantadora pequena praia de El Roque, uma praia de calhaus com um pano de fundo branco fotogénico. Quando lá chegámos, vimos uma maré de guarda-sóis abertos e coloridos na praia que, ao que parecia, era uma reunião de pessoal a jogar às cartas. É uma praia com ondas fortes, mas junto a ela há algumas piscinas naturais onde é um prazer refrescar-se.

Playa El Roque
Praia El Roque

Na costa de Moya, também tem as piscinas naturais de Charco de San Lorenzo ou a praia de La Caleta em El Altillo, embora sejam mais para o surf do que para o banho, e de facto é aqui que se realiza todos os anos o Festival Internacional de Longboard.

Arucas, a igreja e o rum

Assim que chegar a Arucas, verá uma igreja que se destaca do resto da cidade: é a Igreja Paroquial de San Juan Bautista e, embora não seja uma catedral, é conhecida como a catedral de Arucas. Neo-Gótico em estilo, esta igreja, esculpida em pedra de Arucas em 1909, é um dos edifícios mais emblemáticos da região.

Arucas y su "catedral"
Arucas e a sua “catedral”

Ficará também surpreendido quando vaguear pelas ruas circundantes, que são coloridas e repletas de bares e esplanadas com vista para a própria igreja. Pare e tome uma bebida, não será considerado sacrilégio.

Continue a sua caminhada ao longo da Plaza de San Juan, que dá à fachada da igreja, e contemple o edifício inacabado do Novo Teatro ( 1906), em estilo neoclássico.

Na Plaza de la Constitución encontra-se a bela Casa de la Cultura, uma casa tradicional canária do século XVII, que inclui um pátio interior com um dragoeiro! Também nesta praça estão as Casas Consistoriales e o Mercado Municipal.

Se estiver com disposição para a cultura, o Museu Municipal de Arucas está localizado na Casa de Gourié, a antiga casa do Mayorazgo de Arucas, do século XIX, com jardins onde pode passear.

Outra peculiaridade de Arucas é que esta cidade preserva, sob a sua superfície, os restos do antigo povoado pré-hispânico de Arehucas, que se estendia ao longo das encostas da montanha e sobre o qual a atual cidade foi construída no final do século XV. Por este motivo, quando se realizam obras de construção em Arucas, é bastante comum encontrar casas de pedra, cavernas ou locais de sepultamento. O que é agora conhecido como Capellanía Grande que é um parque de diversões e de estacionamento, está atualmente em fase de investigação os muros de pedra e fragmentos de materiais arqueológicos que foram descobertos durante uma escavação em 2004. Os restos descobertos, depois de protegidos, foram novamente cobertos para continuar as escavações noutras áreas do local e para poder continuar a utilizá-los provisoriamente como parque de estacionamento. Com total ignorância das limitações municipais envolvidas, achamos horrendo que seja permitido estacionar o carro num local de tal importância histórica com trabalhos de investigação a decorrer e o possível impacto irreversível, que possa vir a ter.

Além disso, lemos também que em Capellanía Grande existe uma colónia de lagartos das Ilhas Canárias, uma espécie protegida sob o regime de proteção especial do Catálogo Nacional de Espécies Ameaçadas, que vive nestas paredes das antigas quintas agrícolas…

Para os amantes do rum, qualquer semelhança da marca “Arehucas” com o nome da cidade não é coincidência: aqui pode visitar as destilarias do famoso rum canário, incluindo uma degustação, é claro. A Fábrica de Rum Arehucas foi fundada em Arucas em 1884 e oferece uma visita de 45 minutos pela história do rum canário por 4,20 euros.

Se for mais do tipo desportivo em vez de amante de rum, tem a opção de escalar a Montaña de Arucas e desfrutar de uma incrível vista panorâmica do norte da ilha a partir de qualquer um dos seus miradouros.

Firgas, a fonte e os seus “passeios canários”

Numa visita a Firgas não podem faltar três lugares imperdíveis, um para caminhar: o bairro histórico (os passeios das Canárias e Gran Canaria); outro para ver as vistas: o miradouro de Pellas; e o terceiro para deliciar-se com a gastronomia: potaje de berros (guisado de agrião). Para conseguir desfrutar dos três, o ideal é chegar a Firgas com fome para desfrutar deste último.

Paseo de Gran Canaria y la famosa Fuente de Firgas de 30 metros
Paseo de Gran Canaria e a famosa fonte de 30 metros de Firgas.

Assim que chegar ao centro da pequena cidade de Firgas encontrará uma cascata de pedra de 30 metros que termina com uma fonte: este é o Passeio de Gran Canaria. Se começar a subir a cascata, verá os azulejos com os 21 brasões heráldicos do município e o brasão da ilha.

Los 21 escudos del Paseo de Gran Canaria en Firgas
Os 21 escudos de armas do Paseo de Gran Canaria em Firgas

Quando chegar ao topo, verá o monumento ao nosso recurso mais precioso: a água. Esta fonte representa a riqueza do município de Firgas na água.

La fuente de Firgas
A fonte de Firgas

Mais à frente, outro passeio, o Passeio de Canárias. Aqui, 7 Ilhas Canárias são esculpidas no chão , cada uma com a sua orografia e azulejo representativo. A ilha da Graciosa só foi considerada a oitava ilha em 2018 e esta caminhada é anterior, pelo que falta a representação da mais pequena ilha do arquipélago.

Paseo de Canarias con azulejo dedicado a cada isla canaria (falta la Graciosa)
Paseo de Canarias com um azulejo dedicado a cada ilha das Canárias (falta La Graciosa, a oitava ilha canária).
GranCa, no te enfades pero hemos jurado amor eterno a Fuerteventura...
GranCa, não te zangues, mas jurámos amor eterno a Fuerteventura

Não perca o belo edifício da Casa da Cultura de Firgas (construído no século XIX para albergar aqueles que vieram aos banhos de Azuaje), a praça e igreja de San Roque e a grande casa dos anos quarenta que alberga a Câmara Municipal.

Para provar o famoso potaje de berros (guisado de agrião), fomos ao Bar La Fuente e adorámos tudo o que lá provámos: comida típica das Canárias e um serviço imbatível.

Finalmente, ao deixar Firgas a caminho de Teror, parar no Miradouro de las Pellas para vislumbrar La Isleta e Las Palmas.

Vista del Mirador de las Pellas y la Isleta al fondo
Vista de fundo do Mirador de las Pellas e da Isleta

Na estrada de Firgas a Valleseco, encontrará o Moinho de Água de Firgas, datado de 1512, que se encontra em funcionamento contínuo há mais de 400 anos.

Teror, a Virgen del Pino e a morcela doce

Como vos dissemos no início do guia, as belas aldeias de Gran Canaria foram o que mais nos agradou na ilha, e Teror está, na nossa opinião, no Top 3 das mais belas aldeias (juntamente com Fataga e Agüimes no interior da ilha).

Teror entró directamente para nuestro Top 3 de los pueblos más bonitos de la isla

Chegar a Teror e caminhar pela rua colorida cheia de varandas de madeira até à Basílica, é impossível sem tirar algumas fotografias (se for um amante da fotografia): é tão agradável de ser apreciado, como fotogénico.

Mas além de bonito, Teror é também um lugar de peregrinação. Conta a lenda que em 1481 apareceu uma Virgem no topo de um pinheiro – a Virgem del Pino – e desde então tornou-se um lugar de peregrinação e adoração para os devotos que entram e saem da Basílica para pedir promessas e adorar a Virgem, a atual padroeira da Diocese das Ilhas Canárias.

A Basílica da Virgem del Pino está localizada na Plaza del Pino e data de 1767, embora a que aqui se vê seja uma terceira reconstrução. Se quiser entrar e contemplar a padroeira da Gran Canária no seu altar, pode fazê-lo gratuitamente todos os dias (exceto às segundas-feiras de manhã).

Da Praça de Teror, à entrada da Basílica, podem-se ver as varandas típicas de arquitetura canária que adornam uma grande parte do município de Teror e que tanto nos agradam. Nas proximidades encontra-se a Plaza Teresa de Bolívar, onde se pode ver o busto de Simón Bolívar.

Se não for vegetariano ou vegan, deve saber que a especialidade da gastronomia de Teror é o seu chouriço e a morcela doce (sim, leu bem, a morcela de Teror é doce e tem amêndoas!) Pode comprar estas iguarias no mercado de rua, todos os domingos (das 8:00 às 15:00) ou na fábrica de Los Nueces. Se preferir fazer um lanche típico ali mesmo, in situ, peça em qualquer sítio que esteja aberto uma sandes de chouriço de Teror e um Clipper de Fresa (um refrigerante canário com sabor a morango). Lanche mais canário em Teror, não há.

Pode também desfrutar de um lanche rodeado pela natureza, a 20 minutos da Basílica, na pacífica Finca de Osorio, numa das suas mesas ou bancos de madeira.

Se preferir água em vez de Clipper de Fresa, encha a sua garrafa em La Fuente (cerca de 15 minutos a pé da cidade velha de Teror) com esta água ligeiramente amarga com uma mineralização muito baixa.

Na saída, na direção de Tejeda, parar no miradouro para contemplar Teror, de cima, e dizer-lhe adeus.

Salinas el Bufadero, um mergulho na história

Uma jóia do património etnográfico da Gran Canária onde se pode dar um mergulho! Nestas salinas, onde os antigos canários recolhiam o sal, é possível refrescar-se.

As salinas el Bufadero (e a sua exploração comercial) foram documentadas pela primeira vez no século XVIII, embora, como lemos, só no século XIX é que a produção aumentou. A água que enchia as poças era transportada do mar pelo saleiro e o produto era comercializado no norte da ilha no dorso dos animais de carga. :(

Em 1993, com o falecimento do último salinero em Bufadero, e devido ao estado precário das salinas, estiveram à beira do desaparecimento. Felizmente, no entanto, em 1997, a Câmara Municipal de Gran Canária iniciou o processo de declaração das salinas Bufadero como Património de Interesse Cultural, como Sítio Etnológico, devido ao seu valor como exemplo da cultura popular tradicional, e iniciou-se o trabalho de restauro das instalações. Atualmente, as salinas estão totalmente operacionais.

Chegámos num domingo ao meio-dia, e ao contrário de outros lugares que visitámos, havia muito poucas pessoas, especialmente durante um fim-de-semana. Deu-nos a sensação de ser algo muito local e distante do turismo, muito calmo e nudista. Portanto, se está a pensar ir às Salinas del Bufadero para se refrescar, é melhor ir na maré baixa (na maré alta pode até ser perigoso), manter a voz baixa, a música nos auscultadores e o fato de banho na mochila, porque este é um lugar para estar em paz e sossego com a natureza.

Telde, o Bufadero de La Garita e a praia de Tufia

Com tantas maravilhas para explorar na ilha, é verdade que a segunda cidade mais populosa da Gran Canaria (e a quarta mais populosa do arquipélago) foi deixada para último e não lhe demos a atenção que merecia. No entanto, aqui dizemos-lhe o que não pode faltar quando inclui Telde na sua rota pela ilha.

O Bairro de San Juan e o seu bairro histórico, entre casas senhoriais, a Igreja de San Juan Bautista, a sua Capela Mayor (onde se destacam os retábulos) e a Plaza Mayor. Se tiver tempo e estiver interessado, pode visitar a Casa Museu de León y Castillo no bairro, que possui uma interessante coleção de pinturas a óleo e aguarelas no que foi o berço dos irmãos Fernando, Marqués del Muni e Juan de León y Castillo, figuras proeminentes na história da ilha entre o final do século XIX e o início do século XX.

Inclui também um passeio pelo Bairro de São Francisco, um dos mais antigos das Ilhas Canárias, um bairro de ruas estreitas de calçada e casas baixas que se inclinam até ao cimo de Santa Maria. Embora o melhor plano no bairro seja perder-se nestas ruas estreitas, também se pode visitar a Igreja do Convento de São Francisco, onde se destacam os retábulos e as peças de arte em estilo barroco.

Finalmente, passear pelo bairro de San Gregorio, ver a igreja do mesmo nome e tomar uma bebida numa das suas esplanadas antes de decidir qual dos sítios arqueológicos de Telde visitar a seguir. Claro que Telde também revela um passado aborígene no seu património arqueológico: a montanha Cuatro Puertas, um grupo de grutas habitadas perto do centro da cidade; Tara, no interior do município; e Tufia e Cendro na costa.

Também na costa há algo muito peculiar onde se pode ir depois de visitar Telde: o Bufadero de La Garita. Este grupo de figuras prismáticas de basalto, a melhor manifestação deste tipo de formação geológica na ilha, produz algo a que poderíamos chamar comicamente um “peido do oceano”. O efeito produzido pelo impulso sucessivo do oceano para a cavidade subaquática, expelindo a água através de um buraco com grande força, é graficamente semelhante à representação do mesmo. Vá e diga-nos se pensa assim ou não.

El Bufadero de La Garita o, como lo llamamos noostrxs: el pedo oceánico de GranCa
El Bufadero de La Garita ou, como lhe chamamos: o peido oceânico de GranCa.

Se preferir ir para a praia, dirija-se à praia de Tufia, uma pequena enseada de areia preta, muito bonita, fora dos trilhos batidos e muito procurada pelos mergulhadores.

Quando fomos à praia de Tufia, achámo-la incrivelmente fotogénica, mas com um grande senão: para o espaço limitado, estava demasiado cheia. Estávamos bastante preguiçosos, vindos de outras praias com muito espaço para esticar as nossas toalhas, mas a vista das casinhas a descerem para as águas translúcidas, ninguém nos pôde tirar isso.

La Playa de Tufia
Praia de Tufia

Inspire-se com as nossas stories da viagem a Gran Canária

Se quiser inspirar-se nas nossas aventuras ao vivo, guardámos uma seleção do que fizemos durante o mês que passámos em Gran Canária no nosso Instagram (já nos segue?), em Stories destacados. Aqui pode vê-las todas e dir-lhe-emos o que ver em cada destaque para lhe facilitar a localização de locais específicos:

Gran Canaria 1 – Rota GC200 entre Agaete e Aldeia de San Nicolás (Miradouro El Balcón, Los Azulejos, Praia de la Sardina, Gáldar, Las Salinas piscinas naturais); Fataga (Miradouro Degollada de la Yegua e Arteara)

Gran Canaria 2 – San Bartolomé de Tirajana; Roque Nublo; Miradouro Degollada de la Becerra, Artenara (e Miradouro La Cilla); Tejeda (e Miradouro Cruz de Tejeda); Pôr-do-sol em Ventana del Nublo; Barranco de las Vacas, Barranco de Guayadeque (e almoço na caverna); Praia del Cabrón; Farol de Punta Arinaga

Gran Canaria 3 – Miradouro el Guriete; Miradouro La Sorrueda e Lagoa de Tirajana; Fortaleza de Ansite; Salinas del Bufadero; Arucas; Moya (e Los Tilos de Moya); Roque de San Felipe; Firgas, Teror; Santa Brígida, Cadera de Bandama e Atalaya (visita à caverna de La Locera María); pôr-do-sol no Pico de las Nieves.

Gran Canaria 4 – Barragem de Ayagaures; o Bufadeo la Garita; Praia de Tufia; Porto de Mogán; Praia de Tiritaña; Praia Amadores; Praia Montaña de Arena; Maspalomas; Passeio de Meloneras; Las Palmas (Canteras, Vegueta, Triana, El Confital)

Felizes no Barranco de las Vacas

Os melhores trilhos para caminhadas e as melhores rotas para ciclismo em Gran Canária

A Gran Canaria tem uma forte componente de ciclismo e caminhadas que desconhecíamos até pisar a ilha. É muito comum percorrer estradas secundárias e ver várias pessoas em bicicleta a desfrutar deste desporto em vários pontos da ilha. De facto, existem vários restaurantes por toda a ilha (embora a tenhamos visto principalmente no sul) que são Bike Stops ” preparados com peças sobressalentes e ferramentas que os ciclistas podem precisar.

Com uma tal variedade de flora e paisagens de cortar a respiração, os trilhos para caminhadas são muitos e variados, desde os mais exigentes até aqueles que são adequados mesmo com bebés.

Nesta secção do guia, mencionamos alguns dos principais percursos (alguns já fizemos e outros desejamos fazê-los para a próxima vez).

Percursos pedestres no norte de Gran Canaria

  • Caldeira de Bandama: rota através de uma caldeira vulcânica de 200 m de profundidade, com grandes vistas sobre a ilha. Aqui está uma rota possível no Wikiloc
  • Tilos de Moya: uma rota circular simples para todas as idades, através de um ambiente florestal de loureiro verde e florido. Rota no Wikiloc
  • El Confital (la Isleta): percurso simples com passadiços construídos e bem definidos, onde se pode caminhar junto ao mar e ver restos militares. Rota no Wikiloc
  • Barranco de los Cernícalos: outra rota simples e movimentada, através de uma área com muito verde e algumas quedas de água. Rota completa no Wikiloc
Los Tilos de Moya: una ruta sencilla para todos los públicos
Los Tilos de Moya: uma rota simples para todos os públicos

Percursos pedestres no interior da Gran Canaria

  • La Goleta a Roque Nublo: trilho fácil para visitar o famoso Roque Nublo. Rota no Wikiloc
  • De Tunte a Cruz de Tejeda: longo percurso (15km) de dificuldade média-baixa, passando pela aldeia de Tunte e pelo Caminho da Prata. Rota no Wikiloc
  • Fortaleza de Ansite e Sorrueda: rota através da incrível Fortaleza de Ansite e do palmeiral de Sorrueda. Rota no Wikiloc
  • Barranco de Las Vacas: para ver o erradamente chamado Barranco de Las Vacas (na realidade o Barranco de Barafonso), pode fazer a super-simples caminhada de poucos minutos ou tirar partido desta rota circular pelo campo. Rota no Wikiloc
Indicaciones de senderos en el Roque Nublo y el Teide tinerfeño al fondo, asomándose por entre las nubes
Sinais de trilhos em Roque Nublo com o Teide de Tenerife ao fundo, a espreitar através das nuvens.

Percursos pedestres no oeste da Gran Canaria

  • Barranco del Risco: percurso circular passando por várias quedas de água. Rota no Wikiloc
  • Fuente de los Azulejos: espetacular rota circular através da bela Pinar de Inagua. É longo (16km), pelo que é essencial trazer água e alimentos para a viagem. Rota no Wikiloc
  • Cola del Dragón e La Aldea: rota circular simples com vistas impressionantes. Rota no Wikiloc
  • Güi-Güi: Rota difícil devido ao declive, calor e tipo de terreno, para aceder à praia de Güi-Güi. É essencial trazer muita água, evitar o meio do dia devido ao sol e verificar as marés (melhor na maré baixa) para desfrutar melhor da praia. Rota no Wikiloc

Percursos pedestres no sul de Gran Canaria

  • Arco del Coronadero: rota através deste incrível arco de pedra natural. Rota no Wikiloc
  • Gambuesa e Pilancones: rota circular a partir do reservatório Gambuesa (Ayagaures) passando pelo Parque Natural de Pilancones, com belas vistas. Rota no Wikiloc

Há muitos mais percursos para todos os gostos. Mais informações sobre rotas de caminhadas em Gran Canaria:

Se procura aventura e adrenalina, pode fazer este passeio de canyoning, que tem lugar em diferentes áreas, dependendo da época do ano.

Regale-se com um dia de adrenalina e reserve a sua experiência de canyoning nos desfiladeiros de Gran Canaria: encontre florestas com quedas de água escondidas e escorregas naturais! RESERVE AQUI

Onde mergulhar em Gran Canária: os melhores spots para mergulho na ilha

A água cristalina e convidativa durante todo o ano (cerca de 19 °C no Inverno a cerca de 24 °C no Verão), a grande variedade de vida subaquática e os vários locais de mergulho adequados para todos os níveis (desde mergulhadores menos aos mais experientes) tornam o mergulho na ilha muito popular.

Onde mergulhar no sul de Gran Canaria:

  • Praia El Cabrón: a Reserva Marinha de Cabrón e o fundo marinho de Arinaga permitem a observação de muita biodiversidade (desde cavalos-marinhos a angelicais e arraias), paisagens incríveis (arcos, cavernas, encostas), locais de mergulho para todos os níveis e condições de temperatura e correntes que tornam o mergulho possível praticamente 365 dias por ano.
  • El Risco Verde: mergulhos simples sem correntes numa baía abrigada, recomendado para principiantes e mergulhos noturnos.
  • Os naufrágios de Mogán: dois navios afundados deliberadamente (o Pecio Viejo e o Cermona II,) a apenas 40 metros um do outro perto da marina de Porto de Mogán.
  • Baja de Pasito Blanco: Mergulho fácil até cerca de 20 metros de profundidade ao que se assemelha a uma paisagem lunar.
  • Blue Bird: O barco Blue Bird afundou-se em 2002 a cerca de uma milha da costa de Porto Mogán e atrai muita vida marinha à sua volta (enguias de jardim, barracudas, grunhidos, arraias e tubarões-anjo). Para chegar a uma profundidade superior a 40 metros é necessário ser um mergulhador certificado avançado e ter efetuado mais de 100 mergulhos, uma vez que, para além da profundidade, a corrente é por vezes muito forte.
  • Arguineguín recifes artificiais: dezenas de estruturas de betão onde diferentes objetos foram colocados a uma profundidade de 23 metros, mesmo em frente à praia de Montaña de Arena, onde existe concentração de cardumes. Tem de ir de barco para o local de mergulho.
  • Alfonso XII: Outro grande navio afundado, este com uma lenda incluída no mergulho: diz-se que quando o grande navio a vapor Alfonso XII afundou em 1885 transportava várias caixas de ouro, pelo que os mergulhadores foram enviados para as recuperar, mas uma foi deixada… Atreve-se a ir em busca do tesouro perdido?
La Reserva Marina del Cabrón es de los fondos más buscados por submarinistas
A Reserva Marinha Cabrón é uma das áreas subaquáticas mais procuradas pelos mergulhadores.

Onde mergulhar no Oeste de Gran Canaria:

  • Porto de Sardina del Norte: Ideal para principiantes, abunda em flora e fauna marinha e os tons azul esverdeados e cristalinos das suas águas atraem muitos mergulhadores. Polvos, lagostas canárias e cavalos marinhos habitam o fundo do mar; na zona arenosa encontram-se douradas, camarões mantis e até tubarões anjo.

Onde mergulhar no Norte de Gran Canaria:

  • Arona: O mergulho ao afundado barco, Arona (afundado em 1972 após um grande incêndio) é apenas para mergulhadores experientes, devido às fortes correntes.
  • La Catedral: diz-se que é uma das paisagens subaquáticas mais espantosas da ilha. Há várias rotas através deste “edifício submarino” de rocha vulcânica e muitos cantos e recantos com mais de 30 metros de desenvolvimento vertical. Situa-se em frente a La Isleta e encanta os entusiastas da fotografia subaquática.

Infelizmente desta vez, Inês, a mergulhadora Randomtrip, não teve a oportunidade de “bater na garrafa” e explorar o fundo da ilha por não ter conhecido nenhum centro na primeira pessoa. No entanto, neste website oficial de turismo da Gran Canária recomendam alguns centros em várias partes da ilha.

GranCa, nos ibas dando señales con tus dados pintados por la isla de que te caíamos bien... ¡Tú a nosotrxs también!
GranCa a dar-nos sinais com os seus dados pintados por toda a ilha de que gostava de nós… Nós também gostamos de ti!

Onde ficar em Gran Canaria: as melhores zonas

Recomendamos duas opções para escolher uma “base” para ficar em Gran Canaria:

  • Com base no número de dias que tem e na quantidade de sítios que quer visitar, escolha uma zona e durma lá todas as noites, por exemplo a capital Las Palmas (norte) com mais opções gastronómicas ou Maspalomas (sul) se quer ter a certeza que foge do frio.
  • Se visitar Gran Canaria por mais de 4-5 dias, pode ser uma boa ideia dividir a sua estadia entre sul (ex: Maspalomas ) e norte-interior (ex: Las Palmas ), para poupar quilómetros e horas no carro.

Não recomendamos que escolha o Oeste como base, pois geralmente estará mais longe de tudo: a estrada principal em Gran Canaria faz um semi-círculo ligando Gáldar a Porto de Mogán (passando por Las Palmas, Telde, Aeroporto, Maspalomas…), enquanto que o Oeste (entre Galdar e Porto de Mogán) está ligado pela estrada GC-200, bela mas lenta e cheia de curvas, o que significa que passar de Norte a Sul por esta zona demora bastante tempo. No entanto, se puder e quiser recomendamos que passe uma noite no Oeste quando fizer a rota GC-200 (recomendamos lugares aqui), para que o possa fazer em 2 dias e com mais calma, vale a pena.

Se dividir a sua estadia no norte e no sul, pode:

Quantos dias no norte e quantos dias no sul? Isso depende do seu roteiro e das suas preferências dentro da viagem. Se quiser bom tempo e praia, vai encontrá-la no sul durante todo o ano. Recomendamos aqui roteiros específicos de 2 a 7 dias.

Abaixo listamos alojamento por área para uma gama de orçamentos (30-50, 50-90 euros, 90+ euros) para que possa escolher a(s) sua(s) base(s) de exploração.

La casa donde nos quedamos durante nuestro viaje de un mes por la isla
A casa onde ficámos durante a nossa viagem de um mês à volta da ilha. Reserve aqui.

Sul: Onde ficar em Maspalomas e arredores

O sul é provavelmente a escolha mais popular quando se escolhe onde ficar em Gran Canaria, devido ao bom tempo durante todo o ano, à proximidade das praias e à enorme oferta. Encontrará opções que se adaptam a todos os gostos.

  • Toki Eder (Ayagaures): a partir de 40 euros/noite. Foi aqui que ficámos durante 3 semanas. Casa rural na estrada até Ayagaures, a apenas 10-15 minutos de carro de Maspalomas.
  • Casa Manmre (Maspalomas): a partir de 46 euros/noche, quatos (com banho privado ou não, dependendo do preço), conta com um terraço com banheira de hidromassagem
  • Axelbeach Maspalomas (Adults Only) a partir de 79 euros/noite. Complexo gay e hetero-amigável com piscina, localizado perto do centro comercial Yumbo e de muitos bares, restaurantes e discotecas. Se quiser experimentar a atmosfera LGTBQ e de festa dos Maspalomas, este é o lugar. Se não ficar, pode desfrutar da piscina e do ambiente por 15 euros por dia e por pessoa (e aos sábados há um barbecue).
  • Apartamento em San Agustin a partir de 110 euros/noite, apartamento de dois quartos com cozinha, terraço e vista para o mar.
El que fue nuestro refugio y base de exploración durante 3 semanas, la casa rural donde nos quedamos está muy cerca de la presa de Ayagaures, a 10 minutos en coche de Maspalomas. Es ideal si buscas relax y naturaleza pero cerca de todo. Cuenta con una cocina, dos habitaciones y un salón pequeñito. Lo gestiona una familia encantadora. Gracias a la ayuda de Miren, Aritz y Julen y a los mimos perrunos de Iru y Jaffna, a quienes ya echamos de menos. Reserva aquí.
A casa rural onde ficámos está muito perto da barragem de Ayagaures, a 10 minutos de carro de Maspalomas. É ideal se estiver à procura de relaxe natureza mas perto de tudo. Tem uma cozinha, dois quartos e uma pequena sala de estar. É gerido por uma família encantadora. Já temos saudades da Miren, do Aritz e do Julen. Reserve aqui.
La piscina del Axelbeach Maspalomas: diversión asegurada
A piscina em Axelbeach Maspalomas: diversão garantida. Foto por: Justin. Reserve aqui.

Nenhum destes lhe parece bem? Encontre mais alojamentos e quartos em Maspalomas e arredores aqui

Interior: Onde ficar em Artenara, Tejeda, Tunte…

  • Chalet Rural Bentayga (Tejeda): a partir de 35 euros/noite. Acorde com uma vista do Roque Bentayga! neste chalé ideal para partilhar de 2 a 10 pessoas (Ex: 350 euros/noite para 10 pessoas, o preço varia em função do número de pessoas).
  • Casa Cueva el Caidero (uma casa-caverna em Artenara): a partir de 50 euros por noite
  • Ca’Juani (Guayadeque): a partir de 50 euros/noite, viva a experiência de dormir numa casa-caverna em Guayadeque.
  • Casas Rurales de Guayadeque (Guayadeque): a partir de 60 euros/noite, várias casas-caverna para alugar no barranco de Guayadeque
  • Hotel Rural el Refugio (Tejeda): a partir de 60 euros/noite. Quartos numa casa de campo canária do século XIX com vista para os deslumbrantes arredores de Tejeda, com uma piscina exterior!
  • Hotel Rural Fonda de la Tea (Tejeda): a partir de 90 euros/noite: quartos confortáveis com vistas espetaculares
¿Te imaginas darte un chapuzón en esta piscina?
Consegue imaginar dar um mergulho nesta piscina? Chalet Rural Bentayga. Foto de Booking
  • Rural Suite Santiago de Tunte (Tunte): a partir de 80 euros/noite. Plano ideal para famílias ou grupos de 4 pessoas.
  • Casa Rural Palomar (Fataga): a partir de 110 euros/noite. Quartos muito bem cuidados numa bela casa rural com jardim.
  • Pousada de Cruz de Tejeda (Cruz de Tejeda): de 150 euros/noite. Dê-se a um capricho por uma noite! Pode tomar o pequeno-almoço, almoçar, jantar, apreciar o pôr-do-sol e dar um mergulho com as melhores vistas da ilha, um Spa onde pode relaxar, um restaurante que serve a cozinha tradicional canária e quartos confortáveis e espaçosos com muita luz natural.
Puedes ser tú en esa piscina... Reserva aquí este capricho.
Pode ser você naquela piscina… Reserve aqui este capricho. Foto que tirámos no hotel que foi directamente para a nossa lista de desejos.

Prefere um tipo de quarto diferente para algumas noites dentro de casa? Ver mais aqui

Oeste: Onde ficar em Aldea de San Nicolás, Agaete, Gáldar…

  • Vilna House (La Aldea): a partir de 50 euros/noite. Moradia com vistas fantásticas e piscina (por exemplo 308 euros/noite para 6 pessoas, o preço varia de acordo com o número de pessoas).
  • La Aldea Suites (La Aldea): a partir de 66 euros/noite. Quartos num hotel com piscina onde se pode passar uma noite na zona mais remota da ilha.
  • Juncalillo House (Gáldar): a partir de 80 euros/noite. Quartos com vistas incríveis, ideais para quem procura relaxamento e tranquilidade (a cerca de 20 kms de Gáldar).
  • Rk Hotel del Cabo (Agaete): a partir de 80 euros/noite. A menos de 200 metros da praia de Praia de las Nieves em Porto de las Neves.
  • Hotel Emblemático Agáldar (Gáldar): a partir de 110 euros/noite, na própria Plaza de Santiago, onde se pode relaxar após visitar a arte rupestre da Cueva Pintada (caverna pintada).
Vistas del RK Hotel del Cabo en Puerto de las Nieves, Agaete. Foto de Booking
Vistas do Hotel RK del Cabo em Puerto de las Nieves, Agaete. Foto de Booking

Se decidir passar uma noite no oeste da ilha, poderá ver aqui mais alojamentos para além destes

Norte: Onde ficar em Las Palmas de Gran Canaria, Teror, Firgas, Moya …

  • Apartamentos Catalina Park (Las Palmas): a partir de 40 euros/noche: estudios apartamentos para 2 ou 3 pessoas a poucos metros da praia de Las Canteras
  • Hotel Ciudad del Mar (Las Palmas): a partir de 65 euros/noite. Ficámos uma noite neste hotel porque tínhamos de estar no porto muito cedo, no dia seguinte, e este fica perto do porto de Las Palmas. Quartos muito espaçosos, cama confortável e mesmo no centro, ideal para caminhar para todo o lado.
  • Apartamentos Vegueta Suite (Vegueta): a partir de 90 euros/noite, apartamentos modernos e self-catering para 4 pessoas no bairro Vegueta
  • Santa Ana Suite & Rooms (Vegueta): a partir de 90 euros/noite, quartos privados com vista para a Catedral de Santa Ana.
Reserve o seu quarto em Santa Ana Suites & Romms neste link
  • Cabañas Valle Verde (Moya): a partir de 70 euros/noite. Bungalows para relaxar no meio da natureza de Moya com pequenos-almoços “escandalosos”.
  • Mary’s Home (El Roque, Moya): a partir de 70 euros/noite. Casa de 2 quartos com cozinha, terraço e vista para o mar.
  • Villa Santini (Teror): a partir de 100 euros/noite. Quarto duplo com casa de banho privativa e terraço com vista. Pequeno almoço incluído.
  • Villa Bandama Golf (Santa Brígida): a partir de 104 euros/noite. Quartos com vista para o mar ou montanha, na tranquilidade de Santa Brígida.
  • Hotel Melva Suite (Firgas): a partir de 121 euros/noite. Quartos com vistas incríveis e restaurante com comida tradicional canária.
  • Finca Bella Vista (Arucas): a partir de 125 euros/noite. Apartamento para 2 pessoas com piscina e vistas espetaculares.
Finca bella Vista, Arucas. Foto de Booking
Finca Bella Vista, Arucas. Foto de Booking

Em Las Palmas e arredores existe uma vasta gama de alojamentos e quartos. Encontre aqui aquele que mais lhe agrada

Restaurantes em Gran Canária

Desde os bochinches locais (restaurantes típicos e baratos) a restaurantes mais sofisticados ou internacionais, a Gran Canária tem opções para todos os gostos e orçamentos. Aqui estão algumas opções de lugares que recomendamos para experimentar o melhor da gastronomia da Gran Canaria.

Restaurantes em Las Palmas de Gran Canaria

  • Te lo Dije Pérez (Vegueta): para vermute ou uma cerveja aperitivo, muito bom bar mítico.
  • Triciclo (Vegueta): rações originais fundindo a comida tradicional canária com pratos mais modernos, tem um terraço, nós adorámos!
  • Mercado del Puerto (Las Canteras): um mercado alimentar com muitas barracas de alimentos de todos os tipos.
  • Trattoria de Francesco (Las Canteras): pequeno e incrível restaurante italiano, muito acolhedor. Autêntica cozinha italiana (os proprietários são de Úmbria e oferecem um excelente serviço). Experimentámos uma carbonara muito boa e a “Penne alla Norcina” (uma das especialidades da casa). É um daqueles restaurantes com um pequeno menu onde tudo o que encomendar será excelente.
  • Dulces de Portugal (Las Canteras): pastelaria portuguesa perto de Las Canteras, com pasteis de nata, salame de chocolate, etc.
  • Valentina (Las Canteras): vermutería com uma grande variedade de vermute, para uma bebida de pré-jantar.
  • Restaurante La Marinera (Las Canteras): restaurante com vista para o mar e especializado em pratos de arroz e peixe fresco.
Raciones deliciosas y originales en la terraza del Tricicle, La Vegueta
Pratos deliciosos e originais na esplanada de Triciclo, Vegueta

Restaurantes em Santa Brígida e Atalaya

  • Los Geranios: descobrimo-lo por acaso e que comida caseira maravilhosa: não espere algo “chique”, é um restaurante tradicional local com um delicioso molho mojo, batatas fritas como a sua avó as teria feito ou, para aqueles que têm mais fome, uma boa grãozada.
  • Basalto: mais moderno. Não chegámos a ir, mas tem ótimo aspeto e tem boas críticas.
  • Bochinche Bar Juansito: um lugar mítico frequentado por habitantes locais, com vistas incríveis sobre Atalaya e comida tradicional deliciosa e barata. Recomendamos que se experimente o vinho abacate. Por vezes têm música ao vivo.
Acabamos el día con amigxs de la Peña del Barro y vino abocado en el Juancito
Terminamos o dia com amigos da Peña del Barro e vinho no Juancito

Restaurantes em Firgas

  • Bar La Fuente: Super restaurante local, com um menu do dia e bons preços. Comemos o prato mais típico de Firgas, guisado de agrião, e queijo frito, todos deliciosos.
  • Asadero Las Brasas – Los Pollitos: um restaurante especializado em carne grelhada e conhecido pela sua excelente manteiga, muito popular entre os habitantes locais.
Pide el potaje de berros y no te arrepentirás..ñam ñam
Experimento o guisado de agrião e não se vai arrepender…

Restaurantes em Fataga:

  • El Albaricoque: restaurante que serve comida tradicional boa e barata, com esplanada e vista para o barranco de Fataga. Fechado às terças e quartas-feiras.
Fuimos a Fataga un miércoles... Habrá que volver
Fomos a Fataga numa quarta-feira… Teremos de voltar

Restaurantes em Tunte (San Bartolomé de Tijarana):

  • La Cueva: comida caseira saborosa, especialmente as carnes. Parámos aqui no caminho para o interior da Grande Canária. Muito bom serviço, e é uma Bike Stop.

Restaurantes em Artenara:

  • Restaurante La Cilla: vistas incríveis, um sítio que não pode perder em Artenara, mesmo que seja só para uma bebida. Fomos lá à tarde, durante a nossa visita à aldeia, tomar um café e um doce, tudo excelente. Como curiosidade, para lá chegar é preciso passar por um túnel feito numa rocha que foi regulado com um semáforo de modo a não coincidir com outras pessoas que nele se encontram.
  • BioCrepería RiscoCaido: pequeno restaurante vegetariano com produtos biológicos. Não fomos porque estava fechado (apenas aberto aos fins-de-semana) mas ficámos curiosos.
Probablemente el restaurante con las mejores vistas de la isla
La Cilla, Artenara: provavelmente o restaurante com as melhores vistas da ilha

Restaurantes em Agüimes:

Restaurantes em Barranco de Guayadeque:

  • Restaurante El Centro: um restaurante em caverna recomendado pela família do nosso amigo Dailos, onde se pode comer bem e a bom preço. Especialista em carnes grelhadas
  • Restaurante Vega: recomendado por um local que vive em Guayadeque, quando subimos para ver as vistas. Recomendam a cochina a la sal (120 euros para partilhar entre pelo menos 10 e sobra muito). Fechado às segundas e terças-feiras.
No te puedes ir de la isla sin comer en una de las cuevas de Guayadeque
Não se pode deixar a ilha sem comer numa das grutas de Guayadeque.

Restaurantes em La Sorrueda:

  • El Alpendre de Felix: um restaurante muito bonito entre palmeiras, com uma esplanada, vistas e comida caseira deliciosa a um bom preço.

Restaurantes em Tejeda:

  • Dulcería Nublo: dizem que é a melhor confeitaria de Gran Canaria. Fundada em 1946, tem uma esplanada onde pode provar algumas das suas variadas iguarias (maçapão, palmas gigantes com sabores diferentes, bienmesabe, polvito uruguayo, doces de amêndoa…). Uma paragem essencial na sua visita a Tejeda.
  • Texeda: cozinha canária criativa que favorece os produtos locais e sazonais, e também para experimentar as suas diferentes cervejas artesanais.
Explosión de sentidos (sobre todo la vista y el gusto) en Tejeda gracias a la Dulcería Nublo: palmera y polvito uruguayo con estas vistas en la mejor pastelería de la isla
Explosão dos sentidos (especialmente da visão e do gosto) em Tejeda graças à Dulcería Nublo: palmeira e pó uruguaio com estas vistas na melhor padaria da ilha.

Restaurantes em Agaete:

  • Terraza Angor: restaurante onde se pode comer peixe fresco em Porto de Agaete. Os preços são um pouco caros, embora se tenha vista para o mar e normalmente esteja cheio. Fechado às quartas-feiras
  • Mesón del Bocadillo: lugar local, especializado em sanduíches, saboroso e com muita variedade. Encerra às segundas-feiras.
  • Rocktop Sky Bar (terraço no hotel Roca Negra): vistas incríveis sobre o mar, embora as opiniões variem sobre o serviço e a comida. Recomendamo-lo para uma bebida e para apreciar as vistas.

Restaurantes em Guayedra:

  • Restaurante Los Almácigos: restaurante num cenário privilegiado, com vista para o mar (perto de Praia de Guayedra). Boa comida, preços mais caros do que o habitual para a Gran Canaria, mas razoáveis para o tipo de restaurante e localização.

Restaurantes em Aldea de San Nicolás:

  • Monasterio La Aldea: um bar com esplanada e um ambiente muito bom para ir beber um copo. Eles também têm alguma comida mas não se destaca.
  • Bar Avenida: parámos para beber uma cerveja, mas a comida parecia muito boa. É um lugar local com muito bom serviço. Na porta ao lado, na rua, vendiam manga (menos fibrosa e mais saborosa) a bons preços.
Terrazas en La Aldea by night
Esplanadas em La Aldea à noite

Restaurantes em Tasarte:

  • Restaurante Oliva: a população local recomendou-nos, mas no final não pudemos ir. Mesmo na praia, comida local e bons preços. Fechado às segundas e terças-feiras.

Restaurantes em Mogán:

  • Valle de Mogán: recomendado pela população local, excelente restaurante que mistura cozinha local e asiática. Preços superiores ao normal mas que valem bem a pena. Têm também um menu de degustação.

Restaurantes em Maspalomas e arredores:

  • Bar Playa El Boya (Arguineguín): bar de praia com excelente peixe fresco e frutos do mar. Nos fins-de-semana está normalmente cheio. A população local recomendou-nos isso. Fechado às quintas-feiras.
  • Bar Aridañy Montaña Blanca: comida simples, saborosa e de qualidade a um bom preço. Foi-nos recomendado no nosso alojamento na ilha. Encerra às segundas-feiras.
  • Bar Café Asociación de Vecinos Santa Margarita El Salobre: outra recomendação do nosso alojamento na ilha. Comida típica das Canárias com excelente relação qualidade/preço. Nos fins-de-semana há música ao vivo. Fechado às terças-feiras.
  • Restaurante Borneo (Maspalomas): se quiser fugir momentaneamente da gastronomia canária, este restaurante asiático, com opções vegetarianas, foi-nos altamente recomendado no nosso alojamento. Fechado às segundas e terças-feiras.
  • Addio Mare (Maspalomas e San Agustín): muito popular entre os locais (Aviso: pessoal italiano, é melhor passarem para o próximo parágrafo…) conhecida entre outras delícias pelas suas ousadas pizzas (uma das mais conhecidas, a Piazza, com bife de lombo de vaca e molho Bearnaise). Tem vista para o mar (San Agustín) e está normalmente cheio, por isso é melhor reservar com antecedência.

Tentámos mais alguns restaurantes em Maspalomas e arredores, mas a verdade é que esta área é tão turística que ou os preços eram demasiado altos, ou a comida não era muito boa, ou ambos, pelo que não os podemos recomendar aqui.

Restaurantes em Ayagaures:

  • Bar La Cuevita: restaurante com esplanada, antes de chegar à barragem, bastante local e normalmente cheio aos fins-de-semana (melhor reservar com antecedência). Especialista em carne, embora tudo seja bom.
Terraza del restaurante La Cuevita en Ayagaures
Esplanada do restaurante La Cuevita em Ayagaures

Restaurantes em Salinas del Matorral/Castelo del Romeral:

  • Las Salinas: restaurante à beira-mar, especializado em pratos de arroz e peixe fresco, bom, agradável e barato. Encomendámos um prato de arroz de marisco para 2 por 24 euros, muito abundante (sobrou quase metade do qual eles colocaram num tupper e levámos connosco para o jantar).
  • Cofradía Castillo del Romeral: peixe fresco e bons preços.
Arroz de marisco y vistas al mar
Arroz com frutos do mar e vista para o mar em Las Salinas

Roteiros de viagem para Gran Canária

Como já terá percebido, a Gran Canaria tem muito para oferecer, por isso para ver tudo o que precisa pelo menos uma semana. Como sabemos que nem sempre temos tanto tempo para desfrutar da ilha, aqui estão algumas sugestões de roteiros para 3, 5 e 7 dias.

Se tudo o que deseja é relaxamento e praia, independentemente de quantos dias tem, é melhor escolher uma praia de acordo com o seu estilo de viagem e olhar para as opções de alojamento mais próximas para minimizar a viagem. Sugerimos alguns no sul da ilha, onde o Inverno nunca chega, aqui.

Si llegas a la isla en búsqueda de sol, playa y relax, dirigirte al sur donde nunca llega el frío es la mejor opción...
Se vier à ilha em busca de sol, praia e relaxamento, dirigir-se para Maspalomas, onde o frio nunca vem, é a melhor opção…

Se, por outro lado, quiser uma mistura de praia e turismo, continue a ler.

Para lhe facilitar a organização do seu roteiro, classificámos os lugares nas rotas diárias que fizemos no nosso mês de visita à Gran Canaria. Assim, dependendo de quantos dias tiver, pode escolher algumas destas rotas e montar facilmente o seu roteiro:

O que visitar e fazer num dia em Gran Canária

Estes são os roteiros de um dia que fizemos:

  1. Agaete à Aldeia San Nicolás (Oeste): Agaete, Porto de Las Nieves, Piscinas Naturais Las Salinas, Praia Sardina del Norte, Galdar, Farol de Sardina, Carretera Costa Oeste GC-200, Miradouro del Balcón, Aldeia de San Nicolas e Los Azulejos.
  2. Rota interior com Roque Nublo (Interior): Miradouro Degollada de la Yegua, Arteara, Fataga, Tunte (San Bartolomé de Tijarana), Roque Nublo, Miradouro Degollada Becerra, Tejeda, Artenara, Miradouro Cruz de Tejeda, Ventana del Nublo (pôr-do-sol)
  3. Barranco de las Vacas, Guayadeque e Sorrueda + praia (Interior-Sul): Praia del Cabrón, Farol de Punta Arinaga, Agüimes, Barranco de Guayadeque (almoço em restaurante de caverna), Barranco de Las Vacas, Miradouro de Guriete, Miradouro de Sorrueda, Centro de Interpretação, Fortaleza de Ansite, Observatório Astronómico Las Temisas.
  4. Aldeias do Norte (Norte-Interior): Salinas del Bufadero, Arucas, Moya, rota através de Los Tilos, Firas, Teror, Caldera de Bandama, Atalaya, Santa Brígida e Pico de las Nieves (pôr-do-sol).
  5. Rota da praia no sul (Sul): Ayagaures, Bufadero, Tufia, Porto de Mogán, Tiritaña, Amadores, Montaña de Arena, Praia de Maspalomas, Dunas de Maspalomas, Passeio de Meloneras (pôr-do-sol nas dunas ou no passeio de Meloneras).
  6. Güi Güi e Tasartico (Oeste): Conduzir até ao Tasartico de manhã cedo para fazer a caminhada até à praia de Güi Güi (2,5 a 3h), desfrutar da praia e voltar para ver o pôr-do-sol no Tasarte.
  7. Las Palmas (Norte): El Confital, Vegueta, Triana e pôr-do-sol+jantar em Las Canteras
En nuestra ruta por los pueblos del interior de la isla, Teror nos pareció uno de los más bonitos
Na nossa rota através das aldeias do interior da ilha, encontramos Teror como uma das mais belas.

O que viistar e fazer em Gran Canaria em 2-3 dias (um fim-de-semana)

Se tiver apenas um fim-de-semana, escolha entre os 7 planos diários e procure alojamento perto das áreas que pretende visitar. Vai querer voltar porque não vai ter tempo para muito!

Exemplos:

Roteiros de Gran Canaria num fim-de-semana (de praia):

  • Dia 1: Chegada, recolha do carro alugado e transferência para o alojamento em Maspalomas e arredores. Se o tempo permitir, fazer parte da rota 5. ver o pôr do sol nas dunas ou Farol de Maspalomas.
  • Dia 2: Rota 2 interior (Roque Nublo, Artenara, Tejeda, etc.). Pôr-do-sol em Ventana del Nublo.
  • Dia 3: Fazer o resto da rota 5 e/ou rota 7 (Las Palmas)
Felices en la Playa de Tiritaña, en el sur de la isla
Praia de Tiritaña, no sul da ilha

Roteiros de Gran Canaria num fim-de-semana (aldeias e norte)

  • Dia 1: Chegada, levantamento do carro alugado e transferência para o alojamento no norte (Las Palmas ou uma pequena aldeia na rota 4: Teror, Firgas, Arucas…). Se o tempo o permitir, fazer parte da rota 4.
  • Dia 2: Rota 2 interior (Roque Nublo, Artenara, Tejeda, etc.). Pôr-do-sol em Ventana del Nublo.
  • Dia 3: Fazer o resto da rota 4 e/ou rota 7 (Las Palmas)
No te pierdas el que fue, para nosotrxs, el mejor atardecer en la isla en la Ventana de Nublo
Não perca o que foi, para nós, o melhor pôr-do-sol da ilha em Ventana de Nublo.

O que visitar e fazer em Gran Canaria em 4-5 dias

Com 4 ou 5 dias pode ter uma boa ideia da ilha, combinando vários tipos de cenários de acordo com as suas preferências.

Sugerimos o seguinte roteiro para visitar a Gran Canaria em 5 dias:

  • Dia 1: Chegada, levantamento do carro alugado e transferência para o alojamento no norte (Las Palmas ou uma pequena aldeia na rota 4: Teror, Firgas, Arucas…). Se o tempo o permitir, fazer parte da rota 4.
  • Dia 2: Rota 2 interior (Roque Nublo, Artenara, Tejeda, etc.). Pôr-do-sol em Ventana del Nublo.
  • Dia 3: Rota 1 (de Agaete a Aldeia de San Nicolás ao longo da costa ocidental) para terminar em Maspalomas e aí ficar nas noites seguintes.
  • Dia 4: Rota 3 (Barranco de las Vacas, Guayadeque e praia)
  • Dia 5: Rota 7 através de Las Palmas
Arucas y su "catedral"
Arucas e a sua “catedral”

O que visitar e fazer em Gran Canaria em 7 dias (uma semana)

Uma semana é a duração ideal para ver a maior parte das atrações da ilha. Se este é o seu caso, aqui está o nosso roteiro recomendado:

  • Dia 1: Chegada, levantamento do carro alugado e transferência para o alojamento no norte (Las Palmas ou uma pequena aldeia na rota 4: Teror, Firgas, Arucas…). Se o tempo o permitir, fazer parte da rota 4.
  • Dia 2: Rota 2 interior (Roque Nublo, Artenara, Tejeda, etc.). Pôr-do-sol em Ventana del Nublo.
  • Dia 3: Rota 1 (de Agaete a Aldeia de San Nicolás ao longo da costa ocidental) para terminar em Maspalomas e aí ficar nas noites seguintes.
  • Dia 4: Rota 6 para a praia de Güi Güi
  • Dia 5: Rota 3 (Barranco de las Vacas, Guayadeque e praia)
  • Dia 6: Rota 5 ao longo das praias do sul.
  • Dia 7: Rota 7 através de Las Palmas
Fortaleza de Ansite: una de las mejores sorpresas del viaje
Fortaleza de Ansite: uma das melhores surpresas da viagem

Transporte: alugar um carro em Gran Canária

Como em todas as Ilhas Canárias, alugar um carro é a melhor maneira de se deslocar e descobrir os lugares maravilhosos que a Gran Canaria tem para oferecer, aproveitando ao máximo o seu tempo e não dependendo de horários.

Nas Ilhas Canárias costumamos alugar com a Pluscar que em geral tem os preços mais baratos, tudo incluído e a possibilidade de modificar/cancelar a reserva facilmente, embora comparemos sempre com as outras empresas, porque dependendo da procura e da época do ano pode variar. Recomendamos-lhe que utilize comparadores como o DiscoverCars para encontrar os melhores preços (embora também lhe recomendamos que verifique as condições de cada empresa e não apenas o preço).

Empresas de aluguer de automóveis em Gran Canaria

Outras empresas recomendadas em Gran Canaria são (todas elas têm um seguro totalmente completo sem franquia, segundo condutor incluído e uma apólice de “devolução do mesmo” combustível):

Nas nossas várias viagens nas Ilhas Canárias, alugámos com várias destas empresas (até agora com Pluscar, Cicar, Cabrera Medina e Autoreisen), em todos os casos sem qualquer problema. Utilize comparadores como o DiscoverCars para encontrar os melhores preços

Nuestro coche de alquiler aparcado en frente a la imponente Fortaleza de Ansite
O nosso carro de aluguer estacionado em frente à imponente Fortaleza de Ansite.

Preços de aluguer de automóveis em Gran Canaria

Os preços para alugar um carro em Gran Canaria variam dependendo do número de dias de aluguer, da estação, do tipo de carro e da antecedência com que se reserva. Na nossa viagem a Gran Canaria em Julho de 2022, alugámos com a Pluscar o carro mais básico (um VW Up!) por 21 dias e pagámos 9 euros/dia.

Esse preço na Pluscar inclui quilómetros ilimitados, seguro totalmente abrangente, dois condutores e uma apólice de combustível de entrega em mão.

Como dizemos, é aconselhável comparar preços, pelo que é ideal utilizar comparadores como o DiscoverCars para ver o que é mais barato, dependendo das datas.

Já tínhamos alugado com a Pluscar em El Hierro, Tenerife e Fuerteventura, sempre de forma satisfatória, e este foi também o caso em Gran Canaria.

Importante: A maioria das empresas de aluguer de automóveis não cobre os danos causados pela condução em estradas não pavimentadas.

Importante 2: Desde a pandemia, as empresas de aluguer tiveram de vender parte da sua frota para sobreviver e têm agora dificuldade em adquirir mais veículos, pelo que com menos oferta e com a mesma ou mais procura, os preços subiram e é possível que em épocas turísticas altas possam estar esgotadas ou ter preços proibitivos. É por isso muito importante tentar reservar com a maior antecedência possível.

Contudo, tenha cuidado, porque conduzir em Las Palmas não é recomendado para principiantes: entre as direções confusas e a pressa do povo canário, evite conduzir na capital, se não conduz há muito tempo, ou vai apanhar um susto.

Caso não queira ou não possa alugar um carro, tem sempre a opção de utilizar a rede de autocarros da Gran Canaria (ver aqui linhas e horários de autocarros) e a possibilidade de contratar uma excursão para ir a lugares específicos onde não é tão fácil chegar neste transporte.

Sugerencia: si no sueles conducir, ¡no te metas con el coche por Las Palmas! Mucho mejor descubrirla caminando...
Dica: se não conduzir, não conduza em Las Palmas! É muito melhor descobri-lo a pé…

Quanto custa uma viagem a Gran Canária?

Elaborar um orçamento indicativo é sempre uma tarefa complicada porque depende de tantos fatores, como, o seu estilo de viagem, ao que prefere dar prioridade, e em que estação do ano viaja, mas aqui está uma aproximação para lhe dar uma ideia:

  • Voos: Há voos directos para Las Palmas de Gran Canaria, tanto de Lisboa como do Porto. Para encontrar o melhor preço, recomendamos que utilize comparadores de voo como o Skyscanner e o Kiwi e que seja flexível com as suas datas.
  • Aluguer de automóveis: entre 5 e 30 euros por dia para o carro mais barato, que é normalmente um Twingo (dependendo da empresa e do número de dias), tudo incluído. O preço aproximado para uma semana com Pluscar com alguns meses de antecedência é de 10 euros por dia (i.e. 70 euros no total). A gasolina é mais barata nas Ilhas Canárias, dependendo do número de quilómetros percorridos, uma vez que um depósito de gasolina para um carro económico é de cerca de 50-60 euros.
  • Alojamento: a partir de 50 euros/noite para um quarto com casa de banho privada ou apartamento com auto-serviço.
  • Refeições em restaurante: entre 10 e 20 euros por pessoa
  • Refeições na praia (sandes) ou petiscos num bar de praia: entre 3 e 10 euros por pessoa.
  • Excursões: 20 a 60 euros por pessoa por excursão.

No total, como guia aproximado, uma viagem de uma semana a Gran Canaria com um carro alugado pode custar entre 450 e 600 euros por pessoa (com as opções mais baratas de carro, alojamento e restaurantes).

El mirador Degollada de la Yegua (Fataga)
Miradouro da Degollada de la Yegua (Fataga)

Apps úteis numa viagem a Gran Canária

  • Windy (Android / iOS / Web): aplicação essencial para as nossas viagens. Permite-lhe ver previsões de chuva, nuvens, vento, etc. para o ajudar a planear os seus dias com base no tempo (pois há lugares que perdem muito, dependendo do tempo). Obviamente, as previsões não são 100% fiáveis. Também mostra as webcams disponíveis
  • Google Maps (Android/iOS): é aquele que utilizamos para guardar/classificar todos os lugares para onde queremos ir/já fomos e como GPS nos carros alugados. Pode ver as opiniões de outras pessoas sobre os locais, fotografias, menus de restaurantes, números de telefone dos locais para os contactar, etc.
  • Maps.me (Android/iOS): semelhante ao Google Maps mas funciona offline (embora o Google Maps também possa funcionar offline) e em muitos casos tem informação que o Google Maps não tem, especialmente para trilhos.

Dicas para desfrutar de Gran Canária

  • Em vários locais da ilha oferecem a opção de passeios de camelo (nas Maspalomas Dunes, por exemplo) ou passeios de camelo, chamados “safaris”. Recomendamos e pedimos-lhe que NÃO os faça, pois é mais um exemplo de maus tratos a animais. Não seja cúmplice de maus tratos a animais! Pode ler mais acerca de uma sentença sobre esta questão aqui.
  • Nas Dunas de Maspalomas é proibido caminhar sobre as dunas fora dos caminhos sinalizados. A maioria das pessoas ignora esta proibição (ou porque não a conhecem ou porque o fazem apesar dela), mas agora que sabem que é proibida, respeitem as regras a fim de preservar este belo canto das Ilhas Canárias.
  • Respeite as outras pessoas e a ilha: não toque a sua música alto na praia (se quiser ouvir música, use auscultadores), não deixe lixo, não atire beatas, etc. Deixe a praia melhor do que a encontrou.
  • Algumas das praias da ilha são perigosas para nadar devido às fortes correntes. Não seja corajoso.
  • Se a praia é nudista, faça nudismo. Se não quiser fazer nudismo, vaia para outra praia. Mais de 90% das praias da ilha não são nudistas, portanto, se chegar a uma, respeite-a.
  • Viajar sempre com seguro de viagem: é sempre aconselhável, mas ainda mais em tempos de pandemia. Despesas médicas devidas ao Covid-19, roubo ou problemas com o seu avião numa viagem podem custar-lhe muito dinheiro, por isso o ideal é fazer um seguro de viagem que o inclua. Utilizamos sempre a IATI que inclui tudo isto e recomendamo-la. Se contratar o seu seguro através deste link, recebe um desconto de 5%.
El bello pinar canario que rodea al Roque Nublo
O belo pinhal canário que rodeia Roque Nublo

Checklist: o que levar na mochila/mala para Gran Canária

Aqui está uma lista de itens essenciais que não deve esquecer de levar consigo na sua viagem a Gran Canaria, tanto para dias de praia como para caminhadas:

  • Protetor solar amigo do ambiente (reef friendly), ou seja, livre de químicos nocivos para os corais, sem oxibenzonas, e não testado em animais, como este ou este.
  • Boné, o sol é muito forte
  • Óculos de sol
  • Fato de banho, claaaaroo
  • Uma garrafa de água como uma destas para levar água consigo em qualquer altura. Isto irá ajudar a evitar o uso de garrafa de plástico de utilização única.
  • Um protetor de pescoço como um destes para o proteger do vento.
  • T-shirt de manga comprida de lycra com proteção UV que usamos para nos proteger da água fria ou do sol quando mergulhamos, como por exemplo uma destas.
  • Kit/Óculos de mergulho se quiser trazer o seu próprio, caso contrário pode alugar. Aqui está um kit por menos de 20 euros.
  • Saco impermeável, para manter os seus dispositivos eletrónicos seguros na praia. Este, por exemplo, custa 12 euros.
  • Toalha de microfibra, que ocupa muito pouco espaço e que irá utilizar para a praia. Se não tiver uma, pode comprar as típicas da Decathlon ou uma destas.
  • Câmara fotográfica para registar as aventuras em La Palma. Nós levámos um Sony A5100 e um GoPro para imagens subaquáticas.
  • PowerBank: com tantas fotografias, vai gastar muita bateria, por isso é sempre uma boa ideia levar consigo uma powerbank para ir carregando tudo antes de chegar ao seu alojamento. Viajamos com estes 2(Xiaomi e Anker), o que nos permite carregar os nossos smartphones, câmara fotográfica e GoPro. Neste post contamos-lhe sobre todos os gadgets que transportamos para viajar (viajar enquanto trabalhamos em linha à distância).
  • Kit de primeiros socorros: no nosso kit de primeiros socorros há sempre alguns medicamentos contra os enjoos marítimos (como a biodramina para os enjoos nas viagens de barco), antibióticos, anti-diarreicos (e alguns probióticos para recuperar mais rapidamente), anti-histamínicos, analgésicos e antipiréticos e, claro, seguro de viagem (pode obter um desconto de 5% através deste link).
Caminando hacia el Barranco de Las Vacas
Caminhada até ao Barranco de Las Vacas

Ao contrário da maioria das ilhas vizinhas no arquipélago canário, em Gran Canária foi longe do mar que encontrámos o que mais gostámos a nível paisajístico: há tantas aldeias coloridas no interior da ilha entre o verde e as montanhas que é difícil decidir qual delas é a mais bonita (ainda estamos a consensuar sobre o Top3 de Fataga, Teror y Agüimes…)

No entanto, no nosso topo emocional, o mar está perto. A Aldeia de San Nicolás com a sua praia de calhau preto onde observámos o pôr-do-sol, as doces mangas que colhemos diretamente da árvore e aquela família incrível que nos acolheu como a dois mais da família (a família do nosso querido amigo Dailos), foi um dos lugares onde nos sentimos mais felizes na ilha.

E, claro, a nossa base de exploração, um refúgio para descansar e trabalhar, longe da azáfama, mas perto de tudo, onde acordámos ao som de pássaros e respirámos profundamente entre barrancos, a nossa querida casinha em Ayagaures. Aí tivemos a ajuda e os cuidados de Miren, Aritz e Julen e os mimos caninos de Iru e Jaffna, com quem estamos ansiosos por partilhar novamente conversas, tortilhas e cervejas.

Dedicamos este guia a todos eles e ao nosso querido amigo Justin, porque é difícil encontrar alguém tão apaixonado por GranCa como ele e o seu Quirin, a quem o estranho ano de 2020 deu alguns meses de sol e sal como se já fossem mais dois habitantes locais.

Obrigado GranCa, até breve!

Gostou do nosso guia? Pode poupar e apoiar o nosso trabalho!

Se o nosso guia foi uma boa ajuda para a sua viagem, pode apoiar este projeto e poupar nas suas reservas usando os seguintes links:

  • 5% de desconto no seu seguro de viagens com a IATI (inclui cobertura Covid-19)
  • Até 15% de desconto na Booking.com
  • Alugue um carro ao melhor preço com DiscoverCars
  • Reserve os seus tours com antecedência e não fique sem lugar com a Civitatis
  • Encontre voos baratos no Skyscanner e na Kiwi
  • Não fique sem internet na sua viagem com os cartões SIM da Holafly até 5% de desconto
  • Peça um cartão Revolut, para levantar dinheiro sem comissões em todo o Mundo

Disclaimer: Este guia contém links de afiliados o que significa que ao usá-los, recebemos uma pequena comissão no Randomtrip. A si não lhe custa nada e, por vezes, até lhe sairá mais barato pelos descontos que conseguimos e a nós ajuda-nos e motiva-nos a continuar a criar guias tão completos quanto este.

5/5 - (6 votes)

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *