Não é por acaso que a Casa Batlló é um dos monumentos mais visitados em Espanha. No Randomtrip podemos dizer que foi uma das visitas que mais gostámos em Barcelona, de todas as jóias criadas por Gaudí, que visitámos.

Um passeio pela Casa Batlló é como um mergulho num mundo subaquático ao nível do solo, em pleno Passeig de Gràcia, em Barcelona, sem necessidade de usar botija de oxigénio. No entanto, esta imersão modernista é muito procurada, pelo que recomendamos que compre o seu bilhete com a maior antecedência possível.

Neste guia, contamos-lhe tudo o que precisa de saber para organizar a sua visita à Casa Batlló (tipos de bilhete, horários e descontos) e curiosidades para que possa desfrutar e aprender o máximo possível sobre esta joia arquitetónica viva.

Reserve os seus bilhetes para visitar a Casa Batlló na Web oficial (entrada gratuita para crianças com menos de 12 anos).

Porquê visitar a Casa Batlló

Sendo Barcelona o berço da arquitetura modernista no país, e Antoni Gaudí um dos arquitetos mais emblemáticos, a Casa Batlló é considerada uma obra-prima do modernismo, uma das obras mais felizes e impressionantes do arquiteto e é Património Mundial da UNESCO desde 2005.

Além disso, entrar nesta obra-prima é uma visita guiada muito completa e, na nossa opinião, essencial se quiser entender o que se passava na mente do famoso arquiteto, como articulava as suas ideias e como finalmente as transferiu (e improvisou) para a realidade. Atrevemo-nos a dizer que, de todas as visitas às jóias arquitetónicas de Gaudí que fizemos na cidade, esta foi aquela em que mais aprendemos e a que mais nos ajudou a compreender tudo o que veríamos mais tarde, pelo que aconselhamos a sua visita nos primeiros dias da sua viagem a Barcelona.

Reserve os seus bilhetes para a Casa Batlló na Web oficial aqui (entrada gratuita para crianças com menos de 12 anos)

A fachada da Casa Batlló
A janela do Salão da Planta Nobre na Casa Batlló

Tipos de bilhetes e descontos na Casa Batlló

Existem diferentes tipos de bilhetes para visitar a Casa Batlló em Barcelona, bilhetes para a Visita Geral (atualmente com promoção 2×1 para residentes na Espanha nas três categorias Blue, Silver e Gold) e bilhetes especiais (Be the First para entrar antes das portas abrirem, Noites Mágicas com concerto no rooftop no verão e Uma Noite de Inverno no Natal).

No Randomtrip escolhemos o bilhete GOLD (Visita Geral) porque inclui acesso a tudo (incluindo a residência privada dos Batlló) e entrada rápida sem filas à hora que escolhemos. Reserve o seu bilhete para a Casa Batlló aqui

Bilhetes para a Visita Geral: selecione a Visita Geral, o dia e a hora da visita (o preço varia em função do número de visitantes) e, uma vez escolhido o dia e a hora, pode escolher entre os bilhetes Blue, Silver ou Gold:

  • Bilhete BLUE a partir de 29€/pessoa*(2×1 apenas para residentes em Espanha): com o bilhete BLue pode fazer a visita guiada à Casa Batlló com audioguia incluído e aceder, no final da visita, ao Cubo de Gaudí, uma experiência audiovisual de 360º criada pelo artista Refik Anadol, que nos ajudará a entrar na mente do arquiteto Antoni Gaudí. Também neste verão, se visitar a exposição de quinta a segunda-feira a partir das 18:00, será convidado a beber um copo de cava com o seu bilhete.
  • Bilhete SILVER a partir de 37€/pessoa*(2×1 apenas para residentes em Espanha): o bilhete Silver inclui, para além do audioguia, um tablet com realidade aumentada (em 15 línguas) que nos transporta para o início do século XX durante a visita à casa, mostrando-nos como era cada espaço da Casa Batlló quando a família Batlló lá vivia (como estava mobilado, acessórios, etc.). O tablet também nos ajuda a entrar na mente de Gaudí com algumas ideias arquitetónicas que saltam das paredes para a realidade aumentada. Com o bilhete de SILVER, também começará a visita no Gaudí Dôme, uma experiência imersiva num passadiço em movimento, que nos leva de volta à infância de Gaudí e à sua maior fonte de inspiração, a natureza, através desta sala rotativa com mais de 1000 ecrãs. Também entrará na portaria do edifício, decorada ao estilo da original. No final da visita, entrará no Cubo de Gaudí e, este verão, se for de segunda a quinta-feira a partir das 18:00, terá o seu copo de cava, claro.
  • Bilhete GOLD a partir de 39€/pessoa*(2×1 apenas para residentes em Espanha): o bilhete Gold é o mais completo. Inclui tudo o que está incluído no bilhete Silver (audioguia, tablet de realidade aumentada, Gaudí Dôme no início do passeio, Portaria, Cubo de Gaudí no final do passeio) mas também dá acesso à casa privada da família Batlló. Como lhe diremos mais tarde na visita, a família Batlló alugou outros andares do edifício, e a sua casa privada é algo que não é mostrado nas visitas azuis e prateadas. Além disso, com o bilhete GOLD também tem direito a FastPass (entrada rápida, sem filas), mudança de data e cancelamento gratuito. Tendo em conta que o GOLD custa mais 2 euros do que o Silver, valeu a pena e foi o bilhete que escolhemos no Randomtrip .

*O preço mencionado é o preço mais baixo para cada categoria de bilhete (Blue, Silver ou Gold) e pode aumentar consoante a época, a altura da visita e a lotação. Existem bilhetes com um preço melhor (cor verde) e bilhetes com um preço mais elevado (cor amarela). Explicamos melhor na secção Descontos.

O tablet de realidade aumentada com o qual aprendemos muito durante a visita. Incluído nos bilhetes de entrada geral SILVER e GOLD.

Bilhetes especiais:

  • Bilhete NOITES MÁGICAS a partir de 59€/pessoa (20€ de desconto para residentes em Espanha, capacidade limitada) entre maio e outubro: este é o bilhete mais especial, e também o mais caro, pois permite-lhe entrar na Casa Batlló após a hora de encerramento, às 20:00h, para fazer o mesmo passeio que faria durante o dia (exceto o Cubo de Gaudí e a casa privada da família Batlló, por razões operacionais) mas com menos pessoas, e também desfrutar do pôr do sol a partir do telhado, com concerto ao vivo, e ter a sua própria mesa, claro. Desfrutará também de uma bebida (incluída no preço) enquanto aprecia o concerto sentado na sua mesa. O concerto com bilhete para as Noites Mágicas começa às 21:00h e pode ver o calendário musical quando seleciona o dia em que gostaria de ir (os bilhetes começam em 59€ e podem ir até 99€/pessoa, dependendo de quem está a atuar e de quantos bilhetes restam, por isso, se quiser experimentar, reserve com a maior antecedência possível. Este bilhete existe apenas entre maio e outubro.
  • Bilhete BE THE FIRST a partir de 45€/pessoa: pessoal madrugador e/ou que quer tirar fotografias sem gente: este bilhete é para si. Com o bilhete Be the First pode entrar na Casa Batlló antes de esta abrir as suas portas a outros visitantes (a Casa Batlló abre às 9:00h e com este bilhete pode entrar às 08:30h ou 08:45h) desfrutando da casa com poucas pessoas (este bilhete tem capacidade limitada) e, também da luz da manhã. Sabe como a luz era importante para Gaudí, então imagine poder desfrutar dos primeiros raios de sol no telhado.
Gaudí Cube, uma experiência audiovisual de 360º criada pelo artista Refik Anadol, que nos ajudará a compreender a mente de Gaudí desde a sua infância. O Cubo de Gaudí está incluído em todos os bilhetes de entrada geral: BLUE, SILVER e GOLD.

Descontos nos bilhetes para a Casa Batlló

  • Crianças com menos de 12 anos: entrada gratuita
  • Adolescentes entre os 13 e os 17 anos, estudantes e pessoas com diversidade funcional (entrada gratuita para o acompanhante de uma pessoa com diversidade funcional): 6 euros de desconto.
  • Seniores com mais de 65 anos: 3 euros de desconto
  • Compra de bilhetes online: menos 4 euros do que na bilheteira, uma vez que lhe será cobrada uma “taxa de manuseamento” adicional de 4 euros. Recomendamos que compre sempre o seu bilhete em linha na Web oficial.

No final do processo, depois de ter escolhido o dia, a hora e o tipo de bilhete pretendido (Blue, Silver, Gold, Noites Mágicas, Uma Noite de Inverno ou Be The First), poderá selecionar o seu desconto, se aplicável (Residente, Estudante, Menor de 12 anos, Maior de 65 anos, etc.):

Entrada gratuita na Casa Batlló

Infelizmente, para pessoas com mais de 12 anos, não é possível entrar gratuitamente na Casa Batlló, pois a única coisa que se pode ver gratuitamente é a sua fascinante fachada no Passeig de Gràcia, 43.

No entanto, há um truque para aqueles que querem contemplar o pátio modernista da Casa Batlló de outra perspetiva (esta parte da Casa Batlló só é acessível na visita ao interior): aceder ao terraço no primeiro andar da enorme loja de bricolage e ferragens Servei Estació. Em troca, terá de comprar algumas ferragens, artigos de papelaria, bricolage ou impressão. Note-se que isto não lhe permite ver a joia que é o interior da casa, mas pelo menos pode ver algo para além da fachada, de forma (quase) gratuita.

Pormenor do pátio modernista da Casa Batlló

Eventos especiais na Casa Batlló: Sant Jordi e Natal

Além disso, existem eventos especiais em datas especiais, como Sant Jordi, o santo padroeiro da Catalunha, que é celebrado a 23 de abril, ou o Natal, por isso, se visitar a cidade nestas datas, continue a ler.

A Casa Batlló em Sant Jordi

Todos os anos, o dia 23 de abril é um dia muito especial e é vivido com grande entusiasmo na Catalunha, por ser o dia do seu santo padroeiro , Sant Jordi , que coincide com o Dia Mundial do Livro. Neste dia, as ruas enchem-se de rosas (segundo a lenda, Sant Jordi salvou a sua princesa matando o dragão de cujo sangue brotou uma roseira) e de livros (23 de abril é o Dia Mundial do Livro promovido pela Unesco). Em Barcelona e, mais concretamente, na Casa Batlló, não podia ser de outra forma. Se a sua viagem a Barcelona coincidir com Sant Jordi, vá ao Passeig de Gràcia 43 para contemplar a beleza da Casa Batlló vestida de rosas. A fachada da Casa Batlló carrega muitos elementos da Lenda de Sant Jordi, como os azulejos que lembram as escamas de um dragão, os arcos catenários de seu ventre, as colunas de seus ossos e o vestíbulo de sua cauda. Neste dia, toda a fachada é uma roseira, como se fosse uma ode ao amor e à cultura em nome da Casa Batlló.

Pormenor do telhado da Casa Batlló

A Casa Batlló no Natal

O Natal também é uma época especial e, por isso, a Casa Batlló veste-se de Natal e oferece um espetáculo especial de luzes e música durante 3 minutos, de forma gratuita, na sua fachada para quem a quiser ver. Este espetáculo realiza-se:

  • Entre 17 de novembro e 7 de janeiro, de 30 em 30 minutos, todos os dias, das 18:30h às 21:30h
  • Entre 12 e 18 de fevereiro, de 30 em 30 minutos, de sexta-feira a domingo, também das 18:30h às 21:30h

É uma experiência gratuita e pode consultar o calendário de iluminação para cada ano neste link.

Além disso, durante as mesmas datas (entre 17/11 e 18/02) A Casa Batlló também organiza um espectáculo muito especial, “Uma Noite de Inverno”. Também com a promoção 2X1 apenas para residentes em Espanha, “Uma Noite de Inverno” é uma visita nocturna muito especial (primeira entrada às 18h30 e última às 20h45) porque conta a história da Casa através da família Batlló com voz e projeções que tornarão a visita mágica. Para ajudar a contar essa história, os tablets de realidade aumentada contam com novos conteúdos, a sala imersiva Gaudí Dôme está vestida com a Barcelona da época e a banda sonora foi composta exclusivamente para a experiência. Então já sabe, se visitar Barcelona no Natal, não perca. Mais informações e compra de bilhetes para esta experiência de inverno aqui.

Fotografias da fachada da Casa Batlló vestida com luzes e cores para o Natal e roseiras para Sant Jordi da Web oficial da Casa Batlló.

RandomTIP: Compre sempre os seus bilhetes online. Para além de garantir que vai conseguir um bilhete (o que nem sempre acontece se os quiser comprar no local, especialmente na época alta), vai poupar a fila e, mais importante, vai poupar dinheiro! Se comprar os seus ingressos na bilheteria da Casa Batlló, pagará uma taxa extra de “manuseio” de 4 euros. Isto é válido para a Casa Batlló e para a maioria das outras atrações em Barcelona, por isso compre online e com a maior antecedência possível.

Horário de visita da Casa Batlló

A Casa Batlló está aberta todos os dias do ano, das 9:00 às 20:00 horas, com a última entrada às 19:15 horas. A visita dura aproximadamente 1:15 horas.

Como chegar à Casa Batlló

Barcelona é uma cidade onde é muito fácil deslocar-se pelo centro a pé ou de transportes públicos, e com a Casa Batlló numa das suas principais vias, Passeig de Gràcia, é muito fácil chegar até ela.

  • Metro: A paragem de metro mesmo em frente à Casa Batlló é Passeig de Gràcia e pode lá chegar nas linhas de metro L2, L3 e L4.
  • Autocarro: Se preferir chegar de autocarro, também tem várias opções, dependendo da sua proveniência. As linhas de autocarro que param em Passeig de Gràcia são H10, V15, 7, 22 e 24.
  • Comboio: Se preferir viajar de comboio (ou se a estação de comboios for a mais próxima do seu alojamento), a estação de Passeig de Gràcia está ligada ao serviço Rodalies (linha de comboio municipal) e fica mesmo em frente à Casa Batlló. Se, por outro lado, viajar de FCG (Ferrocarrils de la Generalitat de Catalunya), o ideal é sair na estação Provença e caminhar menos de 10 minutos (900 metros) até à Casa Batlló.
  • Barcelona Bus Turístic Hop on Hop Off: Se comprou o Barcelona Bus Turístic Hop on Hop Off de Barcelona, deve saber que ambas as linhas vermelha e azul passam por aqui e a paragem onde deve descer é Casa Batlló – Fundació Antoni Tàpies. Compre os seus bilhetes para o autocarro turístico aqui
Pormenor da fachada da Casa Batlló

Como é a visita à Casa Batlló?

Se comprar os seus bilhetes online (o que recomendamos que faça, uma vez que se os comprar na bilheteira terá de pagar mais 4 euros por bilhete), recebê-los-á por e-mail e poderá apresentá-los diretamente a partir do seu telemóvel para entrar. Quando comprar os seus bilhetes, terá de escolher uma data e hora, e é importante que esteja lá à hora escolhida (há uma tolerância de 15 minutos), caso contrário o acesso não é garantido. A visita dura cerca de 1h15, e aqui estão os pormenores.

Atenção, a partir daqui começa a imersão modernista na Casa Batlló narrada pelo Randomtrip, por isso se não quiser spoilers sobre o interior da Casa e o que vai ver na visita guiada, passe diretamente para a secção Onde Dormir ou, caso tenha fome depois do passeio, Onde Comer perto da Casa Batlló onde recomendamos alguns dos locais que experimentámos e adorámos, a pé, perto da Casa.

O pátio de luzes da Casa Batlló

Breve história da Casa Batlló

Josep Batlló i Casanovas, um homem de negócios que possuía várias fábricas de indianas (tecidos estampados que inicialmente eram importadas da Índia, daí o nome) e Amàlia Godó i Belaunzarán, da família dos Condes de Godó (editores do jornal La Vanguardia), compraram em 1903 um edifício, no número 43 do Passeig de Gràcia, para viverem. Nesta época, Passeig de Gràcia era já uma das avenidas mais importantes da cidade, onde a burguesia mais abastada queria construir as suas casas e exibir os seus projetos dos arquitetos mais prestigiados da época.

Embora a ideia inicial do casal Batlló fosse destruir o edifício original, um edifício de estilo clássico de 1877, para construir um mais moderno (e assim competir na famosa “Manzana de la Discordia” – Quarteirão da Discórdia modernista existente), Antoni Gaudí, o arquiteto da moda escolhido pela família em 1904 para realizar o projeto, convenceu-os a não o fazer. Como curiosidade, o arquiteto que desenhou o edifício original, Emilio Sala Cortés, foi o professor de Gaudí nos seus estudos de arquitetura.

Josep Batlló i Casanovas e Amàlia Godó i Belaunzarán, fotografias expostas na sua residência privada na Casa Batlló, à qual só se pode aceder com um bilhete GOLD.

A família Batlló concordou com Gaudí e deu-lhe total liberdade para expressar a sua criatividade nos projetos para a Casa. O resultado: uma renovação completa de um edifício de estilo clássico transformado numa obra de arte cheia de fantasia com dois protagonistas principais: a luz e a cor. A renovação começou em 1904 e foi concluída em 1906, cheia de imaginação e criatividade. A Casa Batlló, considerada uma obra-prima do modernismo, evoca a beleza da natureza, sobretudo subaquática.

Pormenores do pátio de luzes que nos transportam para uma imersão modernista de Gaudí no fundo do mar.

A família Batlló viveu no piso principal da Casa Batlló entre 1903 e 1954 (é possível aceder à sua casa privada através da Entrada GOLD) e alugou os outros apartamentos, uma prática comum da burguesia da época. Em 1934 morreu Josep Batlló e seis anos depois morreu Amàlia Godó.

Os cinco filhos de ambos geriram a casa, e os estúdios de animação Chamartín foram instalados na Casa Batlló em 1941, até 1954, altura em que a companhia de seguros Iberia se mudou para lá. Na década de 1990, a Casa Batlló foi adquirida pelos seus atuais proprietários, a família Bernat, que se encarregou de restaurar a fachada e o pátio em 2000, e em 2001 já estava a ser preparada para a abertura ao público (ver neste link uma breve cronologia). A Casa Batlló é Património Mundial da UNESCO desde 2005.

A família Batlló, fotografia exposta na sua casa privada na Casa Batlló, visita incluída apenas com o bilhete GOLD.

Compre aqui os seus bilhetes para a Casa Batlló

A fachada da Casa Batlló

A fachada da Casa Batlló não precisa de apresentações e é provavelmente o elemento mais reconhecível desta joia arquitetónica no mundo. O edifício não passa despercebido a quem passeia por uma das ruas mais famosas de Barcelona, Passeig de Gràcia.

É curioso saber que o arquiteto Antoni Gaudí dirigiu a obra a partir do exterior, sem planos, e com um modelo de gesso modelado por ele próprio. Na visita guiada, foi-nos dito que Gaudí, ao criar esta fachada, não foi apenas um arquiteto, mas também um pintor e escultor, criando uma explosão de cores a partir de cinco materiais diferentes. De acordo com o que nos foi dito na visita guiada, a fachada da Casa Batlló é um “hino à fantasia e à imaginação, cheia de mitos e lendas e de todo um universo aquático“.

O Hall de Entrada do edifício da Casa Batlló

Assim que entramos na área comum do rés do chão da Casa Batlló, o hall de entrada do edifício, sentimo-nos como se estivéssemos a descer às profundezas do oceano, porque nos transporta para uma gruta subaquática, e já é claro o que estamos prestes a experimentar: um mundo em que a arquitetura se reflete na natureza, especialmente numa natureza subaquática.

A propósito, como curiosidade, o elevador do átrio é um dos primeiros elevadores da época.

O hall de entrada da Casa Batlló

A Entrada na Casa Batlló

Na visita guiada é-nos dito que a intenção de Gaudí é transportar-nos para um mundo fantástico de Júlio Verne e a verdade é que ao entrar na casa Batlló, a intenção de Gaudí é clara. As clarabóias do hall de entrada transportam-nos para as carapaças das tartarugas (os tablets de realidade aumentada ajudam a aproximar-nos desta natureza aquática) e a sua bela escadaria em madeira nobre para a coluna vertebral de um animal aquático.

Aqui começamos a perceber porque é que a luz e a cor são as protagonistas deste fantástico mundo natural da Casa Batlló: a cor do hall de entrada muda com a luz graças ao estuque de cal de alta qualidade.

O Escritório da Casa Batlló

Depois de subir as escadas e passar o hall de entrada da casa, entramos no escritório com uma lareira de cerâmica refratária e um desenho no estuque com folha de ouro de 24 quilates.

O Salão do Andar Nobre da Casa Batlló

No salão principal, quando consegue fechar a boca por causa do impacto ao entrar (pelo menos no Randomtrip causou), compreenderá porque é que algumas pessoas lhe chamam a Capela Sistina do Modernismo (é verdade que o interior da Sagrada Família estava longe de competir nesta altura). Na verdade, este salão reúne três salas que se tornam uma só, separadas por portas e grandes janelas que nos lembram constantemente de uma imersão sem garrafa no mundo aquoso de Gaudí.

A porta de entrada em carvalho adapta-se às curvas do teto (ou vice-versa) e o impressionante vitral evoca as formas dos moluscos que nos levam ao fundo do mar. As paredes também refletem a natureza, evocando “a pele de um animal que muda à medida que se avança, como se fosse uma casa viva”, como nos diz o audioguia.

Da enorme janela, uma obra de engenharia cujos vidros se abrem com um sistema de pesos e contrapesos que permitem transformá-la numa varanda, temos uma vista privilegiada do Passeig de Gràcia que convida quem passa na rua a entrar: uma casa no “Quarteirão da Discórdia” (Manzana de Discordia) para ver e ser visto (mas só se a família Batlló assim o quisesse). Era precisamente em frente a esta janela que se situava a capela da casa, atrás de uma porta de madeira.

Em Barcelona há uma coisa que nunca se deve esquecer de fazer, tanto no exterior (na rua entre edifícios incríveis) como no interior: olhar para cima. E nesta sala é essencial: o teto, em espiral, gira sobre si próprio, como se fosse um remoinho do mar, absorvendo-o.

O candeeiro é original, embora tenha sido difícil de encontrar, pois esteve escondido durante muito tempo.

Escolha os seus bilhetes para a Casa Batlló na Web oficial

A sala de jantar da Casa Batlló

A sala de jantar era, como o nome sugere, o ponto de encontro onde a família Batlló partilhava as suas refeições familiares com os seus cinco filhos. O candeeiro da sala de jantar tem uma forma que imita o efeito de uma gota a cair na água e as colunas, apesar de estarem num local complicado por obrigação, Gaudí conseguiu dar-lhes um design com personalidade.

O pátio modernista da Casa Batlló

O pátio da casa foi concebido como um jardim onde a família Batlló podia desfrutar do espaço exterior. A partir deste pátio modernista, é possível ver os edifícios contíguos que constituem a “Manzana de la Discordia” – Quarteirão da Discórdia do modernismo de Barcelona.

O Quarteirão da Discórdia (Manzana de la Discordia) refere-se ao quarteirão situado no Passeig de Gràcia, onde a Casa Lleó Morera (de Domènech i Montaner), no número 35, a Casa Amatller (de Puig i Cadafalch), no número 41, e a Casa Batlló (de Antoni Gaudí), no número 43, refletem diferentes tendências arquitetónicas nas suas fachadas. Porquê a “discórdia”? Por causa da rivalidade profissional entre estes arquitetos, Montaner, Puig i Cadafalch e Gaudí.

Fachada da Casa Amatler, à esquerda (no número 41 do Passeig de Gràcia), ao lado da Casa Batlló, à direita (no número 43 do Passeig de Gràcia).

É no pátio que aprendemos mais sobre um elemento fundamental da obra de Gaudí, visível não só neste pátio mas também na fachada da Casa Batlló, os famosos “trencadís”. Esta fórmula ornamental e um dos seus contributos decorativos mais característicos era uma das técnicas preferidas do arquiteto.

O trencadís é gerado a partir de fragmentos de resíduos de cerâmica e vidro (pedaços de edifícios demolidos, por exemplo) criando uma variedade de cerâmicas, em contraste com os mosaicos simétricos, e denotando uma preocupação de reutilização aliada ao valor estético. A beleza sempre aliada à funcionalidade, uma das máximas de Gaudí.

Este é o pátio que poderá ver de longe, acedendo ao terraço do primeiro andar da loja de bricolage e ferragens Servei Estació. Lembre-se que, em troca, terá de comprar algumas ferramentas, artigos de papelaria, de bricolage ou de impressão.

A arquitetura inteligente e as inovações eficientes de Gaudí: o sistema de ventilação da Casa Batlló

Sabia que Gaudí concebeu um sistema inovador de ventilação e arejamento que levaria o ar perfeito a todos os cantos da casa, com critérios de eficiência energética?

Fê-lo através de diferentes aberturas nas janelas da casa, painéis que imitam as guelras de um peixe, que são accionados manualmente e permitem regular o ar com precisão sem ter de os abrir completamente. A conceção dos pátios centrais também desempenhou um papel importante, uma vez que é por aqui que entra a maior parte do ar, pelo que os pátios ajudam a conservar o calor no inverno e a ventilar no verão.

Os pátios não foram apenas centrais para a ventilação, mas também para os dois protagonistas da Casa Batlló: a luz e a cor. Falaremos mais sobre isto na secção seguinte, o Pátio de Luzes da Casa Batlló.

O Pátio de Luzes da Casa Batlló

E depois chegamos ao patio de luzes ou, como nos explicaram na Casa Batlló, “os pulmões da casa”, pois são os dois pátios centrais que permitem a circulação do ar e da luz que entra pela claraboia principal.

Gaudí dispôs dois pátios em vez de um, algo pouco comum na época, combinando, como sempre, arte e função (algo essencial para o arquiteto) para que a luz pudesse entrar em todos os cantos da Casa Batlló.

Quando começamos a subir pelo pátio, é como se estivéssemos a nadar num mar invertido, onde a maior profundidade está no topo e a superfície está na base. Para nos dar esta sensação, o arquiteto utilizou várias técnicas, como revestir o pátio com azulejos cuja tonalidade muda à medida que subimos, mais intensa em cima e mais clara em baixo, para dar a sensação de profundidade do mar e também para conseguir uma distribuição mais uniforme da luz. Outra técnica foi o tamanho das janelas do pátio: as janelas superiores, onde os azulejos são de um azul mais intenso, são mais pequenas do que as janelas inferiores, onde entra mais luz, normalizando assim a quantidade de luz em todos os pisos.

Outros elementos utilizados por Gaudí para nos fazer sentir num autêntico mergulho modernista são as janelas com vidro de catedral que simulam a sensação de estar debaixo de água e até as varandas com grelhas metálicas que fazem lembrar uma rede de pesca.

Para criar todos estes elementos, Gaudí rodeou-se dos melhores profissionais da época, desde ceramistas e ferreiros a marceneiros. Por exemplo, as portas (que parecem ter sido esculpidas pelo mar) não têm números, mas letras desenhadas pelo próprio Gaudí, e os puxadores foram feitos pelas próprias mãos do arquiteto.

Na parte central do pátio, Gaudí instalou o elevador, cuja cabina de madeira original ainda está em funcionamento e é utilizada quando as pessoas com diversidade funcional que visitam a Casa não conseguem subir as escadas.

O sótão da Casa Batlló

O sótão da casa era dedicado ao trabalho doméstico, com quartos contíguos para lavar roupa e passar a ferro, pelo que não se destinava à família burguesa Batlló, mas à classe trabalhadora que era contratada para o fazer. Disseram-nos na Casa Batlló que, precisamente por isso, Gaudí quis dar prioridade a uma arquitetura branca, contrastando com a cor do resto da casa, para deixar entrar muita luz e fazer circular muito ar nos dias de quem trabalhava aqui. Numa nota pessoal do Randomtripper, gostaríamos de pensar que a família Batlló deu prioridade às condições de trabalho e aos salários da classe trabalhadora na Casa Batlló tanto quanto Gaudí pensou na iluminação e ventilação do seu espaço de trabalho, mas, infelizmente, sabemos que a dinâmica de classes entre trabalhadores e patrões não mudou tanto quanto seria de esperar desde o início do século XX.

O arco catenário é uma estrutura fundamental e uma das inovações arquitetónicas mais marcantes da obra de Antoni Gaudí, que podemos observar nesta parte, e a sucessão de arcos no corredor faz com que a sala se assemelhe às costelas de uma baleia. Nos lados, as paredes abrem-se como as guelras de um peixe, permitindo a circulação da luz e do ar.

Se também visitar La Pedrera, no seu sótão poderá ver mais arcos catenários, bem como uma explicação textual e visual pormenorizada da sua origem e da forma como Gaudí os utilizou, pendurando cordas numa base circular de cabeça para baixo, com pesos, e visualizando os arcos de cabeça para baixo com um espelho.

Explicação do arco catenário de Gaudí segundo a Web da Sagrada Família: “Se segurarmos uma corrente em ambas as extremidades, forma-se uma curva. Se, em vez de olharmos para baixo, olharmos para cima, isto seria um arco catenário. Antoni Gaudí calculou o aspeto que muitos dos seus edifícios emblemáticos deveriam ter com o arco catenário, que pode suportar muito mais peso do que outros arcos. Para ver como ficaria, pendurou fios no teto e colocou sacos de areia como contrapesos para simular o peso da catedral. Os fios arqueavam-se para formar curvas com a forma de uma catenária. Com um espelho por baixo, invertia a imagem e os arcos da catenária apareciam como se tivessem de suportar o peso que ele tinha assumido com os sacos de areia”.

O telhado e o terraço da Casa Batlló

A verdade é que, tanto pela cuidada iluminação e ventilação de Gaudí, como pela impecável organização da visita, em nenhum momento nos sentimos sobrecarregados enquanto percorríamos o interior da Casa Batlló; mas finalmente chegou o momento de ver o telhado e, especialmnete, o terraço da Casa Batlló e desfrutar do ar livre e das suas vistas. Gaudí desenhou o telhado para que a partir dele se pudesse contemplar perfeitamente a cidade, o mar e outras obras suas, como a Casa Milà/La Pedrera ou a própria Sagrada Família, mas a cidade cresceu e as vistas mudaram com o tempo.

O telhado é um espaço aberto com 27 chaminés de cerâmica e vidro, cobertas com os famosos trencadís, que Gaudí decidiu agrupar em vez de separar, combinando mais uma vez a beleza com a funcionalidade. Os grupos de chaminés fazem lembrar grupos de cavaleiros prontos a defender a casa em qualquer circunstância.

No telhado, podemos ver outra das inovações de Gaudí na sua arquitetura inteligente. Neste caso, as clarabóias, com os seus drenos, isolam o edifício da acumulação de água e humidade, inspiradas no design industrial da época e muito inovadoras para um bloco de apartamentos.

Mas o elemento mais marcante do terraço é o telhado, ou melhor, o dorso do dragão. Se olharmos mais de perto, podemos ver que Gaudí dispôs as pedras que cobrem o telhado de forma a imitar a pele de um réptil, tão realista que até a cor muda, dando-lhe movimento.

Na Casa Batlló nada é deixado ao acaso e há vários elementos relacionados com a Lenda de Sant Jordi, a mais importante da cultura catalã, como este telhado que nos faz lembrar um dragão. A cruz de quatro braços também simula o punho da espada que São Jorge enfiou no dragão, libertando o povo de Barcelona da sua fúria.

A religiosidade católica de Gaudí (assim como os seus famosos trencadís) está bem patente na cruz que coroa a fachada com letras que remetem para Jesus, Maria e José.

Mais sótão e Photo Opp

Depois de contemplar o dorso do dragão no telhado, entrámos na sua barriga, que é, na verdade, outra parte do sótão que contemplámos imediatamente antes de ver o telhado.

Este sótão é suportado pelos arcos catenários, uma das maiores inovações de Gaudí, minimizando os custos e expandindo o espaço (evitando o uso de paredes estruturais e contrafortes). Transporta-nos para a caixa torácica de um grande animal, como se um esqueleto estivesse a suportar o telhado. Ao longo da visita, Gaudí lembra-nos que devemos respirar, que estamos debaixo de água, que disfrutemos e contemplemos os pormenores deste mundo natural subaquático.

Mas, de repente, apercebemo-nos de que estamos numa visita guiada a um dos monumentos mais importantes do país, porque é aqui que existe a oportunidade de tirar a típica fotografia paga, aos turistas. Não sabemos mais pormenores, fugimos pela barriga do dragão e escapamos daquela fila demasiado “realista”.

Fim da visita

Ao descermos uma escadaria e nos apercebermos de tudo o que subimos pouco a pouco enquanto aprendíamos sobre o universo de Gaudí (não parecia assim tanto durante a visita), a Casa Batlló convida-nos a refletir sobre o que vivemos e aprendemos. A escadaria foi transformada em arte com cortinas de correntes pelo arquiteto japonês Kengo Kuma.

Finalmente, a visita termina com o Cubo de Gaudí, uma experiência audiovisual de 360º criada pelo artista Refik Anadol, que nos ajudará a entrar na mente do arquiteto Antoni Gaudí.

Reserve os seus bilhetes para a Casa Batlló na Web oficial (entrada gratuita para crianças com menos de 12 anos).

Apesar de lhe termos contado em pormenor esta fascinante imersão numa das obras de arte de Gaudí, recomendamos-lhe vivê-la pessoalmente, pois as fotografias e o que lhe contámos não fazem justiça a esta casa aquática viva.

A nossa experiência na Casa Batlló e uma pergunta difícil: Casa Batlló ou Casa Milà/La Pedrera?

Se tiver pouco tempo e/ou pouco orçamento, provavelmente não conseguirá visitar todas as obras de Gaudí que gostaria em Barcelona, por isso deve estar a pensar: É melhor visitar a Casa Batlló ou a Casa Milà/La Pedrera? Qual priorizo?

No Randomtrip atrevemo-nos a responder. Se tivéssemos que escolher entre visitar a Casa Batlló ou a Casa Milà/La Pedrera, escolheríamos a Casa Batlló. Apesar de termos gostado muito da visita à La Pedrera e de termos ficado muito entusiasmados por finalmente pisar o seu famoso terraço, a visita à Casa Batlló pareceu-nos muito mais completa e mais bem organizada. É verdade que optar pelo bilhete Gold na Casa Batlló foi uma óptima ideia porque, para além do audioguia, tínhamos um tablet de realidade aumentada que nos transportava para a vida da família Batlló na altura e, ao mesmo tempo, nos ajudava a mergulhar no universo de Gaudí. Mas mesmo com a opção Blue, a mais básica, a informação fornecida é tão completa que cada visitante sai desta joia modernista com uma compreensão muito melhor das escolhas de Gaudí.

Casa Batlló (esquerda) ou Casa Milà/La Pedrera (direita). Se tiver de escolher, no Randomtrip optaríamos pela da esquerda

Em termos de logística e organização, na Casa Batlló não sentimos as multidões de pessoas em cada sala e nos corredores que sentimos na La Pedrera. Talvez tenhamos tido sorte, fomos a uma à tarde (Casa Batlló) e a outra à hora de almoço (Casa Milà/La Pedrera) para evitar multidões, mas foi precisamente em La Pedrera que encontrámos a maior concentração de pessoas.

E a um nível muito subjetivo e pessoal, do ponto de vista arquitetónico, a Casa Batlló surpreendeu-nos e impressionou-nos ainda mais do que La Pedrera, embora reconheçamos que talvez o facto de sermos amantes do mar possa ter tido influência…

Por isso, na nossa opinião, se tiver de escolher, a entrada da Casa Batlló parece-nos ter uma melhor relação qualidade/preço. Se não tiver de escolher, nem sequer hesite, vá a ambas. No Randomtrip foi isso que fizemos e não nos arrependemos de nada.

O terraço de La Pedrera. Reserve aqui o seu bilhete para La Pedrera

Reserve aqui o seu bilhete para a Casa Batlló e aqui o seu bilhete para a Casa Milà/La Pedrera

Por acaso, queríamos muito entrar na Casa Vicens, a primeira casa de Gaudí em Barcelona. Aproximámo-nos dela quando passeávamos pelo bairro de Gràcia e só a fachada pareceu-nos surpreendente, pelo que não conseguimos imaginar o seu impressionante interior. Tomaremos nota para a nossa próxima visita a Barcelona.

Pormenor da Casa Vicens, em Barcelona. Compre aqui o seu bilhete para a Casa Vicens.

Onde dormir perto da Casa Batlló em Barcelona

Se quiser ficar perto da Casa Batlló, todas estas opções estão a poucos minutos a pé (e há opções para todos os orçamentos), no Passeig de Gràcia ou a curta distância. E neste bairro, a Dreta de L’Eixample, terá várias outras atrações para ver, por isso ficar aqui algumas noites não é uma má ideia:

  • Safestay Barcelona Passeig de Gràcia (a partir de 50€/noite, dependendo da época): se está a viajar para Barcelona com um orçamento mais apertado mas quer passar algumas noites perto da famosa “Maçã da Discórdia” (incluindo a Casa Batlló), esta é uma boa opção. Este hostel tem desde quartos duplos, triplos ou quádruplos a camas em dormitórios partilhados, para que possa escolher o que melhor se adapta às suas necessidades. Também pode relaxar no fantástico terraço no telhado.
  • One Shot Aragó 257 (a partir de 93 €/noite): a 1 minuto a pé da Casa Batlló, este hotel de 3 estrelas oferece vários tipos de quartos
  • Bcn Paseo De Gracia Rocamora Apartment (a partir de 170€, dependendo do tamanho do apartamento e da estação do ano): Se está a viajar para Barcelona em grupo ou se é uma família com crianças, talvez esta opção lhe sirva. Aqui encontrará apartamentos de 1, 2 ou 3 quartos, alguns com terraço, no coração de Passeig de Gràcia.
  • Hotel Margot House (a partir de 245 euros/noite): este requintado hotel de 4 estrelas é o mais próximo que se pode chegar, e até se pode ver a fachada da Casa Batlló a partir do seu quarto (nem todos têm esta vista, apenas alguns). Está localizado no coração de Passeig de Gràcia e é incrível, desde o conforto dos quartos até ao pequeno-almoço buffet.
  • Bcn Luxury Apartments (a partir de 521€/noite para 10 pessoas). Provavelmente a melhor opção se estiver a viajar para Barcelona num grande grupo de 10 pessoas é desfrutar deste apartamento com 5 quartos e, o melhor de tudo, aquela piscina no telhado.
Se for um grupo grande, os Bcn Luxury Apartments ficam a 52 euros/pessoa para 10 pessoas, aprox.. Foto de Booking

Se nenhuma destas opções o convencer, neste link encontrará uma lista de vários tipos de alojamento (e de todos os preços) perto da Casa Batlló em Barcelona.

Onde comer perto da Casa Batlló em Barcelona

Neste caso, recomendamos-lhe que faça o mesmo que nós: atravesse o Passeig de Gràcia desde a Dreta de l’Eixample até ao bairro de Gràcia para encontrar mais opções que se enquadrem no seu orçamento (e para fugir dos franchisings multinacionais). Mais especificamente nesta zona, recomendamos:

  • La Pepita (a 13 minutos a pé da Casa Batlló): uma das maiores surpresas gastronómicas que tivemos na nossa última viagem a Barcelona. Foi-nos recomendado pelo nosso amigo Marcelo (em quem temos de confiar para as dicas gastronómicas) e, embora a tapa de anchova com doce de leite tenha sido a top do Chris pela originalidade, a verdade é que nos dá a sensação de que qualquer coisa que tivéssemos pedido do menu teria sido saborosa. Claro que a sua fama se espalhou rapidamente e, se não reservar com antecedência, é provável que tenha de esperar numa longa fila para a experimentar. Talvez por isso tenham aberto o Mini Pepita ao lado, duas portas abaixo na mesma rua, com o mesmo menu mas num sítio mais pequeno.
  • Can Punyetes (a 15 minutos a pé da Casa Batlló): Este não é um sítio único, pois existem outros três em Barcelona (e dois em Madrid), mas é altamente recomendado. Está situado no coração do bairro de Gràcia e é ideal para degustar a cozinha catalã, como os famosos calçots (quando é época deles), a famosa butifarra e, claro, umas boas torrades amb tomáquet com diferentes guarnições como por exemplo, a truta.
  • La Pubilla (18 minutos a pé da Casa Batlló): Também um restaurante de cozinha catalã, com menus diários e se for almoçar, tem pratos deliciosos.
Se puder, reserve La Pepita antes ou depois da sua visita à Casa Batlló e não se arrependerá.

De que está à espera para descobrir a obra-prima de Gaudí e reservar a sua imersão modernista? Reserve os seus bilhetes aqui!

Casa Batlló, uma das visitas de que mais gostámos e onde mais aprendemos em Barcelona.

Todas as fotografias e conteúdos são da autoria do Randomtrip (exceto aqueles que expressam claramente a sua fonte) e têm todos os direitos reservados.

Disclaimer: este guia contém links de afiliados e, ao usá-los, estará a dar uma pequena comissão ao Randomtrip. A si não lhe custa nada, por vezes até ganha um desconto, mas a nós motiva-nos para continuar a criar guias gratuitos tão completos como o que acabou de ler.

Gostou do nosso guia? Pode poupar e apoiar o nosso trabalho!

Se o nosso guia foi uma boa ajuda para a sua viagem, pode apoiar este projeto e poupar nas suas reservas usando os seguintes links:

  • 5% de desconto no seu seguro de viagens com a IATI
  • Até 15% de desconto na Booking.com
  • Alugue um carro ao melhor preço com DiscoverCars
  • Reserve os seus tours com antecedência e não fique sem lugar com a Civitatis
  • Encontre voos baratos no Skyscanner e na Kiwi
  • Não fique sem internet na sua viagem com os cartões SIM da Holafly até 5% de desconto (usando o código RANDOMTRIP)
  • Faça os cartões Revolut e N26, com os quais pode levantar dinheiro sem comissões em multibancos de todo o mundo

Para além disso, se quiser contribuir para a nossa criação de guias de viagem completos e gratuitos como este, existe outra forma de apoiar o nosso projeto: pode fazer um donativo (com Paypal ou cartão) e convidar-nos a um pequeno-almoço (5€), uma refeição de street food (10€) ou um jantar no destino que estamos a explorar (20€) que depois recomendaremos no guia do destino. Ou pode também fazer um donativo pelo valor que desejar. Mais info aqui

Muito obrigada pelo seu apoio, Randomtripper! Vemo-nos pelo Mundo!

5/5 - (9 votes)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *