Considerada a capital intercultural de Chiapas e uma das mais belas cidades do México, San Cristóbal de las Casas (SanCris, como lhe chamam quando ganha alguma confiança) foi um dos primeiros locais a ser declarado Pueblo Mágico no país, e é um excelente ponto de partida para conhecer Chiapas. Para além de explorar os pontos turísticos interessantes e curiosos da cidade, pode também explorar várias partes da região de Chiapas em excursões de um dia, desde a sua natureza biodiversa até às aldeias das comunidades descendentes de maias, com os seus próprios costumes e línguas.

Randomtrip em modo catrina e catrino para as celebrações do Día de Muertos em San Cristobal de las Casas (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Neste guia tentamos refletir tudo o que pode visitar em San Cristóbal de las Casas e arredores, com roteiros específicos para um dia, um fim de semana ou até 7 dias, sugestões práticas, onde ficar e até onde comer para tornar a sua viagem tão especial como foi a nossa.

Conteúdos

Informação prática para visitar San Cristóbal de las Casas

Moeda: MXN ($) Peso mexicano (1 euro equivale a cerca de 20 pesos)

Língua oficial: espanhol

População: 215.874 (em 2020)

Clima: Existem duas estações principais (seca e chuvosa), sendo o ideal a estação seca (novembro a abril) e a melhor de fevereiro a abril. Existem também festividades interessantes com as quais pode fazer coincidir a sua viagem. Falar-lhe-emos mais sobre quando ir a San Cristóbal de Las Casas nesta secção do blogue.

Alojamento: O local ideal para ficar é no centro de San Cristobal, perto do Andador Guadalupano. Falar-lhe-emos mais sobre onde ficar em San Cristobal nesta secção do blogue.

Duração: Mínimo de 3 dias para San Cristóbal e seus arredores, embora na nossa opinião 7 dias (uma semana) seja o ideal. Nesta secção partilhamos roteiros específicos para o ajudar a organizar a sua viagem.

Como chegar: Se quiser chegar a San Cristóbal a partir de outras partes do México, o aeroporto mais próximo é o de Tuxtla Gutierrez. Se vier de fora do México, como por exemplo de Portugal, deve saber que não existem voos internacionais diretos para Chiapas (a região onde se situa San Cristóbal), pelo que terá sempre de voar primeiro para o México (para Cidade do México, Cancún, Guadalajara, Tijuana ou Mérida) e depois apanhar um voo doméstico para Tuxtla Gutierrez, o aeroporto mais próximo de San Cristóbal. Do aeroporto de Tuxtla, apanhará uma combi (carrinha partilhada) para San Cristóbal de las Casas, que demora cerca de 1:30h (mais informações sobre tudo isto aqui). Para encontrar os melhores preços de voos, recomendamos que utilize sites de comparação de voos como o Skyscanner e o Kiwi e que seja flexível com as suas datas. Iremos dizer-lhe mais sobre como chegar a San Cristóbal de las Casas nesta secção do guia.

Visto: Com o passaporte português não precisa de pedir visto. À chegada, bastará apresentar o seu passaporte com uma validade mínima de 6 meses e, dependendo da data de partida, ser-lhe-ão concedidos até 180 dias.

Transporte: A melhor opção é deslocar-se a pé pelo centro da cidade de San Cristóbal de las Casas e contratar excursões para explorar os arredores. Também tem a opção de alugar um carro para se deslocar livremente, embora quando lá estivemos esta opção não fosse recomendada devido às zonas de conflito em algumas partes do estado e aos postos de controlo da polícia. Mais informações sobre como se deslocar em San Cristóbal nesta secção do blogue.

Como obter Internet: Se vai apenas por alguns dias, o seu telemóvel suporta eSIM e não quer complicar as coisas, recomendamos o eSIM da Holafly (dados ilimitados, 5% de desconto com o código RANDOMTRIP). Caso contrário, a forma mais económica é obter um SIM local (recomendamos a Telcel), embora em Chiapas a rede móvel não seja muito boa e seja instável. Se quiser poupar dinheiro neste aspeto, a maioria dos alojamentos, cafés e restaurantes têm Wifi que normalmente funciona bem. Para mais informações, clique aqui

Orçamento diário: A partir de 50€/dia por pessoa (aprox.) para uma viagem de fim de semana, excluindo os voos para o México. Mais informações sobre o orçamento aqui.

Fuso horário: GMT -6 UTC. Lembre-se que no México existem 4 fusos horários diferentes, dependendo do local onde se encontra, e no Estado de Chiapas são menos 7 horas do que em Portugal Continental no inverno, e menos 8 horas do que em Portugal Continental no verão (no estado de Chiapas não ha mudança de hora, em Portugal sim)

Chiapanecas prontas para participar no desfile de Catrinas e Catrinos durante as celebrações do Día de Muertos em San Cristóbal de las Casas (Fotografia de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Quando ir a San Cristóbal de las Casas

Na nossa opinião, San Cristobal é um destino melhor visitado durante a estação seca (novembro a abril), pois no resto do ano chove muito, o que complica e/ou diminui a beleza de algumas das zonas naturais, próximas. Se puder escolher, é geralmente melhor visitar de fevereiro a abril, uma vez que de novembro a janeiro, dependendo do ano, ainda há alguma chuva (no nosso caso, estivemos lá no início de novembro, durante as celebrações do Día de Muertos).

O quiosque no zócalo de San Cristóbal de las Casas (na Plaza 31 de Marzo), vestido para as celebrações do Día de Muertos (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Clima

San Cristóbal de las Casas está a 2200 metros de altitude, pelo que o clima é mais fresco e, na estação seca (que coincide com o inverno e a primavera), faz bastante frio à noite (temperaturas mínimas de 6-7º).

Eis um quadro recapitulativo do tempo em San Cristóbal de las Casas para lhe dar uma ideia:

Tabela do clima em San Cristóbal de las Casas, com temperaturas e dias de chuva por mês:

MêsTemperatura mínimaTemperatura máximaDias de chuva
janeiro17º6
fevereiro19º5
março21º5
abril10º23º6
maio11º22º14
junho11º21º23
julho10º21º22
agosto11º21º23
setembro11º20º24
outubro10º19º16
novembro18º8
dezembro17º6
MêsTemperatura mínimaTemperatura máximaDias de chuva
Tabela resumo do tempo em San Cristóbal de las Casas por mês
Cascatas de El Chiflón, uma das maravilhas da natureza Chipaneca para visitar nos arredores de San Cristóbal de las Casas (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Procura turística

As alturas de maior procura turística (e, por conseguinte, quando encontrará mais pessoas, filas mais longas, preços mais caros e mais dificuldades para chegar aos restaurantes ou locais mais famosos) são:

  • Natal (fim de dezembro/início de janeiro)
  • Páscoa (março/abril)
  • Feriados (novembro, dezembro)

Por isso, recomendamos que evite estas datas se quiser desfrutar da cidade a um ritmo mais calmo e com melhores preços de alojamento.

Andador del Carmen, San Cristóbal de las Casas (Fotografia de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Festas importantes em San Cristóbal de las Casas

Se quiser estar em Chiapas para as maiores festividades do ano, não perca esta oportunidade:

  • Festa Grande de Chiapa de Corzo: entre 4 e 23 de janeiro
  • Fundação da cidade de San Cristóbal: 31 de março
  • Feira da primavera e da Paz: durante o mês de abril, para celebrar a chegada da primavera
  • Festa de São Cristóvão: de 16 a 25 de julho
  • Festival Internacional do Barroco de Cervantes: no final de outubro, durante uma semana, San Cristóbal transborda de eventos culturais nos seus centros culturais, teatros e vários espaços públicos com programas de dança, concertos, arte e teatro de rua.
  • Celebrações do Día de Muertos: 31 de outubro, 1 e 2 de novembro: tanto na cidade de San Cristóbal (desfile de catrinas e catrinos) como nas aldeias indígenas circundantes (Romerillo, Zinacantán e San Juan Chamula).

Além disso, tenha em conta que há festas nacionais, de âmbito nacional, que também são celebradas em San Cristóbal:

  • Páscoa: entre o final de março e o início de abril, consoante o ano.
  • Dia da Virgem de Guadalupe: de 1 a 12 de dezembro.
  • Día de Muertos: 30 e 31 de outubro, 1 e 2 de novembro
  • Natal e Ano Novo: de 24 a 31 de dezembro
Desfile do Día de Muertos a 31 de outubro em San Cristóbal de las Casas (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Resumo: melhores meses para visitar San Cristóbal de las Casas

Com base no que precede, se procura visitar San Cristobal com menos multidões, bom tempo e preços razoáveis, os melhores meses são normalmente de novembro a abril, embora tenha em conta que é mais fresco na cidade devido à sua altitude. Se puder escolher, os melhores meses são normalmente fevereiro, março e abril (evitando a semana da Páscoa), com melhores temperaturas, menos chuva e ideais para nadar nos rios e cascatas (menos caudal e mais zonas balneares) e águas mais azuis.

Mural sobre San Cristóbal de las Casas no Centro Cultural el Carmen (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Como chegar a San Cristóbal de las Casas

Se quiser chegar a San Cristóbal de las Casas a partir de outras partes do México, o aeroporto mais próximo é o de Tuxtla Gutierrez. Se vier de fora do México, como de Portugal, deve saber que não há voos internacionais diretos para Chiapas (a região onde se situa San Cristóbal), pelo que terá sempre de voar para o México (para a Cidade do México, Cancún, Guadalajara, Tijuana ou Mérida) e depois apanhar um voo doméstico para Tuxtla Gutierrez, a capital de Chiapas, onde há voos diários da Cidade do México, Guadalajara, Tijuana, Mérida ou Cancún (de onde nós voamos). Recomendamos que utilize comparadores de voos como o Skyscanner e o Kiwi e que seja flexível quanto às datas.

Como ir do aeroporto de Tuxtla Gutierrez para San Cristóbal de las Casas

Do aeroporto de Tuxtla Gutierrez, partem coletivos (carrinhas partilhadas), quando cheios, diretamente para San Cristobal, por 240 pesos. A viagem dura cerca de 1h30 até à terminal de autocarros em San Cristóbal (dependendo da empresa de autocarros pode ser noutro ponto da cidade), onde os táxis estarão à espera para o levar ao seu alojamento (50 pesos por táxi). Também pode apanhar um táxi diretamente do aeroporto para o seu alojamento (o preço é de cerca de 1000 pesos, mas se conseguir juntar 4 pessoas é mais económico).

RandomTIP: Se puder escolher, fique do lado direito do avião para Tuxtla, pois pode ver os vulcões Popocatepetl e Iztaccihuatl da janela.

Também pode chegar a San Cristóbal de las Casas de autocarro (ADO):

  • De Oaxaca (autocarro noturno), demora cerca de 11-12h.
  • A partir de Palenque (autocarro diurno ou noturno), demora cerca de 9 horas. Há também a opção de excursões a partir de Palenque que fazem algumas paragens e seguem por uma estrada pior mas mais direta (a ADO faz uma grande curva para evitar essa estrada).
O primeiro vislumbre do impressionante Cañón de Sumidero foi da janela do autocarro no caminho de Tuxtla Gutiérrez para San Cristóbal de las Casas. Ainda assim, não estávamos à espera da paisagem impressionante que desfrutaríamos dias mais tarde (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Preciso de um visto para viajar para o México?

Não, com o passaporte português não precisa de visto. Mas lembre-se que o passaporte deve ter uma validade mínima de 6 meses.

Quantos dias passar em San Cristóbal de las Casas

Diríamos que o mínimo para visitar San Cristóbal e os seus arredores é de 3 dias (para dedicar 1 dia ao Cañón del Sumidero, 1 dia às aldeias indígenas e outro dia para desfrutar de San Cristóbal), embora se puder dedicar uma semana, não se arrependerá. Para toda a zona de Chiapas, recomendamos-lhe pelo menos 10 dias, idealmente 2 semanas.

Não se preocupe, Randomtripper. Temos roteiros e sugestões para que possa desfrutar de San Cristóbal desde um fim de semana até mais de uma semana. Aqui vamos nós! (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

O que visitar e fazer em San Cristóbal de las Casas

Antes de mencionar todos os locais de interesse a visitar em San Cristóbal de las Casas com informações específicas sobre cada local, deixamos-lhe o mapa que criámos com todos estes locais e uma introdução que consideramos importante antes de iniciar a viagem.

Mapa de San Cristóbal de las Casas

Aqui estão os locais a visitar recomendados neste guia num mapa do Google Maps que pode levar consigo no seu smartphone para usar durante a sua viagem (o mapa está centrado no centro de San Cristóbal, mas se fizer zoom out também inclui planos próximos que pode fazer em excursões de um dia ou por conta própria).

Breve história e curiosidades de San Cristóbal de las Casas: uma introdução antes de começar a desvendar a cidade

Antes da colonização espanhola, mais concretamente, antes de Diego de Mazariegos, um capitão espanhol, fundar a cidade como Villareal em 1528, já existia um núcleo de população indígena neste vale. O vale era inicialmente conhecido como Valle de Jovel e mais tarde, com a chegada dos Toltecas no século XI, como a cidade de Hueyzacatlán, que significa “Onde a erva cresce alta”.

Andador de Guadalupe. (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Depois do nome Villareal com que os colonos a fundaram no século XVI, a cidade teve vários nomes ao longo dos séculos: Villaviciosa, em homenagem à cidade asturiana, San Cristóbal de los Llanos ou Ciudad Real de Chiapas. O nome que conhecemos hoje deriva do apelido de Frei Bartolomé de las Casas, bispo de Chiapas, que ganhou o respeito de grande parte da população indígena nas primeiras décadas da colonização espanhola ao defender os seus direitos.

Os colonos espanhóis que tomaram as terras (e, em muitos casos, as vidas) dos povos nativos justificaram o massacre da população indígena como uma ação feita a “seres sem alma” e, como conta a história, Frei Bartolomé conseguiu “salvar” parte da população da morte contrariando este conceito (embora através de uma evangelização forçada) e, sendo o único a mediar com os colonos, demonstrando bravura, uma vez que também ele poderia ter sido morto pelas suas ações.

Catedral e Cruz Atrial, Plaza de la Paz, San Cristóbal de las Casas (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Foi assim que a cidade passou a ostentar o sobrenome de Frei Bartolomé em 1548 e que, em 1551, o religioso foi nomeado “procurador dos índios”, com a missão de transmitir as queixas da população indígena às autoridades. Além de ostentar o seu sobrenome, a cidade homenageia-o com um monumento que pode ser visto próximo do Mercado de Doces e Artesanato.

Monumento a Frei Bartolomé de las Casas em San Cristóbal de las Casas (Foto de Randomtrip – Todos os direitos reservados).

San Cristóbal de las Casas foi a capital de Chiapas de 1824 a 1892 (atualmente a capital é Tuxtla Gutiérrez, onde aterrou o nosso voo de Cancún) e situa-se a uma altitude de 2.300 metros acima do nível do mar, rodeada por florestas e aldeias onde vivem várias comunidades indígenas de origem maia. A riqueza cultural do estado de Chiapas advém precisamente do facto de ser o estado onde vive o maior número de indígenas com os seus próprios costumes e onde se falam línguas pré-hispânicas, línguas maias (com estrutura sintática e vocabulário próprios, e não dialetos) como o Tzotzil e o Tzetzal na sua maioria, mas também o Chol, o Zoque e, infelizmente em vias de desaparecimento, as línguas maias Mochó (ou Motozintleco), Cakchiquel, Quiché, Jacalteco, Lacandón e Tojolabal.

Comunidade tzotzil de Zinacantán (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

O nome de Chiapas e, mais especificamente, de San Cristóbal, foi trazido à atenção internacional pelo Movimento Zapatista na década de 1990. Foi precisamente na cidade de San Cristóbal de las Casas, que se deu a primeira rebelião pública do EZLN (Exército Zapatista de Libertação Nacional), a 1 de janeiro de 1994. O EZLN deslocou-se da selva lacandona para ocupar a cidade e outras localidades estratégicas na sua luta por uma vida mais digna.

Não se pode falar de Chiapas sem falar do Movimento Zapatista (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

San Cristóbal de las Casas e Chiapas saltaram do anonimato para a ribalta mundial na sua luta pela sobrevivência e por condições de vida dignas, atraindo o apoio de uma grande parte da sociedade civil internacional. A luta pela autonomia e autogestão dos povos separatistas zapatistas face à negligência e esquecimento do governo mexicano em relação a estas comunidades e ao assédio e abuso das forças paramilitares foi visível nos telejornais e jornais de todo o mundo (embora, como sempre, nuns mais do que noutros).

A Comandanta Ramona (uma revolucionária indígena Tzotzil) e o Subcomandante Insurgente Marcos, porta-vozes do EZLN, ficaram conhecidos mundialmente como figuras públicas de um movimento histórico que marcou (e continua a marcar) Chiapas e que culminou com a criação de “Los Caracoles, centros autogestionados de Buen Gobierno”. Infelizmente, porém, as desigualdades, a segregação, o abandono e o esquecimento das comunidades indígenas de Chiapas persistem até aos dias de hoje.

Street art com Emiliano Zapata, subindo ao Templo de San Cristobalito (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Esta desigualdade é, de resto, bem visível na cidade de San Cristóbal de las Casas e nos seus arredores. Na cidade, a segregação é demarcada por ruas e a “brancura” (que vai muito para além da cor da pele e deve ter em conta outras variáveis, como a classe) continua a manifestar-se atualmente. Basta comparar o andador del Carmen (que liga o zócalo ao Arco del Carmen) da cidade, onde se situa a casa do “fundador” Diego de Mazariegos e onde se concentram os negócios e as propriedades das famílias com maior poder de compra, com o andador de Santo Domingo (que liga o zócalo à igreja de Santo Domingo), onde há uma maior concentração de população indígena e de mercados, porque lhes foi “permitido” (e é permitido) viver ali.

A zona em torno da cidade de San Cristóbal de las Casas, onde vivem várias comunidades, é conhecida como a “cintura da miséria“, uma vez que muitos indígenas se deslocaram para lá vindos de outras zonas, fugindo de conflitos político-religiosos internos e vivendo em condições precárias.

Hoje, a cidade está a viver (como tantas outras no país e no mundo) um novo tipo de colonização – aquilo a que nós, no Randomtrip, gostamos de chamar“coolonização” (se gostar do termo, não se esqueça de mencionar a fonte) – uma vez que San Cristóbal atraiu muitos estrangeiros com uma elevada taxa de “brancura” e a gentrificação tomou conta do lugar. Isto significa que a cidade está a tornar-se impossível para os habitantes locais viverem, com o aumento dos preços, e que os locais que durante as primeiras décadas do colonialismo eram sítios espanhóis, como casas e palácios, são agora, em grande parte, locais comerciais gentrificados (é aqui que entra, em parte, a controvérsia dos “Pueblos “Pueblos Mágicos” (que já são 177 no México em dezembro de 2023), uma iniciativa governamental para valorizar e proteger o património cultural destas cidades, mas que também aumenta o turismo, gerando gentrificação e inflação de preços, prejudicando assim parte da população). Entretanto, uma grande parte da população local trabalha em condições precárias e inseguras.

San Cristóbal de las Casas, uma cidade coolonizada (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Esta breve e superficial introdução a uma questão tão complexa como a transformação da dinâmica social de San Cristóbal de las Casas, em particular, e de Chiapas, em geral, ao longo da história, parece-nos indispensável antes de entrar na cidade. Uma cidade, e uma região, tão rica culturalmente, com uma história recente (e não tão recente) de esquecimento e abandono das suas gentes, com tantas nuances e variáveis, que consideramos essencial ter, pelo menos, uma base para começar a desvendar, a partir da curiosidade e do respeito, a cidade e os seus arredores de San Cristóbal de las Casas e quem a habita.

O que visitar e fazer no centro de San Cristóbal de las Casas

Seguem-se os pontos que consideramos interessantes para incluir numa visita ao centro de San Cristóbal, facilmente acessível a pé.

Plaza de la Paz e Catedral de San Cristóbal Mártir

O coração de San Cristóbal é a Plaza de la Paz, a sua praça principal, onde a protagonista é a Catedral de San Cristóbal Mártir, de estilo mudéjar chiapano, do século XVI, cuja fachada amarela e amarelo-pastel avermelhado (que representa a identidade das comunidades) ganha uma cor particularmente intensa ao pôr do sol.

Catedral de São Cristóvão Mártir na Plaza de la Paz (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

A catedral sofreu vários danos no terramoto que abalou Chiapas em setembro de 2017, pelo que esteve fechada durante vários anos para obras, reabrindo ao público em 2022 para que o seu interior, com os seus valiosos retábulos barrocos, pudesse ser apreciado. Agora está novamente fechada ao público (pelo menos estava fechada quando visitámos a cidade), aparentemente devido ao roubo do património que se encontra no seu interior.

Também na praça está a Cruz Atrial, mesmo em frente à catedral. As cruzes atriais são características dos antigos territórios coloniais espanhóis, como San Cristóbal de las Casas. Como a população local (indígena) estava habituada ao culto ao ar livre, os missionários reservaram uma grande área em frente à igreja para reunir a população que estavam a evangelizar enquanto a igreja não estava construída. Quando a igreja ficou pronta, realizavam-se procissões e outras atividades nos átrios.

A Catedral e a Cruz Atrial (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Curiosidade: No México, o átrio foi uma solução arquitetónica única para as necessidades da evangelização a partir de 1521. Dado o elevado número de indígenas a evangelizar, os frades utilizavam o espaço do átrio como prolongamento da nave da igreja, utilizando capelas abertas no átrio.

É nesta praça que se realizam as manifestações que têm lugar na cidade, como, por exemplo, a manifestação feminista que tem lugar todos os dias 8 de março.

Todas as noites, na Plaza de la Paz, é montado um mercado com várias bancas, na sua maioria geridas por mulheres Tzotzil, onde pode comprar artesanato e alguns alimentos e bebidas.

Lado da catedral (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Foi precisamente nesta praça que começou o passeio gratuito que fizemos e aprendemos muito com a Corina. Lembre-se de que, embora não haja um preço fixo e possa deixar o que quiser, o trabalho da guia merece pelo menos 100 pesos por pessoa no final do passeio.

Zócalo: Plaza 31 de Marzo (Parque Central)

Na Plaza 31 de Marzo, a principal atração é o seu quiosque, que se enche de música ao vivo aos fins-de-semana, especialmente a marimba chiapaneca, que é acompanhada na dança por aqueles que estão dispostos a isso (quando lá fomos, vários casais mais velhos e menos velhos estavam a dançar).

Quiosque na Plaza 31 de Marzo vestido a rigor para as celebrações do Día de Muertos (Fotografia de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Esta praça é onde se realizam as festas da cidade e, como estávamos em San Cristóbal para as celebrações do Día de Muertos (oficialmente a 1 e 2 de novembro, mas com as celebrações a começarem a 31 de outubro), o quiosque estava vestido para a ocasião e foi nesta praça que a maioria de nós esperou pelo desfile de catrinas e catrinos que partia da igreja de Guadalupe e terminava aqui.

Uma caveira coberta com a flor cempasúchil (a flor que guia as almas de volta para casa), a principal flor da decoração do Día de Muertos na Plaza 31 de Marzo. (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados.)

É também nesta praça que se encontra o Palácio do Governo, que alberga o MUSAC (Museu de San Cristóbal) onde vimos uma exposição muito interessante sobre as comunidades que vivem no município de San Juan Chamula. Contamos-lhe mais sobre a nossa visita a estas aldeias na secção do guia Comunidades Indígenas de San Juan Chamula.

Saindo do Musac para a Plaza 31 de Marzo. (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

A partir daqui, começam os três principais andadores (ruas pedonais) da cidade, que são descritos abaixo: Andador de Guadalupe, Andador del Carmen e Andador de Santo Domingo.

Andadores de San Cristóbal

Antes de mais, pode estar a perguntar-se o que é um andador. Um andador em San Cristobal é uma rua pedonal repleta de bares, lojas, restaurantes, cafés, agências de turismo e alojamento.

Os três principais são o Andador de Guadalupe (Calle Real de Guadalupe), o Andador del Carmen (Calle Miguel Hidalgo) e o Andador de Santo Domingo (Avenida 20 de Noviembre) e todos se ligam ao Zócalo com um monumento com o mesmo nome do andador.

Andador de Guadalupe (Calle Real de Guadalupe) e Igreja de Guadalupe

O Andador de Guadalupe ou andador guadalupano liga o Zócalo à Igreja de Nossa Senhora de Guadalupe, onde recomendamos que suba os 80 degraus para desfrutar das vistas da cidade. Os horários para entrar na Igreja de Guadalupe são de segunda a domingo: das 9:00h às 13:30h e das 16:00h às 02:00h.

O Andador de Guadalupe com a Igreja de Guadalupe ao fundo (Fotos de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

É uma das ruas da cidade com maior concentração de lojas, agências de viagens, restaurantes, bares e cafés em coloridos edifícios coloniais, o que lhe confere um encanto especial. É uma rua que muda do dia para a noite, com noites animadas em locais como a Mezcalería La Surreal ou La Viña de Baco.

Andador de Guadalupe ao anoitecer com a Igreja de Guadalupe ao fundo (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Há vários sítios interessantes para visitar nesta rua. É precisamente neste passeio que encontra o Kinoki, um centro de cinema independente com um cartaz semanal de temática zapatista (entrada a 50 pesos, que inclui pipocas), que também tem um terraço onde pode tomar uma bebida e apreciar a vista (entra-se pela rua perpendicular Belisario Dominguez).

No Randomtrip assistimos ao documentário “Zapatistas: Crónica de uma Rebelião“, uma crónica de 10 anos do Movimento Zapatista desde antes da rebelião pública do EZLN a 1 de janeiro de 1994 em San Cristóbal de las Casas até à criação dos Centros de Bom Governo autogeridos, Los Caracoles, em 2003. Este documentário, que fala do ponto de vista dos povos indígenas que têm sido oprimidos, esquecidos e ignorados pelo governo mexicano ao longo dos tempos, parece-nos ser um bom resumo para compreender as particularidades de San Cristóbal em particular e de Chiapas em geral.

Também neste passeio se encontra a galeria de arte Arteria Chiapas e a loja Espabilo, que adorámos com ilustrações de artistas locais, t-shirts e acessórios (também fazem flash tattoos aqui, se estiver interessado). No final da rua, a meio caminho das escadas que levam à Igreja de Guadalupe, encontra o bar La Charcu, ideal para ver a cidade e beber uma cerveja ao pôr do sol.

Andador del Carmen (Rua Miguel Hidalgo) e Arco del Carmen

O Andador del Carmen faz a ligação com o Arco del Carmen, um arco de 1677 de estilo mudéjar de Chiapas com o brasão da coroa espanhola da época. Na época colonial, este arco pertencia ao convento anexo das freiras da Encarnación e servia de porta de entrada para a Cidade Real. Diz-se que quem passa por baixo do arco fica para sempre em San Cristóbal, por isso saiba….

Andador del Carmen e o Arco del Carmen (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Neste passeio encontra-se a casa de Diego de Mazariegos, fundador de San Cristóbal de las Casas, num edifício colonial em que pode (e deve) entrar, pois costumam ter um mercado com várias bancas de artesanato e produtos típicos da região, como o chocolate e o licor de pox.

Casa de Diego Mazariegos (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Uma curiosidade: as telhas, embora tenham uma função térmica e de canalização das águas pluviais, tornaram-se um símbolo de pobreza durante a colonização e por isso foram disfarçadas, cobertas com a fachada para não serem vistas da rua, embora continuassem por detrás dela. O mesmo acontece na Casa de Diego de Mazariegos, por isso preste atenção a este pormenor. As “telhas ocultas” são também visíveis em vários dos edifícios do andador Guadalupano.

Vê como no edifício roxo os azulejos ainda estão por detrás do “embelezamento”? (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados.)

Ao lado, na mesma rua, fica o centro cultural, loja e café Kikimundo. O Kikimundo foi o primeiro centro cultural da cidade, fundado em 1979 por Kiki Suarez, uma psicoterapeuta e artista alemã que se apaixonou por San Cristóbal e viveu aqui desde os anos 70. O centro tem arte, artesanato, jóias e pequenos detalhes que despertam a nossa veia consumista para levar para casa como lembranças de bonitos que são.

Loja Kinoki (Fotografia de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Se reparar no tipo de casas e lojas deste passeio, verá algumas diferenças em relação às ruas circundantes, pois era aqui que viviam os colonos, as pessoas mais “brancas” e com maior poder de compra. Hoje em dia, esta segregação ainda existe e a verdade é que não verá tantos indígenas por aqui, como lhe dissemos na introdução à História e Curiosidades de San Cristóbal de las Casas.

No final do passeio, depois do Arco del Carmen, encontra-se o Centro Cultural del Carmen, um refúgio de paz com um jardim que reflete a preocupação com o ambiente e a consciência da polinização, uma vez que as flores foram plantadas a pensar nos animais que as vão polinizar. O tipo de construção do centro cultural, um antigo edifício colonial, é feito de adobe que cumpre uma função térmica e anti-sísmica (sendo esta uma zona sísmica e com muito movimento, o impacto é menor neste tipo de construção). Existe também um poço de água que servia a família que aqui vivia.

Centro Cultural del Carmen (Fotografia de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Quando fomos, o Centro Cultural el Carmen estava a acolher uma interessante exposição fotográfica intitulada “Memórias de Orgulho e Dissidência“, com trabalhos de seis artistas e ativistas que documentaram ações de visibilidade da população LGTBIQAP+ e pessoas aliadas desde 2016, as marchas do Orgulho que tiveram lugar entre 2017 e 2023 e outras atividades para tornar visível a exigência de direitos, justiça, respeito e reconhecimento na cidade de San Cristóbal de las Casas. Muito interessante. Quando for à cidade passe por lá para ver a exposição que têm nesse momento.

Exposição fotográfica “Memórias de orgulho e dissidência” no Centro Cultural El Carmen.
Andador de Santo Domingo (Av. 20 de Noviembre) e Igreja de Santo Domingo de Guzmán

O andador de Santo Domingo faz a ligação com a Igreja de Santo Domingo Guzman. Datada do século XVI, esta igreja de madeira entalhada coberta de folha de ouro é uma das expressões máximas do barroco colonial em Chiapas. Vale a pena parar na sua fachada de altos-relevos e baixos-relevos que refletem o sincretismo religioso, ou seja, a fusão da religião cristã com as religiões pré-hispânicas.

A congregação que geria estas igrejas era a dos dominicanos, um pouco mais amigável com a população (ao contrário da congregação franciscana, por exemplo), pelo que a sua intenção era (pelo menos) fazer com que os povos nativos que evangelizavam se sentissem parte da igreja, razão pela qual, apesar do estilo barroco, existem elementos que fazem referência a estes povos, como o milho, a cobra ou o jaguar, animal sagrado na cultura maia.

Existem 18 igrejas em San Cristóbal e cada igreja tem as suas próprias festas e costumes. As comunidades investem muito tempo nas suas festas paroquiais. Em cada festa, são montados palcos com música ao vivo, pirotecnia e algumas podem durar até 2 semanas. Por isso, se ouvir pirotecnia na cidade com regularidade, sabe que se trata de uma festa, porque a probabilidade de haver uma festa é muito elevada.

No antigo convento de Santo Domingo encontrará o Centro de Têxteis do Mundo Maia (piso superior) e o Museu das Terras Altas de Chiapas (piso térreo). No primeiro encontrará uma ampla e completa exposição sobre os têxteis maias das comunidades Tojolabales, Choles, Tzeltales e Tzotziles de Chiapas; os Quichés, Ixchiles, Cakchiqueles, Mames e Kekchíes da Guatemala. São mais de 2500 peças que nos ajudam a compreender a sua criação, origem, técnicas e quem as faz hoje em dia (spoiler: vimo-las a serem feitas ao vivo pelas mulheres Tzotzil da comunidade de Zinacantán, de que lhe falamos na secção Comunidades Indígenas de San Juan Chamula). No segundo, no rés do chão, pode conhecer a história da cidade através de uma visita guiada a várias peças pré-hispânicas. A entrada é gratuita e estão abertos todos os dias (exceto às segundas-feiras) das 9:00h às 18:00h.

Centro têxtil do mundo Maia. Fonte: VisitChiapas.com

Junto à igreja de Santo Domingo há um mercado de artesanato que abre as suas bancas diariamente (e com melhores preços do que as lojas físicas na rua) onde pode encontrar o famoso âmbar de Chiapas (mesmo em colares e pulseiras) e jade (há um museu na cidade dedicado ao material mais valioso para os povos nativos).

Âmbar de Chiapas. Fonte: MuseodelAmbar.com

Mencionámos anteriormente que a segregação em San Cristóbal é visível entre os andadores, e se compararmos este andador com o andador del Carmen, de que falámos anteriormente, a diferença de quem ocupa os edifícios e as ruas é notória. Aqui vêem-se muito mais indígenas, mais bancas de mercado e mais artesanato.

Andador de Santo Domingo (Fotografia de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Nesta rua encontrará o Café Bar La Revolución com música ao vivo e salsa às terças-feiras. É também no final do passeio de Santo Domingo onde encontrará as combis (carrinhas partilhadas) para ir a San Juan Chamula e Zinacantán, caso queira fazê-lo por conta própria, embora neste caso, no Randomtrip, tenhamos feito uma excursão de meio dia de que gostámos muito. Falamos-lhe disso na secção Comunidades Indígenas de San Juan Chamula.

Mercados de San Cristóbal

Se há algo que gostamos de fazer quando visitamos um local, é explorar os seus mercados. Os cheiros, as cores e os sabores que percebemos quando entramos num mercado, com a sua banda sonora particular, observando a sua dinâmica e provando os seus produtos parecem-nos essenciais para conhecer mais de perto os traços culturais de um destino. Aqui ficam três mercados de San Cristóbal que merecem uma visita.

Mercado de Dulces y Artesanías (Mercado de Doces e de Artesanato)

No Mercado de Dulces y Artesanías (Mercado de Doces e Artesanato), como o nome sugere, neste mercado pode comprar e provar doces típicos de Chiapas, bem como t-shirts, vestidos, artesanato e outros trabalhos manuais (no Randomtrip comprámos um pequeno Zapatista, algo que é difícil de encontrar noutras partes do México).

Mercado de Doces e Artesanato (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Fora do mercado há várias bancas onde pode provar boa comida tradicional, embora o Randomtrip recomende os melhores tacos de cochinita que provámos em toda a San Cristóbal, na taqueria El Charrito, nas proximidades.

É precisamente em frente a este mercado que encontrará o parque e o monumento que presta homenagem a Frei Bartolomé de las Casas, bispo de Chiapas, que deu o nome à cidade pela sua defesa da população indígena nas primeiras décadas da colonização espanhola. Contar-lhe-emos mais em História e Curiosidades de San Cristóbal de las Casas.

Monumento a Fray Bartolomé de las Casas (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Se quiser ir ao Cañón del Sumidero por conta própria, aqui está a paragem da OCC onde pode apanhar a combi para ir por conta própria, embora o preço seja semelhante ao das excursões que vão ao Cañón del Sumidero e, tenha em conta que dessa forma não chegará aos miradouros. Explicamos-lhe melhor aqui

Mercado de Santo Domingo

Na Plaza de Santo Domingo, antes de chegar à igreja com o mesmo nome, encontra-se o Mercado de la Caridad y Santo Domingo , onde todos os dias pode encontrar diversos artesanatos, como o importante âmbar (de que falaremos daqui a pouco) ou o jade (o material mais valioso para os povos nativos, de que falámos no Museu de Jade da cidade), a preços mais competitivos do que nas lojas físicas dos passeios.

Mercado Viejo

Atrás da Igreja de Santo Domingo encontra-se o Mercado Velho. Aqui, as bancas já não são de artesanato, mas de legumes, fruta, carne e especiarias. Um mercado mais caótico e local que contrasta com o centro da cidade.

Mercado de Santo Domingo (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Importante: Compreendemos como os mercados podem ser fotogénicos, mas nunca se esqueça de pedir autorização antes de tirar uma fotografia a alguém, especialmente quando se trata de povos indígenas.

Templo de San Cristobalito

Para chegar ao Templo de San Cristobalito, tem de subir 200 degraus , mas a boa notícia é que, se não quiser chegar ao topo, as vistas são, de facto, melhores a partir do meio da subida, quando tiver completado uma centena de degraus.

No entanto, não se esqueça de visitar esta zona durante o dia, uma vez que a dinâmica muda à noite e não é recomendável passear pela zona depois do pôr do sol.

Museu do Âmbar

No Convento de La Merced, o primeiro estabelecimento mercedário da América, do século XVI, encontra-se o Museu do Âmbar. O âmbar é uma resina vegetal fossilizada de árvores que existiram há mais de vinte e cinco milhões de anos, família de uma árvore guapinol que existe atualmente em Chiapas e é precisamente isso que o torna tão único.

Âmbar de Chiapas. Fonte: MuseodelAmbar.com

O museu expõe mais de 300 peças e tem uma loja, uma oficina de âmbar e uma oficina de metalurgia onde pode aprender sobre o âmbar desde a sua origem, sobre os países onde havia e há depósitos, como foi formado, como é extraído e todos os usos pré-hispânicos e atuais.

Âmbar de Chiapas. Fonte: MuseodelAmbar.com

Preço de entrada: 50 pesos (estudantes e maiores de 60 anos INAPAM, 30 pesos). Aberto de terça a domingo das 10:00h. às 14:00h. e das 16:00h. às 19:00h.

Kakaw Museu do Cacau e Chocolateria Cultural

Gosta de chocolate? Penso que há grandes probabilidades de responder afirmativamente a esta pergunta. Se assim for, não perca o Kakaw Museo del Cacao na cidade. O cacau é de extrema importância no México em bebidas e gastronomia e tem um enorme legado histórico e cultural no estado de Chiapas. Em teoria, o México foi o primeiro país do mundo a cultivar cacau e, especificamente em Chiapas, foi provado que o cacau já crescia selvagem há dez mil anos! No museu, somos levados numa viagem através da evolução do cacau até ao que conhecemos hoje como chocolate e, na loja cultural de chocolate, são-nos mostradas as qualidades culinárias do cacau ao longo do tempo através de bebidas e gastronomia pré-hispânicas e modernas. Para além disso, é claro, a visita inclui uma degustação…

Um chocolate quente Chipaneco, uma iguaria (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Entrada: 30 pesos (estudantes e maiores de 65 anos, 50% de desconto). Aberto diariamente das 11:00h às 21:30h (fecha aos domingos às 19:00h).

Museu de Jade Mesoamericano

O jade era considerado pelos povos que habitavam toda a região da Mesoamérica, até à colonização espanhola, como o material mais valioso que existia (sim, mais valioso que o ouro e a prata), símbolo do amor eterno. Não admira, portanto, que a cidade de San Cristobal lhe tenha dedicado um museu. Esta pedra preciosa mística era um símbolo de imortalidade e eternidade , pelo que não é de admirar que o rei Pakal, da importante cidade maia de Palenque, tenha sido enterrado com jóias de jade.

Máscara de jade original do Rei Pakal que vimos no Museu Nacional de Antropologia na capital, CDMX (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

No Museu Mesoamericano de Jade de San Cristobal pode ver uma réplica do Túmulo de Kinich Janab Pakal , estando o túmulo original no Templo das Inscrições, dentro da zona arqueológica de Palenque (embora não estivesse aberto ao público quando fomos à bela cidade arqueológica de Chiapas). No Randomtrip vimos a réplica do túmulo e a máscara de jade original com que o rei Pakal foi enterrado no Museu Nacional de Antropologia da capital, em CDMX (um museu que recomendamos vivamente que visite se estiver de passagem pela capital do país).

Peças de jade encontradas no túmulo do Rei Pakal que vimos no Museu Nacional de Antropologia na capital, CDMX (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Além disso, no Museu Mesoamericano de Jade é possível admirar objetos e jóias esculpidos em jade relacionados com oito das principais culturas da área mesoamericana: Mocaya, Olmec, Teotihuacan, Mixtec, Zapotec, Mayan, Toltec e Aztec.

Entrada: 30 pesos (desconto de 50% para estudantes; entrada gratuita para menores). Aberto de segunda a sábado das 09:30h às 20:00h e aos domingos das 10:00h às 17:00h.

Na Bolom

Fundada em 1950 pelo arqueólogo dinamarquês Frans Blom e pela fotógrafa suíça Gertrude Duby, a Casa Na Bolom, que compraram e onde ambos viveram, foi criada com o objetivo de proteger, preservar e divulgar a cultura indígena de Chiapas. Ele explorava e estudava as ruínas maias (Palenque, Toniná, Chinkultic…) e ela estudava, fotografava e lutava pela proteção da selva e das comunidades Lacandon.

Na Bolom (Fotografia de Randomtrip. Todos os direitos reservados.)

Na Bolom está instalado num belo edifício do século XIX, rodeado por jardins botânicos e um viveiro. Aqui pode aprender sobre arqueologia maia, etnografia lacandona, arte popular de Chiapas e arte sacra de Chiapas e da Guatemala. Para além da exposição permanente, há também exposições temporárias.

O Na Bolom não só é interessante, como também está situado num belo edifício (Fotos de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

A título de curiosidade,“Na Bolom” significa “Casa do Jaguar” em tzotzil. Como o apelido de Frans, “Blom”, soava como “Bolom” para várias pessoas das comunidades lacandonas, elas se referiam à sua casa como a Casa do Jaguar, ou seja, Na Bolom. Como o jaguar é também um animal sagrado na cultura pré-hispânica, foi assim que surgiu a casa de Frans e Trudy, uma casa aberta a artistas, cientistas, exploradores e investigadores que aqui se reuniam após as suas expedições e partilhavam os seus resultados.

Entrada para Na Bolom (Fotografia de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Preço de entrada: 60 pesos (estudantes, professores e INAPAM, 50% de desconto). Os bilhetes podem ser comprados do outro lado da rua da entrada, onde também existe um restaurante e uma loja de artesanato. Na Bolom está aberto diariamente das 09:00h às 18:00h (fecha aos domingos às 19:00h).

San Cristóbal de Las Casas no Día de Muertos

No Randomtrip tivemos o privilégio de visitar San Cristóbal de Las Casas durante as celebrações do Día de Muertos que começaram a 27 de outubro e se prolongaram até 2 de novembro.

Randomtrip e a sua transformação em modo catrina

Estas celebrações decorrem em todo o país, que se veste de Cempasuchil, a flor laranja que guia as almas de regresso a casa e enche as ruas das cidades e vilas de cor e do seu cheiro caraterístico. Para além disso, são erguidos altares em dois níveis (mundo dos vivos e mundo subterrâneo; terra e céu), três níveis (céu, terra e purgatório) ou até sete níveis (correspondentes aos 7 degraus para chegar ao céu e descansar em paz), homenageando e acolhendo as suas almas queridas.

Uma caveira coberta com cempasúchil (a flor que guia as almas de volta para casa), a principal flor da decoração do Día de Muertos na Plaza 31 de Marzo em San Cristóbal de las Casas. (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados.)

No dia 27/10 são recebidas as almas dos animais domésticos falecidos; no dia 28/10 as almas das pessoas que morreram num acidente ou de forma trágica; no dia 29/10 as pessoas que morreram por afogamento; no dia 30/10 as almas dos defuntos esquecidos ou sem família; no dia 31/10, as almas que estão no limbo, as crianças que nunca nasceram ou não foram baptizadas; no dia 1/11, “Dia de Todos os Santos“, as almas das crianças baptizadas com menos de 12 anos e dos adultos que tiveram uma vida exemplar; e no dia 2/11, “Día de Muertos“, quando chegam todas as almas.

Quando lá fomos, havia uma exposição de altares tradicionais no corredor do MUSAC (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).
Preparadíssimas para o desfile de Catrinas e Catrinos de dia 31 de Outubro em San Cristóbal de las Casas (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Há lugares no México com tradições mais enraizadas, como Pátzcuaro (Michoacán), Oaxaca ou San Miguel Allende (Guanajuato). Em San Cristóbal de las Casas tivemos o prazer de participar nestas celebrações, pintando-nos de catrina e catrino (uma amiga do CDMX, Miriam, disse-nos que o objetivo de o fazer é não “assustar” as almas quando regressam do inframundo e fazê-las sentir-se mais “familiares”), contemplando as decorações, os altares e participando no desfile de catrina e catrino que teve lugar na tarde/noite de 31 de outubro.

Celebrações do Día de Muertos em San Cristobal de las Casas. Fotos de Randomtrip. Todos os direitos reservados.

Embora nos tenhamos divertido muito com as celebrações na cidade (sobretudo porque as achámos muito locais, quase não havia turistas estrangeiros e parece que a maioria prefere Oaxaca), achámos muito interessante a forma como as comunidades indígenas nos arredores de San Cristóbal vivem estes dias, celebrações cheias de simbolismo de crenças ancestrais e sincretismo religioso, numa mistura de rituais indígenas com tradição católica. Falar-lhe-emos mais sobre isto na secção sobre a nossa visita às comunidades indígenas de San Juan Chamula.

Romerillo (comunidade indígena de Chamula) durante o Día de Muertos, entre rodas-gigantes, cempasúchil, música, comida e muita coca-cola (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

RandomTIP: Se a sua viagem ao país coincidir com estas datas, não se esqueça de provar o Pan de Muerto, uma iguaria que só se faz nesta altura do ano. Este pão doce é uma representação das tradições pré-hispânicas de sacrifícios nestas datas e, aparentemente, nasceu precisamente para evitar tais sacrifícios. Durante a colonização espanhola, os padres, vendo os rituais de sacrifício que se realizavam, optaram por tentar representar este acontecimento de uma forma diferente, criando um pão coberto de açúcar vermelho (simbolizando o sangue) e oferecido como tributo aos deuses. Com o passar do tempo, este pedaço de pão foi mudando de forma até chegar ao que conhecemos hoje.

No RandomTrip provámos vários (é delicioso, lembra um pouco a coca de San Juan no sabor mas não na textura, e em Portugal o folar de Páscoa), tanto simples como recheados (com leite-creme, chocolate, doce de abóbora ou mesmo doce de leite) mas o mais original foi no restaurante Tierra y Cielo onde cobriram o Pan de Muerto com totomoxtle em pó (cascas de milho), imitando cinza. Uma delícia.

O que ver nos arredores de San Cristóbal de las Casas

Para além de conhecer a bela SanCris, pode e deve explorar os seus arredores, onde vai encontrar comunidades descendentes dos Maias ou entrar na natureza deslumbrante de Chiapas em visitas de um dia ou mesmo de meio dia. Aqui propomos-lhe os melhores planos e no final, contamos-lhe os nossos preferidos ou os que mais nos marcaram.

Cañón de Sumidero

De tudo o que ficámos a conhecer sobre a natureza de Chiapas, o Parque Nacional do Cañón de Sumidero foi o que mais nos marcou. O desfiladeiro situa-se numa falha tectónica e eleva-se sobre o curso do rio Grijalva (250 metros na sua parte mais profunda), cujas paredes atingem mais de 1000 metros de altura. A sua importância é tal que o desfiladeiro faz parte do brasão de armas de Chiapas.

O impressionante Cañón de Sumidero a partir do miradouro com o mesmo nome (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

O rio Grijalva alimenta quatro barragens e atravessa os estados de Chiapas e Tabasco, desaguando no Golfo do México. Na sua foz sul, o desfiladeiro nasce em Chiapa de Corzo e desagua na albufeira artificial da barragem hidroelétrica Manuel Moreno Torres, popularmente conhecida como barragem de Chicoasén. Saiba que é possível navegar pelo leito do rio precisamente desde a construção da barragem hidroelétrica de Chicoasén, uma das maiores obras mexicanas de engenharia hidráulica, com uma albufeira de 32 quilómetros de comprimento que cobre todo o desfiladeiro. A título de curiosidade, 70% da energia aqui produzida é enviada para o estrangeiro (Honduras, Belize, Guatemala…).

Cañón del Sumidero (Fotografia de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

O rio Grijalva não era navegável e por isso chama-se Cañón de Sumidero: como o rio tinha origem na Guatemala e estava submerso (escondido) por ser subterrâneo e ter 6/7 metros de largura, foi-lhe dado o nome do rio subterrâneo que se esconde, que desaparece, Sumidero.

Cañón de Sumidero, primeiro vimo-lo de cima, depois de dentro do barco (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Embora tenha possibilitado a navegação do rio, a construção da barragem afetou a aldeia de Osumacinta (onde se situa o cais), cujo único rendimento provinha do milho e do gado. A aldeia de Osumacinta estava situada numa ilha que verá à direita durante o passeio de barco.

Embarcadero de Osumacinta (Fotografia de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

O desfiladeiro ocupa 21.789 hectares em cinco municípios do estado de Chiapas, a poucos quilómetros da sua capital, Tuxtla Gutiérrez. A primeira vez que o vimos foi no caminho do aeroporto de Tuxtla para San Cristóbal e, a partir daí, soubemos que o queríamos ver de perto.

Impressionante Cañón de Sumidero (Foto de Randomtrip – Todos os direitos reservados).

O seu valor ecológico levou a que fosse declarado Parque Nacional em 1980 e sítio Ramsar no México em 2004. A luz e o calor nas paredes do penhasco, bem como os seus escoamentos, facilitaram o aparecimento de vários microclimas e a variedade da flora e da fauna em diferentes alturas do desfiladeiro. Algumas das suas espécies endémicas são a salamandra Lengua Hongueada, a cuija mexicana, o Canelo chupaflor, o sapo marmoreado, a mojarra de Chiapa de Corzo e o carvalho anão, embora no Randomtrip tenhamos visto de perto várias aves (como a garça), macacos-aranha e crocodilos.

Cañón de Sumidero a partir do passeio de barco (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Para admirar o Cañón de Sumidero, há duas formas: de cima (a partir dos miradouros) e de baixo (num passeio de barco).

Miradouros do Cañón de Sumidero

De um lado do desfiladeiro, há uma estrada que conduz a vários miradouros para contemplar a imensidão do Cañón de Sumidero a partir do alto.

IMPORTANTE! Os miradouros estão fechados às terças-feiras, por isso, se os quiser visitar, escolha outro dia para visitar o Cañón de Sumidero.

Os miradouros são, por ordem de aparecimento à entrada da estrada

  1. Miradouro La Ceiba
  2. Miradouro de La Coyota
  3. Miradouro de El Roblar
  4. Miradouro El Tepehuaje
  5. Miradouro do Cañón de Sumidero
Mirador La Coyota (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

As excursões normalmente param em apenas 2 (em La Coyota e no Mirador Cañón del Sumidero). As vistas do topo são incríveis, verá os pequenos barcos e as curvas do rio à medida que este corre pelo desfiladeiro.

Vê o pequeno barco ao fundo? Miradouro do Cañón del Sumidero (Fotografia de Randomtrip. Todos os direitos reservados.)

Passeio de barco no Cañón de Sumidero

Depois de ver o Cañón de Sumidero de cima, nada melhor do que vê-lo de baixo, navegando pelo rio Grijalva durante 32 km. Há vários cais em Chiapa de Corzo, e também em Osumacinta. No nosso caso, a excursão levou-nos até ao cais de Osumacinta, e depois o motorista levou a carrinha até ao cais de Chiapa de Corzo, onde esperou por nós enquanto fazíamos o passeio de barco pelo desfiladeiro.

Um passeio de barco de 32 km no rio Grijalva e a contemplação da beleza do Cañón de Sumidero (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Durante a caminhada, contemplamos a sua flora e fauna, e sentimo-nos minúsculos perante a imensidão das paredes do desfiladeiro.

No passeio de barco, destacámos uma autêntica “árvore de Natal” que forma o musgo de uma cascata de 250 metros cuja água rejuvenesce (assim dizem), uma “gruta de cores” onde viram a forma de Jesus Cristo e onde agora vive uma virgem que sai todos os anos em procissão para Chiapa de Corzo, e um supermercado aquático (que baptizámos de “AquaOxxo“, uma vez que Oxxo é uma famosa cadeia de lojas de conveniência no México) que consiste num barco que lhe vende, entre outras coisas, micheladas por 50 pesos para ver crocodilos em três dimensões (os guias dos barcos costuman ter piada e fazer do tour algo divertido para além de didático).

A árvore de Natal nunca se desfaz no Cañón del Sumidero (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

O passeio de barco dura cerca de 2 horas. Durante a viagem, para além das paragens nos locais mencionados, o condutor e o guia explicam-lhe o que vemos, bem como tentam mostrar-lhe a fauna do local. Assim que partimos, passamos por uma pequena ilha, um santuário de aves (corvos-marinhos, garças, pelicanos…). Mais à frente, vemos também vários crocodilos e vários grupos de macacos-aranha.

O Cañón de Sumidero é um santuário de biodiversidade (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).
Crocodilo no Cañón de Sumidero (Foto de Randomtrip – Todos os direitos reservados).

Infelizmente, numa zona vemos também muito lixo na água. O guia diz-nos que as correntes arrastam o lixo para o rio e que, embora ainda exista lixo, antigamente era muito pior, pois nos últimos anos houve vários projetos de remoção de lixo.

Na sua parte mais profunda, o rio tem atualmente cerca de 240 metros de profundidade, e as paredes do Cañón de Sumidero têm mais de 1000 metros de altura nas partes superiores.

Como chegar ao Cañón de Sumidero?

A partir de San Cristóbal de las Casas, tem cerca de 1h30 até à zona dos miradouros e, a partir daí, mais 1h30 até ao cais de Osumacinta. Tem 3 opções:

  • Transportes públicos: Se quiser ir de transportes públicos, é mais fácil ir até ao cais de Chiapa de Corzo. Tem de ir de autocarro até Tuxtla (a zona onde os pode apanhar é em frente ao Mercado de Dulces y Artesanías), e daí de autocarro local ou de táxi até Chiapa de Corzo. Para os miradouros, também tem de ir de autocarro até Tuxtla e, a partir daí, outro autocarro deixa-o à entrada da estrada para os miradouros, mas não há transporte até eles, pelo que terá de pedir boleia, pagar um táxi ou caminhar. Tendo em conta que também terá de pagar o passeio de barco pelo desfiladeiro, neste caso o passeio vale a pena.
  • Carro próprio/alugado: se tiver o seu próprio veículo ou se alugar um carro, só tem de ir a este ponto para aceder à estrada para os miradouros, e a este outro para o cais de Osumacinta, ou a este outro para o cais de Chiapa de Corzo. Lembre-se que não é aconselhável conduzir à noite em Chiapas.
  • Em excursão: esta é a opção mais comum e, neste caso, a mais cómoda e económica. O preço é de cerca de 450 pesos por pessoa.
O passeio de barco dura aproximadamente 2 horas (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Embora a Randomtrip normalmente defenda a exploração de destinos por conta própria, neste caso (e no caso de passeios em torno de San Cristóbal em geral), não achamos que valha a pena fazê-lo, pelo preço (a diferença entre fazê-lo por conta própria e numa excursão é mínima, já que ainda terá que pagar 250 pesos por pessoa para o passeio de barco pelo desfiladeiro), pela segurança (geralmente há várias paragens de controlo, tanto da polícia quanto da comunidade) e porque não vai conseguir ver o Cañón de Sumidero de cima nos miradouros, por conta própria, e as vistas são realmente impressionantes e valem a pena. Claro que isto vai depender muito de como está a situação em Chiapas aquando da sua visita e se os preços não mudaram. No Randomtrip acabámos por fazê-lo com a agência Paxial Tours e gostámos muito.

A excursão inclui: paragem em dois miradouros do Cañón de Sumidero, passeio de barco pelo Cañón de Sumidero (de Osumacinta a Chiapa de Corzo) e visita a Chiapa de Corzo.

Preço da excursão ao Cañón de Sumidero + Chiapa de Corzo: a partir de 450 pesos/pessoa. Saída de San Cristóbal de las Casas às 9:00h e regresso às 18:00h. Pode reservar a excursão com a Paxial quando chegar a San Cristóbal, uma vez que a agência está localizada aqui, no meio do Andador de Guadalupe, ou, se preferir, contacte-os por Whatsapp através dos números +52 967 312 8471 ou +52 961 458 6362.

Programa da excursão ao Cañón de Sumidero a partir de San Cristóbal:

  • Entre as 9:00 e as 9:30, ser-lhe-á prestado o serviço de recolha em San Cristóbal.
  • 1h30 de caminhada até à zona dos miradouros.
  • 11:00 Chegamos aos miradouros, onde paramos em 2 (La Coyota e Mirador del Cañón del Sumidero). O tempo total de permanência nos miradouros é de 1 hora, incluindo a deslocação e a permanência nos miradouros.
  • 12:00 continuar para Osumacinta (1h30 de viagem)
  • Às 13:30, chegará ao cais de Osumacinta, onde receberá coletes e lhe será atribuído um barco.
  • 13:45 Partida de barco para um passeio de 2 horas pelo Cañón de Sumidero até ao cais de Chiapa de Corzo.
  • 15:45 Chegamos ao cais em Chiapa de Corzo e normalmente vamos almoçar a um restaurante.
  • Depois do almoço, pode visitar Chiapa de Corzo por sua conta.
  • 17.00 Partida de regresso a San Cristóbal de las Casas, 1h de viagem
  • 18:00 chegada a San Cristóbal

Se preferir ir ao Cañón de Sumidero por conta própria, sem uma excursão organizada, a paragem do OCC é em frente ao Mercado de Dulces y Artesanías. Além da tarifa do autocarro até ao cais do Cañón de Sumidero (150 pesos ida e volta), terá de acrescentar 250 pesos para o passeio de barco pelo desfiladeiro. Além disso, lembre-se de que não verá o Cañón de Sumidero dos miradouros porque o autocarro vai direto para o cais, pelo que neste caso específico pensamos, compensar mais, o passeio em excursão organizada …

Também pode reservar o passeio online com antecedência aqui, que inclui o mesmo (miradouros, passeio de barco e visita a Chiapa de Corzo), mas tenha em atenção que não é tão barato como reservar no local, embora chegue com tudo organizado.

Chiapa de Corzo

O nosso passeio de barco pelo Cañón de Sumidero termina em Chiapa de Corzo, uma cidade mágica de Chiapas nas margens do rio Grijalva e o primeiro centro urbano fundado pelos colonizadores na região.

La Pila ou La Corona na Plaza de Armas de Chiapa de Corzo. (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Foi também Diego de Mazariegos quem a fundou em 1528 como Villa Real de Chiapa, embora, antes da colonização espanhola da América, este tenha sido um dos principais assentamentos da cultura Zoque, até à chegada dos Soctones ou Chiapanecas, que fundaram neste local a sua capital política, Napiniacá. O seu nome provém da etnia soctona que originalmente a povoava, chamada pelos astecas de “Chiapas”, que em nahuatl significa “água que corre sob a colina”.

Chiapa de Corzo fica a 15 km da capital de Chiapas, Tuxtla Gutierrez, e a 50 km de San Cristóbal de las Casas.

O que mais se destaca em Chiapa de Corzo, foi onde definimos o ponto de encontro, a Plaza de Armas, é o conjunto mudéjar do século XVI formado por La Pila ou La Corona, uma fonte de tijolo de inspiração mourisca que foi consagrada como um dos melhores exemplos de arte hispano-árabe da América colonial. Outro destaque é a antiga árvore de ceiba conhecida como “La Pochota”, que abriga centenas de pássaros que proporcionam a banda sonora da praça, juntamente com os acordes ocasionais da marimba.

La Ceiba e La Pila, os dois protagonistas da Praça de Armas em Chiapa de Corzo. (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Se tiver tempo no seu passeio pela cidade, pode visitar o templo de Santo Domingo e o edifício conventual anexo, que alberga atualmente o Museu de Laca Armando Duvalier (com peças de artesanato ancestral), bem como as ruínas do templo de San Sebastián Mártir.

Além disso, se a sua visita a Chiapa de Corzo coincidir entre os dias 8 e 23 de janeiro, poderá desfrutar da Festa Grande de Chiapa de Corzo (celebrada desde o século XVIII) com música, carros alegóricos, guerra de confettis e a dança dos Parachicos (nome dos dançarinos e tipo de dança) e chiapanecas (com os seus vestidos coloridos) que percorrem toda a cidade de Chiapa de Corzo visitando locais de culto. A grande festa é em homenagem a Nosso Senhor de Esquipulas, San Antonio Abad e San Sebastián Mártir (especialmente este último) e os Parachicos distinguem-se por usarem uma máscara esculpida em madeira que é o elemento central do seu traje juntamente com a montera, um toucado feito de fibras naturais.

Parachicos em Chiapa de Corzo. Fonte: IMER
Como chegar a Chiapa de Corzo?

A partir de San Cristóbal de las Casas, a viagem até Chiapa de Corzo demora 1 hora. Tem 3 opções para ir:

  • Transportes públicos: se quiser ir de transportes públicos, tem de ir de combi ou autocarro até Tuxtla (a zona onde os pode apanhar é em frente ao Mercado de Dulces y Artesanías), e daí de autocarro local ou táxi até Chiapa de Corzo.
  • Carro próprio/alugado: se tiver o seu próprio veículo ou se alugar um carro, só tem de passar por este ponto. Lembre-se de que não é aconselhável conduzir à noite em Chiapas.
  • Por excursão: o mais comum é visitar Chiapa de Corzo como parte da excursão ao Cañón de Sumidero. O preço da excursão é de cerca de 450 pesos por pessoa.

Preço da excursão ao Cañón de Sumidero + Chiapa de Corzo: a partir de 450 pesos/pessoa. Saída de San Cristóbal de las Casas às 9:00h e regresso às 18:00h. Pode reservar a excursão com a Paxial quando chegar a San Cristóbal, uma vez que a agência está localizada aqui, no meio do Andador de Guadalupe, ou, se preferir, contacte-os por Whatsapp através dos números +52 967 312 8471 ou +52 961 458 6362.

Caso avise previamente, quando chegar a Chiapa de Corzo, terá tempo para comer e passear. Apesar de todo o grupo ter decidido comer no mesmo sítio recomendado pelo motorista, nós no Randomtrip achámos este buffet bastante mau (péssima relação qualidade/preço) e recomendamos que vá a outro sítio ou que leve algo para petiscar, uma vez que só chega a Chiapa de Corzo às 15:30 / 16:00.

Comunidades indígenas: San Juan Chamula, Zinacantán, Romerillo

A visita às comunidades indígenas do município de San Juan Chamula é uma das mais interessantes do estado de Chiapas, já que poderá conhecer em primeira mão as línguas e os costumes dos povos descendentes dos Maias.

San Juan Chamula é a capital do município de Chamula, que é constituído por 150 aldeias (quase todas autónomas, recebendo apenas ajuda do governo em termos de escolas, para o resto eles não querem) e no périplo das comunidades indígenas que visitámos, para além de San Juan Chamula, Zinacantán e Romerillo. Chamula, é um nome utilizado para designar várias etnias maias que habitam as terras altas de Chiapas, como os Tzotziles (que conhecemos nesta ocasião), Tzeltales, Mames, Tojolabales e Choles.

Igreja de San Juan Bautista, San Juan Chamula, um dos sítios mais interessantes e curiosos de Chiapas devido ao seu sincretismo religioso (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

As ovelhas são sagradas no município de San Juan Chamula, pelo que não verá este animal ou os seus derivados como parte da sua gastronomia e até nos disseram que, em tempos de pandemia, costumavam colocar máscaras nas ovelhas, mas este é um facto insólito que não pudemos confirmar.

Ik’al me’ chij (A ovelha negra) de Antel DM. Acrílico sobre tela na exposição colectiva Xkuxlej Chamo’ sobre a cultura, a vida e o quotidiano de Chamula, que vimos no Musac (Museu de San Cristóbal).

O seu pelo é utilizado no vestuário como símbolo de estatuto. As mulheres usam um Nagua (saia preta de lã de ovelha) e os homens um chujo (colete de lã de ovelha). Apenas os mayordomos, a autoridade local (os líderes religiosos de cada comunidade), podem usar o chujo preto, bem como um pano para a cabeça e o bastão na mão esquerda. É importante que saiba distingui-los, pois é proibido tirar-lhes fotografias. As pessoas com um certo grau religioso ou civil usam um chujo branco.

Mulheres com Nagua, homens com chujo branco e… muita coca-cola. Para entender o porquê, leia a secção do guia chamada ‘Chiapas e Coca-Cola: uma relação tóxica’. No Día de Muertos em Romerillo (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

A única igreja do município está situada em San Juan Chamula, onde se venera San Juan Bautista. É um dos templos mais curiosos que visitámos nas nossas viagens e de enorme importância etnográfica devido ao seu sincretismo religioso, uma mistura do cristianismo com as culturas autótones. Aqui são realizados rituais e curas, incluindo sacrifícios de animais, e muita Coca-Cola – contamos-lhe mais sobre a curiosa e perversa relação entre Chiapas e a Coca-Cola nesta secção do guia: Chiapas e Coca-Cola: uma relação tóxica.

Igreja de San Juan Bautista, San Juan Chamula (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Na Igreja de San Juan Bautista de Chamula não há púlpito nem bancos para se ajoelhar. Não há esculturas douradas, vitrais ou pinturas. Em vez de um imponente teto abobadado, pendem telas coloridas, tornando o local mais intimista e místico. Não há chão de mármore brilhante, mas sim o farfalhar das folhas secas de pinheiro que o cobrem. A banda sonora é composta por orações e confissões em tzotzil e o cheiro é de incenso. Ao redor do templo, dezenas de pequenos vitrais com santos e, de frente, a imagem de San Juan Bautista.

Pode observar tudo isto em silêncio, com respeito, à distância e respeitando as regras. Por exemplo, no interior do templo não é permitido tirar fotografias ou fazer vídeos, sob pena de uma multa de 4200 pesos (225 euros aprox.) ou pior (soubemos de casos em que algumas pessoas foram presas pelas autoridades locais de Chamula e/ou também apreendidas as suas câmaras). A festa de San Juan Bautista (24 de junho) e os carnavais são momentos importantes para a cidade, por isso, se for nestas datas, reserve a sua visita com antecedência.

Acrílico sobre tela que vimos na exposição colectiva “Xkuxlej Chamo” sobre a cultura, a vida e o quotidiano de Chamula, no Musac (Museu de San Cristóbal).

Para além da igreja, visitámos também a Plaza de la Paz (aos domingos há um mercado), a Câmara Municipal (na mesma praça, de cor ocre) e o cemitério de San Juan Chamula, com várias garrafas de Coca-Cola enterradas junto às campas. O cemitério situa-se na periferia, junto às ruínas da igreja de San Sebastián e adquire um simbolismo especial durante as celebrações do Día de Muertos quando os familiares estão ali à espera dos seus entes queridos.

Zinacantán, que significa Casa dos Morcegos em tzotzil, situa-se numa zona elevada dedicada à floricultura e engloba mais de 70 sítios. É possível ver as grandes estufas cheias de flores (ponpon, crisântemo, girassóis…) de um dos principais pontos de comercialização de flores de todo o sul do México. Têm um santo padroeiro religioso católico, San Lorenzo, cuja festa é a 10 de agosto.

Oficina de têxteis em Zinacantán (Fotografia de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Aqui visitámos uma oficina têxtil, a casa da artesã Toñita, onde vimos duas mulheres Tzotzil a tecer à mão, com o tear pré-colombino (ou tear de cintura, porque dá a volta à cintura), e controlá-mo-nos, se não comprávamos tudo. Para além da possibilidade de levar para casa uma lembrança artesanal (é tudo muito florido, representando a floricultura a que a comunidade se dedica), também nos ofereceram tortilhas artesanais e um delicioso café Chiapaneco.

À esquerda, uma mulher Tzotzil tecendo com tear de cintura em Zinacantán (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados). À direita, representação da mesma em acrílico sobre tela que vimos na Exposição Colectiva ‘Xkuxlej Chamo’ sobre a cultura, vida e quotidiano de Chamula, no Musac (Museu de San Cristóbal).

Tenha em atenção que tem de pagar uma entrada para entrar na aldeia de Zinacantán (está incluída na excursão) e dizer exatamente quantas pessoas são quando entrar, para que ninguém fique na aldeia sem autorização.

À esquerda, duas mulheres Tzotzil a fazer tortilhas de milho, em Zinacantán (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados). À direita, representação das mesmas em acrílico sobre tela que vimos na Exposição Coletiva ‘Xkuxlej Chamo’ sobre a cultura, a vida e o cotidiano de Chamula, no Musac (Museu de San Cristóbal).
Día de Muertos nas comunidades indígenas de San Juan Chamula, Zinacantán e Romerillo

No Randomtrip tivemos o privilégio de visitar estas aldeias durante as celebrações do Día de Muertos, a 1 de novembro, e pudemos observar, à distância e com respeito, como celebram a chegada das almas dos seus entes queridos. Ao contrário de San Cristóbal de las Casas, onde abundam os desfiles de catrinas e catrinos, as celebrações nas aldeias nativas são simbólicas de crenças ancestrais.

Os túmulos com madeiras levantadas para que as almas regressem hoje do inframundo. À volta de cada túmulo, a família canta, bebe e come. Panteão de Romerillo no dia 1 de novembro (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).
A flor cempasúchil é a protagonista dos cemitérios durante o Día de Muertos, também em San Juan Chamula (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Para além da abundância da flor laranja cempasuchil, flor que veste todo o país nestas datas por ser a que indica o caminho das almas de regresso a casa, pudemos ver como as famílias se reúnem nos cemitérios, com música, comida e, claro, Coca-Cola (contamos-lhe mais sobre esta curiosa obsessão nesta secção do blogue) para se juntarem aos seus entes queridos que regressam nestes dias do inframundo. De facto, é por esta razão que os túmulos desta comunidade não têm cimento e que, no dia 31, as tábuas de madeira são levantadas dos panteões para que as almas possam sair, sendo recolocadas no seu lugar no dia 3 de novembro.

À espera da chegada das almas dos seus entes queridos do inframundo. (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados)
A Coca-Cola é uma ofrenda comun (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Enquanto pudemos ver as celebrações no cemitério de Romerillo e Zinacantán, com dança dos Mashes e muitas garrafas de Coca-Cola incluídas, a igreja de San Juan Chamula estava bastante vazia, pois a maioria das pessoas estava no cemitério à espera da chegada das almas dos seus entes queridos.

Norias, dança do puré e verbena em Romerillo durante as celebrações do Día de Muertos (Fotos de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Enquanto no panteão de Romerillo as celebrações do Día de Muertos incluem rodas-gigantes e até feiras, em Zinacantán, a celebração no panteão é mais solene. O cemitério está situado no cimo de uma colina, porque para estas comunidades os seus antepassados são os guardiões da comunidade. Aqui predomina aquilo a que se dedicam, as flores.

Como visitar as aldeias indígenas de San Juan Chamula?

Pode chegar a San Juan Chamula por conta própria ou numa excursão. Neste caso, não pensámos noutra opção que não fosse a excursão, porque queríamos absorver tudo o que estávamos a ver e as explicações do nosso guia Miguel Ángel (que fala tzotzil e tzeltal) foram essenciais para isso.

No Randomtrip fizemo-lo com a Paxial Tours e a excursão incluiu uma visita às comunidades indígenas de San Juan Chamula e Zinacantán e, como fomos durante as celebrações do Día de Muertos, o passeio incluiu também uma visita ao cemitério de Romerillo.

Em San Juan Chamula, visitará o cemitério e a famosa igreja de San Juan Bautista de Chamula (um dos pontos altos da visita) e, em Zinacantán, poderá entrar numa oficina de têxteis e conhecer várias mulheres Tzotzil.

Entrar na Igreja de San Juan Chamula (onde não nos é permitido filmar ou fotografar o interior) é um dos pontos altos da viagem (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Romerillo não está normalmente incluído na visita guiada (no nosso caso era uma edição especial para o Día de Muertos).

Preço da excursão Aldeias Indígenas Zinacantán e San Juan Chamula (Romerillo está incluído apenas nos dias 30/10, 31/10, 1/11 e 2/11): a partir de 300 pesos/pessoa com Paxial Tours. Saída de San Cristóbal às 09:30h e regresso às 13:30/14:00h. Pode reservar a excursão com a Paxial quando chegar a San Cristóbal, uma vez que a agência está localizada aqui, no meio do Andador de Guadalupe, ou, se preferir, contacte-os por whasap através dos números +52 967 312 8471 ou +52 961 458 6362.

Se preferir ir por sua conta a San Juan Chamula, a combi (transporte coletivo) sai a alguns quarteirões do templo de Santo Domingo e custa 18 pesos cada viagem (36 pesos ida e volta) só para ir a San Juan Chamula (não para Zinacantán). Não há horário, a van sai quando está cheia. Se escolher esta opção, informe-se previamente (por exemplo, no seu hotel) sobre a situação na altura em que vai, porque deve evitar marcar a sua visita com eventos políticos. Também nos disseram que as quartas-feiras são um dia mais calmo, ou seja, os fiéis tendem a não ir tanto ao templo. Quando chegar, é importante procurar um guia para o ajudar a saber mais sobre o que está a ver.

Tortilhas acabadas de fazer em Zinacantán (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

E se quiser ir com a excursão reservada online, reserve a sua excursão a San Juan Chamula e Zinacantán online aqui, embora seja um pouco mais cara.

El Chiflón: cinco cascatas impressionantes

El Chiflón é o nome dado a um grupo de 5 quedas de água em camadas (uma delas, a mais conhecida, mais alta e mais impressionante, chama-se El Velo de la Novia), alimentadas pelo rio San Vicente.

El Velo de la Novia, a mais impressionante de todas as cascatas de El Chiflón (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Para aceder às cascatas, existem duas opções, em ambos os casos parques ecoturísticos que controlam o acesso e prestam serviços turísticos: do lado esquerdo, encontra-se o Centro Ecoturístico Cascada Velo de la Novia; do lado direito, o Centro Ecoturístico Cascadas El Chiflón. O do lado direito é o mais visitado e aquele a que as excursões o levam, onde pode chegar mais perto das quedas de água, embora do lado esquerdo tenha uma visão mais ampla das cascatas. No nosso caso, visitámos o lado direito.

Preço: Para visitar o centro, terá de pagar uma taxa de entrada de 80 pesos por pessoa (cerca de 4 euros).

As pessoas que vê na foto entraram pelo lado esquerdo, através do Centro Ecoturístico Cascada Velo de la Novia. No Randomtrip estamos do lado direito, pois entrámos pelo Centro Ecoturístico Cascadas El Chiflón(Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Embora o local esteja preparado para o turismo (com um caminho pavimentado até ao Velo de la Novia, barracas de comida, tirolesas, bungalows onde ficar, etc.), o que diminui um pouco o seu encanto, o local é incrível e vale bem a pena a visita.

As 5 cascatas do Chiflón, por ordem de aparecimento a partir da entrada do centro de ecoturismo, são as seguintes (com a altura de cada uma)

  • Cascata El Suspiro (25 metros de altura)
  • Cascata Asa de Anjo (30 metros de altura)
  • Cascata de Velo de la Novia (120 metros de altura)
  • Cascata Arco-íris (50 metros de altura)
  • Cascata Quinceañera (60 metros de altura)

Para lhe dar uma ideia do tempo, demora cerca de 30 minutos a caminhar desde a entrada até à Cascata do Véu de Noiva (sempre a subir, com muitos degraus), passando pelo Suspiro e pela Asa do Anjo. Se decidir visitar as outras duas, a subida é um pouco mais íngreme e mais “rústica”, mas vale totalmente a pena. Do Velo de la Novia até Arcoiris são mais 20 minutos, e daí até Quinceañera mais 10 minutos. Por outras palavras, demora cerca de uma hora a subir até à última cascata (Cascata Quinceañera). A descida demora cerca de 30-40 minutos, dependendo do seu ritmo.

Chegámos à cascata mais alta, a Quinceañera! (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados.)

Nalgumas zonas pode dar um mergulho, dependendo da época e do tempo. Também pode fazer parte da descida (a partir do Velo de la Novia) em tirolesa: há 3 secções, e pode fazer apenas uma das secções ou comprar um pacote. Aqui estão as 3 tirolesas (de cima para baixo), com a sua duração e preço:

  • Primeiro troço: 400m, 250 pesos
  • Segunda etapa, 600m, 300 pesos
  • Terceira etapa, 300m, 200 pesos

Se quiser fazer as 3, pode poupar 100 pesos, uma vez que o pacote custa 650 pesos.

Não lhe apetece saltar e dar um mergulho? Pode fazê-lo, dependendo da época do ano (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).
Como chegar às Cascatas de El Chifón desde San Cristóbal?

De San Cristóbal de las Casas, são cerca de 2h30 até às Cascatas de El Chiflón. Tem 3 opções:

  • Transportes públicos: tem de ir de coletivo (pequenas carrinhas que ligam diferentes pontos) ou de ADO até Comitán de Domínguez, e daí esperar por outro coletivo até El Chiflón, com esta opção demorará mais tempo mas é muito mais barato.
  • Carro próprio/alugado: se tiver o seu próprio veículo ou se alugar um carro, só tem de passar por este ponto. Lembre-se de que não é aconselhável conduzir à noite em Chiapas.
  • Em excursão: esta é a opção mais comum, embora a excursão também inclua as Lagoas de Montebello, pelo que o tempo em cada local é limitado. O preço é de cerca de 400 pesos por pessoa.
El Chiflón (Fotografia de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

No Randomtrip fizemo-lo por excursão, com a Paxial Tours e o passeio inclui não só a visita às cascatas, mas também a visita às Lagoas de Montebello e à fronteira com a Guatemala.

Se tiver tempo, e na nossa opinião, a opção recomendada seria ficar nos centros de ecoturismo (ou em Comitán de Domínguez), e dedicar um dia inteiro a visitar as cascatas de El Chiflón e apreciá-las, e fazer o mesmo com as Lagoas de Montebello, de que falaremos a seguir.

Preço da excursão El Chiflón + Lagoas de Montebello desde San Cristóbal: a partir de 400 pesos/pessoa com Paxial Tours (não inclui o almoço, as tirolesas de Chiflón nem o passeio de barco em Lagunas de Montebello). Saída de San Cristóbal às 08:00h e regresso às 22:00h. Pode reservar a excursão com Paxial quando chegar a San Cristóbal, já que a agência está localizada aqui, no meio do Andador de Guadalupe, ou, se preferir, contacte-os por Whatsapp em +52 967 312 8471 ou +52 961 458 6362.

Programa da visita a Chiflón e Lagoas de Montebello (pode variar em função do trânsito e das paragens):

  • 8:00 Recolha entre as 8 e as 9h no seu alojamento em San Cristóbal de las Casas
  • 2h30 de carro até ao Centro Ecoturístico das Cascatas de El Chiflón.
  • 11:30: Chegada ao Centro de Ecoturismo e 2h de tempo (até 13:30) para visitar as cascatas.
  • 1h30 de carro até às Lagoas de Montebello
  • 16:00: Chegada às Lagoas de Montebello e passeio de barco de madeira nas lagoas (não incluído, preço 250 pesos por pessoa + gorjeta). Combina-se com o grupo se quer almoçar antes ou depois do passeio de barco. Junto ao passeio de barco há um miradouro de onde pode contemplar as lagoas.
  • 17:30: Chegada a Tziscao, onde se encontra o Lago Internacional (metade México, metade Guatemala).
  • 18:30 Partida de regresso a San Cristóbal
  • 3h30 de viagem de regresso a San Cristóbal
  • Às 22:00 estamos de volta a San Cristóbal.

O que deve trazer para as Cascatas El Chiflón?

  • Sapatos de caminhada confortáveis
  • Roupa confortável e leve (em El Chiflón é muito mais quente e húmido do que em San Cristóbal).
  • Repelente de insetos
  • Protetor solar e chapéu ou similar
  • Água
  • Alguns aperitivos para comer durante a visita (ou pode também comprá-los no local).
  • Fato de banho e toalha se for dar um mergulho

E se quiser ir com a excursão reservada online, pode reservar esta excursão que inclui tanto as Cascadas de El Chiflón como as Lagoas de Montebello.

Lagoas de Montebello

O Parque Nacional Lagoas de Montebello é formado por um conjunto de cerca de 60 lagoas (o número varia consoante o clima e a época do ano), que adquirem diferentes tonalidades de cor (turquesa, verde, azul, preto…) consoante o que se encontra nos seus fundos. Teoricamente, estas lagoas eram cenotes, que a erosão e o tempo “destruíram” até ao que temos hoje, e que são conhecidas como “uvalas”.

Parque Nacional Lagunas de Montebello, a partir do miradouro, ao pôr do sol (Fotografia de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Algumas das lagoas são acessíveis por estrada, enquanto as restantes (a maioria) são acessíveis apenas a pé, através de trilhos.

Preço: Para visitar o parque Lagoas de Montebello, terá de pagar 30 pesos por pessoa à comunidade que o administra + 54 pesos por pessoa para a entrada no parque nacional (84 pesos, cerca de 4 euros).

Alguns dos lagos mais populares para visitar:

  • Cinco lagos: cinco lagos que estão agora ligados entre si, onde pode andar numa jangada de cortiça tradicional e ver as vistas a partir do miradouro na estrada.
  • Lago Pojoj: lago com várias tonalidades de cor, onde também pode fazer um passeio no barco de cortiça, navegar até à Ilha das Orquídeas e dar um mergulho.
  • Lago Montebello: o lago que dá nome ao parque
  • Lago Tziscao: o maior e também o mais profundo lago do parque nacional, fica mesmo ao lado do pequeno Lago Internacional.
  • Lago Internacional: pequeno lago na fronteira com a Guatemala, que na realidade é metade guatemalteco, metade mexicano.

No nosso caso, quando visitámos as Lagoas de Montebello numa excursão que também incluía as cascatas de El Chiflón, só estivemos no Cinco Lagos (com o tradicional passeio de jangada em cortiça), no Lago Tziscao e no Lago Internacional.

Numa jangada de cortiça a poucos quilómetros da Guatemala: Parque Nacional Lagunas de Montebllo. Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados.

Em Cinco Lagos fizemos o tradicional passeio de barco de cortiça (250 pesos por pessoa + gorjeta); no nosso barco éramos 4 pessoas (Randomtrip e outro casal) mais o barqueiro e o guia. É importante usar calçado impermeável (como watershoes ou similar), pois o barco é feito de troncos e entra um pouco de água (como não tinhamos, tirámos os sapatos e ficámos descalços mas não é o ideal). O passeio dura cerca de uma hora, e há uma paragem para subir a um miradouro para ver um cenote. Depois do passeio, no local onde estaciona há algumas bancas de comida, casas de banho e umas escadas para um miradouro com vistas incríveis sobre os Cinco Lagos.

Barcos ecológicos para um impacto mínimo no ecossistema do Parque Nacional (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

De Cinco Lagos fomos para Tziscao, uma pequena aldeia entre o Lago Tziscao (o maior e mais profundo lago do parque nacional) e o Lago Internacional (um pequeno lago que fica mesmo na fronteira com a Guatemala e é partilhado pelos dois países).

A primeira vez que pusemos os pés na Guatemala foi no Parque Nacional Lagunas de Montebello, junto ao Lago Tziscao (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Aí pode ver o Lago Tziscao, contornar o Lago Internacional para atravessar para a Guatemala (não há postos fronteiriços nem de controlo), ver a escultura que assinala a mudança de um país para outro e comprar artesanato guatemalteco em ambos os lados do lago.

A nossa primeira cerveja Gallo da Guatemala (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).
Como chegar às lagoas de Montebello?

De San Cristóbal de las Casas, são cerca de 3h30 até às Lagoas de Montebello. Tem 3 opções:

  • Transportes públicos: tem de ir de coletivo (pequenas carrinhas que ligam diferentes pontos) ou de ADO até Comitán de Domínguez, e daí apanhar outro coletivo para as Lagunas ou para Tziscao (de onde terá de pagar um táxi ou similar), com esta opção demorará mais tempo, embora dependendo do plano possa ser mais barato. É importante notar que as lagoas estão a distâncias consideráveis umas das outras, por isso, quando chegar a uma delas, terá de pedir boleia (ou pagar um táxi para o levar a várias, o preço subirá mas o passeio poderá valer a pena).
  • Carro próprio/alugado: se tiver o seu próprio veículo ou se alugar um carro, basta conduzir até este ponto (Cinco Lagos) ou até um dos outros lagos acima indicados. Lembre-se que não é aconselhável conduzir à noite em Chiapas.
  • Em excursão: esta é a opção mais comum, embora a excursão também inclua as Cascatas de El Chiflón, pelo que o tempo em cada local é limitado. O preço é de cerca de 400 pesos por pessoa.
Passeio de barco em cortiça no Parque Nacional Lagunas de Montebello (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

No Randomtrip fizemo-lo em excursão, com a Paxial Tours e a excursão incluía também uma visita às cascatas de El Chiflón.

Se tiver tempo, e na nossa opinião, o ideal seria desfrutar das Lagoas de Montebello ficando pelo menos uma noite, por exemplo nas Cabañas Islas de Tziscao, e dedicar um dia inteiro a visitar as Lagoas de Montebello.

Preço da excursão El Chiflón + Lagoas de Montebello desde San Cristóbal: a partir de 400 pesos/pessoa com Paxial Tours (não inclui o almoço, as tirolesas de Chiflón nem o passeio de barco em Lagunas de Montebello). Saída de San Cristóbal às 08:00h e regresso às 22:00h. Pode reservar a excursão com Paxial quando chegar a San Cristóbal, já que a agência está localizada aqui, no meio do Andador de Guadalupe, ou, se preferir, contacte-os por Whatsapp em +52 967 312 8471 ou +52 961 458 6362.

Os barcos de cortiça a regressar do passeio ao pôr do sol (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Programa da visita a Chiflón e Lagoas de Montebello (pode variar em função do trânsito e das paragens):

  • 8:00 Recolha entre as 8 e as 9h no seu alojamento em San Cristóbal de las Casas
  • 2h30 de carro até ao Centro Ecoturístico das Cascatas de El Chiflón.
  • 11:30: Chegada ao Centro de Ecoturismo e 2h de tempo (até 13:30) para visitar as cascatas.
  • 1h30 de carro até às Lagoas de Montebello
  • 16:00: Chegada às Lagoas de Montebello e passeio de barco de madeira nas lagoas (não incluído, preço 250 pesos por pessoa + gorjeta). Combina-se com o grupo se quer almoçar antes ou depois do passeio de barco. Junto ao passeio de barco há um miradouro de onde pode contemplar as lagoas.
  • 17:30: Chegada a Tziscao, onde se encontra o Lago Internacional (metade México, metade Guatemala).
  • 18:30 Partida de regresso a San Cristóbal
  • 3h30 de regresso a San Cristóbal
  • Às 22:00 estamos de volta a San Cristóbal.
Durante o passeio explicam-nos várias curiosidades do parque (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Algumas coisas que deve trazer para as Lagoas de Montebello

  • Sapatos de caminhada confortáveis
  • Watershoes ou chinelos, pois se fizer o passeio de barco tradicional vai molhar os pés (nós não tinhamos no Randomtrip, por isso fomos descalços e não é o ideal).
  • Roupa confortável e leve
  • Repelente de insetos
  • Protetor solar e chapéu ou similar
  • Água
  • Alguns aperitivos para comer durante a visita (ou pode também comprá-los no local).
  • Fato de banho e toalha se for dar um mergulho
(Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

E se quiser ir com a excursão reservada online, pode reservar esta excursão que inclui tanto as Lagunas de Montebello como as Cascatas de El Chiflón .

Comitán de Domínguez

Comitán de Dominguez é uma das 177 (em dezembro de 2023) Cidades Mágicas do México, com arquitetura colonial, onde é aconselhável passear pelo seu centro histórico, visitar a Igreja de Santo Domingo de Guzmán, no Parque Central, a Casa Museo Dr. Belisario Domínguez ou o Centro Cultural Rosario Castellanos.

Como chegar a Comitán de Domínguez?

De San Cristóbal de las Casas, são cerca de 2 horas até Comitán de Domínguez. Tem 3 opções:

Na nossa opinião, se tiver tempo, é aconselhável passar pelo menos uma noite em Comitán de Domínguez, e aproveitar para visitar as Cascatas el Chiflón e as Lagoas de Montebello a partir daí.

Comité de Domínguez. Foto de Gob.mx

Centro de Ecoturismo Las Nubes

O Centro Ecoturístico las Nubes (também conhecido como Centro Ecoturístico Causas Verdes) é um ponto de acesso para visitar as cascatas do rio Santo Domingo, na Selva Lacandona. Pode admirar as Cascatas Las Golondriinas, dar um mergulho nas suas piscinas de água azul-turquesa, subir ao miradouro Vista Hermosa, bem como outras atividades (rafting, caminhadas…) e também têm alojamento e um restaurante.

Relativamente perto, existe outro centro de ecoturismo chamado Las Guacamayas, que deve o seu nome ao facto de a Guacayama Vermelha estar a ser conservada neste local. Se tiver o seu próprio carro e estiver na estrada, pode visitar ambos os locais e pernoitar num deles.

Como chegar ao Centro Ecoturístico Las Nubes

De San Cristóbal de las Casas, são cerca de 5h30 até Las Nubes (3h30 até Lagoas de Montebello e mais 2h até ao centro). Tem 3 opções:

  • Transportes públicos: não é fácil e demora algum tempo. Terá de ir de coletivo (pequenas carrinhas que ligam diferentes pontos) ou ADO até Comitán de Dominguez, e daí apanhar outro coletivo para as Lagoas ou para Tziscao. A partir daí, terá de pedir boleia ou encontrar um táxi ou similar, para fazer a viagem até ao Centro de Ecoturismo.
  • Carro próprio/alugado: se tiver o seu próprio veículo ou se alugar um carro, só tem de passar por este ponto. Lembre-se de que não é aconselhável conduzir à noite em Chiapas.
  • De excursão: esta opção existe, embora deva ter em conta que, devido às distâncias (5h30 desde San Cristóbal de Las Casas), não terá muito tempo para a desfrutar, pelo que não é uma opção muito recomendável. Se mesmo assim quiser visitar o local e não tiver tempo para ficar lá, tem esta excursão à Cascata de las Nubes ou esta outra excursão que inclui a cidade mágica de Comitán Dominguez e a Cascata de las Nubes.
Las Nubes. Foto de VisitChiapas.com

Na nossa opinião, não vale a pena ir e voltar de San Cristóbal, o ideal é ir e dormir lá ou nos arredores para desfrutar do local com calma, algo que só é possível com o seu próprio carro ou procurando transporte a partir de locais mais próximos.

Grutas de Rancho Nuevo e Arcotete

As Grutas de Rancho Nuevo são um centro de ecoturismo onde pode entrar em grutas formadas ao longo dos anos e apreciar as suas estalactites e estalagmites e as suas formas caprichosas. O centro também tem outras atividades, como tirolesas e um escorrega gigante.

O Arcotete é um arco de pedra natural formado pelo rio Fogótico, em torno do qual foi criado um Centro de Ecoturismo que permite o acesso ao arco e outras atividades.

Cavernas de Rancho Nuevo. Foto de VisitChiapas.com
Como chegar a Rancho Nuevo e Arcotete?

A partir de San Cristóbal de las Casas, as Grutas de Rancho Nuevo ficam a cerca de 20 minutos e Arcotete também a cerca de 20 minutos. Tem 3 opções:

Cavernas de Rancho Nuevo. Foto de VisitChiapas.com

E se quiser ir com o passeio reservado online, pode contratar este passeio que inclui uma visita ao Parque Ecoturístico Rancho Nuevo e El Arcotete .

Amatenango del Valle

Amatenango del Valle é uma pequena aldeia a 2h30 de San Cristóbal de las Casas, famosa pela sua cerâmica feita por mulheres. São elas que aprendem o ofício desde muito jovens, utilizando técnicas pré-hispânicas, e fazem diferentes obras de arte, como os jaguares de barro. Pode seguir a artista Juana Gómez Ramírez no Instagram se quiser saber mais sobre o seu trabalho.

Juana Gómez Ramírez em Amatenango del Valle. Foto de VisitChiapas.com
Como chegar a Amatenango del Valle?

De San Cristóbal de las Casas a Amatenango del Valle demora aproximadamente 1h30. Tem 3 opções:

Amatenango del Valle. Foto de VisitChiapas.com

Sima de las Cotorras

A Sima de las Cotorras é um afundamento de terras (um buraco muito grande), resultado da erosão e de processos tectónicos. Existem vários na área, alguns maiores, mas este em particular tornou-se mais famoso porque a população local criou um centro de ecoturismo junto a ele, para facilitar as visitas e criar uma fonte de rendimento. O nome vem do facto de ser o habitat de muitos papagaios, que, se tiver sorte, podem ser vistos ao nascer ou ao pôr do sol (diz-se que a melhor altura é de março a novembro, especialmente de março a maio).

Sima de las Cotorras. Foto de VisitChiapas.com

O buraco tem cerca de 160m de diâmetro e 140m de profundidade, e nas suas paredes pode ver pinturas rupestres e estalactites. Outra curiosidade é que no interior do buraco existem espécies de árvores que não existem em cima, com até 30m de altura.

Como o espetáculo dos papagaios é curto (apenas ao amanhecer, quando partem, ou ao anoitecer, quando regressam), o centro de ecoturismo tem outras atividades como o rapel e as caminhadas para melhor observar o buraco.

Como chegar ao Sima de las Cotorras?

De San Cristóbal de las Casas até à Sima de las Cotorras demora cerca de 1h30. Tem 2 opções (infelizmente, não há transportes públicos que o levem até lá):

Sima de las Cotorras com adrenalina. Foto de VisitChiapas.com

Arco del Tiempo (Arco do Tempo)

O Arco do Tempo é um lugar incrível e pouco conhecido em Chiapas, e é nada menos que o arco natural mais alto do mundo, com 158 metros de altura, formado há mais de 80.000 anos.

Arco del Tiempo. Foto de VisitChiapas.com

Visitar este local não é fácil e é uma aventura por si só: só pode ser visitado na estação seca (de novembro a junho, dependendo do ano, uma vez que o tempo não é 100% previsível, pois as chuvas tornam o acesso perigoso e as agências não oferecem a visita por razões de segurança), e tem de contratar um guia local autorizado em General Cárdenas.

Embora seja possível visitar o Arco do Tempo num dia, se as condições forem boas, o mínimo recomendado é de 2 dias/1 noite.

Como chegar ao Arco do Tempo?

De San Cristóbal de las Casas até ao Arco del tiempo demora aproximadamente 3h30/4h (2h30/3h até Cintalapa e mais uma hora até General Cárdenas, de onde partem os guias). Tem 3 opções:

  • Transportes públicos: de San Cristóbal, tem de ir primeiro para Cintalapa (tem o autocarro OCC). De Cintalapa, tem de ir de combi para General Cárdenas (em teoria, há apenas dois autocarros por dia, verifique para calcular os horários). Em General Cárdenas pode contratar um guia.
  • Carro próprio/alugado: se tiver o seu próprio veículo ou se alugar um carro, basta dirigir-se a este ponto e aí poderá contratar um guia. Lembre-se de que não é aconselhável conduzir à noite em Chiapas.
  • Por excursão: também tem a opção de contratar uma excursão de 2 dias a partir de Tuxtla e algumas agências também a vendem a partir de San Cristóbal, embora seja muito mais cara.
Chegar ao Arco del Tiempo é uma aventura por si só. Foto de VisitChiapas.com

Palenque: Zona Arqueológica

O sítio arqueológico de Palenque foi o nosso primeiro contacto com uma cidade Maia e uma das visitas que mais nos impressionou. Se tiver pouco tempo, pode visitar este sítio arqueológico, juntamente com duas impressionantes cascatas no caminho – Agua Azul e Misol-ha – numa excursão de um dia a partir de San Cristóbal.

Palenque, rodeado de vegetação e com a banda sonora dos macacos uivadores. Sentimo-nos como se estivéssemos num filme do Indiana Jones (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

No Randomtrip, para além do sítio arqueológico de Palenque, estávamos também interessados em ir a duas outras impressionantes cidades maias perto de Palenque: Yakchilán e Bonampak. Palenque fica muito longe de San Cristóbal de las Casas, e há que ter em conta a velocidade a que as carrinhas têm de circular devido ao número de lombas na estrada. Neste caso, o que fizemos foi utilizar a excursão, mas não para regressar a San Cristóbal, mas para ficar em Palenque e continuar a explorar a zona e prosseguir o nosso caminho. Contamos-lhe tudo em pormenor no nosso guia de Palenque.

Preço da excursão Palenque + Agua Azul + Misol-Ha: a partir de 700 pesos/pessoa com Paxial Tours. Partida de San Cristóbal às 04:00h e regresso às 23:00h. Pode reservar a excursão com a Paxial quando chegar a San Cristóbal, uma vez que a agência está localizada aqui, no meio do Andador de Guadalupe, ou, se preferir, contacte-os por whasap através dos números +52 967 312 8471 ou +52 961 458 6362.

Atrás da cascata de Misol-Ha (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Quais são as melhores excursões a partir de San Cristóbal de las Casas?

No Randomtrip, se tivéssemos de escolher, em termos de natureza, faríamos, sem dúvida, o Cañón de Sumidero. Se tivéssemos um dia a mais, daríamos prioridade às cascatas de El Chiflón e às Lagoas de Montebello, embora estas últimas, em vez de irem numa excursão (além disso, a excursão chega tarde às lagoas), o ideal seria ficar pelo menos uma noite, por exemplo nas Cabañas Islas de Tziscao. Algo complicado de fazer numa excursão (teria de ver se a agência estaria disposta a ir buscá-lo no regresso da excursão no dia seguinte), mas viável se tiver o seu próprio carro.

De referir que não fomos ao Arco del Tiempo, mas que ficámos com uma vontadinha…

Passeio de barco pelo Cañón de Sumidero (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Finalmente, a nível cultural, conhecer as comunidades de San Juan Chamula e, sobretudo, a Igreja de San Juan Bautista de Chamula e o seu sincretismo religioso parece-nos essencial para conhecer Chiapas de perto e algo único que não poderá ver em mais nenhum lugar do país. O que experimentará no seu interior dificilmente o fará em qualquer outra viagem.

Igreja de San Juan Chaula (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Em qualquer caso, na nossa secção de roteiros , recomendamos-lhe como pode organizar os seus dias, consoante venha a San Cristóbal por um dia, 2, 3, 4 ou 5 dias.

Aviso: A Paxial Tours ajudou-nos a explorar os arredores de Chiapas com as suas excursões, mas todas as opiniões e informações expressas neste post são da nossa responsabilidade.

Chiapas e Coca-Cola: uma relação tóxica

Talvez saiba que o México é o país do mundo que mais consome Coca-Cola, mas sabia que Chiapas (especificamente o município de San Juan Chamula) é, nem mais nem menos, a região do mundo que mais consome Coca-Cola ( 2,25 litros/pessoa por dia, contra a média de 1,7 litros/pessoa por dia em todo o México)?

No município de San Juan Chamula, a Coca-Cola passou de uma simples bebida a algo sagrado, parte das oferendas (por isso vimos tantas garrafas de Coca-Cola junto aos túmulos) e parte dos ritos religiosos sincréticos, onde se veneram santos e virgens cristãs sob cerimónias pré-hispânicas em que até se pratica o xamanismo (algo visível no interior da Igreja de San Juan Bautista em Chamula). A bebida habitualmente utilizada para estes ritos (pox, um destilado de milho e cana-de-açúcar) foi parcialmente substituída pela coca-cola, devido (em teoria) ao impacto negativo do álcool e à sua associação com o demónio.

Garrafa de Coca-Cola sobre uma sepultura durante o Día de Muertos em Romerillo, comunidade de San Juan Chamula (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Além disso, o presidente municipal de San Juan Chamula é, em muitos casos, o mesmo que o distribuidor da Coca-Cola ou alguém próximo do distribuidor e, quando o camião chega, é de enorme responsabilidade quem o distribui porque, afinal, é ele que tem na sua posse o seu bem mais precioso.

Além disso, todos os negócios religiosos, cívicos ou comerciais envolvem a entrega e o consumo de coca-cola. Por exemplo, uma seguidora da Randomtrip que passou algum tempo em Chiapas a colaborar com uma ONG (obrigada Marta!) disse-nos que quando há um conflito entre comunidades indígenas, se as partes não trouxerem coca-cola no dia da mediação, não há resolução.

Caixas de garrafas de Coca-Cola no cemitério de Romerillo. Celebrações do Día de Muertos (Foto de Randomtrip – Todos os direitos reservados).

Para perceber como chegou a este ponto, tem de recuar aos anos 70, quando o governador Luis Echeverría Álvarez decretou a distribuição de terras e a subsequente exploração e colonização da Selva Lacandona e foi aí que a empresa Cola-Cola (mais concretamente a FEMSA, o gigante de alimentos e bebidas que detém os direitos de engarrafar e vender a Coca-Cola em todo o México e em grande parte da América Latina) comprou uma reserva com acesso a uma nascente (em direção à colina de Huitepec, a colina mais alta de Chiapas). Como curiosidade (e para que vá unindo pontos…), a Femsa é uma das empresas mais poderosas do México e um dos antigos CEOs da Coca-Cola no México, Vicente Fox, foi presidente do país de 2000 a 2006…

Em comunidades com tão poucos recursos e infra-estruturas e com tão pouco acesso a água potável de qualidade como as de San Juan Chamula, a entrada destas empresas levou à abertura de estradas que ligavam as aldeias e, entretanto, distribuíram muita e muita Coca-Cola. Foi apenas uma questão de tempo até que a Coca-Cola se tornasse sagrada e parte da sua identidade coletiva.

Cemitério de Romerillo. Día de Muertos (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Esta exploração das terras pela Coca-Cola provocou também a contaminação das águas em redor de San Cristóbal de las Casas. A água contaminada das nascentes a que a empresa tem acesso, juntamente com as águas residuais utilizadas para a irrigação, tem tido este grave efeito em San Cristóbal com bactérias.

A fábrica de engarrafamento da Coca-Cola perto de San Cristóbal de las Casas contaminou a água e piorou a saúde das comunidades. Arte de rua que vimos em San Cristóbal de las Casas (Foto de Randomtrip – Todos os direitos reservados).

De facto, nos alojamentos há frequentemente avisos para não beber água da torneira em circunstância alguma e para escolher onde comer na cidade, uma vez que as bactérias da falta de higiene nesta cidade são aumentadas pela falta de qualidade da água.

A verdade é que no Randomtrip, apesar de ter tentado ser cuidadoso, o Chris caiu por causa de uns irresistíveis tacos e cubos de gelo. Nada que, com uma alimentação cuidada e muita hidratação, não passe num par de dias. Pode tomar probióticos como a kombucha , que ajuda a proteger a flora intestinal, ou uma infusão de chilchahua, uma planta que pode comprar no mercado.

A fábrica de engarrafamento de Coca-Cola da Femsa continua a ter licenças para extrair 419.774,3 metros cúbicos de água por ano (1.150.065,75 litros por dia) como parte de um contrato de décadas com o governo federal que é excessivamente favorável aos proprietários da fábrica. Entretanto, a água continua a ser poluída.

A Coca-Cola é tão importante que até é dada aos bebés desde tenra idade. Arte de rua que vimos em San Cristóbal de las Casas (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Como consequência, para além da escassez de água potável que leva muitos habitantes a hidratarem-se com Coca-Cola, mais facilmente disponível do que a água potável e a um preço semelhante ou mesmo mais barato do que a água engarrafada, a diabetes e as cáries dentárias multiplicam-se nestas comunidades.

O vício e a normalização do consumo diário de Coca-Cola é tal, que nos disseram que até é dada aos bebés desde a mais tenra idade.

Onde ficar em San Cristóbal de las Casas

A verdade é que todo o centro de San Cristóbal de las Casas é ideal para ficar e uma óptima base para explorar a cidade e os seus arredores. No Randomtrip ficámos num apartamento numa rua paralela ao Andador de Guadalupe (Calle Real de Guadalupe), perto de muitos restaurantes, bares, música de rua e animação em geral, e pensamos que é a melhor opção se puder ficar perto desta rua.

Há uma grande variedade de alojamentos disponíveis em San Cristóbal de las Casas, aqui sugerimos alguns alojamentos com todas as gamas de preços, todos com excelentes críticas, e no andador guadalupano ou muito perto dele (tenha em mente que os preços variam de acordo com a época):

  • Hostal Ikal: a partir de 8€/noite em beliche ou a partir de 20€/noite em quarto duplo
Hostal Ikal. Foto de Booking
Yox Hotel Boutique. Foto de Booking
  • Casa Cafeólogo: a partir de 58€/noite para uma suite para um máximo de 5 pessoas
  • Casa Lum: a partir de 126€/noite para um quarto duplo
Casa Lum. Foto de Booking

Não é o que está à procura? Encontre mais alojamento em San Cristobal de las Casas aqui.

Restaurantes recomendados em San Cristóbal de las Casas

Antes de recomendar restaurantes específicos, recomendamos-lhe algo que deve provar na sua viagem. Por un lado o Pox (pronuncia-se posh, remédio, em tzotzil), uma aguardente feita de milho (embora em muitos locais já a façam com cana-de-açúcar) que costumava ser usado cerimonialmente nas aldeias maias. Por outro, o Pozol, uma bebida espessa feita de cacau e milho. A comida mais típica que pode provar nesta região é o mole chiapaneco, os tamales chiapanecos, a sopa de pan, o caldo ou sopa de chipilín e o cochito horneado.

Para restaurantes específicos, aqui ficam as nossas recomendações e os preços que pagámos nos que experimentámos):

  • Taqueria El Charrito: os melhores tacos de cochinita que experimentámos em San Cristobal (6 tacos e uma coca-cola, 100 pesos – cerca de 5 euros).
  • Taniperla: gastronomia da selva Lacandona e música ao vivo, adorámos a comida, o serviço, tudo (dois pratos de quesadillas e duas cervejas, 385 pesos, cerca de 20 euros).
  • Belil Sabores de Chiapas: aqui provámos o pozol, a sopa de pão e o mole chiapaneco, todos deliciosos (dois menus de degustação, uma cerveja e um pozol 550 pesos, cerca de 30 euros).
  • La Lupe: tomámos aqui o pequeno-almoço algumas vezes e jantámos uns tacos muito bons (dois pequenos-almoços – com pão, café, etc.) 170 pesos, cerca de 8 euros; ao jantar, dois pratos e duas cervejas 376 pesos, cerca de 20 euros).
  • Sarajevo Café Jardín: não é muito local, mas tem um menu do dia por 120 pesos com sopa, prato principal e água do dia, que adorámos e repetimos várias vezes. Além disso, o espaço é, atrevemo-no a dizer, um dos mais simpáticos de SanCris.
  • Tierra y Cielo: o melhor restaurante que fomos durante a nossa estadia em SanCris, com uma chef de renome premiado. Local delicioso e mais chique (é melhor reservar), e também preços mais caros (pedimos várias coisas para experimentar (tacos al pastor, tamal, quesadillitas e mole coleto), 2 copos de vinho (165 pesos cada), 1 água com gás e o pan de muerto especial de sobremesa, e pagámos 1419 pesos, cerca de 75€).
  • Cocoliche: restaurante com comida um pouco mais ocidental, e muitos dias com música ao vivo. Pedimos 2 pratos, 1 copo de vinho e 1 água com gás e pagámos 463 pesos, cerca de 25 euros.
  • Fogón de Jovel: um dos restaurantes mais famosos para experimentar a gastronomia típica chiapaneca, mas acabámos por não ir (é melhor reservar).
  • Las Pichanchas, ideal para saborear a gastronomia típica, como o mole, a sopa de pão, o asado coleto, a sopa de chipilín e os empanados ou chiles de relleno. Também tem danças típicas à noite (é melhor reservar com antecedência).
  • Yo’o Moc: dizem que os melhores tamales de SanCris estão nesta tamalería. Yo’o Moc significa tamale de milho em Zoque (há tamales cobertos com mole e com açafrão).
  • Ciao Coleto: sabores chiapanecos e internacionais
  • Plaza Libertad: espaço cultural com um terraço e uma galeria de arte, pizzaria, cervejas artesanais e cocktails.
  • Esquina San Agustín: no meio do andador del Carmen, mais chique e 100% destinado a pessoas “cool” e 0% a locais (é assim que as coisas são), aqui encontra restaurantes internacionais diferentes, modernos e bons, bem como cozinha local. Experimentámos o Mazorca, com gastronomia local, onde pedimos 2 pratos e 2 margaritas e pagámos 517 pesos (cerca de 27€).
Uma catrina a beber uma margarita na Esquina de San Agustin (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).
  • Cacao Nativa: para além de provar os seus chocolates, aqui pode comer o melhor pão do bairro de San Ramón.
  • Cafeología: Tem de provar o café em Chiapas (é uma zona de cultivo de café, 60% do café do México é produzido aqui) e foi aqui que bebemos um dos melhores expressos que provámos em SanCris. O preço é de ouro (comparado com os outros da cidade), pois custa 45 pesos por expresso (mais gorjeta), cerca de 2,40€.
Alguns dos melhores expressos que bebemos em SanCris foram aqui (mas também paga-se por isso…) (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).
Neste caso, não era um carajillo, era um expresso (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).
  • A Mezcalería La Surreal e as suas famosas botanas (tapas que acompanham as bebidas e que ficam cada vez melhores consoante a quantidade que pedir). Pedimos 6 cervejas (cada uma com a sua correspondente tapa gratuita a acompanhar) e pagámos 230 pesos, cerca de 12 euros.
Vale a pena ler a definição e a função das “Botanas” (Fotografia de Randomtrip. Todos os direitos reservados).
  • La Viña de Baco: um dos sítios com melhor relação qualidade/preço para tomar um copo de vinho no andador guadalupano e, talvez por isso, está sempre cheio. Pedimos 3 copos de vinho e pagámos 100 pesos (cerca de 5 euros).
  • Bandera Negra: bar de heavy metal se quiser fugir ao reggaeton da maioria dos locais.
  • Café Bar La Revolución: música ao vivo e muita salsa
  • La Poshería: um lugar de SanCris para provar o pox/posh, em pleno Andador de Guadalupe, embora, aparentemente, este pox seja feito principalmente de cana-de-açúcar, e não de milho como o tradicional, por isso, embora recomendemos que o prove, tanto pelo sabor como pelo projeto que está por detrás dele, também lhe recomendamos que vá a La Espirituosa, de que lhe falaremos a seguir.
  • La Espirituosa: se quiser experimentar Pox/Posh, este é o sítio certo. Pox/Posh significa remédio em tzotzil e costumava ser usado cerimonialmente nas aldeias maias. Hoje em dia, nas comunidades de San Juan Chamula, ainda é comum ver uma garrafa de Posh juntamente com uma garrafa de Coca-Cola nos seus ritos cerimoniais. Atrás de La Espirituosa existe um projeto chamado Poxna, que é o Posh que pode provar em Chiapas, uma vez que recuperaram o processo de fermentação (com milho) e não com cana-de-açúcar. Disseram-nos que a poxna é bebida por 3 razões: cerimonial, festiva e medicinal. Em La Espirituosa provámos o posh natural (70% milho), o posh destilado com flor de hibisco, que é muito suave, e o posh destilado com cacau (mais denso e intenso). Para além disso, a simpática Sofi, a mulher por detrás do projeto que começou há 13 anos, também dá aulas de culinária na Chiapaneca, chamadas Cooking with Sofi. Pode saber mais sobre o projeto Poxna aqui.
Sofi, a mulher por detrás do projeto Poxna (Fotografia de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Se preferir, pode reservar uma aula de culinária mexicana aqui

Roteiros por San Cristóbal de las Casas e arredores

Como indicámos no início deste guia, SanCris tem muito para ver e oferecer, especialmente nos seus arredores, pelo que o ideal é que lhe possa dedicar 7 dias (uma semana). Como nem sempre dispõe de tanto tempo, aqui ficam algumas sugestões de roteiros baseadas na nossa experiência.

O que visitar e fazer em San Cristóbal de las Casas em um dia

Se só tem um dia inteiro, vai ter pouco tempo! Recomendamos-lhe que o passe a conhecer e a desfrutar de SanCris ou que dedique parte do dia ao Cañón de Sumidero, que na nossa opinião é uma das paisagens mais impressionantes da zona.

Opção 1: um dia em San Cristóbal de las Casas

  • Tome o pequeno-almoço num dos locais que lhe recomendamos para provar o café de Chiapas.
  • Às 10h00, faça a visita guiada gratuita, que parte da Plaza de la Paz, tem uma duração aproximada de 2 horas e dá-lhe uma visão geral de SanCris e permite-lhe ver alguns dos pontos de interesse.
  • Coma num dos nossos restaurantes recomendados
  • À tarde, passeie pelos passeios marítimos e visite alguns dos museus que mais lhe interessam (como o Na Bolom).

Opção 2: Cañón de Sumidero e San Cristobal de las Casas

  • Tome o pequeno-almoço num dos locais que lhe recomendamos para provar o café de Chiapas.
  • Procure uma excursão que o leve ao Cañón de Sumidero logo de manhã, sem os miradouros (se quiser ter algum tempo para SanCris), para tentar estar de volta às 14:00.
  • Coma num dos nossos restaurantes recomendados
  • À tarde, pode fazer a visita livre mencionada na opção 1 às 16:00, mas apenas em inglês.
  • Passeie pelos passadiços e desfrute da atmosfera de SanCris.

O que visitar e fazer em San Cristóbal de las Casas em 2 ou 3 dias (um fim de semana)

Acreditamos que 3 dias deve ser o tempo mínimo que deve passar em San Cris e arredores, para desfrutar desta cidade mágica e fazer alguns passeios interessantes. Aqui está uma sugestão de roteiro (pode alterar a ordem dos dias).

Roteiro de 3 dias em San Cristóbal de las Casas:

  • Dia 1: Visita ao Cañón de Sumidero (com miradouros e Chiapa de Corzo) durante o dia, desfrute de SanCris à noite.
  • Dia 2: Desfrutar de SanCris (opção 1 da secção anterior)
  • Dia 3: Visita às comunidades indígenas (San Juan Chamula e Zinacantán) de manhã, desfrute de SanCris à tarde.

Incluímos as duas excursões que consideramos mais impressionantes/interessantes, mas pode trocar os dias 1 e 3 por outras excursões que lhe interessem mais.

O que visitar e fazer em San Cristóbal de las Casas em 4 ou 5 dias

Com 4 ou 5 dias, pode conhecer melhor a zona de SanCris e ficar com uma boa ideia, se aproveitar ao máximo os seus dias. Aqui tem uma sugestão de roteiro.

Roteiro de 5 dias em San Cristóbal de las Casas:

  • Dia 1: Visita ao Cañón de Sumidero (com miradouros e Chiapa de Corzo) durante o dia, desfrute de SanCris à noite.
  • Dia 2: Desfrutar de SanCris (opção 1 do primeiro parágrafo)
  • Dia 3: Excursão às cascatas de El Chiflón e às lagoas de Montebello
  • Dia 4: Visita às comunidades indígenas (San Juan Chamula e Zinacantán) de manhã, desfrute de SanCris à tarde.
  • Dia 5: Visita ao Comitán de Domínguez e desfrute de SanCris à tarde/noite

O que visitar e fazer em San Cristóbal de las Casas em 6 ou 7 dias

Consideramos que uma semana é a número ideal de dias para visitar San Cristóbal de las Casas à sua vontade, deixando tempo para se divertir. Eis uma sugestão de roteiro

Roteiro de 7 dias (uma semana) em San Cristóbal de las Casas:

  • Dia 1: Desfrutar de SanCris (opção 1 da primeira secção)
  • Dia 2: Visita ao Cañón de Sumidero (com miradouros e Chiapa de Corzo) durante o dia, desfrute de SanCris à noite.
  • Dia 3: Desfrutar de SanCris (ver coisas para as quais não teve tempo no dia 1)
  • Dia 4: Excursão às cascatas de El Chiflón e às lagoas de Montebello
  • Dia 5: Visita às comunidades indígenas (San Juan Chamula e Zinacantán) de manhã, desfrute de SanCris à tarde.
  • Dia 6: Visita ao Comitán de Domínguez e desfrute de SanCris à tarde/noite
  • Dia 7: outra excursão à sua escolha (Grutas, Amatenango…) ou continue a desfrutar de SanCris.

Se tiver uma semana e o seu próprio carro (ou se alugar um), também é uma boa ideia fazer uma rota dormindo em vários sítios para explorar à vontade, em vez de fazer excursões de ida e volta. Por exemplo, pode dormir uma noite em Tuxtla (e a partir daí visitar o Cañón de Sumidero), 2-3 noites em SanCris (para conhecer a cidade e a partir daí visitar as comunidades indígenas), 1-2 noites em Comitán (para conhecer outra cidade mágica e visitar as cascatas de El Chifón com mais tempo), e 1 noite perto das Lagoas Montebello para ter tempo para as apreciar e evitar horas de condução).

Transportes: como deslocar-se em San Cristóbal de las Casas

Na cidade de San Cristóbal de las Casas, o ideal é passear muito e conhecê-la a pé. É verdade que apanhámos táxis tanto para ir da estação de autocarros (onde nos deixou o autocarro que nos trouxe do aeroporto de Tuxtla) para o centro da cidade, como noutra ocasião para nos deslocarmos à noite, e não tivemos problemas. Recomenda-se também a utilização de táxis autorizados (nas praças de táxis) ou de táxis encomendados (pode perguntar no seu hotel/alojamento).

Como mencionámos no guia, preferimos fazê-lo através de excursões porque, quando visitámos Chiapas, não recomendavam conduzir/alugar um carro na zona por razões de segurança, especialmente depois do anoitecer.

Como ir do aeroporto de Tuxtla para San Cristóbal de las Casas

Do aeroporto de Tuxtla Gutierrez, saem vans (vans partilhadas), quando cheias, diretamente para San Cristobal, por 240 pesos por pessoa. A viagem dura cerca de 1h30 e será deixado no terminal de autocarros de San Cristobal ou nas proximidades (dependendo da empresa de autocarros), onde estarão à sua espera táxis que o levarão ao seu alojamento (50 pesos por táxi). Também pode apanhar um táxi diretamente do aeroporto para o seu alojamento (o preço é de cerca de 1000 pesos, mas se conseguir juntar 4 pessoas é mais económico).

Tanto para as combis como para os táxis, assim que sair da sala de recolha de bagagens do aeroporto, verá as cabinas oficiais onde deve comprar os seus bilhetes.

Cores pastel de SanCris (Fotografia de Randomtrip – Todos os direitos reservados).

Como ter internet em San Cristóbal de las Casas

Para ter sempre Internet no seu smartphone, a forma mais fácil e cómoda (se o seu telemóvel suportar eSIM) é comprar um cartão eSIM na Holafly, que tem dados ilimitados (obtém um desconto de 5% com o código RANDOMTRIP).

A outra opção, mais económica mas mais complicada, é comprar um cartão SIM local, que recomendamos que seja da Telcel (a principal empresa de telecomunicações do México, com maior cobertura no país).

Mais informações sobre como obter o seu cartão SIM ou eSIM no México neste guía específico só sobre isto.

É importante notar que, em geral, tanto em San Cristóbal de las Casas como noutras zonas de Chiapas, a rede móvel funciona bastante mal: terá 4G/5G em muitos locais, mas a rede é instável. O bom é que a maior parte dos locais (alojamentos, cafés, restaurantes, etc.) têm uma boa rede wifi, por isso, se quiser poupar o máximo possível, pode simplesmente utilizar a rede wifi quando estiver disponível e precisar dela.

Nesta publicação, detalhamos tudo o que precisa de saber para ter Internet no seu smartphone:

Segurança: É seguro viajar por San Cristóbal de las Casas?

Sim! Embora possa ter lido sobre a instabilidade política na região e que Chiapas se tornou mais conhecida internacionalmente pela revolução Zapatista nos anos 90, visitar a cidade de San Cristóbal de las Casas é totalmente seguro e não só não tivemos qualquer percalço em todos os dias que lá passámos, como nos sentimos muito confortáveis e só podemos recomendar a visita. Claro que usámos sempre o bom senso, não transportámos objetos de valor na rua (embora não nos tenhamos impedido de usar os nossos telemóveis ou máquinas fotográficas sempre que quisemos, guardando-os quando não os estávamos a usar) e evitámos fazer deslocações de noite (embora tenhamos apanhado alguns táxis pela cidade à noite sem qualquer problema).

Viver a noite do Día de Muertos em San Cristóbal de las Casas foi algo muito especial que não esqueceremos (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Em todo o caso, quando for visitar San Cristóbal, informe-se sobre a situação atual, para saber se é aconselhável ir sozinho ou não, quais as zonas que não valem a pena visitar, etc.

Tendo em conta que, quando a visitámos, havia zonas de conflito em algumas partes do estado de Chiapas e postos de controlo da polícia (especialmente na estrada para Ocosingo) e das comunidades indígenas (para exigir alguns pesos), não recomendavam conduzir à noite. Como estava a escurecer cedo, por volta das 18:00h, descartámos a opção de alugar um carro para nos deslocarmos livremente (como gostamos de fazer) e preferimos visitar os arredores através de excursões. Acabou por ser uma boa escolha devido à informação que recebemos dos guias e pudemos conhecer bastante em cada dia.

El Chiflón, um dos paraísos nos arredores de San Cristóbal de las Casas (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados)

Se a situação tiver melhorado quando lá chegar e decidir alugar um carro, pode fazê-lo diretamente no aeroporto de Tuxtla Gutierrez para poupar nos transferes.

De qualquer forma, temos sempre o nosso seguro de viagem Iati (que também cobre os nossos pertences) como em todas as nossas viagens e dá-nos mais tranquilidade. Se fizer o seu seguro de viagem através deste link da Randomtrip, terá um desconto de 5%.

Dinheiro em SanCris: evite pagar comissões

Para pagar e levantar dinheiro no México minimizando as taxas, recomendamos os 2 cartões que utilizamos nas nossas viagens:

  • Revolut: com a versão gratuita, até 1000 euros sem comissão nos pagamentos com cartão (lembre-se de pagar sempre na moeda local – pesos mexicanos). Até 200 euros de levantamentos em caixas multibanco sem comissão; a partir daí, há uma comissão de 1%.
  • N26: com a versão gratuita, pode pagar com o seu cartão sem comissões sem limite. Para os levantamentos em caixas multibanco, é cobrada uma comissão de 1,7%, a qual pode eliminar pagando os planos mensais You (9,99 euros/mês, o que utilizamos) ou Metal (16,99 euros/mês).

É importante notar que, embora o seu cartão não cobre uma taxa pelos levantamentos nas caixas multibanco (ATM), as caixas multibanco no México cobram uma taxa pelos levantamentos. Os que cobram menos são o Banamex (47 pesos, 2,5 euros) e o Banco Santander (34 pesos, 1,8 euros), por isso tente levantar o máximo dinheiro possível de cada vez para poupar dinheiro.

Outra questão importante quando se levanta dinheiro de uma caixa multibanco no México: muitas vezes a caixa multibanco pergunta-lhe se quer que a transação seja feita na moeda local (pesos mexicanos) ou na sua moeda (no nosso caso, euros): escolha sempre a opção da moeda local, caso contrário, aplicará uma taxa de câmbio desfavorável e estará a pagar mais (como uma comissão oculta).

O mesmo se aplica aos pagamentos com cartão (embora a opção quase nunca apareça, em 2 ou 3 ocasiões, ao pagar com cartão em estabelecimentos, foi-nos apresentado um montante em euros em vez de pesos). Se isto lhe acontecer, peça à pessoa para lhe cobrar em pesos mexicanos.

Por último, alguns estabelecimentos cobram uma comissão suplementar pelo pagamento com cartão (das vezes que nos aconteceu, foi de 5%), avisam-no sempre com antecedência e, caso não avisem, verá ao confirmar o montante. Nestes casos, é preferível pagar em dinheiro.

Recomendamos que adquira os dois cartões para a sua viagem ao México e que tente pagar com cartão sempre que possível e quando não houver comissão do próprio estabelecimento comercial.

No nosso caso, levantámos dinheiro algumas vezes no Banco Santander (no Zócalo), que cobrava 34 pesos por levantamento (quando levantar dinheiro, tente levantar o máximo que puder/quiser, pois a comissão é a mesma independentemente do montante) e tentámos pagar sempre que possível (e quando não cobravam comissão extra) com cartão.

O Banco Santander está localizado na Plaza 31 de Marzo, em San Cristóbal de las Casas (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Quanto custa uma viagem a San Cristóbal de las Casas?

É muito difícil dar um orçamento genérico pois depende muito do seu tipo de viagem: quantas excursões quer fazer, se vai a restaurantes ou se vai cozinhar no alojamento para poupar dinheiro, o tipo de alojamento onde vai ficar… Em todo o caso, para lhe dar uma ideia, eis os preços médios e o que consideramos ser o preço médio por dia (reiteramos que estes são preços ORIENTATIVOS e que podem mudar a qualquer momento):

  • Voos: Os voos mais baratos são normalmente para Cancún (a partir de 600 euros). A partir daí, pode encontrar voos para Tuxtla a partir de 45 euros (sem bagagem). Utilize sítios de comparação de voos como o Skyscanner e o Kiwi para encontrar o melhor preço.
  • Transportes: Dentro da cidade, em princípio, não precisa de pagar transportes, pois pode ir a pé para todo o lado. Se precisar de um táxi, este custa normalmente 50 pesos por trajeto (2-3 euros).
  • Alojamento: a partir de 40 euros/noite para um quarto com casa de banho privativa ou um pequeno apartamento autossuficiente. Encontre alojamento de todos os tipos e preços no Booking, com até 15% de desconto.
  • Restaurantes: uma multiplicidade de opções de 3 a 25 euros por pessoa, para todos os gostos.
  • Excursões/Preços: A não ser que conduza o seu próprio carro, as excursões são a melhor forma de ver a área circundante. A maioria das excursões custa entre 300 e 500 pesos por pessoa (entre 15 e 25 euros).

No total, uma viagem de fim de semana (2 noites) a San Cristóbal de las Casas pode custar entre 50 e 75 euros por pessoa e por dia (sem contar com os voos do estrangeiro), com as opções de alojamento mais baratas, comendo em restaurantes baratos e fazendo 2 excursões.

Inês em modo La Patrona da Randomtrip (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados)

Apps úteis para a sua viagem a San Cristóbal de las Casas

  • Google Maps (Android/iOS): é aquele que utilizamos para guardar/classificar todos os locais onde queremos ir/onde já estivemos e como GPS para nos orientarmos na cidade ou se alugarmos um carro. Além disso, pode ver as opiniões de outras pessoas sobre os locais, fotografias, menus de restaurantes, números de telefone para os contactar, etc. Também pode abrir o nosso mapa com todos os locais incluídos neste guia.
  • Maps.me (Android/iOS): aplicação semelhante ao Google Maps, mas funciona offline (embora o Google Maps também possa funcionar offline, este funciona melhor) e, em muitos casos, tem informações que o Google Maps não tem.
  • Windy (Android/iOS/Web): aplicação essencial para as nossas viagens. Permite-lhe ver as previsões de chuva, nuvens, vento, etc. para o ajudar a planear os seus dias com base no tempo (pois há locais que perdem muito em função do tempo). Obviamente que as previsões não são 100% fiáveis.
O quiosque no zocalo de San Cristóbal de las Casas vestido para as celebrações do Día de Muertos com uma catrina de metal no centro (Fotografia de Randomtrip. Todos os direitos reservados).

Dicas para desfrutar de San Cristóbal de las Casas e causar o mínimo impacto negativo possível

  • Se viajar para Chiapas para o Día de Muertos, aja o mais respeitosamente possível. Se quiser tirar uma fotografia no cemitério, peça autorização (não são permitidas fotografias e vídeos dentro de alguns templos).
  • Peça autorização antes de tirar uma fotografia a alguém, é uma questão de respeito e gentileza.
  • Não seja cúmplice de maus tratos a animais: não vá ou pague por qualquer atração em que os animais sejam mantidos em cativeiro e/ou utilizados para entretenimento humano.
  • Respeite as outras pessoas: não ponha a sua música alta, apanhe o seu lixo, não deite beatas, etc. Deixe o local melhor do que o encontrou.
  • Viaje sempre com um seguro de viagem: despesas médicas, roubo ou problemas com o seu avião durante uma viagem podem custar-lhe muito dinheiro, por isso o ideal é fazer um seguro de viagem. No Randomtrip utilizamos sempre a IATI e recomendamo-la. Se subscrever o seu seguro através deste link tem um desconto de 5%.
Inês em modo catrina. San Cristóbal de las Casas (Foto de Randomtrip. Todos os direitos reservados)

Checklist: o que deve levar na sua mochila/mala para San Cristóbal de las Casas

Eis uma lista de artigos indispensáveis que não pode esquecer de levar na sua viagem:

  • Adaptador de tomada internacional, uma vez que utilizam fichas do tipo A
  • Uma garrafa como esta para transportar água consigo em todas as ocasiões. Evitará utilizar plástico de utilização única.
  • Câmara para registar as aventuras na cidade. No Randomtrip, levámos uma Sony ZV-E10 e uma Gopro Hero12 Black (para imagens subaquáticas).
  • Power bank: com tantas fotos vai gastar muita bateria, por isso é sempre uma boa ideia levar um bom power bank consigo. No Randomtrip viajámos com estes 2 (Xiaomi e Anker), que nos permitem carregar tanto os nossos smartphones como a nossa câmara.
  • Estojo de primeiros socorros: no nosso estojo de primeiros socorros, levamos sempre um medicamento contra o enjoo (como a biodramina para o enjoo nos barcos), antibióticos, antidiarreicos (e um probiótico para recuperar mais rapidamente), anti-histamínicos, analgésicos e antipiréticos e, claro, um seguro de viagem. Se subscrever o seu seguro através deste link, terá um desconto de 5%.
Até breve, SanCris! (Fotografia de Randomtrip. Todos os direitos reservados)

Obrigado SanCris! Vai visitar San Cristóbal de las Casas em breve? Tem alguma pergunta? Lêmo-la nos comentários!

Todas as fotografias e conteúdos são da autoria do Randomtrip (exceto aqueles que expressam claramente a sua fonte) e têm todos os direitos reservados.

Disclaimer: este guia contém links de afiliados e, ao usá-los, estará a dar uma pequena comissão ao Randomtrip. A si não lhe custa nada, por vezes até ganha um desconto, mas a nós motiva-nos para continuar a criar guias gratuitos tão completos como o que acabou de ler.

Gostou do nosso guia? Pode poupar e apoiar o nosso trabalho!

Se o nosso guia foi uma boa ajuda para a sua viagem, pode apoiar este projeto e poupar nas suas reservas usando os seguintes links:

  • 5% de desconto no seu seguro de viagens com a IATI
  • Até 15% de desconto na Booking.com
  • Alugue um carro ao melhor preço com DiscoverCars
  • Reserve os seus tours com antecedência e não fique sem lugar com a Civitatis
  • Encontre voos baratos no Skyscanner e na Kiwi
  • Não fique sem internet na sua viagem com os cartões SIM da Holafly até 5% de desconto (usando o código RANDOMTRIP)
  • Faça os cartões Revolut e N26, com os quais pode levantar dinheiro sem comissões em multibancos de todo o mundo

Para além disso, se quiser contribuir para a nossa criação de guias de viagem completos e gratuitos como este, existe outra forma de apoiar o nosso projeto: pode fazer um donativo (com Paypal ou cartão) e convidar-nos a um pequeno-almoço (5€), uma refeição de street food (10€) ou um jantar no destino que estamos a explorar (20€) que depois recomendaremos no guia do destino. Ou pode também fazer um donativo pelo valor que desejar. Mais info aqui

Muito obrigada pelo seu apoio, Randomtripper! Vemo-nos pelo Mundo!

5/5 - (3 votes)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *